Blogs e Colunistas

19/12/2014

às 12:15 \ Eu vejo novela

RIP Comendador

Quando todos pensam que ele está mortinho da silva, José Alfredo (Alexandre Nero) acorda no caixão: vai ao ar nesta sexta (19) em 'Império' (Divulgação)

Quando todos pensam que ele está mortinho da silva, José Alfredo (Alexandre Nero) acorda no caixão: vai ao ar nesta sexta (19) em ‘Império’ (Divulgação)

Se as fãs do charmoso Comendador já não soubessem de antemão que tudo não passa de um jogo de cena, seria o caso de derramar pelo menos uma lágrima durante a sequência que terminou com a morte fingida do personagem em Império (Globo, 21h15). Numa sequência emocionante e propositalmente confusa, como costumam ser as reuniões de família da mansão dos Medeiros de Albuquerue, José Alfredo teve um treco ao flagrar a mulher, Maria Marta (Lilia Cabral), em sua própria casa, justamente com o sujeito que quer destruí-lo, Maurílio (Carmo Dalla Vecchia).

Parecendo mais enciumado do que se poderia esperar, ele partiu para cima do inimigo. Depois de ser contido pelos filhos – com destaque para o soco que José Pedro (Caio Blat) deu em Maurílio, capaz de derrubar aquele homem de mais de 1,90 de altura –, o comendador caiu duro. No capítulo desta sexta (19) começam, então, os preparativos para o funeral, que promete ser um dos mais agitados da história da teledramaturgia – em especial porque o morto vai acordar logo depois, dentro do caixão a sete palmos.

Por mais que pareça absurda, a morte anunciada e fingida é um recurso que sempre agrada nas novelas. E, anote-se, já rendeu momentos memoráveis. Relembre outros 7 casos:

» Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

17/12/2014

às 17:09 \ Fotonovela

Lili, uma ex única

No último episódio de 'Lili, a Ex', que vai ao ar nesta quarta (17) no GNT, Maria Casadevall encena o surto da personagem ao saber que Reginaldo (Felipe Rocha) vai se casar (Reprodução)

No último episódio de ‘Lili, a Ex’, que vai ao ar nesta quarta (17) no GNT, Maria Casadevall encena o surto da personagem ao saber que Reginaldo (Felipe Rocha) vai se casar (Reprodução)

Lili (Maria Casadevall), a maluquete mais divertida do momento, chega ao último episódio da temporada nesta quarta (GNT, 22h40) à beira de um colapso. Reginaldo (Felipe Rocha) está prestes a se casar com a “delegata casca grossa” Grace Kelly (Priscila Fantin), o que põe o título preferido de Lili em risco. “E se eles se separarem? Ela vai ser ex-mulher dele. E ex-mulher só tem uma – eu!”, diz ela.

Impossível prever se o pacífico Reginaldo, de uns tempos para cá espremido entre a namorada tirana e a ex-mulher obsessiva, chegará vivo ao altar. Seja lá qual for o destino dos protagonistas, uma coisa é certa: Lili, a Ex se firmou como uma das melhores comédias da TV no ano e acumulou credenciais mais do que suficientes para uma segunda temporada em 2015.

Leia também:

Militar vira chato de galochas em ‘Boogie Oogie’

7 momentos surreais de ‘Império’

‘Se a Renée mudou de cara, por que não a Cora?’

Saiba como será a não-morte do Comendador de ‘Império’

Twitter: @patvillalba

Facebook: facebook.com/QuantoDrama

16/12/2014

às 22:53 \ Maestro, uma nota

‘Algema é muito cafona!’

Téo Pereira em... ataque de pelancas (Divulgação)

Téo Pereira em… ataque de pelancas (Divulgação)

Condenado no tribunal por perseguir Cláudio Bolgari ( José Mayer) com notícias maldosas, o blogueiro Téo Pereira (Paulo Betty) terminou o capítulo desta terça (16) de Império (Globo, 21h10) no fundo de um camburão. Foi preso ao desacatar a juíza do processo que o festeiro move contra ele, durante um show verborrágico num palanque imaginário, com direito a todo tipo de palavra de ordem em nome da liberdade de imprensa.

Levou um pito da magistrada – a quem chamou o tempo todo de “meretríssima” – e respondeu com o primeiro mandamento dos fofoqueiros de internet: “Famoso não tem direito a privacidade. Quem sai na chuva é para se molhar.”

Ao ser preso, já fantasiando que poderia parar na Papuda e incomodado com a “algema cafona”, o jornalista passou de estilingue a vidraça: foi fotografado por um verdadeiro exército de representantes da imprensa marrom. E a gente pensando que blog dele não tinha concorrentes dentro da novela.

Leia também:

7 momentos surreais de ‘Império’

‘Se a Renée mudou de cara, por que não a Cora?’

5 cenas que prometem agitar ‘Império’

Saiba como será a não-morte do Comendador de ‘Império’

Vem aí a biografia não-autorizada do Comendador de ‘Império’

Twitter: @patvillalba

Facebook: facebook.com/QuantoDrama

12/12/2014

às 16:40 \ Folhetinescas

Militar vira chato de galochas em ‘Boogie Oogie’

O enérgico Elísio (Daniel Dantas) e a sofrida Beatriz (Heloísa Périssé): novela das 6 se restringe à vida privada do "homem de quartel" e se esquece a ditadura militar (Divulgação)

O enérgico Elísio (Daniel Dantas) e a sofrida Beatriz (Heloísa Périssé): novela das 6 se restringe à vida privada do “homem de quartel” e se esquece a ditadura militar (Divulgação)

Bem-sucedida na reconstrução de época em quesitos como figurino, música e estilo de vida, Boogie Oogie (Globo, 18h20) ignora solenemente e de maneira curiosa o momento político em que está ambientada sua história, em 1978. 

Não que se deva esperar uma tese acadêmica em plena faixa das 6, a das novelas mais românticas. Mas há bons exemplos de como os autores conseguem pinceladas da vida real em cenas de novelas como Joia Rara (2013), que conseguiu ligar o budismo ao comunismo no ano passado, e Lado a Lado, que se valeu com sucesso das profundas transformações ocorridas nos primeiros anos da República em 2012.

Boogie Oogie, no ar desde agosto, parece fazer questão de esquecer que está ancorada no governo Geisel (1974-1979), marcado pelo início da abertura política que se tornaria realidade em 1988, com a nova Constituição. Em cena, há dois militares. Pedro (José Loreto) é um soldado cuja farda, usada esporadicamente, funciona apenas como alegoria – se aparecer vestido de médico, não fará diferença na trama, uma vez que dedica a vida a destruir a felicidade de Sandra (Isis Valverde). O verde-oliva fica todo, portanto, com o Coronel Elísio, mais uma interpretação forte de Daniel Dantas.

Mas longe de propor alguma reflexão sobre o período da ditadura – assunto, como se sabe, bastante atual –, o autor Rui Vilhena optou por transformá-lo no chato de plantão, que impõe uma rotina de quartel aos filhos e oprime a mulher, Beatriz (Heloísa Périssé). Não que Elísio deixe de representar bem, sim, o cotidiano de certo tipo de família de militar daquela época. Pena que o personagem seja visto apenas por esse ângulo.

O jeito sisudo de Elísio tem lhe custado caro e não será surpresa se ele chegar muito mais amigável ao final da novela – o primeiro passo foi perdoar a mulher. Beatriz, coitada, passou metade da vida lamentando umas poucas idas ao cinema com o vizinho. Só queria alguém para conversar, já que o marido não é de muita gentileza. Não por acaso, o tal amigo é Paulo (Caco Ciocler), um intelectual de esquerda que voltou ao país depois de uns tempos no exílio – faz jus ao propagado (e folclórico) charme dos subversivos, mas ideologia que é bom… ainda não demonstrou claramente ter alguma.

Leia também:

7 momentos surreais de ‘Império’

‘Se a Renée mudou de cara, por que não a Cora?’

Saiba como será a não-morte do Comendador de ‘Império’

Vem aí a biografia não-autorizada do Comendador de ‘Império’

Twitter: @patvillalba

Facebook: facebook.com/QuantoDrama

11/12/2014

às 14:47 \ Folhetinescas

7 momentos surreais de ‘Império’

Se fosse possível na vida real, o "véu rejuvenescedor" da novela das 9 seria o presente mais pedido do Natal (Divulgação)

Se fosse possível na vida real, o “véu rejuvenescedor” da novela das 9 seria o presente mais pedido do Natal (Divulgação)

Na última vez em que estive com Aguinaldo Silva, há dez dias, perguntei qual a coisa mais doida que ele já fizera em novelas até então. O autor pensou um momento, provavelmente repassando em sua cabeça cenas como a morte de Jorge Tadeu de Pedra sobre Pedra (1992) ou o incêndio que transformou Altiva numa bruxa assustadora em A Indomada (1997), e respondeu: “Foi a ventania que varreu Santana do Agreste do mapa em Tieta.” Explicou que o roteiro do último capítulo da novela de 1989 continha uma artimanha dele e do diretor Paulo Ubiratan (1947-1998) para evitar que fosse feito um seriado com os personagens, muito populares na época. Depois da última semana, pode-se imaginar que a resposta do autor de Império (Globo, 21h10) seria outra.

A “nova Cora”, que surgiu com o que vem sendo chamado nas redes sociais de “véu rejunescedor”, é uma das maiores ousadias com verniz surrealista da teledramaturgia nacional. Foi uma solução encontrada às pressas, como se sabe, porque Drica Moraes, que vinha interpretando a personagem na fase madura, precisou de uma licença médica. No seu lugar, Marjorie Estiano, que viveu a megera na primeira fase, reassumiu o posto – para deixar os demais personagens e o público de queixo caído.

Muitos foram à internet criticar a saída escolhida pelo autor. Ele poderia, é verdade, matar Cora de vez – mas não seria muito ruim perder a vilã mais manipuladora da novela? Outra alternativa seria trazer uma atriz de idade compatível com Drica e fingir que nada aconteceu – mas não seria bem menos divertido do que convidar Marjorie a voltar? E, sobretudo, a repercussão da “Cora jovem” não atrai muito mais olhares para a novela do que qualquer outro recurso dramatúrgico conseguiria atrair?

Poucos autores poderiam tomar tal liberdade numa novela das 9. No registro realista de Gilberto Braga e Manoel Carlos, por exemplo, seria impensável algo do tipo. Já Silvio de Abreu, que mistura o realismo com um humor fantasioso peculiar, bem que poderia se aventurar em algo parecido. Mas, entre todos, Aguinaldo Silva é o dono da trajetória que o credencia a tal birutice deliciosa. Ainda que desde Senhora do Destino (2004) ele estivesse tentando se distanciar da inventividade surrealista que o consagrou, como um verdadeiro herdeiro de Dias Gomes (1922-1999), Império vem demonstrando que o autor pode até sair do realismo mágico, mas o realismo mágico não sairá dele tão fácil. É que a novela engana os que pensam se tratar de uma obra realista e contemporânea. Com estrutura medieval, ela vem fincando os pés no absurdo aos poucos e muito antes de Cora mudar de cara.

Confira 7 momentos da novela que desafiam a realidade:

» Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

10/12/2014

às 16:44 \ Fotonovela

‘E eu lá sou homem de negar fogo?’

Cora (Marjorie Estiano) acorda sem lembrar nadica da noite de amor com o Comendador (Alexandre Nero) (Divulgação)

Cora (Marjorie Estiano) acorda sem lembrar nadica da noite de amor com o Comendador (Alexandre Nero) (Divulgação)

Megera apaixonada e recalcada desde 1987, Cora (Marjorie Estiano) cairá feito uma patinha no conto do “sangue de galinha” armado por José Alfredo (Alexandre Nero) e Josué (Roberto Birindelli) para simular que ela perdeu a virgindade. Em cena que vai ao ar no capítulo desta quarta (10) de Império (Globo, 21h10) a vilã recauchutada finalmente acordará – ela vem dormindo profundamente desde o capítulo de sábado (6) – e acreditará que os tempos no caritó ficaram para trás.

Mas quem estará ao seu lado não será seu amor, o Comendador. Josué estará velando seu sono. Sem lembrar nadica da tal “noite de amor em troca do diamante cor-de-rosa”, Cora fará um telefonema para José Alfredo. Ele confirmará que tirou sua virgindade. “E eu sou homem de negar fogo?”

Agora, resta saber o que a vilã fará nesta nova fase da vida, remoçada e supostamente desvirginada. E por quanto tempo vai durar essa ilusão.

Leia também:

‘Se a Renée mudou de cara, por que não a Cora?’

5 cenas que prometem agitar ‘Império’

Saiba como será a não-morte do Comendador de ‘Império’

Vem aí a biografia não-autorizada do Comendador de ‘Império’

Twitter: @patvillalba

Facebook: facebook.com/QuantoDrama

09/12/2014

às 12:33 \ Fotonovela

Mudanças na reta final de ‘Sexo e as Negas’

No episódio desta terça (9), Zulma (Karin Hils) comemora o nascimento de José ao lado de Elder (Rafael Zulu)

No episódio desta terça (9), Zulma (Karin Hils) comemora o nascimento de José ao lado de Elder (Rafael Zulu) (Divulgação)

Massacrada na internet por uma campanha que a acusa de racismo, a série Sexo e as Negas chega nesta terça (9) ao penúltimo de seus 13 episódios com mudanças decisivas na vida das protagonistas. Em clima de “dias melhores virão” e depois de um namoro mais do que quente com Elder (Rafael Zulu), Zulma (Karin Hils) comemora o nascimento do primeiro filho, José.

Jesuína (Claudia Jimenez) também terá boas surpresas, como a chegada de um pretendente, Alfredo (Adriano Garib), que entra em sua vida por meio de um “site de relacionamentos maduros”. Em mais uma vitória em sua luta cotidiana para melhorar de vida, Tilde (Corina Sabbas) recebe do professor Nelson (Fernando Eiras) a notícia de que foi indicada para uma vaga de intercâmbio no exterior. De operária desempregada no começo da trama, ela poderá passar a acadêmica, o que prova que a dramaturgia precisa de espaço e conflitos para desenvolver a trajetória de um bom personagem. E haja conflito: agora, ela terá de decidir entre estudar matemática na Índia ou casar com Vinagre (Frank Borges).

Leia também:

Falabella, as negas e a polêmica

Twitter: @patvillalba

Facebook: facebook.com/QuantoDrama

 

06/12/2014

às 12:30 \ Entrevista

‘Se a Renée mudou de cara, por que não a Cora?’

Como diria a Márcia de 'Chocolate com Pimenta', a Cora é chique, benhê!: temporada no spa vai rejuvenescer incrivelmente a vilã (Divulgação)

Como diria a Márcia de ‘Chocolate com Pimenta’, a Cora é chique, benhê!: temporada no spa vai rejuvenescer incrivelmente a vilã (Divulgação)

Um corre-corre como poucas vezes se viu no mundo das telenovelas tomou conta da equipe de Império na última quinta (4), quando estava prevista a volta de Drica Moraes às gravações. Afastada havia dez dias por uma crise de labirintite, a atriz chegou a comparecer ao Projac para gravar as cenas em que a vilã Cora reapareceria nos trinques, após uns tempos num spa. “Mas ela não chegou a gravar, pois estava completamente afônica”, explica o autor Aguinaldo Silva em conversa na manhã deste sábado (6) com QUANTO DRAMA!, comentando a recente notícia de que Marjorie Estiano, destaque na primeira fase da novela, retomará a personagem a partir do capítulo de hoje.

Ao voltar para Santa Teresa, onde deixou sobrinhos e vizinhos intrigados, Cora estará, digamos, incrivelmente rejuvenescida. Vale dizer que a personagem é de suma importância para o andamento de Império, pois são dela boa parte das ações que movimentam a novela – matá-la de vez seria, portanto, um caminho perigoso. “Não dava mais para paralisar ou adiar as tramas, a situação era de absoluta emergência. E eu consultei a direção da emissora sobre a possibilidade de trazer Marjorie Estiano para fazer a Cora”, detalha o autor que, com o novo lance dramático voltará, sem querer, no realismo mágico que o consagrou. “Meu (único) argumento? Foi: “Ora, se a Renée Zellweger pode mudar de cara, virar outra e se tornar notícia no mundo inteiro, por que não a Cora?”

Segundo Aguinaldo, Marjorie foi acionada e aceitou na hora. Foi, então, produzido mais um bloco de capítulos, com a nova faceta da personagem. “O pesadelo recorrente de todo mundo envolvido neste trabalho é chegar ao dia em que não haverá capítulos para botar no ar… E Império, nesta semana, correu este risco seriamente.”

O autor revela ainda que não está descartada a volta de Drica à novela, que fica termina em meados de março. “Eu espero ardentemente que isso aconteça. Ela tem nosso amor, nosso carinho e nossa torcida. Cora é – e sempre será – ela. Tenho certeza que em breve ela estará novamente fazendo suas travessuras na novela, e aí… Quem sabe a Marjorie não vira uma pestinha chamada Corina, uma sobrinha que Cora, envolvida com algum problema pessoal, mandou para substituí-la?”

Leia também:

5 cenas que prometem agitar ‘Império’

Labirintite de Drica Moraes manda Cora para o spa

Saiba como será a não-morte do Comendador de ‘Império’

Vem aí a biografia não-autorizada do Comendador de ‘Império’

05/12/2014

às 14:33 \ Folhetinescas

5 cenas que prometem agitar ‘Império’

Chora, Zé!: depois da lorota contada por Magnólia (Zezeh Polessa) para sabotar o romance da filha, o comendador passará meses longe da "sweet child" Maria Isis (Marina Ruy Barbosa) (Divulgação)

Chora, Zé!: depois da lorota contada por Magnólia (Zezeh Polessa) para sabotar o romance da filha, o comendador passará meses longe da “sweet child” Maria Isis (Marina Ruy Barbosa) (Divulgação)

Prevista para durar 202 capítulos, Império (Globo, 21h15) ainda tem muita lenha para queimar nos próximos dias, principalmente a partir do plano de escape do Comendador José Alfredo (Alexandre Nero) que, como já se sabe, vai forjar a própria morte. A sequência começa a ir ao ar no dia 22.

Antes, porém, no capítulo que vai ao ar nesta sexta (5), o homem de preto vai romper com a “sweet child” Maria Ísis (Marina Ruy Barbosa). “Quando todos pensarem que ele morreu, ela vai entrar em desespero, porque eles estarão separados então”, adianta o autor Aguinaldo Silva em conversa com QUANTO DRAMA. 

Confira abaixo 5 cenas do tipo “fortes emoções” que vêm por aí na novela:

(* atualizado às 22h)

1. Cora do caritó

É esperado o retorno de Cora à trama, novamente interpretada por Marjorie Estiano. Drica Moraes, que passou uma semana se recuperando de uma indisposição, foi definitivamente afastada da novela nesta sexta (5). Cora, que sumiu sem deixar rastro, reaparecerá toda trabalhada na máscara facial de pepino, depois de uma temporada num spa – daí o rejuvenescimento. As cenas estão previstas para o capítulo deste sábado (6). A vilã passou um tempo se preparando para a noite amor que planeja ter com o Comendador, em troca do diamante cor-de-rosa. Mas ele dará um jeito de enganá-la, deixando-a, sem piedade, no caritó.

» Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

03/12/2014

às 17:11 \ Eu vejo novela

O que Beatriz Bolgari e Joan Harris têm em comum?

Beatriz (Suzi Rêgo) e Joan Harris (Christina  Hendricks): 'Império' e 'Mad Men' ensinam que os arranjos familiares podem ser surpreendentes, seja no Rio de 2014 ou na Nova Iorque de 1969 (Divulgação)

Beatriz (Suzi Rêgo) e Joan Harris (Christina Hendricks): ‘Império’ e ‘Mad Men’ ensinam que os arranjos familiares podem ser surpreendentes, seja no Rio de 2014 ou na Nova Iorque de 1969 (Divulgação)

* alerta: spoilers da série Mad Men

Desde o começo de Império (Globo, 21h), em julho, a empresária Beatriz Bolgari (Suzy Rêgo) vem chocando parte da audiência não só por aceitar como defender o caso extraconjugal do marido, Cláudio (José Mayer) com outro homem, o antes aspirante a modelo e agora mendigo Leonardo (Klebber Toledo).

Pelos comentários sobre a personagem nas redes sociais e nos grupos de discussão organizados pela emissora, é inconcebível para alguns a complacência da “esposa e amiga”, uma das poucas pessoas com caráter inabalável na novela de Aguinaldo Silva. Ontem mesmo (terça, 2), lá estava ela preocupadíssima depois de avistar Leo maltrapilho pelas ruas de Copacabana – Cláudio, sempre covarde, queria deixar a desgraça do ex-namorado pra lá, veja que coisa.

Mas por mais estranho que possa parecer esse arranjo doméstico, como já foi amplamente discutido na imprensa, os Bolgari encontram eco na vida real e também na ficção. Em Mad Men, a aclamada série americana da rede AMC que se passa nos bastidores da publicidade nos anos 60,  a desejada Joan Harris (Christina Hendricks) pode caminhar para um “felizes para sempre” com seu amigo gay, Bob Benson (James Wolk). Após exibir o sétimo episódio de sua sétima e última temporada em maio, a série voltará para os momentos finais em março, na TV americana – o grand finale foi dividido em duas fornadas de sete episódios.

Antes do início do hiato, quando foi revelado para o público que Bob mantém um romance com um executivo da GM, o publicitário prestativo e sensível propôs casamento a Joan. Precisa, afinal, manter as aparências no meio corporativo. A ruiva mais desejada da TV americana respondeu que ainda acredita no amor. Mas quem sabe a condição de mulher divorciada, com um filho pequeno e ilegítimo do chefe, o confuso Roger Sterling (John Slaterry), não leve a personagem – notável garota à frente do seu tempo durante sete temporadas – a uma solução, digamos, mais arrojada?

Leia também:

‘Muitos são preconceituosos por ignorância’, diz Suzy Rêgo

Labirintite de Drica Moraes manda Cora para o spa

Saiba como será a não-morte do Comendador de ‘Império’

Vem aí a biografia não-autorizada do Comendador de ‘Império’

Twitter: @patvillalba

Facebook: facebook.com/QuantoDrama

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados