Dilma e o PT perdem, o Brasil ganha, e o Senado aprova proposta de Serra sobre o pré-sal

Texto põe fim à obrigatoriedade de a Petrobras ser a operadora dos blocos, com participação de 30%

É quase uma regra. Quando o PT e o governo perdem, o Brasil ganha. Por 40 votos a 26 e 2 abstenções, o Senado aprovou projeto de José Serra (PSDB-SP) que pôs fim à obrigatoriedade de a Petrobras ser a operadora dos blocos do pré-sal, com participação mínima de 30%.

Atenção! À diferença do que andou dizendo a esquerda xucra, a Petrobras não perde nada. Ela terá a primazia de ser a operadora, mas poderá abrir mão dela caso não disponha dos recursos. Obviamente, é a coisa mais inteligente a fazer. Especialmente quando a estatal vive o pior momento de sua história.

Agora notem: por incrível que pareça, por mais estupefaciente que seja, um governo que diz estar disposto a fazer reformas, que afirma querer atrair investimentos, que se diz aberto a mudanças, esse mesmo governo, por pura tacanhice ideológica, por simples preconceito, o mais estúpido, era contra a proposta.

Os ministros Jaques Wagner (Casa Civil) e Ricardo Berzoni (Secretaria do Governo), atendendo a uma orientação da presidente Dilma Rousseff, trabalharam arduamente para tentar derrubar o texto.

A bancada do PT e outros satélites de esquerda esbravejaram. Lindbergh Farias (RJ), com aquela clarividência habitual, afirmou: “Estamos querendo entregar o pré-sal a preço de banana para as multinacionais”. É uma observação de vários modos cretina.

Hoje em dia, a se considerar as dificuldades para tirar o petróleo das profundezas, o custo que isso representa e o preço mixuruca do barril, melhor apostar na banana, que há muito tempo não tem mais… preço de banana!

É incrível que o senador que pertence ao partido que levou a Petrobras à lona; que privatizou, no interesse da própria legenda e de alguns larápios, o bem público; que lidou com o patrimônio dos brasileiros como se fosse o fundo do seu quintal… Bem, é incrível que seja o senador desse partido a posar de defensor das nossas riquezas.

De resto, o petróleo, enterrado nas profundezas, serve para quê? Para encher de orgulho o senador Lindbergh e a presidente Dilma Rousseff?

O governo deveria é rezar para que alguma empresa se interesse pelo pré-sal. Dado o preço atual, tirar um barril de petróleo lá dos cafundós é muito mais caro do que ir à compras. A operação dá é prejuízo.

Quando o governo viu que iria perder, soltou as rédeas. E Lindbergh ficou choramingando, dizendo-se abandonado numa “questão estratégica”.

Lindbergh acha estratégico deixar o petróleo enterrado no quinto dos infernos.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s