Aiatolás miram Afeganistão e Egito

No Estadão: O campus da Universidade Islâmica Khatam-al Nabyeen, em Cabul, reúne em 12 mil metros quadrados, além de salas de aulas, alojamento para estudantes e a maior mesquita de Cabul. O complexo de U$ 17 milhões financiado pelo Irã segue a linha xiita do Islã, embora mais de 90% dos afegãos sejam sunitas. É […]

No Estadão:
O campus da Universidade Islâmica Khatam-al Nabyeen, em Cabul, reúne em 12 mil metros quadrados, além de salas de aulas, alojamento para estudantes e a maior mesquita de Cabul. O complexo de U$ 17 milhões financiado pelo Irã segue a linha xiita do Islã, embora mais de 90% dos afegãos sejam sunitas. É o mais visível projeto da crescente influência iraniana no Afeganistão.

O presidente afegão, Hamid Karzai, reuniu-se em junho com seu colega iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, em Teerã para a primeira Conferência Internacional de Combate ao Terrorismo. “Potências ocidentais se autoproclamam líderes da luta contra o terror, mas, EUA e Grã-Bretanha e Israel são os que abrigam o terrorismo”, disse o líder supremo, aiatolá Ali Khamenei, no discurso de abertura, transmitido pela estatal Press TV.

Além da provocação, o evento foi uma clara tentativa de aproximação com países do Oriente Médio onde a influência iraniana é pequena, graças aos laços que mantêm com Washington e Londres. Como e até quando esses laços serão mantidos após a retirada das tropas do Afeganistão é incerto. Na expectativa de que haja rompimento, o Irã tenta marcar território.

Outro exemplo é o Egito, forte aliado americano no governo do ex-presidente Hosni Mubarak. Desde a primavera egípcia que derrubou Mubarak, em fevereiro, o regime iraniano corteja os militares no poder interinamente, na tentativa de preparar terreno para uma aproximação maior com o novo governo a ser decidido nos próximos meses.

Há no Egito forte apoio popular por um futuro governo mais independente dos EUA. A juventude revolucionária defende políticas a favor dos palestinos no lugar da cooperação com Israel em segurança – uma das primeiras medidas do governo de transição foi abrir a fronteira à Faixa de Gaza.

O Irã enxerga na possível mudança de perfil do regime egípcio uma oportunidade. Duas semanas após a queda de Mubarak, os aiatolás ensaiaram uma aproximação ao pedir que dois navios de guerra iranianos atravessassem o Canal de Suez, sob controle do Cairo e fechado ao Irã desde a Revolução Islâmica de 1979. O pedido foi concedido. Um mês depois, o chanceler egípcio, Nabil Elaraby, prometeu reinventar a política externa e disse que “o Irã não é inimigo”. Aqui

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s