Blogs e Colunistas

prefeitura

30/10/2013

às 17:31 \ Prefeitura de São Paulo

Ex-secretário de Kassab nega ligação com esquema

brasil-politica-mauro-ricardo-ex-secretario-finanacas-kassab-corrupcao-20080618-01-originalEx-secretário de Finanças da cidade de São Paulo na gestão de Gilberto Kassab, Mauro Ricardo Costa negou nesta quarta-feira ligação com o esquema de fraudes na cobrança do Imposto Sobre Serviços (ISS), que pode ter desviado até 500 milhões de reais dos cofres públicos. Em nota, Mauro Ricardo, que é o atual secretário de Finanças da prefeitura de Salvador, disse “lamentar que tais fatos, casos comprovados, tenham sido praticados por servidores públicos municipais concursados”.

“O Ministério Público de São Paulo tem todas as condições de elucidar o ocorrido e apresentar a denúncia à Justiça, a quem cabe julgar os fatos. Não tenho qualquer envolvimento com tais denúncias e que a Justiça cumpra o seu papel de investigar e punir os eventuais responsáveis”, afirmou.

30/10/2012

às 13:10 \ Eleições 2012

Haddad foge de responder sobre promessa de campanha

A criação do Bilhete Único Mensal foi uma das principais promessas de campanha de Fernando Haddad (PT). Vencida a eleição, o petista tem sido reticente sobre a implantação da ideia. Na segunda-feira, disse que o benefício dependia de aprovação na Câmara Municipal e que deve entrar em vigor só no segundo ano de governo, ou seja, em 2014. Nesta terça, tergiversou ao ser questionado sobre a extensão do Bilhete Único Mensal ao Metrô, após reunião com o governador Geraldo Alckmin (PSDB), no Palácio dos Bandeirantes.

A proposta de Haddad consiste em criar um bilhete com preço fixo e validade mensal para viagens ilimitadas nos ônibus da capital. Hoje, o Bilhete Único funciona de forma integrada com o Metrô, com desconto para quem usa os dois meios de transporte. Questionado sobre a integração com os trens, o petista assim respondeu: “Veja bem, o meu plano de governo tem muitos compromissos com São Paulo.” Falou então da cessão de terrenos do estado para a construção de creches e de novas parcerias para o Metrô, sem sequer citar a promessa de campanha.

Haddad e Alckmin estiveram reunidos por 40 minutos no gabinete do governador. A audiência foi marcada a pedido do prefeito eleito. Eles tomaram café e combinaram de montar um grupo com representantes da prefeitura e do governo do estado para, assim que Haddad tomar posse, estudar a possibilidade de ampliar parcerias. O rápido pronunciamento dos dois após o encontro foi uma infindável troca de elogios.

“O clima é o melhor possível. Não haverá nenhuma dificuldade”, disse o petista. “Tenho certeza de que vou contar com o governador e vim aqui dizer que ele conte comigo sempre.” O anfitrião retribui a gentileza. “Foi uma grande alegria receber o prefeito eleito da nossa capital”, disse o governador. “Reiteramos nossas boas parcerias. Vamos estar juntos em benefício da população de São Paulo.” Alckmin foi o principal cabo eleitoral do adversário de Haddad nessa campanha, o tucano José Serra.

Em seguida, em entrevista ao SPTV, da Rede Globo, afirmou que encaminhará um projeto à Câmara Municipal nas primeiras semanas de governo e pretende orientar sua bancada de vereadores para priorizar o Bilhete Único Mensal.

(Carolina Freitas, de São Paulo)

14/05/2012

às 10:48 \ Eleições 2012

DEM formaliza aliança com Serra na quinta-feira

A um mês da convenção que confirmará a candidatura de Fernando Haddad à sucessão do prefeito Gilberto Kassab, os petistas correm contra o tempo para fechar ao menos uma aliança – o PT, inclusive, baixou uma resolução para alavancar a campanha do ex-ministro da Educação. Enquanto isso, o candidato do PSDB, José Serra, fechará a terceira aliança em menos de uma semana.

Está marcada para esta quinta-feira a entrada formal do DEM na campanha do ex-governador. No sábado, Serra recebeu o apoio do PSD de Kassab. O PV também já confirmou apoio ao tucano. Os tucanos trabalham, agora, para fechar até semana que vem aliança com PP e PTB. À frente das negociações, o governador Geraldo Alckmin jantou com o presidente do PTB, deputado Campos Machado, na semana passada e as conversas avançaram.

(Thais Arbex, de São Paulo)

03/05/2012

às 11:27 \ Eleições 2012

Paulinho da Força: largada pela prefeitura de São Paulo será nesta segunda

O deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP) vai se licenciar da presidência da Força Sindical nesta segunda-feira para iniciar a pré-campanha pela prefeitura de São Paulo. Paulinho da Força, como é conhecido, tem conversado com a cúpula do PSB em busca de apoio à sua candidatura. O deputado está presente na cerimônia de posse de Brizola Neto (PDT) no Ministério do Trabalho, que acontece na manhã desta quinta-feira no Palácio do Planalto.

À tarde, o sindicalista participará de uma reunião com a presidente Dilma Rousseff e as centrais sindicais. Elas cobrarão do governo o fim do fator previdenciário e da cobrança do imposto de renda na participação dos lucros e resultados de empresas. Os sindicalistas também esperam que a presidente fale sobre as mudanças no rendimento da poupança, cujo anúncio está previsto para hoje.

(Luciana Marques, de Brasília)

04/11/2011

às 20:28 \ Câmara dos Deputados

Romário quer ser prefeito, mas deve ficar de mão abanando

O deputado federal Romário (PSB-RJ) sonha em ser prefeito do Rio de Janeiro. Na noite desta sexta-feira, ele usou o Twitter para confirmar a informação. Ele admitiu ter poucas chances porque seu partido deve apoiar a reeleição de Eduardo Paes (PMDB): “Sobre a notícia de hoje sobre uma possível candidatura à prefeitura do RJ, é verdadeira. Mas o partido prefere apoiar o prefeito atual. Apoio esse que não terá da minha parte. Infelizmente na política existem essas construções que eu não sou muito de acordo”, disparou o ex-jogador.

Também sobrou para a Fifa e a CBF. Na quarta-feira, a Comissão de Esporte da Câmara pretende ouvir, em audiência, representantes das duas entidades: Jerome Valcke e Ricardo Teixeira. Romário já prepara sua munição: “Vocês podem acreditar que as notícias de quarta-feira não serão muito positivas nem para Fifa, COL (Comitê Organizador Local) e CBF porque, no que depender de mim, eles vão se colocar no lugarzinho deles”. O baixinho quer que as entidades que organizam os torneios esportivos destinem parte de seus lucros a investimentos na área social: “O pau vai quebrar”, resumiu.

(Gabriel Castro, de Brasília)

27/09/2011

às 16:42 \ Partidos

A briga do PT em Recife

A eleição de Ana Arraes para o cargo de ministra do Tribunal de Contas da União (TCU) ajuda a aumentar o prestígio do filho dela, o governador de Pernambuco e cacique do PSB, Eduardo Campos, na corrida eleitoral de 2014 – ele foi o grande responsável por levar a mãe ao posto. Já  o clima no PT é de guerra diante das eleições para a prefeitura do Recife, no ano que vem.

O deputado federal João Paulo Lima (PT), ex-prefeito da cidade, tem sinalizado que vai deixar a legenda para disputar contra o atual prefeito, João da Costa (PT). Apesar de seu governo enfrentar uma crise política, o prefeito é o candidato natural do partido à reeleição.

João Paulo foi sondado por pelo menos quatro siglas, mas já é quase certa sua filiação ao PV. O anúncio deve ocorrer até o dia 7 de outubro, data limite para que ele possa se lançar candidato. O PT tem insistido para que o deputado permaneça na legenda. Mas, sem garantias de que será escolhido o candidato do partido para a prefeitura do Recife, João Paulo deve mesmo romper com o PT.

“Espero que essa história acabe como a votação de Ana Arraes: com final feliz”, disse o secretário do governo de Pernambuco, Maurício Rands, , lembrando a eleição da mãe do governador Eduardo Campos e deputada pelo PSB-PE para o cargo de ministra do TCU, com apoio da cúpula do PT. Agora, Rands pede que o petista continue na legenda.

Também pretendem disputar a prefeitura do Recife o deputado federal Mendonça Filho (DEM), o ex-deputado Raul Jungmann (PPS), o deputado federal Raul Henry (PMDB) e o deputado estadual Daniel Coelho (PSDB).

(Luciana Marques, de Brasília)

02/09/2011

às 20:34 \ Partidos

Haddad: “Pré-candidatos não deveriam falar sobre prévias”

Pré-candidato à prefeitura de São Paulo, o ministro da Educação, Fernando Haddad, é o preferido de Luiz Inácio Lula da Silva. A situação, entretanto, tem deixado o paulistano em situação desconfortável com colegas do PT.

Como o ex-presidente quer atropelar a democracia interna e forçar a escolha pelo seu escolhido, Haddad fica sem graça quando confrontado com a posição de outros pré-candidatos, defensores das prévias. E manda uma indireta: “Acho que os pré-candidatos não deveriam falar sobre isso, para não parecer que estão querendo ser favorecidos”. A declaração foi dada pouco antes da abertura do Congresso do PT, em Brasília.

(Gabriel Castro, de Brasília)

14/07/2011

às 18:07 \ Governo Alckmin, oposição, PSD

PSDB tenta se aproximar de Chalita e Kassab

De olho nas eleições municipais do ano que vem, tucanos próximos ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, já se mobilizam para a construção de alianças. Eles pretendem manter contato até  mesmo com o deputado federal Gabriel Chalita, que deve disputar o comando do município pelo PMDB. Como o PT também lançará candidato, o PSDB não descarta pedir apoio dos peemedebistas em um eventual segundo turno. Chalita, ex-tucano, ainda é tido como um potencial aliado.

Em outra ponta, o PSDB também quer sentar à mesa com o PSD para desenhar uma espécie de pacto de não-agressão. Mas tudo dependerá, claro, de quem será o candidato tucano para a prefeitura, já quem todos os cotados têm boas relações com Chalita ou Gilberto Kassab (PSD).

Entre os tucanos cotados para o cargo estão o secretário estadual de Energia de São Paulo, José Aníbal, o secretário estadual de Meio Ambiente, Bruno Covas, o deputado federal Ricardo Tripoli e o ex-governador José Serra.

(Luciana Marques e Gabriel Castro, de Brasília)

13/05/2011

às 15:32 \ Partidos

Sem Skaf e Chalita, PSB traça plano “C” para São Paulo

O PSB ventila dois prováveis nomes de candidatos à prefeitura de São Paulo em 2012: a deputada federal, Luiza Erundina, e o secretário estadual de Turismo, Márcio França. Os planos “A” e “B” dos socialistas eram o deputado federal Gabriel Chalita e o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf. Mas ambos decidiram se filiar ao PMDB.

O presidente do partido e governador de Pernambuco, Eduardo Campos, pondera que o PSB não deve entrar na disputa se houver polarização de políticos veteranos do PT e do PSDB. “Se a eleição começar com dois grandes nomes consolidados eleitoralmente, a melhor saída é buscar a construção de uma coligação”, avalia. Esses nomes a que ele se refere são da senadora Marta Suplicy (PT) e do ex-presidenciável José Serra (PSDB).

(Luciana Marques, de Brasília)

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados