Blogs e Colunistas

28/03/2014

às 10:58 \ Entrevista

‘Meu Pedacinho de Chão’ é o Brasil, diz Luiz Fernando Carvalho

No autêntico clima caipira das novelas de Benedito Ruy Barbosa (sentado), a coletiva de imprensa de 'Meu Pedacinho de Chão' terminou numa cantoria, com elenco entoando o clássico sertanejo 'Chuá, Chuá': fantasia para crianças e adultos, novela das seis estreia dia 7, no lugar de 'Joia Rara' (Divulgação)

No autêntico clima caipira das novelas de Benedito Ruy Barbosa (sentado), a coletiva de imprensa de ‘Meu Pedacinho de Chão’ terminou numa cantoria, com elenco entoando o clássico sertanejo ‘Chuá, Chuá’: fantasia para crianças e adultos, novela das seis estreia dia 7, no lugar de ‘Joia Rara’ (Divulgação)

À primeira vista, toda colorida e lúdica, Meu Pedacinho de Chão parece feita sob medida para as crianças. Mas a releitura cheia de fantasia que o diretor Luiz Fernando Carvalho levará ao ar a partir do dia 7, em substituição a Joia Rara na faixa das seis, trará muito do caráter educativo, social e político que marcou a obra original de 1971.

Bruna Linzmeyer, a professorinha Juliana, posa com crianças do elenco na cidade cenográfica: "Tudo aqui é de verdade", diz ela

Bruna Linzmeyer, a professorinha Juliana, posa com crianças do elenco na cidade cenográfica: “Tudo aqui é de verdade”, diz ela (Quanto Drama!)

“O abandono da educação e da figura da professora, por exemplo, estará espelhado lá – claro que de uma forma lúdica e moderna. Até a nossa classe política terá os seus representantes na Vila de Santa Fé, que é um microcosmos, é o Brasil”, adiantou o diretor na coletiva que apresentou a novela à imprensa na noite desta quinta (27), no Projac, no Rio. “As pessoas dirão ‘ah, que lindo, que colorido!’, mas há uma mensagem por trás de tudo. Talvez seja a melhor forma de transmitir certas coisas.”

 

 

Detalhe das árvores da Vila de Santa Fé, recobertas por crochê: projeto do artista plástico Raimundo Rodrigues, cidade cenográfica foi erguida com 20 toneladas de lata

Detalhe das árvores de Santa Fé, recobertas por crochê: projeto do artista plástico Raimundo Rodrigues, cidade consumiu 20 toneladas de lata (Quanto Drama!)

Leia também: Galãs herdeiros estreiam em ‘Meu Pedacinho de Chão’

Primeira novela das seis da Globo, Meu Pedacinho de Chão foi ainda pioneira na ideia de que a teledramaturgia poderia servir para ensinar – crianças e adultos, especialmente o homem do campo. Surgiu como um projeto de Benedito na TV Cultura, que lhe deu o aval para produzir, a duras penas, “10 ou 12 capítulos” e, sucesso no ar, chegou a ser exibida quatro vezes ao dia – duas na TV Cultura e duas na Globo. “Eu precisava convencer o conselho de que a Cultura poderia produzir novelas e a condição para poder produzir foi o foco na educação”, contou Benedito, que naquela recheou a trama com conceitos sobre a importância da alfabetização de adultos, técnicas agrícolas que facilitavam a vida do homem do campo e até campanhas de vacinação. “As pessoas chegavam ao posto de saúde e perguntavam “é a vacina da novela?’”, orgulhou-se o autor, 83 anos e 34 novelas. “Hoje, a gente não tem mais a preocupação didática, mas vamos vir com elementos de uma preocupação educativa, sem ser chato – sabe como é, quando a gente fala em educação, o moleque foge pela janela.”

Com desenho de produção diferente das demais novelas da emissora, Meu Pedacinho de Chão conta a história da chegada de uma doce e inspiradora professora, Juliana (Bruna Linzmeyer) a uma pequena vila e sua luta para implantar uma escola, diante da resistência do poderoso local, o Coronel Epaminondas (Osmar Prado). Apenas 20 personagens representam a história, que deve ter apenas 105 capítulos, gravados em esquema de cinema numa deslumbrante cidade cenográfica, erguida com 20 toneladas de lata numa criação do artista plástico Raimundo Rodrigues. Com casinhas de boneca e até uma linha de trem, é o tipo de lugar que dá vontade de se morar – ainda que o teto das casas seja um tanto baixo demais. “Cada construção tem uma característica especial, a partir de cada personagem, para que eles se reconhecessem ali”, explicou Rodrigues. “A gente queria que fosse uma cidade mágica. Por isso, as casas têm tamanho reduzido, para que os personagens estivessem no íntimo e  no espaço do brinquedo mesmo.”

Casas da cidade cenográfica não são só cenário, têm interior montado com capricho

Casas da cidade cenográfica não são só cenário, têm interior montado com capricho (Quanto Drama!)

No elenco, mais do que entusiasmado por participar de tal projeto, estão, além dos já citados Bruna e Osmar, Antonio Fagundes, Juliana Paes, Rodrigo Lombardi, Ricardo Blat, Emiliano Queiroz, Flavio Bauraqui e Irandhir Santos, destaque como o João da minissérie Amores Roubados que volta a trabalhar com Luiz depois de lançado na TV pelo diretor em A Pedra do Reino (2007). Até outro dia vivendo a autista Linda de Amor à Vida, Bruna é puro encanto com o seu cabelo rosa, que poderia ser representado em cena com uma peruca, mas que ela fez questão de pintar para valer. “Eu e o Luiz quisemos que fosse de verdade. Aqui é tudo de verdade”, filosofa a futura professorinha mais querida da TV.

Leia também:

Um ano de novelas mais curtas. Ainda bem

Deslize no roteiro mata personagem de ‘Em Família’

Juliana leva ‘Em Família’ a um mergulho na classe C

Cauã Reymond reedita o ‘mito José Mayer’

 

Trem da Vila de Santa Fé corre por trilhos de verdade no Projac: esmero da produção é um dos chamarizes da novela

Trem da Vila de Santa Fé corre por trilhos de verdade no Projac: esmero da produção é um dos chamarizes da novela (Quanto Drama!)

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

12 Comentários

  1. Tiana Ribeiro

    -

    25/07/2014 às 15:20

    A novela é encantadora, poesia pura! Quem tece comentários negativos a respeito dessa obra não teve infância, nunca se encantou com as histórias de contos de fadas, nunca se imaginou viajando na fantasia dos livros (falta de alguém que contasse histórias, na hora de dormir?)…ou quem sabe, nunca leu um livro por puro prazer. Que pena!
    Meu Pedacinho de Chão é uma das melhores novelas que já assisti. Por ser em formato pequeno com poucos capítulos, não tem tempo pra encher linguiça e ficar chovendo no molhado… Os atores estão perfeitos, acho que é o melhor trabalho do ator Rodrigo Lombardi (que sempre achei fraquinho): hilário quando Pedro Falcão fala, gesticula, ri… e quando chama “Epanimonda”, então. Parabéns a todos dessa novela.

  2. Fatinha

    -

    21/07/2014 às 16:49

    Amo esta novela. É uma pena que não possa vê-la todos os dias, pois quando chego em casa já está praticamente no final…. Meu Pedacinho de Chão é uma novela encantadora, simples, light, que relaxa o telespectador…. parece um conto de fadas… linda! Parabéns a todos que participam desta estória.

  3. Claudio Marcondes

    -

    18/07/2014 às 0:23

    Fantastico !!!! Não assisto assíduamente, mas todas as vezes que tenho oportunidade, fico encantado com o cenário, os personagens, a perfeita adequação dos atores e os temas que refletem nosso viver… Parabéns !!! Uma novela para marcar época…

  4. cristian rafael de paula

    -

    20/05/2014 às 16:01

    legal

  5. Maria Aparecida Marques da Silva Maia

    -

    09/05/2014 às 22:50

    Que bom ter uma novela de encanto e beleza novamente. Meu Pedacinho de Chão traz de volta a pureza e a beleza de uma história simples, mas recheada de emoções de assuntos adormecidos e que passam despercebidos no nosso cotidiano devido ao aceleramento em que nos encontramos, numa sociedade muito informatizada, mas com conhecimentos a desejar. Sinto uma alegria ao ver que naquele mundo pequenino, as pessoas se preocupam com as pessoas.Lá, não tem correria, não tem nenhum tipo de tecnologia, além de expressar a importância do conhecimento: saber ler e escrever. Resgata a comunicação por cartas, já esquecida nos dias atuais. Parabéns pela novela que está linda em todos os sentidos.

  6. JERUSA VIEIRA DE MELO

    -

    13/04/2014 às 20:34

    SOU FÃ DO lUIZ FERNAND,ACOMPANHEI PELA TV AS MINI SÉRIES mARIA mARIA E pEDRA DO rEINO E FICO DESLUMBRADA COM TODA A ARTE, CRIAÇÃO E INOVAÇÃO DO NOSSO DIRETOR E COMO NÃO SERIA DIFERENTE ME RENDO MAIS UMA VEZ A ESSA NOVA OBRA PRIMA QUE É MEU PEDACINHO DE CHÃO, OBRIGADO POR VOCE EXISTIR JERUSA

  7. Eloiza

    -

    03/04/2014 às 14:47

    Tô fora! Não perderei nenhum segundo assistindo Carochinha.
    Vai ser mais um fracasso!

  8. Cristiane

    -

    01/04/2014 às 12:44

    tá com nada irreal e fanstático
    dá um tempo
    fantasia sim amas sem ser uma enredo de escola de samba [2]; Penso O MESMO que o James,ao notar isso perdi a vontade de assistir essa novela.

  9. James

    -

    28/03/2014 às 15:42

    é muito frufru cluclcu

    muit lulu

    tá com nada irreal e fanstático

    dá um tempo

    fantasia sim amas sem ser uma enredo de escola de samba

    deplorável

  10. Hilda

    -

    28/03/2014 às 14:55

    Penso que vai ser uma maravilha e um grande sucesso por ser uma novela diferente mas que educa e diverte.

  11. Flavio

    -

    28/03/2014 às 13:00

    De mensagem subliminar a Globo entende, e muito! E foi através desse tipo de mensagem que José Serra passou a ser rejeitado por muitos. Uma pena!

  12. Neusa de oliveira

    -

    28/03/2014 às 12:14

    Espero que tenha sucesso, gosto de fantasias que dão recados, se for essa a ideia até penso acompanha-la.
    Havia prometido não mais assistir novelas. Eles iniciam bem mais vão tomando formas desgastantes como Joia Rara, umm embrulhado de situações; um sujeito louco que domina totalmente a historia; uma menina que tem poderes, isto não existe. Acredito na filosofia budista: bondade, perseverança, dar amor e não cobrar, compreender as diferenças com humildade. Esse modelo de a novela acabar bem só nos dois capítulos finais já saturou; As novelas da Globo, que é expert no assunto, tem excesso de beijos ardentes e sexo. Acho uma apelação, exemplo disto é o tal da Malhação. Que porcaria de novela juvenil, tem crimes, sexos, maldades de baldes, uma gritaria. Não assisto e não recomendo. Aliás, depois desta Joia (não rara) pretendo não assistir mais nenhuma. Mas fica aqui a minha crítica, esperando que Pedacinho de Chão tenha sucesso, não decepcione.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados