DILMA, “A CATÓLICA”, COMPARA O ABORTO A ARRANCAR UM DENTE

Sim, claro, claro. Vão dizer que estou com má vontade. Mas as palavras fazem sentido. E eu gosto do sentido das palavras. A pré-candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, foi indagada hoje, depois de uma missa (!!!), se era favorável ou contrária à descriminação do aborto. E deu a seguinte resposta: “Não é uma […]

Sim, claro, claro. Vão dizer que estou com má vontade. Mas as palavras fazem sentido. E eu gosto do sentido das palavras. A pré-candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, foi indagada hoje, depois de uma missa (!!!), se era favorável ou contrária à descriminação do aborto. E deu a seguinte resposta:
“Não é uma questão se eu sou contra ou a favor, é o que eu acho que tem que ser feito. Não acredito que mulher alguma queira abortar. Não acho que ninguém quer arrancar um dente, e ninguém tampouco quer tirar a vida de dentro de si”.

Resta evidente que ela estabeleceu um paralelo entre o dente, que certamente não é do siso, e o feto. Assim, um aborto pode ser uma contrariedade comparável à extração de … um dente. Santo Deus! Vamos às circunstâncias. Depois volto aqui para tentar entender por que a petista é capaz dessas enormidades.

Missa dos excluídos
Dilma participou da “Missa dos Excluídos” nesta manhã, em Brasília, que vem a ser a parte, digamos assim, populista do 16º Congresso Eucarístico Nacional, promovido pela CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil). Uma análise acurada, que não farei agora,  darei só uma pincelada, indicaria que uma “Missa de Excluídos”, na Igreja Católica, nega o espírito católico, que não distingue “excluídos” de “incluídos”, já que pretende reunir a todos sob a mesma fé, que é o que torna os homens irmãos em Cristo. Mas deixarei isso pra lá agora. Adiante.

Dilma, que já se disse “católica num segundo momento” — a padroeira dessa “igreja” dela é a Nossa Senhora de Forma Geral —, seguiu direitinho o gestual da missa. E quem foi o seu Virgílio — para lembrar Dante, o católico — durante a cerimônia? O ex-quase padre Gilberto Carvalho, chefe de gabinete de Lula, ligado a alas de esquerda da Igreja. A esquerda da Igreja é aquela sentada também à esquerda de Deus Pai, se é que me entendem… Virgílio orientava Dante nos círculos do inferno; Carvalho, no ritual da missa! Nossa! Vou rezar um “Pai Nosso” antes de continuar…

(…)

Pronto! Já rezei. Volto.

Sobre o aborto, a petista afirma agora que “o Estado tem de prover, em termos de saúde pública, as condições para que se cumpra isso” — o “isso ” é o aborto nos casos permitidos em lei: estupro e risco de morte para a mãe. Mas o que ela afirmou em 2007, em entrevista à revista Marie Claire? “Abortar não é fácil para mulher alguma. Duvido que alguém se sinta confortável em fazer um aborto. Agora, isso não pode ser justificativa para que não haja a legalização.” A eleição está fazendo o PT esconder o que realmente pensa. O versão anterior do Programa Nacional dos Direitos Humanos, que veio a público no fim do ano passado, defendia abertamente a legalização do aborto. E ganhou forma final na Casa Civil, de que Dilma era titular. Ontem, veio a público o novo texto — sem a legalização…

Hoje, depois da missa, Dilma se disse “católica”.  Também à Marie Claire, explicou o que chamo de “catolicismo Belchior”, aquele “por medo de avião”:
“Fui batizada na Igreja Católica, mas não pratico. Mas, olha, balançou o avião, a gente faz uma rezinha”.

“Rezinha” não é , com certeza, a “Salve, Rainha!”… É claro que eu reconheço o direito que políticos têm de ser favoráveis ao aborto. Tanto quanto defendo a sua obrigação de dizer o que realmente pensam a respeito desse e de outros assuntos. Se acham que a descriminação de tal prática é um bem para o Brasil, que tentem convencer disso os brasileiros, ora essa.

Detestável é esconder a real convicção de olho nas urnas e chegar, depois, ao poder com uma agenda secreta.

Enormidades
Por que Dilma Rousseff, sem o teleprompter e o auxílio do marqueteiro, é capaz dessas enormidades? A resposta é simples: porque, como política e candidata, não tem existência autônoma. Está em construção. Como eu disse, Lula é seu Pigmaleão: ela é uma estátua esculpida por ele, com o auxílio dos “especialistas” em campanha.

Quando você realmente crê em alguma coisa, ainda que seja um erro, costuma ter os argumentos que satisfazem ao menos a si mesmo. E os expõe com convicção.  Aborto não é dessas coisas a que ora se é favorável, ora contrário. Apoiar ou não a descriminação significa aceitar ou rejeitar a afirmação de que o feto é uma vida humana.

Bastava a Dilma dizer-se contrária ao aborto e pronto. Mas não! Como a sua opinião de agora é ditada pela urgência das urnas, ela se esforçou para ser convincente e para buscar, à moda Lula, uma metáfora que indicasse que ela É REALMENTE CONTRA. Pensou, pensou e encontrou a situação que lhe parece similar à morte do feto: a extração de um dente! É o fim da picada!

Se Virgílio, o de Dante, a convidar para um passeio, é bom saber se a viagem inclui bilhete de volta.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s