Dona de agência fecha delação, e Pimentel, o petista com o 2º cargo mais importante no país, pode ser tragado

Dona da agência Pepper pode ainda deixar Dilma numa situação um pouco mais difícil; Andrade Gutierrez disse em delação ter usado empresa para pagar propina ao PT

Xiii… As nuvens da tempestade se adensam um pouco mais lá pelas bandas do Palácio do Planalto. E estabelecem uma conexão com outro palácio, o da Liberdade, em Belo Horizonte, sede do governo de Minas. O que os une, para o provável mal de ambos, é uma agência de publicidade, a Pepper. A dona da empresa, a publicitária Danielle Fonteles, informa a Folha, fechou acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal no âmbito da Operação Acrônimo. É muito provável que o escândalo engolfe de vez o governador de Estado, o petista Fernando Pimentel, e torne ainda mais apimentada a vida de Dilma.

Antes que avance, algumas considerações. Dilma e Pimentel! Eis aí uma relação antiga, para quem não sabe. Ele foi aluno da Escolinha de Marxismo da Professora Dilma quando ainda era um adolescente. Acabou ingressando em seu grupo político, o Colina (Comando de Libertação Nacional), que tinha sua base principal em Belo Horizonte. Mais tarde, o Colina se fundiu com a VPR (Vanguarda Popular Revolucionária), liderada por Carlos Lamarca, dando origem à VAR-Palmares. O então marido de Dilma, um dos chefes da organização, despachou Pimentel para Porto Alegre. Lamarca não gostou da “holding” e decidiu desfazê-la, refundando a VPR, e Pimentel preferiu segui-lo.

Foi como seguidor do militar desertor e ladrão de armas que o agora governador e ex-ministro “consultor” assaltou o carro pagador de um banco e tentou sequestrar o cônsul americano, que se safou, saindo ferido, com um tiro no ombro. Consta que Dilma nunca pegou num berro. Pimentel já. Se esquerdistas não querem acreditar em mim, acreditem em Jacob Gorender, historiador de esquerda e autor do livro “Combate nas Trevas”. É lá que ele afirma que o Colina, o primeiro grupo a que Dilma e Pimentel pertenceram, foi um dos poucos a fazer a defesa aberta e inequívoca do terrorismo.

Pronto. Encerrada a sessão “Teu Passado Te Condena”, voltemos ao presente. A Operação Acrônimo investiga desvio de dinheiro público para campanhas do PT — tanto em Minas como federal. A Pepper produz material de Internet para o partido.

Segundo apuração da Folha, a dona da agência se mostrou disposta a implicar Pimentel e o empresário Benedito Rodrigues Oliveira Neto, o Bené, em falcatruas. Mas a bandalheira atingiria também o governo federal. Pimentel e Bené já são investigados. E qual é o busílis? O de sempre: a Pepper teria sido usada apenas como intermediária na transferência do bom e velho dinheiro público para o PT. Vocês conhecem essa história?

A Operação Acrônimo se cruza com a Lava Jato. Em sua delação, a Andrade Gutierrez contou ter transferido R$ 6 milhões para a Pepper por meio de um contrato fictício. Segundo a empreiteira, era dinheiro para o… PT. Também a OAS estaria disposta a revelar ter pagado dívida de campanha de Dilma por meio da agência.

Vejam que coisa: a Operação Acrônimo foi deflagrada em 2015 para apurar possíveis irregularidades na campanha do PT ao governo de Minas. Tudo começou no dia 7 de outubro de 2014, quando a Polícia Federal apreendeu, em Brasília, R$ 114 mil em dinheiro vivo num avião oriundo de Belo Horizonte.

Na aeronave, estava Bené, amigão de Pimental e espécie de caixa de sua campanha. Em 2010, ele já tinha sido personagem de outro escândalo: participou do grupo que montou um bunker para produzir dossiês falsos contra adversários. Sabem quem liderava a turma? Pimentel, que era então coordenador da campanha de Dilma. Revelada a safadeza, ele se afastou da disputa. O empresário é dono de empreendimentos que mantêm negócios multimilionários com o governo federal.

O escândalo, que é político, também assume coloração, vamos dizer, doméstica: há a suspeita de que a mulher de Pimentel, Carolina Oliveira, seja sócia oculta da Pepper.

Vamos ver o que a delação vai esclarecer. Os petistas não precisam se queixar de uma vida pacata, não é mesmo?

Se Pimentel se enrolar de vez, corre também o risco de perder o mandato. Depois de Dilma, ele é o petista a ocupar o cargo mais importante da República.

É um vexame sem fim.

Texto publicado originalmente às 5h03
Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s