PUBLICIDADE

Mitos e verdades sobre o ômega 3

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009 | 10:23

salmao

Os benefícios de suplementar a nutrição diária com ômega 3 têm sido exaltados todo mundo já sabe, pois têm sido insistentemente divulgados pela imprensa e alardeados pelos médicos. A ingestão de doses elevadas deste ácido graxo é indicada para reduzir depressão, melhorar a parte cardiovascular e prevenir coronariopatias. Além disso sugere-se que ele induz a longevidade e que, se usado por grávidas ele teria efeito benéfico no futuro quociente de inteligência da criança em gestação.

Diante de tantas promessas, a indústria da alimentação resolveu colocar ômega-3 em vários produtos nutricionais, como em bebidas, sucos, margarina, enfim, em vários produtos comumente consumidos pela população. Mas isto seria correto? Existe algo de verdade nutricional em “enriquecer” alimentos com  ômega 3?

As dúvidas procedem, pois nem todos os ômega 3” são iguais. O “bom” ômega 3 é o de cadeia longa (ácidos graxos de cadeia longa) que provem de peixes de águas profundas (salmão, atum, bacalhau, albacora, cação). Os ômega 3 menos adequados, com poucos benefícios para a saúde, são os ácidos graxos de cadeia curta – aqueles de conformação quimicamente menores encontrados em óleos extraídos de soja, de gira-sol, de milho. Este minúsculo ômega 3 também está presente em alguns vegetais “verdes” como o brócoli, rúcula, couve, espinafre.

Como este ômega 3 diminutivo é muito mais barato que aquele proveniente dos peixes de águas profundas, os fabricantes o usam como chamariz, mas não esclarecem que ácido graxo é o pequeno, o de cadeia curta, de dúbias qualidades nutricionais.

Outro ponto importante é aquele levantado pelos estudiosos dos ácidos graxos. Os produtos alimentícios que contém ômega 3 de cadeia curta (óleos de soja, milho gira-sol, azeite de oliva), também contêm apreciável quantidade do ácido graxo chamado de ômega 6.

O ômega 6 também é encontrado em óleos comestíveis e amplamente usados na alimentação usual, em contraposição ao uso de manteiga, gordura animal e gordura de coco, consideradas como pouco saudáveis. O problema é que os óleos que usamos todos os dias possuem em sua composição tanto o ômega 3, como ômega 6, em proporção variável. Os dois ácidos graxos competem entre si, no metabolismo interno do nosso corpo, pelos mesmos locais que supostamente exerceriam efeitos benéficos. Em outras palavras, o ômega 6 é competidor do ômega 3 e anularia os efeitos benéficos deste ácido graxo no nosso organismo.

No mercado de suplementos nutricionais e na internet existe enorme oferta de cápsulas de ômega 3 sem especificar a é da cadeia longa ou curta. O pobre consumidor não saberá jamais se está ingerindo gato por lebre, pois os rótulos são enganadores. Para contornar esta situação a indústria farmacêutica lançou cápsulas de 500mg de puro ômega 3 de cadeia longa, sem presença de ômega 6 (potencial competidor).

Este produto que, em farmácias americanas, somente é vendido sob receita médica é, sem dúvida, o melhor que se pode utilizar, pois tem o selo de garantia da indústria que o manufatura. Muito recentemente a revista Nature publicou artigo científico indicando porque o ômega 3 de cadeia longa é tão benéfico à saúde. O nosso organismo ao receber o ômega 3, através de absorção intestinal, converte este ácido graxo em um produto químico chamado RESOLVIN D2.

Este produto reduz a inflamação associada com os processos arterioscleróticos, a inflamação das artrites e inflamações articulares, melhorando a expectativa de vida (e com melhor qualidade). Não há, nesta transformação alterações do sistema imunitário. Este trabalho veio confirmar que realmente o ômega 3 (o bom, o de cadeia longa) é muito benéfico à saúde e recomendado como suplemento nutricional diário.

    12 comentários em “Mitos e verdades sobre o ômega 3”

    1. Leonardo disse:

      E o omega 3 derivado da semente de linhaça. Ele é o de cadeia longa ou curta?

      Obrigado,
      Leonardo

    2. Ricardo disse:

      O omega 3 da linhaça é de cadeia curta, existe um omega 3 de cadeia longa derivado de algas (e não de peixe) que está a venda nos EUA, são da marca DEVA e V-Pure, custam em torno de U$ 30 e vêm com 90 cápsulas (3 meses). Pra mim vale a pena porque são três meses de omega 3n de cadeia longa por uns 100 reais sem precisar comer peixe (sou vegetariano).

      Temos que frisar também que esse omega 3 de cadeia longa, também chamado de DHA, NÃO é considerado indispensável, pois o corpo converte o omega 3 de cadeia curta que vc ingere normalmente na alimentação (nozes, castanhas etc.) em DHA, mas a taxa de conversão é pequena, em toprno de 3%.

      Alguns dizem que é suficiente, outros defendem uma suplementação. Por via das dúvidas, eu estou suplementando com cápsulas de óleo de linhaça E cápsulas de DHA de algas, alternando os dias (um dia eu tomo um tipo, outro dia o outro), sai mais barato ainda e acho que estou numa margem boa.

      Espero ter ajudado.
      Obrigado.

      [WORDPRESS HASHCASH] The poster sent us ’0 which is not a hashcash value.

    3. Tiklos Greek disse:

      Moro no Japão e os japoneses consomem muito salmão e atum, entre outros peixes. O que sempre me deixa na dúvida é sobre o preparo. Na foto acima estão passando uma colher de óleo ou azeite. Será que isso não altera demasiadamente os nutrientes do peixe?
      Trabalho no futebol profissional e entre os atletas o consumo de peixe é mínimo. Estranho, né?

    4. Eliane disse:

      Eu gostaria de saber qual a melhor marca deste produto?

    5. fabio disse:

      sou ruim de comer alimentos com proteinas e ferro estou muito magro ? como faco para comer bem e ter o corpo de volta bem saudavel como antes

    6. maria de fatima disse:

      eu tomo Omega 3 manipulado,tem o mesmo efeito,n senti muita coisa diferente desde que comecei a tomar,ja estou tomando a 4 mes. obrigado

    7. maria de fatima disse:

      ok

    8. Márcia Aparecida disse:

      Existe no mercado cápsulas de ômega 3 de vários preços, como saber qual é a verdadeira?

      Obrigada.

    9. ivanete disse:

      Bom dia
      Vou começar a tomar o Omega 3 e quero saber se engorda e se faz bem pra pele

    10. domingos disse:

      Sr. Geraldo
      Li numa revista portuguesa, que cientistas do Michigan publicaram em Outubro na revista Cancer Research um estudo que atribui ao óleo de fígado de bacalhau propriedades cancerígenas , devido ao ácido docosahexaenóico, um dos ácidos ómega 3, presentes no mesmo óleo de figado de bacalhau. Se isto é verdade é surpreendente!!! Tem o sr. alguma informação séria deste assunto?

    11. cintia disse:

      e o omega 3 da herbalife?????
      será bom memso!???

    12. RUY GALEÃO. disse:

      Prezados,
      Gostaríamos de saber qual seria a marca recomendada para aquisição do ômega 3 longo…

      Obrigado,

      Ruy Galeão

    Comentar

    Powered by WP Hashcash