Blogs e Colunistas

corinthians

31/08/2010

às 9:24 \ Copa 2014

Na Copa à moda brasileira, um presentão para Lula

As circunstâncias que cercam a definição do palco paulista na Copa do Mundo de 2014 são como um cardápio do que há de pior na gestão pública brasileira – e confirmam os mais graves temores dos que hesitam em festejar a realização do evento no país. Conforme revelou o presidente do Corinthians em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, o projeto do estádio candidato a receber a abertura da maior competição esportiva do planeta foi aprovado no escuro – nem a CBF nem os governos federal, estadual e municipal viram uma maquete ou planta que fosse.

A escolha foi questão de princípios – ou da falta deles. Hoje, o “Fielzão” pode ser não mais que um desenho feito no computador e um terreno lamacento no extremo leste da maior cidade do Brasil. Não cumpre os requisitos técnicos da Fifa – até porque ainda não existe -, mas atende às exigências de Ricardo Teixeira – afinal, não pertence ao São Paulo, clube que ousou descumprir os desejos do dirigente que é dono do futebol brasileiro há duas décadas. Não é a opção mais segura do ponto de vista econômico, mas é a que aquece o coração de Luiz Inácio Lula da Silva, que se prepara para descer a rampa do Planalto carregando um presentão ao time que escolheu para torcer – cortesia da Odebrecht, que já arma as fundações de sua próxima grande obra, a coleção de encomendas que espera receber num possível governo de Dilma Rousseff.

O ministro do Esporte, Orlando Silva, que repetia à exaustão que reformar o Morumbi sem dinheiro público era a melhor alternativa, agora acha que o Corinthians “salvou a Copa” para os paulistas. Só não falou sobre o dinheiro público que será gasto para aprontar a infraestrutura ao redor do estádio – e sobre o financiamento camarada esperado do BNDES. E a oposição, que ocupa a prefeitura e o governo do estado, abre mão do compromisso público de fazer o Mundial em São Paulo sem os mesmos exageros que marcam projetos fadados à obsolescência, como os das sedes de Natal e Cuiabá.

Preferiu entrar no jogo político que antes condenava e antecipar o anúncio do estádio do Corinthians para evitar que Lula pudesse transformar a apresentação do projeto – antes prevista para uma festa que teria o presidente como convidado de honra – num trunfo para colher mais alguns votos ao seu candidato ao governo do estado mais rico da União. A Copa à moda brasileira, como se vê, começou quatro anos antes do pontapé inicial do primeiro jogo do torneio, marcado para um estádio que ninguém sabe como será.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados