Blogs e Colunistas

Miguel Falabella

19/03/2014

às 13:00 \ Eu faço drama

Miguel Falabella defende a “comédia da tolerância”

Na volta de 'Pé na Cova', Ruço (MIguel Falabella) vai passar pela histeria da juventude eterna. Terceira temporada estreia no dia 8 (Divulgação)

Na volta de ‘Pé na Cova’, Ruço (MIguel Falabella) vai passar pela histeria da juventude eterna. Terceira temporada estreia no dia 8 (Divulgação)

Para alguns, não é possível fazer comédia sem incomodar alguém. Mas a experiência de Miguel Falabella com a sua Pé na Cova, escrita e protagonizada por ele, demonstra o contrário. “Pé na Cova é a comédia da tolerância, por isso agrada tanto. Admite novas formas de amar e ser amado e eu acho que todos nós, no fundo, não gostamos da nossa intolerância e dos nossos preconceitos”, observou ele, durante o lançamento da terceira temporada, na noite desta terça (18), no Projac, no Rio. “Talvez isso faça com que o programa chegue tão forte nas pessoas.”

Sucesso quando surgiu, no começo do ano passado, o seriado perdeu um pouco o fôlego nos últimos episódios, mas mesmo assim ainda é um dos mais interessantes no opaco cenário dos humorísticos da emissora.

O programa recomeça no dia 8 de abril com os efeitos da separação de Abigail (Lorena Comparato) e Ruço (Miguel Falabella). Como se anunciou durante toda a segunda temporada, ela fugiu com Clécio (Magno Bandarz), a quem Ruço ajudara em clima de Os Miseráveis, de Victor Hugo. Agora, para piorar e porque em Pé na Cova desgraça pouca é bobagem, a ex-mulher vai usar o dinheiro que roubou de Alessanderson (Daniel Torres) para abrir a Santa Abigail, a funerária mais moderna do Irajá, potencial rival da F.U.I..

Entre ciúmes, brigas por causa dos negócios e a disputa pela guarda do pequeno Neymã, Ruço vai passar ainda por uma crise idade, mais uma vez influenciado pela morte – uma das boas sacadas do seriado é como a finitude se insere no cotidiano da família. “O Ruço vai começar a delirar com a idade eterna, quando um amigo que regula em idade com ele morre”, adiantou Falabella.

Nos braços da mulherada local, ainda mais após a partida de Darlene (Marília Pêra não participará da nova temporada), Ruço vai ser avô. Com Luma Costa grávida na vida real, a stripper Odete Roitman também terá um bebê no seriado.

Leia também:

 Benício será “Steve Jobs brasileiro” em ‘Geração Brasil’

Maneco prepara “com quem será?” para Clara

12/11/2013

às 19:22 \ Fotonovela

Médico cubano dá plantão no Irajá de ‘Pé na Cova’

Pablo (Alejandro Claveaux): perdido no Irajá o charmoso revolucionário detona uma greve de coveiros (Divulgação)

Pablo (Alejandro Claveaux): perdido no Irajá o charmoso revolucionário detona uma greve de coveiros (Divulgação)

Personagem do momento na vida real, em meio às discussões sobre o Programa Mais Médicos do governo federal, um médico cubano com pinta de amante latino aparece no episódio desta noite de Pé na Cova (Globo, 23h). Perdido no Irajá, Pablo (Alejandro Claveaux) pede abrigo na funerária de Ruço (Miguel Falabella) e acaba se envolvendo numa greve de coveiros.

LEIA TAMBÉM:

7 conselhos preciosos de Helen Palmer

‘Amor à Vida’: De repente, Márcia se lembra de Félix

08/10/2013

às 18:12 \ Fotonovela

Traição à vista em ‘Pé na Cova’

(Divulgação)

(Divulgação)

Enquanto, na cena acima, Tamanco (Mart’nália) tenta ensinar o serviço de mecânico a Clécio (Magno Bandarz), o ex-morador de rua só tem olhos para Abigail (Lorena Comparato) – justamente a mulher do boa praça que o acolheu, Ruço (Miguel Falabella). Vai ao ar no episódio de hoje do seriado, que a Globo exibe às 23 horas.

LEIA TAMBÉM:

Em ‘Pé na Cova’, miséria pouca é bobagem

Lésbicas adotam um filho no novo ‘Pé na Cova’

01/10/2013

às 17:58 \ Fotonovela

Em ‘Pé na Cova’, miséria pouca é bobagem

Com fome, Clécio (Bruno ) rouba um sanduíche e acaba amolecendo o coração de Ruço (Miguel Falabella) (Divulgação)

Com fome, Clécio (Magno Bandarz) rouba um sanduíche e acaba amolecendo o coração de Ruço (Miguel Falabella) (Divulgação)

Mais uma vez entre o popular e o refinado, Pé na Cova estreia sua segunda temporada nesta terça (1), às 23h, na Globo inspirada por um clássico da literatura mundial. Como um “Jean Valjean do Irajá”, Clécio (Magno Bandarz) é acolhido na casa de Ruço (Miguel Falabella) após ser pego tentando roubar um sanduíche das “cachorras quentes”, Soninja (Karin Hils) e Giussandra (Karina Marthin).

A referência a Os Miseráveis de Victor Hugo se confirma quando o recém-chegado tentar roubar algo muito mais valioso para Ruço do que talheres de prata: Abigail (Lorena Comparato), um tanto desiludida com a maternidade recente, vai se interessar por ele. O desequilíbrio na vida amorosa do casal é a oportunidade perfeita para a impagável Darlene (Marília Pêra) reconquistar o posto de primeira-dama, o que vai instalar um quadrilátero amoroso na funerária.

LEIA TAMBÉM:

Lésbicas adotam um filho no novo ‘Pé na Cova’

Política e amor se misturam em ‘A Mulher do Prefeito’

05/09/2013

às 10:02 \ Bastidores

Lésbicas adotam um filho no novo ‘Pé na Cova’

Tamanco (Mart'nália) e Odete Roitmann (Luma Costa): casadas, a mecânica e a stripper formam uma família moderna com Sermancino (Gabriel Lima) (AgNews)

Como se sabe, quem é vivo sempre aparece. E o pessoal da Funerária Unidos do Irajá vai reaparecer antes do que se imaginava. Com um tema bastante arriscado – a morte – e uma boa dose de tragicomédia, a ‘Família Addams suburbana’ criada por Miguel Falabella volta antes do ele mesmo poderia prever quando lançou a primeira temporada de Pé na Cova, no começo do ano – em 1º de outubro, uma terça-feira e não mais quinta, começa a ir ao ar a nova leva de episódios, no horário das 23h.

Mais à vontade para usar a receita que mistura humor negro e afeto familiar, o autor ousa um pouco mais: agora feliz e morando juntas, a stripper Odete Roitman (Luma Costa) e o mecânico Tamanco (Mart’nália) vão adotar um filho. A dica de que isso poderia acontecer, aliás, já havia aparecido em uma ou outra cena, quando o menino Sermancino (Gabriel Lima) se oferecia para carregar compras pelo bairro e dizia que sonhava ter uma família. Com isso, a personagem de Luma fica mais doce e menos mandona – mas continua muito sexy, já que tem de continuar botando pão na mesa. “A Odete é uma personagem muito imperativa. Agora, com o menino, ela mostra um lado maternal, fica mais calma. A maternidade traz isso pra ela”, conta a atriz.

Também em clima de maternidade, a jovem esposa de Ruço (Miguel Falabella), Abgail (Lorena Comparato) passará por uma tentação e tanto com a chegada de um novo personagem, Clecio (Magno Bandarz). Como no clássico Os Miseráveis, o sujeito é acolhido por Ruço em casa, mas acaba se tornando um problema. Darlene (Marília Pêra), que na primeira temporada andou tendo uma recaída de amor pelo ex-marido, aproveita a situação para, quem sabe, voltar ao posto de primeira-dama. “Ela é a primeira a defender o Ruço, pois logo percebe que Abgail está caidinha por Clecio”, adianta Marília.

Entre o absurdo que a maioria de nós jamais imaginaria acontecer e aquilo que se passa em qualquer lar onde esteja instalada uma família, Pé na Cova é a grande surpresa do ano na TV, ainda que tenha encerrado a primeira temporada com menos Ibope do que na estreia – passou de 17 a 13 pontos. Quando estreou, no final de janeiro, era uma incógnita até mesmo para o próprio Falabella, que chegou a dizer que, se o público não gostasse, passaria rápido porque seriam “só 20 e poucos episódios” – agora, lá vão mais 20 e poucos.

Embora a estrutura da família protagonista lembre sucessos anteriores do autor, como Sai de Baixo (1996) e Toma Lá, Dá Cá (2007), o seriado é um sopro de novidade na empoeirada estante de seriados da Globo, favorecido por um texto preciso, poético e, ao mesmo tempo, absurdo, além de belas atuações, a começar pela diva Marília Pêra – quem poderia imaginá-la como uma maquiadora bêbada de defuntos?

A maneira de apresentar a morte, como algo prosaico, humano e inevitável, é o que baixa o teor de humor e torna a série especial. “O programa não quer fazer graça pela graça em si, é uma família que existe aí pelo Brasil”, pontua Falabella. “O seriado é poético, e o contato com a morte traz uma humanidade muito grande para os personagens.”

LEIA TAMBÉM:

As noivas mais azaradas da ficção

Personagens de ‘Amor à Vida’ precisam se benzer

Galã gay é demitido em ‘Sangue Bom’

24/05/2013

às 12:50 \ Eu faço drama

PEC das Domésticas vira piada genial de Miguel Falabella

Haroldinho (Cassiano Carneiro) e Adenóide (Sabrina Korgut) bolam um projeto de poder em 'Pé na Cova': retrato surreal da nova relação entre patroas e empregadas (Reprodução)

De impacto imediato nas contas dos lares brasileiros, a PEC das Domésticas teve uma interpretação no mínimo surreal no seriado Pé na Cova, da Globo. Das tantas referências à lei que vêm aparecendo na teledramaturgia, a visão de Miguel Falabella certamente foi a mais original e, mesmo com o viés bizarro do programa, sincera.

No novo cenário, em que se acirram os ânimos entre patroas e empregadas, Falabella fez emergir a figura do “advogado de porta de cozinha” – Haroldinho (Cassiano Carneiro) –, sujeito ensebado e metido num terno de tergal, que vive em busca de processos trabalhistas. E transformou a empregada Adenóide (Sabrina Korgut), até então coadjuvante, em protagonista.

Sempre contando detalhes escabrosos da vida além dos emergentes da classe C, a presença da empregada na Funerária Unidos do Irajá era uma incógnita. Afinal, se a família de Ruço (Miguel Falabella) vive numa pindaíba terrível, como pode manter uma serviçal?  – coisas que só a miséria além da miséria pode explicar, mais ou menos na linha do ditado popular que diz que “em terra de cego, quem tem um olho é rei”.

Mas eis que a PEC das Domésticas e a influência do novo namorado, o tal Haroldinho, deram voz a Adenoide, que armou um levante das empregadas do bairro. “A PEC vai pegar!”, repetiam os personagens, exigindo adicional noturno e tempo de descanso, uma piada do autor com o direito adquirido que se tornou verdadeiro pesadelo da classe média.

Inebriada pelo poder, a desvalida Adenóide já pensava em se aventurar como presidente de sindicato. Ao mesmo tempo, a vaga de empregada na funerária era cobiçada por quem tem ainda menos. Luz Divina (Eliana Rocha), a vizinha esquizofrênica de Ruço, topou dar conta do serviço em troca de “comida, remédios e sexo”. Mas, após negociação, deixou por bem menos – só comida.

Com uma dose politicamente incorreta maior do que se costuma ver na TV brasileira, Pé na Cova acerta semana após semana, num equilíbrio, mantido com inteligência, entre o absurdo das situações e os elementos que não deixam os personagens se descolarem da vida real. Assim, o autor consegue algo muito difícil: mesmo bizarros além da conta, Ruço e seus agregados parecem cada vez mais reais. Valorizar e  bajular as empregadas domésticas já é quase um clichê na teledramaturgia nestes tempos. Mas captar a tensão que inevitavelmente aparece no novo cenário – tirando graça disso sem ofender nenhum dos lados –, só mesmo Falabella.

LEIA TAMBÉM:

Os gays mais terríveis do horário nobre

Félix é o novo “muso” dos memes

16/03/2013

às 14:53 \ Maestro, uma nota

“Meus neurônios falam comigo”

(Divulgação)

É comovente, sem deixar de ser engraçada, a situação da pobre Luz Divina (Eliana Rocha) de Pé na Cova (Globo, quintas): com rendimentos quase zero e diagnosticada esquizofrênica, a vizinha de Ruço (Miguel Falabella) não tem dinheiro para o dispendioso tratamento – por isso, vive em surto. “Meus neurônios falam comigo”, garante ela, que vive a alegria dos loucos, mas incrementa a renda chorando em velório. “É só lembrar que a aposentadoria não dá pros remédios”, ensina a diva louca do subúrbio.

 

Leia também:

Seringa de Lívia volta a atacar em ‘Salve Jorge’

Rio ficará de fora do horário nobre da Globo

→ Curta o Quanto Drama! no Facebook

28/02/2013

às 15:08 \ Fotonovela

Quem é vivo sempre aparece

Webson (Bernardo Mendes), o amigo nerd de Odete Roitman (Luma Costa) (Divulgação)

Depois de fazer sucesso entre as adolescentes como o Bodão de Malhação, na temporada de 2007, o ator Bernardo Mendes aparece hoje irreconhecível em Pé na Cova (Globo 23h20) como Webson, amigo nerd de Odete Roitman (Luma Costa) que vem ajudar Ruço (Miguel Falabella) a desvendar um mistério.

Leia também:

Em ‘Pé na Cova’, um divertido elogio ao caos do subúrbio

O dono da Funerária Unidos do Irajá quer saber quem anda rabiscando mensagens nada simpáticas na porta do banheiro, que dão conta de que ele vem sendo traído. Webson vai instalar câmeras de vigilância no local – e em se tratando da FUI, dá para imaginar as bizarrices que o equipamento vai flagrar.

→ Curta o Quanto Drama! no Facebook

15/02/2013

às 15:45 \ Folhetinescas

Em ‘Pé na Cova’, um divertido elogio ao caos do subúrbio

Ruço (Miguel Falabella) e seus agregados em 'Pé na Cova': retrato bizarro tem humor fino, apesar dos tipos populares (Divulgação)

A tentativa apressada de definir uma obra logo na estreia quase sempre passa pela comparação. Foi ela que levou à ideia de que Pé na Cova (Globo, quintas, 23h25) seria apenas uma versão de seriados anteriores de Miguel Falabella, como Toma Lá, Dá Cá, de 2007. Mas depois de quatro episódios, é certo dizer que o seriado é original, recheado de um humor inteligente que sobrevive ao apelo popular e, principalmente, consegue espelhar em pouco tempo o entrosamento dos atores e o amor que brota apesar da bizarrice dos personagens.

Apesar da morte que está no pano de fundo graças ao cenário da Funerária Unidos do Irajá (FUI), Falabella disse ao blog, pouco antes da estreia, que os laços da família de Ruço, seu personagem, estavam no plano principal. “A linha de afeto que os une  é apocalíptica – a filha se mostra na internet, o filho é um projeto de corrupto, é tudo do avesso. Mas eles se amam, e isso é provado o tempo todo. Mas não é um programa fofo”, observou.

Outras tantas famílias amalucadas já apareceram aos montes na TV. Dos Silva de A Grande Família de 1972 aos Tufões de Avenida Brasil no ano passado, a disfuncionalidade usada com a ideia de que “de perto ninguém é normal” é um recurso que não sai de moda. O pessoal do Irajá, no entanto, ousa dentro do que poderia ser mais do mesmo.

Luz Divina (Eliana Rocha): no episódio da semana que vem de 'Pé na Cova', Ruço (Miguel Falabella) vai parar dentro do caixão depois que Abigail (Lorena Comparato) inventa o "velório drive thru" (Divulgação)

Claro que isso tem a ver com o cenário da funerária e a morte que aparece como parte do cotidiano. A dureza da classe C completa a receita do seriado, e proporciona situações mais desconcertantes do que as de Toma Lá Dá Cá, por exemplo, ambientando na mais abastada Barra da Tijuca.

Luz Divina (Eliana Rocha), personagem inspirada numa vizinha que Falabella teve nos tempos em que morou na Ilha do Governador, na zona norte do Rio, é uma esquizofrênica que vive em surto porque não tem dinheiro para comprar os remédios. Juscelino (Alexandre Zachia), o motorista do carro funerário, usa uma peruca deixada como herança pelo pai – sabe que é ridícula, mas quer manter o laço afetivo. Os irmãos mecânicos Tamanco (Martin’ália) e Marcão (Mauricio Xavier) são invertidos – ela é lésbica e ele, travesti.

O programa, é fato, tira onda com o povão, mas sem ridicularizá-lo, porque todos os personagens, dentro de suas maluquices, parecem pessoas boas, de valor – o que não deixa de ser um elogio ao subúrbio dentro do caos.

Dentro de casa, Ruço tem a ex-mulher, mais velha do que ele, Darlene (Marília Pêra) e a atual mulher, mais nova, Abigail (Lorena Comparato). Seria um caminho óbvio se as duas vivessem às turras e Darlene fosse uma megera a atrapalhar o novo casal, mas não. Elas convivem numa harmonia que, mesmo talvez impossível na vida real, não parece forçada.

Marília, não é surpresa, faz de Darlene uma boa figura. Ela não é uma bêbada de cair pelas calçadas, mas aquele tipo de gente que está sempre a dois palmos do chão, o que lhe dá uma aura que só mesmo uma atriz como Marília para carregar. Mas não há quem esteja mal em cena, valendo destacar ainda a bela Luma Costa como a intrigante Odete Roitman.

Pé na Cova, apesar de manter o Ibope do horário, não é uma série para agradar a todos. Mas é ruído na certa. E na TV cada vez mais presa a fórmulas ditas de sucesso, ruído do tipo que ela provoca deve ser sempre bem-vindo.

Leia também:

Bianca Bin apanha mais do que Lucélia Santos

O Forrest Gump caboclo de ‘Lado a Lado’

Tony Ramos sai de cena em ‘Guerra dos Sexos’

Humorista faz piada com demissão do ‘Encontro’

Hola, hola, hola? Veja ‘Avenida Brasil’ em espanhol

→ Curta o Quanto Drama! no Facebook

 

31/01/2013

às 17:52 \ Eu faço drama

‘Pé na Cova’ tem ‘defunta’ ilustre

Laura Cardoso como a Tia Mozica de 'Pé na Cova': visita a funerária termina de maneira tragicômica (Divulgação/Estevan Avellar)

Se o centro da história está numa funerária, aparecer como o defunto da vez é posto de honra. Pouco depois de deixar a terrível e adorável Dona Dorotéia de Gabriela, que terminou em outubro, Laura Cardoso volta à TV como a Tia Mozica de Ruço (Miguel Falabella) no segundo episódio de Pé na Cova, nesta quinta-feira (23h25) na Globo.

A personagem, acompanhada da filha Vera Lúcia (Ângela Dip, também em participação especial), vem visitar o sobrinho na sua festa de 50 anos. Na noite anterior, Ruço sonha com dente, o que no seu ofício não pode ser considerado exatamente como um mau presságio, mas nem imagina que uma morte acontecerá dentro da própria família – Tia Mozica não deve chegar viva ao segundo bloco do programa.

A série, escrita e estrelada por Falabella, é como A Grande Família vista pelo avesso. Com humor negro, acompanha o balanço de vida de um sujeito que tira o sustento de uma funerária no subúrbio do Rio, rodeado por tipos perfeitos para povoar um  pós-apocalipse.

 

 

Leia também:

Falabella: “A gente ainda está com o tacape na mão”

Em ‘Salve Jorge’, o crime não compensa

→ Curta o Quanto Drama! no Facebook

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados