Vera Magalhães Radar on-line

Radar on-line

Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Severino Motta e Natalia Viri

sobre

O Radar publica informações exclusivas e bastidores de tudo o que for relevante. Da política à economia; do esporte à área cultural; do mundo dos negócios à segurança pública – tudo cabe neste espaço, desde que seja uma informação confiável e inédita.

Apetite amazônico

Por: Lauro Jardim

Kindle: a Amazon queria vender seu leitor de e-books ao MEC

Representantes da Amazon estiveram recentemente com Aloizio Mercadante. Queriam duas coisas. Primeiro, fechar um acordo para colocar no Kindle as 180 000 obras de escritores brasileiros e estrangeiros, todas de domínio público e disponíveis no portal do MEC. E ,segundo, vender Kindles ao MEC. O ministro tende a aceitar o primeiro pedido. Em relação aos Kindles, sem chance.

Voltar para a home
TAGs:

Comentários

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

*

  1. EDVAR TELES

    SE O MEC QUER COMPRAR DÁ AOS PROFESSORES AJUDARIA MUITO O TRABALHO DELES SERIA BOM TAMBÉM ACABAR COM O GIZ QUE SERVE DE ESCONDERIJO PARA OUTRO PÓ

  2. EDVAR TELES

    SE O GOVERNO QUER EDUCAR OS BRASILEIROS ABAIXA OS IMPOSTOS DOS LIVROS UMA REVISTINHA PORNÔ É MAIS BARATA QUE UM LIVRO .

  3. Alberto Ricardo Prass

    Cada opinião intelectual aqui. Opinar sobre ebooks nem pensar. Apenas papinho de direitoso doente.

  4. Francisco

    Bem adequado ao modo petista de fazer as coisas: negociar o inegociável.
    Muitos dos ebooks que estão lá, no dominiopublico.org.br do MEC foram cedidos para distribuição gratuita, frutos do trabalho de voluntários – inegociáveis pelo MEC porque ao MEC não pertencem.
    Para mais essa lambança, o MEC teria de consultar os que cederam essas obras.
    Talvez (é mais que provável) o ministro não saiba da missa a metade.
    Pois deveria se informar.
    Desses 180.000 propalados tem muitos ebooks que foram pegos do gutenberg.org, phoenix-library, cultvox… por aí.
    Inclusive do ebooksbrasil.org (p.ex. o ebook de maior número de downloads no site – A Divina Comédia)
    Quem tiver curiosidade de saber mais a respeito, cá está o link:
    http://migre.me/99Qsu

  5. Ingrid

    1- Mas o material do domínio público já está disponível para o kindle… basta converter. Se era pra ceder o direito de alguém colocar isso num formato digital pros e-reader que fosse ePUB ou outro formato, mais aberto e compatível com uma quantidade maior de obras. É muita vantagem competitiva (de graça) pra Amazon.
    2- Faz tanto sentido ter um kindle pros estudantes de escola pública como uma lousa 3D em salas de aula particular… dois elefantes brancos.

  6. Pagadordeimposto

    A Amazom não vai superfaturar o Kindle e pagar propina a corrupto, por isso não vai vender para adm pub. no Brasil.

  7. JOSE RIBEIRO DA SILVA

    Talvez ainda reste um pouco de juízo no MEC prque sinceramente não qualq seria a utilidade do Kindle para nossos modernas escolas
    Quanto pessoal da Amazon tentar vender o treco para o MEC é um direito deles

  8. Susie

    A propina não foi alta o suficiente para o apetite do PT.

  9. Dawran Numida

    Uuffaa…!!!

  10. Fernando (mega anti-corruPTos)

    Como se trata do pt, existe a possibilidade de noventa e nove vírgula CEM por cento de chance de haver PaTifaria!

    Tenho um Kindle há 3 anos e acho o aparelho uma maravilha!

  11. O Locutor

    Estão tratando primeiro a taxa de sucesso??? Não é aloprado Mercadante???

  12. jurandir

    muito engraçado para um país de analfabetos, por obrigação!

  13. Gene braga

    Talvez o leitor poderia ser algo que estimular-se os brasileiros a se interessar pelos livros