PUBLICIDADE

Uso de hormônio de crescimento após cirurgia bariátrica

segunda-feira, 9 de novembro de 2009 | 9:46

obesidade-morbida

Nestes últimos dez anos o número de cirurgias destinadas a diminuir o conteúdo gástrico, com ou sem alteração do trajeto do intestino, aumentou dramaticamente. Criou-se a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica para ordenar, coordenar e veicular dados científicos, alertar colegas a se capacitarem antes de iniciar este ramo da cirurgia abdominal, com intenso treinamento na videolaparoscopia (operações realizadas sem incisão abdominal) e, principalmente, alertar a população de obesos a escolher, com cautela e discernimento, a equipe médica que irá realizar a modificação gastro-intestinal.

No Brasil cerca de 65-70% das cirurgias bariátricas são do tipo Y-de-Roux – o estomago é reduzido a um pequeno volume (cerca de 20 a 30 centímetros cúbicos) e a alça intestinal chamada de jejuno une-se à pequena bolsa gástrica. Desta forma, após a cirurgia, o alimento deve ser ingerido em pequenas porções, pois a nova configuração do estômago não suporta muita comida sólida. Os especialistas em cirurgia bariátrica e nutricionistas com experiência no pós-operatório recomendam uma dieta líquida – pastosa para não forçar a pequena bolsa gástrica.

A perda de peso é rápida (cerca de 6 – 8 kg por mês). Pouca energia ingerida leva à queima do excesso de gordura acumulado. A situação seria ideal se não houvesse, simultaneamente, perda pequena, mas constante de massa magra – musculatura. Além disso, este tipo de cirurgia é também considerada disabsortiva, ou seja, ela leva a contínua e constante espoliação de vários macro e micro-nutrientes que devem ser repostos para não afetar a saúde do paciente.

O sistema relacionado a hormônio de crescimento

O hormônio de crescimento (GH = growth hormone) é o agente hormonal que na infância e adolescência promove o crescimento infanto-juvenil. Age diretamente nas cartilagens de ossos longos induzindo aumento destes ossos e, igualmente, promove no fígado, a geração de outro fator de crescimento chamado de IGF-1. Este, por sua vez, é parceiro do GH no ato de promover crescimento ósseo e outras ações metabólicas.
Atualmente, quando se fala de ações do GH estamos indicando ações metabólicas do dueto GH e IGF-1. Ambos têm intensa ação anabólica: promovem queima de gordura e poupam eventual utilização de material nobre como músculo.

Os obesos de grande porte (IMC = 40) já são considerados como funcionalmente deficientes na produção de GH/IGF-1. Depois de considerável perda de peso, a produção de GH volta a níveis normais na maioria dos pacientes obesos. É importante saber que logo após a intervenção bariátrica o obeso está com baixa secreção de GH/IGF-1. Assim, existe a possibilidade de, além de queimar gordura o corpo queime igualmente a massa magra.

Em estudo realizado em obesos mórbidos submetidos à cirurgia bariátrica notou-se que cerca de 20% ainda estavam com secreção baixa de GH/IGF-1 decorridos seis meses da data da cirurgia, independentemente da perda ponderal.

Tratamento de obesos operados com GH
Um grupo de médicos endocrinologistas associados a cirurgiões bariátricos iniciou projeto no qual mulheres obesas (IMC =  44,4) apresentavam moderada deficiência de GH, comprovada por testes específicos. As pacientes foram divididas em dois grupos:

- Grupo A (12 mulheres) que após a cirurgia bariátrica passaram a receber injeções diárias de GH em dose relativamente baixa (0,5 mg diariamente), além de serem instruídas a seguir dieta apropriada e realizarem exercícios aeróbicos leves.

 - Grupo B (12 mulheres) que após a cirurgia apenas receberam instruções para dieta e exercícios (não foram medicadas com GH).

Ao fim de 3 meses – e em nova avaliação depois de 6 meses – notou-se que o Grupo A (com GH) havia perdido cerca de 41% do peso inicial enquanto o Grupo B perdeu 32% do peso inicial. No entanto, o emagrecimento caracterizou-se por uma perda significantemente MENOR de Massa Muscular nas pacientes com tratamento com GH.

Em outras palavras, a terapêutica com hormônio de crescimento fez com que as pacientes poupassem os tecidos nobres (como músculo) do processo de queima favorecendo o uso de gordura como fonte principal de material energético.

 Além disso, vários parâmetros metabólicos foram significantemente melhores nas pacientes que tomaram GH: a resistência à insulina decresceu, colesterol melhorou, IGF-1 se elevou, houve decréscimo de cansaço, fadiga, notou-se maior disposição para realizar exercícios. Serão necessários maiores estudos a respeito, mas este trabalho revela um uso terapêutico de GH altamente promissor para o obeso após cirurgia bariátrica.

    10 comentários em “Uso de hormônio de crescimento após cirurgia bariátrica”

    1. vilma carbonaro nonato disse:

      OLÁ, FIZ A CIRURGIA BARIÁTRICA POR VIDEO, QUANDO OPEREI PESAVA 99,200 Kg HOJE APÓS 6 MESES ESTOU PESANDO 70 Kg, tomo diariamente o centrum e vitamina do complexo (b) já ñ sinto mais fadiga! queria saber se devo comentar com meu médico que me operou sobre a injeção do hormonio ou se ñ preciso então o que devo se necessário for fazer em relação a pós cirurgia? muito obrigada…

    2. Helio disse:

      Excelente reportagem!!

    3. Anonimo disse:

      Oi,fiz redução a 5 anos na epoca pesava 104KG tenho 1,54m, imagreci fiquei com 68KG, hoje voltei a engordar e estou com 80KG, sou muito ansiosa, devo voltar a fazer dieta se sim qual.Obriga

    4. ibiracema viola disse:

      Olá, fiz a cirurgia bariátrica há 5 anos, pesava 123kg e já cheguei pesar 65kg, hoje estou com 77kg e só agora estou com problemas de anemia, gostaria de saber se corro o risco de engordar novamente, já ouvi dizer ´que estão fazendo cirurgia reparadaora, isso procede? Obrigada.

    5. Ana Maria da Silva disse:

      Oi fiz reduçao do estomago há 1 ano e dois meses,pesava 117 kilos hoje peso 67 kilos,mantenho esse peso há dois meses,após quanto tempo após a cirurgia começa o risco de engordar? Obrigada

    6. elida disse:

      Gostaria de saber qual e o risco de fz a cirurgia e voltar a engordar tenho 110.00kg e vou fz a cirurgia complexo de roux em y acho a melhor forma e menos sofrida ,mais tenho que saber com firmesa o que leva a pessoa a engordar novamente sou muito anciosa ,porem nao bebo nao fumo nem como muita besteira que leva a engordar .sou gorda por comer literalmente comida arroz feijao e carne salgada

    7. ricardo silva disse:

      tenho um quisto no rim,posso tomar hormona de crechimento?

    8. marcia disse:

      Fiz minha cirurgia há 7 meses e só perdi 20 kg isso é normal????

    9. Anderson disse:

      Oi, eu tenho 18 anos, e tenho 1. 64 de altura. me acho muito baixo. E por ser magro aparento ser uma criança. queria saber se existe tratamento pra crescer na minha idade.

    10. Adri Garcia disse:

      OI PESSOAL, FIZ A MINHA REDUÇÃO A 6 MESES…ESTOU OTIMA DE 128 KG E HJ COM 90 KG…ELIMINEI 38 KG, DIGO ELIMINEI PORQUE QUEM PERDE UM DIA ACHA…KKKKKK HJ SE EU PUDESSE EU PÁRAVA TODOS OS GORDOS NA RUA E RECOMENDARIA……AINDA ESTOU GORDA, FALTA UNS 15 KG AINDA… MAS JAMAIS IRIA CONSEGUIR ELIMINAR O QUE CONSEGUI EM 6 MESES…..UFAAAA , MEU PAI FEZ HA 3 DIAS….AINDA ESTA NA AGUINHA

    Comentar

    Powered by WP Hashcash