Atentados a Israel: os terroristas querem a terra sem a paz; não terão nem a paz nem a terra

Sim, vou escrever, sim, sobre os atentados terroristas contra Israel, que deixaram oito mortos. Os fatos são lamentáveis em si. Diante do terror, não tergiverso, pisco ou condescendo: é essencialmente imoral trocar, como sugerem alguns, terra por paz. Não! A paz vem primeiro. Até que forças palestinas não ponham fim ao terrorismo, negociar o quê? […]

Sim, vou escrever, sim, sobre os atentados terroristas contra Israel, que deixaram oito mortos. Os fatos são lamentáveis em si. Diante do terror, não tergiverso, pisco ou condescendo: é essencialmente imoral trocar, como sugerem alguns, terra por paz. Não! A paz vem primeiro. Até que forças palestinas não ponham fim ao terrorismo, negociar o quê? Terror não é política, a não ser na cabeça perturbada de alguns delinqüentes.

Há ainda algumas dúvidas sobre os detalhes da operação, mas tudo indica que os terroristas partiram de Gaza e chegaram ao Sul de Israel passando pelo Sinai, no Egito. O governo do país nega. Mas, como informa o New York Times, nos últimos dias, o Exército do país tem feito operações no Norte do Sinai para combater radicais, reconhecendo a ausência de autoridade no local.

Israel fez o esperado, o óbvio e o necessário: respondeu com um ataque a bases terroristas em Gaza, matando seis pessoas. Não adianta fazer de conta que a questão não existe: a desconstituição de governos como o do Egito e, agora, da Síria facilita a ação dos extremistas. Sim, as forças políticas dessas países têm as suas próprias demandas internas. Não serei eu a sugerir que tenham como preocupação principal a segurança de Israel, é claro. Mas que ninguém espere dos israelenses um comportamento compreensivo, complacente, agora ou no futuro, com aqueles que facilitares a ação de terroristas.

O Hamas nega qualquer envolvimento com os ataques, coisa na qual ninguém acredita. Dada a moral que lhe é peculiar, apelou à solidariedade internacional… contra a vítima — no caso, Israel. Daqui a pouco tem início a mais famosa das ladainhas sempre que os israelenses respondem a uma agressão: a “reação desproporcional”. Vai ver o proporcional seria o estado israelense praticar um atentado terrorista  contra inocentes palestinos, não é mesmo?

Até quando os terroristas pedirão negociações de paz enquanto matam inocentes? Não sei. Enquanto o fizerem, terão a guerra e a solução decidida por aquele que se fez mais forte na luta, não por intervenção divina.

O governo Obama é composto de amadores, mas pressente ao menos a presença de nitroglicerina. “Os compromissos recentemente assumidos pelo governo egípcio para solucionar a questão da segurança no Sinai são importantes e exigimos que seja encontrada uma solução duradoura”, afirmou Hillary Clinton. É, terá de ser encontrada! Ou Israel encontra, cumprindo aquela que é a sua primeira e mais importante missão: garantir a segurança de seu povo.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s