Zezé di Camargo acertou: não houve ditadura no Brasil

O cantor prefere chamar de "militarismo vigiado" o que poderia ser chamado por dezenas de outros eufemismos

O cantor, compositor e historiador Zezé di Camargo está coberto de razão ao dizer que não existiu ditadura militar no Brasil. Numa entrevista a Leda Nagle, ele explica que houve, isso sim, um “militarismo vigiado”. A expressão não deixa claro se os militares eram vigiados ou se eles é que vigiavam os demais, mas isso não tem importância porque a simples ideia de opressão soa ridícula num país democrático como o nosso.

Sendo assim, vamos esclarecer de uma vez por todas o que houve entre 1964 e 1985.

Não foi ditadura e não foi “militarismo vigiado”, combinado? Foi um negócio que se chama “pau no miolinho”. Funcionava assim: se o brasileiro quisesse votar para presidente, nada como um pau no miolinho para passar a vontade. Se quisesse falar o que vinha na cabeça, pau no miolinho até fechar a boca. Se inventasse de ler livros com ideias estranhas, outro pau no miolinho para resolver a questão. Greve, talvez? Pau no miolinho, agora com força redobrada.

É claro que o método alcançaria todos os setores da vida pública. O pau-no-miolismo foi largamente aplicado à atividade jornalística, ao cinema e à televisão. Livros didáticos, então, nem se fala. Gente informada corria um risco maior de tomar um pau no miolinho, por isso o negócio era deixar todo mundo no escuro e evitar as filas nos hospitais. Às vezes o pau no miolinho não era suficiente, mas aí era preciso improvisar: não havia nada que um choquinho ou outro não pudesse resolver.

Tem uma história muito bonita de dois meninos de Goiás que formaram uma dupla e foram cantar no rádio. Já que a letra da música tinha a palavra “tirania”, foi por pouco, muito pouco, que o pau não comeu nos miolinhos do radialista e do pai dos meninos. A história é tão bonita que virou filme de sucesso. A cena do rádio segue abaixo, mas fique claro que a frase do radialista — “daqui a pouco vai todo mundo preso” — jamais ocorreria numa ditadura ou num “militarismo vigiado”, apenas na República Democrática do Pau no Miolinho.

Na parte final da entrevista, Zezé prova que não é apenas um intelectual de gabinete e faz uma proposta prática para os impasses do país.

— Acho que o Brasil precisa de uma depuração.

Entenda-se por depuração o desejo de entregar o poder a militares que possam usar a força para reorganizar a pátria. Não se trata de uma nova ditadura, é lógico, apenas do tal “militarismo vigiado”, brando e saudável, com censura e torturadores eventuais. Na realidade, é da turma do pau-no-miolinho que Zezé está falando, um pessoal acostumado a fazer faxinas e — santa ingenuidade! — devolver o governo de mão beijada aos civis. O melhor é que essa turma faz a entrega em tempo recorde.

Na última vez, foram apenas 20 anos.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Edson Pereira

    E para Zezé di Camargo, é bom lembrar que ele precisa estudar mais política. Um regime que toma o poder à força, que cassa direitos políticos, tortura, mata inclusive pessoas que nunca pegaram em armas, proíbe eleições, nomeia governadores, proíbe críticas, proíbe notícias sobre corrupção no governo, proíbe até a divulgação de uma epidemia de meningite, é com certeza uma ditadura.
    Não aceito ditadura, nem de direita nem de esquerda.

    Curtir

  2. Edson Pereira

    A saída para o Brasil é a direita liberal, e não a direita conservadora nem a esquerda radical. Mas a maior parte da população acha que toda direita é igual, assim como toda a esquerda.

    Curtir

  3. Edson Pereira

    Se a ditadura tivesse sido boa, ninguém sairia às ruas para protestar. Porém, milhões foram nas passeatas contra o governo militar e sua incompetência econômica

    Curtir

  4. Edson Pereira

    Inflação no final da ditadura: 220%

    Curtir

  5. Realmente não houve ditadura, tinha uns terrorista assim como o Capitão Lamarca que matou o Tenente Mendes. Na minha família ninguém foi torturado, todos estavam trabalhando. O que teve foi terrorista que fugiram para o Chile !

    Curtir

  6. Paulo Santos

    Não desejo defender outro governo de militares e nem eles querem, mas a realidade é que durante o governo militar nós, cidadãos comuns, não tinhamos medo de sair a noite, não tinhamos medo de arrastões, não tinhamos medo de balas perdidas. Isso é FATO. Constatar isso não quer dizer que você quer reanimar os governos militares, mas temos o dever de sermos justos e honestos.

    Curtir

  7. Nossa, essa cena do filme prova tudo! Como não pensei nisso antes!!! Tá tudo clarificado agora. Imbecil!!!

    Curtir