Joesley: R$ 500 milhões em propinas

Para Presidentes, senadores e deputados

Na delação premiada em que conversa com investigadores do Ministério Público, Joesley Batista afirma que foram pagos 500 milhões de reais a políticos nos últimos cinco anos.

Destes, R$ 100 milhões foram através de notas frias e caixa dois.

“Os crimes que nós vamos narrar aqui são de cinco anos para cá”, avisa Joesley.

“Mas se juntar todos os anexos tem crimes de até 10 anos”.

“Tem pagamento via campanha oficial, via campanha política, via caixa dois, dinheiro em espécie”, avisa.

O interrogador pergunta então se o dinheiro é propina.

“Sim, se combina o ilícito, o ato de corrupção com o dirigente do poder público, e dai pra frente se procede o pagamento”.

“Os pagamentos são feitos das mais diferentes maneiras”

“Muitas  das doações são propinas disfarçadas de doação politica”.

“Nós fizemos doação oficial de uns 400 milhões”

“Pagamos mais uns 100 milhões em nota fria”.

“Dos 500 milhões total, pode se considerar 400 milhões em contrapartida foram contrapartidas de ajustes ilícitos”.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. simone eloisa villanueva

    e prisão deles???? NADA???? é um absurdo…vou te contar que roubei, matei, fiz o escambal mas só tenho uma condição: ficar livre…que justiça é essa??

    Curtir

  2. Ciro Lauschner

    E os caras em Nova York numa boa.Mas essa PGR é uma mãe.Tudo isso para denunciar o Aécio e o Temer? Já tinha o Sérgio Machado “condenado” a uma mansão durante horriveis 2 anos.Eis porque a PGR era tanto contra a lei do abuso de autoridade.

    Curtir

  3. A PRG foi escolhida por Dilma, não se esqueçam.

    Curtir

  4. Eu quero saber, nós queremos saber, de onde veio este dinheiro? BNDES, Banco do Brasil, CEF, Fundo de Pensão e afins? Quem intermediou toda esta fortuna de empréstimos junto as instituições?Quem levou dinheiro para que estes empréstimos saíssem sem problemas e burocracia? Onde tem dinheiro estocado em países fiscais, que na realidade são destes intermediários e facilitadores?

    Curtir

  5. Deviam tomar todas as empresas dele no Brasil e leiloar pra devolver aos cofres públicos pelo menos uma parte desse dinheiro. Canalhas.

    Curtir

  6. Os caras criam a maior multinacional do mundo na área mamando no BNDES e obtendo projetos de lei para lucrarem mais. Lucram bilhões com a corrupção. Vão devolver 250m e ganharam o passaporte para morar em NY. Ainda chamam isso de Justiça.

    Curtir

  7. Sidney Alves de Oliveira

    Maurício
    E$$e$ caras todos corruptos e corruptores precisam ser virados do ave$$o !!!!
    Teatros , Jogos de Cena e Maquiagens ( negativas nefastas e descabidas ) também
    Precisam serem definitivamente ELIMINADOS
    Doa a quem doer !!!
    Não podem
    Continuarem e ficarem impunes
    Força Lava Jato sempre !!!!

    Curtir

  8. Jurandir marques

    Se foram dinheiro de contrapartidas, queremos saber a origem do dinheiro, quais os projetos que geraram essas contrapartidas e os chefões que usaram de suas influências para que toda essa roubalheira acontecesse. Todos os nomes devem serem citados e virem a público, os brasileiros devem tomar conhecimentos desses crápulas lesas pátria.

    Curtir

  9. Marcos Rainho

    O MPF deveria aproveitar e perguntar sobre os negócios com o filho do Lula, assim limparia o nome do sacrificado.

    Curtir