O Brasil precisa deixar de ser um país de corruptos e herdeiros

O filósofo Eduardo Wolf e o historiador Leandro Karnal escreveram sobre a recente polêmica envolvendo um dia temático de alunos de escolas no RS

Nesta semana, alunos da Instituição Evangélica de Novo Hamburgo (IENH), no Rio Grande do Sul, foram assunto no país inteiro após se fantasiarem para um dia temático chamado “se nada der certo”. Os estudantes, que se preparam para prestar o vestibular, foram para a escola vestidos de vendedores ambulantes, balconistas do McDonald’s, empregadas e garis. Após a repercussão, outros colégios também tiveram imagens parecidas compartilhadas.

O filósofo Eduardo Wolf e o historiador Leandro Karnal escreveram sobre o assunto:

*********************************************************************
Se nada der certo, se tudo der errado, surgirá o Brasil (Leandro Karnal)

Duas escolas do Rio Grande do Sul criaram, em ocasiões diferentes, uma atividade curiosa. Os alunos do terceiro ano do ensino médio se fantasiaram dentro do desafio: e se os meus planos de vestibular e de vida falharem? Desafio dado e surgiram garis, faxineiras, vendedoras, presidiários etc. As fotos circulam pela internet. Qual o problema da atividade?

01) Estabelece de forma clara que trabalhos mecânicos/ braçais são inferiores e podem ser ridicularizados, reforçando nossa tradição escravista;

02) Associa baixa renda e salários pequenos a fracasso pessoal e reforça uma ideia preconceituosa;

03) Não cria o contraditório para estimular o pensamento: dar errado é produzir algo concreto como o gari que trabalha com um produto que ninguém duvida que seja útil (limpeza) ou dar certo é ser alguém que aplica na bolsa? A vendedora da loja ganha, em alguns momentos, mais do que os professores da escola, quem deu certo? Qual seria o trabalho que dá certo e a vida que dá errado? O debate é importante. A escola deve estimular o pensamento e evitar o monolítico, especialmente no campo que desperta o preconceito.

04) Vestir meninas de faxineiras com saias curtas associa trabalho doméstico com disponibilidade de corpos e chance de assédio;

05) Colocar na mesma escala um presidiário e uma vendedora do Boticário mostra que não existe leitura ética nem de valor na concepção dos alunos e promotores do evento. Não ser rico seria dar errado sempre. Curioso é não considerar uma grande categoria nova: o milionário presidiário;

06) Toda atividade pedagógica deve estimular o pensamento crítico e nunca reforçar o sentimento de “Casa Grande”;

07) A melhor atividade para alunos de classe média e classe alta seria fazerem um estágio de uma semana pegando dois ônibus, ficando de pé um dia todo numa lanchonete e ganhando pouco, atendendo clientes arrogantes e, ao fim do dia, com sorte, conseguirem estar em uma escola pública até 22h30 da noite para após tudo isto, voltarem para casa com mais dois ônibus. Tenho certeza de que uma semana nesta rotina mudaria muita coisa na concepção destes alunos sobre o mundo, seus valores e seus preconceitos. O aluno que estava fantasiado de “fracassado” teve sua roupa lavada e passada, sua comida feita, seu transporte garantido e tudo mais porque existem “fracassados” que trabalham para ele.

Queria tranquilizar a tanta gente que se preocupa se os professores de humanas transformaram os alunos em militantes de esquerda. Observem as fotos na internet e durmam tranquilos. Nenhuma mudança social deriva de um projeto escolar que, depois de doze anos de ensino médio e fundamental, consegue ter essa ideia ruim. E se tudo der errado no Brasil? Teremos o Brasil como ele é…

*********************************************************

* Textos originalmente publicados pelo filósofo Eduardo Wolf e pelo historiador Leandro Karnal, no Facebook.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Sério isso Veja?

    Curtir

  2. Rafael Ferrão

    Meu Deus, a que ponto chegou a veja!!! Não atividades braçais que qualquer um pode desempenhar deveriam pagar mais do que o salário do Neymar e do Messi, aí sim teríamos um mundo muito justo e produtivo…. Como uma pessoa dessa consegue achar que tem mais de dois neurônios para escrever tamanha besteira. E como uma revista publica essa imbecilidade “politicamente correta”??

    Curtir

  3. Coisas do Brasil!!!!
    Depois estes meninos e meninas e seus Mestres dizem que não são preconceituosos..
    Muito preconceito em poucas ações….
    Um deboche… Estes burguesinhos deveriam sim…trabalhar… Pegar ônibus…ir a um hospital público..
    Para verem o que a grande maioria dos brasileiros de Nem fazem….
    É ainda querem mudar o Brasil….
    Acho melhor mudarem do Brasil!
    Preconceituosos….
    É por isto que estamos vivendo neste caos…..uns usam as pessoas….
    Todos inclusive estes professores devem ter empregados…e Nem percebem que são pessoas iguais a eles…bando de arrogantes….
    Ainda querem sair para protestar…
    Muito fácil…com mesada….comidinha quentinha…roupinha lavada…
    Pelos empregados….
    Imbecis…façam alguma coisa para melhorar este país….não para menosprezar os trabalhadores!
    PRECONCEITUOSOS!!!!

    Curtir

  4. Roger Scapini

    COFF, COFF! DOUTRINAÇÃO POLITICAMENTE CORRETA, VEJA? COFF, COFF!

    Curtir

  5. carlucio soares correia

    Quanta idiotice.

    Curtir

  6. Esses “iluminados intelectuais esquerdistas” esqueceram de pesquisar se a expressão “se nada der certo” não se referia simplesmente a indagar o que os estudantes fariam no futuro se não conseguissem sucesso na profissão para a qual se preparavam com o estudo. Só isso, sem ofensa a ninguém ou a qualquer grupo social ou profissional. Ou como deveriam proceder os que não obtivessem sucesso nos estudos, se não trabalhar em qualquer serviço digno, por humilde que seja? Será que não percebem que eles “intelectuais” estimulam o coitadismo e a luta de classes? Ou será que não é isso mesmo o que desejam?

    Curtir