Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Palocci deu a Lula um bangue-bangue de espaguete italiano

Acredite se quiser, mas filmes de tiroteio ajudaram a promover os partidos de esquerda

Lá por 2003 ou 2004, quando o primeiro governo do PT ainda estava em lua-de-mel com a população, a imprensa se preocupou em noticiar o presente de aniversário que Antônio Palocci deu a Lula: um DVD do filme Era uma vez no oeste, de Sérgio Leone, produção ítalo-americana de 1968 que já nasceu como um clássico do cinema popular.

Vejam que exemplo de carinho! Enquanto o mensalão era gerado nos subterrâneos do governo, o Ministro da Fazenda demonstrava o seu apreço e a sua lealdade ao velho companheiro de batalhas. Lula deveria aproveitar o fim de semana para descansar do seu papel de salvador da pátria e assistir ao filme com a família.

Será que o presidente viu a fita até o fim? Venceu uma obra que, apesar das cenas de ação, obriga o público a pensar para entender a história? E o aviso enviado com uma década e meia de antecedência? Ele percebeu o sinal? Nesse tipo de história, os vilões costumam matar-se uns aos outros. E o último tiro é pelas costas.

 

***

 

Faz sentido que Palocci tenha dado Era uma vez no oeste para Lula.

O presente pode ser considerado uma piada interna dos partidos de esquerda. De todos os gêneros cinematográficos surgidos na Europa do pós-guerra, nenhum foi mais prolífico na politização revolucionária das massas do que o chamado spaghetti western.

Entre as décadas de 1960 e 80, parece que todo comunista europeu queria fazer um bangue-bangue. Em oposição aos filmes de Hollywood, até por questões orçamentárias, não havia massacres de índios ou elogios ao pioneirismo que tornaria possível o american way of life.

O bangue-bangue à italiana normalmente conta com heróis silenciosos cujo destino é rebelar-se contra latifundiários protegidos por mexicanos loucos que gostam de atirar para o alto e estuprar camponesas. Às vezes o discurso político é tão explícito que o filme se torna um panfleto.

O ódio ao progresso é um tema obrigatório. No filme que Lula ganhou, por exemplo, todo o mal é causado por um capitalista que está levando a ferrovia para o oeste. O vilão é retratado como uma espécie de verme que se esgueira pelo deserto e deixa o seu rastro asqueroso na forma de uma estrada de ferro.

A música de Ennio Morricone transformou Era uma vez no oeste numa obra-prima capaz de emocionar o mais insensível dos espíritos. Fez muito sucesso na América Latina — assim como os outros 500 filmes do gênero rodados na Itália — e serviu de apoio para a educação política de plateias que mais tarde votariam em partidos de esquerda.

Desde as primeiras publicações do filósofo húngaro Georg Lukács, no princípio do século XX, a esquerda europeia entendeu que a política está mais nas ações culturais e menos na pregação ideológica direta.

Ninguém tem saco para ouvir os discursos dos políticos. Bom mesmo é ler um romance, ver um filme, passar o tempo com uma boa história em quadrinhos. Das entrelinhas e do pano de fundo, quase subliminarmente, surgem as informações que farão o público acreditar em novas ideias ou rejeitar valores consagrados e até então inquestionáveis.

Uma revolução violenta pode ser contida ou derrotada com relativa facilidade. Uma infiltração cultural é mais trabalhosa, mas os resultados aparecem com eficácia. E o melhor: toda guerra cultural acontece nas barbas do poder vigente.

No Brasil, na época do regime militar, os censores implicavam com filmes franceses que ninguém via — só por que mostravam mulher pelada?  —, mas nunca reclamaram dos spaghetti westerns que chegavam às multidões. Meia dúzia de Leones eram suficientes para despertar nos operários os mais belos sonhos de desforra e revolução.

Resta dizer que a “ofensiva cultural” não é privilégio da esquerda. A direita anglófila demorou a entender o que estava acontecendo, mas, aprendida a lição, passou a agir com uma voracidade sem precedentes. Um belo exemplo pode ser encontrado no livro Quem pagou a conta?, de Frances Stonor Saunders, que explica como a CIA patrocinou fóruns e publicações conservadoras durante a Guerra Fria.

Mas isso é assunto para outra ocasião.

 

***

 

Voltando ao presente que Palocci deu ao “companheiro” nos tempos de bonança, fico me perguntando se o presidente viu Era uma vez no oeste até o fim, mas a verdade é que isso não tem a menor importância. Algo sugere que Lula vai ter bastante tempo para ver — ou rever — o filme de Leone, bem como os outros 500 spaghetti westerns que de alguma forma o ajudaram a alcançar o poder.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Roland Brooks Cooke

    Duvido que permitam possuir aparelho de DVD na Papuda, mas tudo é possível….

    Curtir

  2. Que análise mais enviesada. “Era Uma Vez no Oeste” mostra, na verdade, o poder de ter um arma para se defender; o pode do perdão; que os interesses individuais prevalecem sobre a coletividade, apesar de em alguns momento abrirmos mão deles por uma “causa maior”; a responsabilidade pela consequência dos seus atos. Nada tem a ver com afã capitalista, rebeldia revolucionária… entre outras baboseiras descritas no texto.

    Curtir

  3. SILVIO MACIEL

    No estilo do texto
    BORRA QUE PAPOSEIRA

    Curtir

  4. Luiz Chevelle

    Que texto mais babaca…

    Curtir