Blogs e Colunistas

Andréa Beltrão

02/04/2013

às 11:51 \ Fotonovela

‘Tapas & Beijos’, uma outra grande família

O autor Cláudio Paiva, entre Sueli (Andréa Beltrão) e Fátima (Fernanda Torres): uma amostra de quase todo tipo de relacionamento amoroso em apenas um quarteirão de Copacabana (Divulgação)

Sueli (Andréa Beltrão) e Fátima (Fernanda Torres) começaram solteiras querendo casar, depois foram casadas querendo se separar. Agora, na nova temporada de Tapas & Beijos, que estreia nesta terça (Globo, 22h20), elas chegam à condição de “mais do que enroladas” em relacionamentos acumulados nos episódios anteriores.

Márcia (Malu Galli): a "ex do ex" vem cheia de prendas domésticas para causar ciúme em Sueli (Andréa Beltrão) (Divulgação)

“Isso acontece principalmente por causa da chegada de novos personagens, que entram na vida dos ex-casais e formam novos triângulos amorosos”, conta Andréa, citando Leléu e Márcia, papéis de Felipe Abib e Malu Galli.

Leléu é ex-namorado de Fátima e atual amante de Lucilene (Natália Lage) que, por sua vez, é a falsa esposa de Chalita (Flávio Migliaccio). Márcia é mãe de Bia (Malu Rodrigues) e ex-mulher de Jorge (Fábio Assunção), o ex-marido de Sueli. Despejada, ela vai morar com a filha, que vive com o namorado Jurandir (Érico Brás) no apartamento de Jorge – o que deixa Sueli à beira de um ataque de nervos.

Com os novos arranjos e possibilidades de relacionamentos, montados na base do humor pelo roteirista Cláudio Paiva, o seriado, entre popular e refinado, instala uma grande família moderna e caótica no pequeno espaço de um quarteirão no bairro de Copacabana – e um puxadinho ali no subúrbio.

É que as novas confusões acontecem em momento de total pindaíba. E como o aluguel em Copacabana subiu, a solução é a dupla voltar a morar no Méier. Com isso, voltam as cenas em que as duas têm tempo de sobra para refletir sobre a vida no vaivém do ônibus. “Eu adorei! As duas personagens precisam pegar o ônibus, é um complicador que deixa a trama mais engraçada”, anota Fernanda Torres.

LEIA TAMBÉM:

Se beber, não case no Paraguai

Théo e Morena têm nova recaída em ‘Salve Jorge’

Montagner será disputado por Bruna Marquezine e Júlia Lemmertz

30/11/2012

às 12:20 \ Bastidores

‘Tapas & Beijos’ terá musical com Fabio Assunção

Rei da noite na Copacabana fictícia de 'Tapas & Beijos', Jorge (Fabio Assunção) afoga as mágoas no palco (Divulgação)

Na base da cara e coragem, Fabio Assunção gravou um número musical como o Jorge do seriado Tapas & Beijos, que vai ao ar na próxima terça (4). Ele vai cantar Ciúme de Você, de Luiz Ayrão e sucesso na voz de Roberto Carlos.

Na trama escrita por Claudio Paiva, certamente mais um dos divertidos episódios da série, Sueli (Andréa Beltrão) começa um caso com o Papai Noel (Eucir de Souza), que passa a fazer ponto no comércio de Copacabana. Tudo para provocar ciúme no ex-marido, Jorge. Ela aceita o convite do fantasiado e, ao ver o moço fora do personagem, surpresa – ele é bonito e interessante.

Com dor-de-cotovelo, Jorge, músico frustrado, relembra seus tempos de banda no palco da La Conga.”Quando chamamos o Fabio para o papel do Jorge, tínhamos a ideia de que ele seria um músico frustrado, que sobreviveria com aquela boate”, detalha Claudio Paiva. “Decidimos concretizar isso. O Fabio está superanimado, já até sugeriu uma outra música para gravarmos. Vamos trazer mais números musicais em outros episódios”, disse o autor.

Na vida real, o ator não chega a ser um músico frustrado como o personagem, mas teve banda nos tempos de estudante e já se arriscou a cantar em cena como, por exemplo, quando interpretou Herivelto Martins em Dalva & Herivelto – Uma Canção de Amor (2010). Na minissérie de Maria Adelaide Amaral, ele gravou em estúdio todos os principais sambas do compositor.

Em Tapas & Beijos, o capricho foi o mesmo. O produtor musical da série, Alberto Rosenblit, chamou o contrabaixista Paulo César Barros, que gravou a versão original da música em 1968, para acompanhar Fabio. A banda em cena terá ainda o próprio Rosenblit, ao piano, André Tandeta na bateria, João Pedro Didita na guitarra, além de Fabio no violão e voz. A música foi gravada em estúdio e executada ao vivo na cena, para imprimir veracidade e diversão. “Com certeza, foi muito divertido! Roberto Carlos é muita responsabilidade e essa é uma música ícone dele, fez muito sucesso”, comenta o ator com o blog.

Abaixo, você revê um número musical de Dalva & Herivelto, com Fábio, Mauricio Xavier (Nilo Chagas) e Adriana Esteves (Dalva de Oliveira) como o Trio de Ouro. Eles cantam Rainha do Mar, de Dorival Caymmi.

Veja também:

‘Tapas & Beijos’ pode terminar em separação

Flavio Migliaccio: “Queria fazer o Chalita para sempre”

→ Curta o Quanto Drama! no Facebook

 

 

03/07/2012

às 13:24 \ Entrevista

Flávio Migliaccio: “Queria fazer o Chalita pra sempre”

Flavio Migliaccio, com as colegas Fernanda Torres e Andrea Beltrão: "O bonito do 'Tapas & Beijos' é a busca pelo amor" (Divulgação/Globo)

Quando pisou no palco pela primeira vez, aos 17 anos e num teatro de igreja no bairro do Brás, em São Paulo, Flávio Migliaccio deveria ser um idoso sério. “Eu entrava com uma bengala, mas ela entrou num furinho no chão e foi parar lá embaixo. A plateia riu”, lembra o ator, 60 anos depois, do alto de uma carreira marcada pela comédia. “Passei, então, a sempre procurar esse furinho em cena.”

Nem sempre, é verdade, o tal furinho apareceu fácil. O primeiro papel profissional, por exemplo, não poderia ser mais trágico – um morto. Mas se faltou graça em cena, ela sobra agora na história que ficou para contar. “Consegui o papel depois de um teste de meia hora com o diretor. Fiquei tão feliz! Minha mãe até chorou! Mas, no dia seguinte, fiquei sabendo que o papel era o morto. Perguntei  ‘e vou morrer como?’, já pensando em como faria a cena, mas que nada – já começava morto”, conta ele, entre o lírico e o cômico. “Era no Teatro de Arena, e eu tinha de ficar imóvel com o espectador a um metro e meio de mim, com pulga me mordendo o tempo todo! Tem ideia do que é isso?  Fiz esse morto durante três meses com tanta vontade, que acho que é por isso que estou aqui até hoje.”

E ele está aí, à beira dos 78 anos, como um dos poucos atores que mal conseguem folga do vídeo. De sucessos como o seriado Shazan, Xerife e Cia (1972), no qual fazia dupla com Paulo José; o protagonista de Aventuras do Tio Maneco  (1978); o Tio Vitinho de A Próxima Vítima (1995), ao Chacha de Caminho das Índias (2009) e o Fortunato de Passione (2010), emendou um trabalho atrás do outro até chegar ao Seu Chalita do seriado Tapas & Beijos, sucesso há duas temporadas nas noites de terça na Globo. “Queria ficar com esse personagem pelo resto da vida”, diz ele, nesta conversa, num dos camarins da cidade cenográfica montada para o seriado no Projac, no Rio, em que ele repassa a carreira e reflete sobre a profissão de ator. “Tenho dificuldade de me transformar no personagem. Então, faço o contrário – que o personagem se transforme em mim.”

O roteirista Cláudio Paiva já contou ao blog que a Fátima (Fernanda Torres) e a Sueli (Andrea Beltrão) não devem terminar a temporada casadas. E o Chalita, vai enfim encontrar um amor?

Não, acho que não. Porque o bonito do Tapas & Beijos é a busca pelo amor. É uma coisa que acontece muito hoje em dia – mesmo casado, o sujeito continua procurando aquele amor com quem se casou. O seriado fala das pessoas querendo se encontrar.

Seria bacana se ele conquistasse uma das duas, não acha?

É, ele é apaixonado pela Sueli, mas também é como um pai para elas. Ele é uma figura paterna ali naquele universo.  » Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

25/06/2012

às 13:36 \ Entrevista

‘Tapas & Beijos’ pode terminar em separação

Sueli (Andrea Beltrão) e Jorge (Fábio Assunção), e Fátima (Fernanda Torres) e Armane (Vladimir Brichta): eterno enquanto dure (Divulgação/Globo)

O desgaste tem rondado os doces lares de Fátima (Fernanda Torres) e Sueli (Andrea Beltrão) no seriado Tapas & Beijos (Globo, terças, 22h20), e é bem capaz que elas não cheguem casadas com Armane (Vladimir Brichta) e Jorge (Fábio Assunção)  ao fim desta segunda temporada, informa ao blog o roteirista Cláudio Paiva.

Na primeira temporada, recorde-se, os episódios faziam graça com as dificuldades amorosas das duas personagens, ironicamente vendedoras de uma loja de vestidos de noivas. E depois de um final feliz na virada do ano, a ação foi concentrada no cotidiano vida a dois. “Acho que o casamento delas tem servido para aprofundar a discussão sobre o amor e o dia a dia da relação entre um homem e uma mulher”, diz o autor. “Mas esses casamentos caminham para um esgotamento. Pode ser que Fátima e Sueli não virem o ano como começaram: casadas.”

Imersas em ciúmes e obrigações típicas de esposas, as simpáticas personagens deixam a impressão em quem acompanha o seriado de que eram mais felizes na vida de solteiras. Cláudio diz não ter essa medida. Mas anota que, sob o olhar de um roteirista, o casamento traz mais situações cômicas. “Os conflitos são maiores. Viver sozinho não é fácil, mas viver com alguém é mais difícil”, acredita.

Teorias sociológicas à parte, muita confusão acontece na vida de Fátima e Sueli até o fim do ano, quando termina esta segunda temporada. No episódio que vai ao ar amanhã (terça), Cláudio brinca com a metalinguagem.

Fátima aparece “viciada” em assistir a Avenida Brasil, a ponto de deixar Armane de lado, que faz pior: contrata uma empregada chamada Carminha, como a vilã interpretada na novela por Adriana Esteves. “A Grande Família e Tapas & Beijos são seriados que usam a novela brasileira como referência, em vez das sitcoms americanas”, observa o roteirista. “A novela de João Emanuel Carneiro está fazendo esse caminho de volta. Reconheço nela muitas influências dos mesmos seriados que gosto. Citar a novela no programa é uma forma de escancarar esse diálogo.”

Veja também:

Tufão, entre o bom caráter e o idiota

→ Curta o Quanto Drama! no Facebook

21/03/2012

às 8:00 \ Bastidores

Vida de casado é o novo tema de ‘Tapas e Beijos’

Armane (Vladimir Brichta) e Jorge (Fábio Assunção): time dos casados em 'Tapas e Beijos' (Divulgação/TV Globo)

Não foi golpe de fim de roteiro, confirmou Vladimir Brichta ao blog: as heroínas Fátima (Fernanda Torres) e Sueli (Andréa Beltrão) começam a segunda temporada do seriado Tapas e Beijos casadas da silva. “A temporada anterior terminou com o casamento deles, e não era golpe. É assim que vamos começar, e tudo passa a ser sobre a vida de casado e o relacionamento entre os dois casais”, adiantou o ator, que interpreta o Armane.

Sucesso no ano passado, o seriado de Cláudio Paiva terminou com Armane casado com Fátima, e Jorge (Fábio Assunção) casado com Sueli. Foi um final feliz e de certa forma inesperado, já que boa parte da graça era tirada da situação das duas mulheres que viviam desventuras amorosas durante o expediente numa loja de noivas em Copacabana. “Mas, veja bem, esses casais não podem ser perfeitos”, atiça Brichta. Questionado se, diante do histórico de Armane, Fátima poderia passar de amante a esposa traída, dele riu. “Olha, é possível… Mas por enquanto ele está fiel, até agora não gravamos nada do tipo.”

Com direção de Maurício Farias, a nova temporada estreia em abril, na Globo.

 

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados