Blogs e Colunistas

O terror do 11 de setembro e os atentados contra a verdade

Fugindo do terror e da negação da realidade- foto Doug Kanter/AFP

O que aconteceu em 11 de setembro de 2001? Resposta simples e histórica: terroristas suicidas da rede Al Qaeda lançaram ataques nos EUA. Mas, como diz Christopher Hitchens, “é muito provável que aqueles que aceitam esta narrativa convencional são, pelo menos globalmente, a minoria”. Estamos, de fato, na era da desinformação, dos atentados às verdades mais elementares e da persistência das mais bizarras teorias conspiratórias, alimentadas na Internet.

A descrença no convencional sobre o 11 de setembro nestes dez anos não foi lugar-comum apenas no mundo muçulmano. Logo após os ataques, ganharam vida em todas as partes as bizarrices sobre um complô do governo americano e dos judeus (sempre eles). Havia a história que quatro mil judeus tinham sido alertados sobre os atentados e não apareceram para trabalhar naquele dia no World Trade Center, inicialmente publicadas no jornal sírio Al Thawra. Existem as fantasias detalhadas sobre o míssil que o próprio Pentágono disparou contra o Pentágono. Na França, o livro de Thierry Meyssan sobre a “mentira assustadora” do 11 de setembro foi best-seller, disparando esta fantasia sobre o míssil ou um pequeno avião investindo contra o Pentágono.

Arautos profissionais da paranóia na imprensa alternativa americana, de direita e de esquerda, se uniram para denunciar as tramas. Personagens folclóricos como o apresentador de rádio Alex Jones e o repórter conspiratório Michael Ruppert tinham certeza sobre os planos diabólicos do governo Bush para manufaturar os atentados. Tudo elementar: era preciso um pretexto para invadir o Afeganistão e o Oriente Médio, beneficiar a indústria petrolífera e de armamentos, forjar um estado fascista que suprimisse as liberdades civis e consolidar uma nova ordem mundial. Sacou? World Trade Center? Centro do Comércio Mundial.

Logo depois dos atentados, a maluquice popular nos EUA até que estava sob controle. Numa pesquisa no começo de 2002, apenas 8% acreditavam que o governo Bush, então muito popular, mentia sobre o que acontecera. Os números cresceram depois da guerra do Iraque diante do fato real de que o governo Bush, de fato, enganara sobre as armas de destruição em massa de Saddam Hussein. O número de céticos sobre a narrativa convencional dos atentados do 11 de setembro saltou para 16% em 2004. Escaramuças burocráticas em Washington e esforços do governo (como acontecem em qualquer governo) para acobertar ou minimizar suas falhas na prevenção dos atentados também alimentaram as teorias conspiratórias.

Políticos da ala mais esquerdista do Partido Democrata deram munição para os conspiradores e Michael Moore com o seu documentário Fahrenheit 11 de Setembro foi uma festa para os paranóicos ao martelar nas conexões da família Bush com a Arábia Saudita e o clã Bin Laden. Por volta de 2007, pesquisas revelararam que até 1/3 dos americanos duvidavam da narrativa convencional sobre o 11 de setembro.

O tempo passou, Bush esvaneceu e Barack Obama assumiu a presidência. O ódio a um presidente foi transferido a outro. Um parte dos conspiradores sobre a verdade do 11 de setembro (os “truthers”) inclusive migrou para a nova conspiração sobre as falsidades na vida daquele “queniano” que mentira sobre ter nascido no Havaí. Hoje “só” uns 10% dos americanos não acreditam que a rede Al Qaeda tenha sido responsável pelos atentados. Um alerta deve ser feito: o campo continua fértil para teorias conspiratórias, de qualquer gênero, em tempos de incerteza econômica nos EUA, falta de confiança nas lideranças políticas e um descrédito sem precedentes das instituições, a destacar o governo federal.

E já que não dá para ter um final feliz para esta história, vamos para o mundo islâmico. Uma pesquisa de julho do Centro Pew confirma que, uma década depois, existe ceticismo no mundo islâmico sobre os eventos de 11 de setembro de 2001. A maioria dos muçulmanos acha inconcebível que árabes tenham sido responsáveis pelos ataques (numa descrença que inclui vergonha para assumir a verdade, crença no pacifismo da religião, desconfiança na capacidade técnica de árabes realizarem os atentados, preconceitos, antiamericanismo e antissemitismo). Dos 19 terroristas suicidas, 15 eram sauditas, dois dos Emirados Árabes Unidos, um libanês e um egípcio. A pesquisa englobou sete países e os territórios palestinos. Em nenhum deles, sequer 30% aceitam que árabes realizaram os ataques. Pior, muçulmanos na Jordânia, Egito e Turquia estão mais céticos hoje do que há cinco anos.

Um dos dados mais preocupantes, aliás, é que esta pesquisa foi feita com a primavera árabe em curso. E no mesmo revolucionário Egito que derrubou Hosni Mubarak existe o nivel mais alto de negação da realidade, com 75% dos egípcios registrando sua descrença que árabes tenham sido responsáveis pela obra de destruição.

Eric Trager, um especialista em Oriente Médio da Universidade da Pensilvânia, passou alguns meses no Egito, fazendo pesquisas e seu relato sobre a percepção do 11 de setembro é desolador. Islamistas encampam este revisionismo sobre o terror, pois reescrever a história é fundamental para desviar a acusação de que sua ideologia motiva o assassinato em massa. O ex-guia supremo da Irmandade Muçulmana, Mehdi Akef, disse para o incrédulo Trager “que não existe o terror da Al Qaeda, é uma expressão americana”. Na narrativa de Akef, os atentados do 11 de setembro representaram um ataque americano contra o Oriente Médio e existe uma política islamista de autodefesa.

Líderes mais jovens da Irmandade Muçulmana gostam da tese que os atentados do 11 de setembro, por sua sofisticação, só podem ter sido obra da CIA ou do Mossad. Mesmo líderes seculares, socialistas ou liberais no “novo Egito” também negam a responsabilidade da Al Qaeda. Mustafa Shawqui, da Coalizão da Juventude Revolucionária, disse a Trager que se tratou de maquinação para dominação global por interesses imperiais. Até o vice-primeiro-ministro do governo provisório, Ali ElSalmy, pisou na bola. Homem educado nos EUA, integrante do governo Sadat nos anos 70 e ex-vice-diretor da Universidade do Cairo, ele disse “não ter certeza sobre quem foi responsável pelos atentados”.

Dez anos depois dos atentados do 11 de setembro, é preciso impedir novos ataques e ainda por cima estes atentados à verdade em países com ou sem primavera árabe.

***
A colher-de-chá madrugou. Vai para Ivanildo Terceiro (dia 7, 8:27), por trazer o material didático e visual da construção e desconstrução das teorias conspiratórias no 11 de setembro.

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado

262 Comentários

  • Marcelo

    -

    25/11/2014 às 12:44

    Esta foi a maior mentira do começo do século XXI, e ainda continua sendo, depois da ida do homem à lua.

  • antonio carlos

    -

    2/11/2014 às 16:07

    Abaixo só pessoas sem diploma e paranóicas. Quem prega que houve conspiração do Bush com Judeus nos EUA é uma ONG A&Etruth de nazistas. São, ultima vez que vi o site deles, 2007 e maioria de fora dos EUA. São 7 milhões de meus colegas engenheiros, todas as universidades contra. Mais associações de arquitetos, médicos, aeronautas e outros. Teve aviões no pentágono, combustíveis dos 2 aviões derrubou as torres e o WTC1 caiu em cima do WTC7. Internet emburrasse as pessoas.

  • antonio carlos

    -

    2/11/2014 às 16:02

    aqui abaixo só tem pessoas paranoicas.q

  • maria vitoria santana

    -

    11/10/2014 às 9:25

    Primeiramente,não sou a favor dos EUA, mas porque o governo arquitetaria os atentados?
    para ver o país (de certa forma) cair ?
    para mostrar que Bush gonseguiria levanta-lo, sair como heroi, e ser eleito nas proximas eleiçãoes.
    acho que isso aconteceu, pela incopetência, de não saber gorvernar, um pais, de alta proporção como os EUA

  • Hal Po

    -

    29/9/2014 às 15:15

    Eu penso que esta história está mal contada.

    Deixando de lado as teorias conspiratórias, uma coisa é certa: Os EUA foram SIM, ao menos solidariamente, culpados pela catástrofe. Digo isso pois não um, mas 04 (QUATRO) aviões foram “sequestrados” e direcionados para locais distintos sem que a Força Aérea americana tenha feito qualquer esforço para impedi-los. Se houve dolo intencional ou apenas culpa, não cabe a mim dizê-lo. Mas houve omissão. E isso contribuiu com a morte de 3.000 civis americanos.

  • Presentes Criativos

    -

    20/8/2014 às 16:06

    Eu acredito piamente que foi o governo dos EUA que arquitetou os ataques em 11/09/2001.

  • Jose Paulo Tomiello

    -

    22/5/2014 às 7:05

    Esta foto mostra uma coluna cisalhada com bordas derretidas, e não foi consequência de nenhum impacto ou fogo de gasolina de aviação. http://www.casimages.com.br/i/14052211552145669.jpg.html
    A Torre 7 do complexo do WTC que desaba sozinha como q implodida também não foi atingida pelo impacto dos aviões.
    Em NY ou nas cidadezinhas dos mais perdidos sertões do mundo existem
    lixos humanos pertencentes a partidos políticos, lixos das mídias, policias e grupinhos que são capazes das maiores artimanhas para atingirem seus objetivos. Assim caminha a “humanidade”. WTC foi um golpe de mestres, mestres do mal, armaram e se deram bem. Obama prometeu em campanha elucidar os fatos e depois de eleito mandou arquivar. Os americanos bem que tentaram mas o estado fascista estabelecido por lá cala qualquer um. Obama com seu “Yes we cant” fez a parte dele no cenário, mais uma carta do baralhos dos verdadeiros presidentes por trás do trono. Ninguém tira o osso da boca de um pit bull com palavras…

  • paulo cesar

    -

    13/5/2014 às 12:14

    nao concordo com as acusaçoes feitas, pr mim fou tudo forjado por pata poderem acusar e e com o intuito de de vingança, proclamar guerra e dominar seus intereces.

  • Ze ninguém

    -

    13/4/2014 às 21:46

    Prefiro acreditar que o O Sr. Caio Blinder utiliza-se da Ironia para passar informações preciosas para pesquisadores virtuais do 11 de setembro num canal de mídia proibido. Como ele já soubesse que pela matéria estar na Veja ninguém acreditaria nele e ainda teria várias informações preciosas para pesquisar e descobrir a verdade, ou parte dela. Seria um jornalista sério aprisionado nas grades da mídia corporativa pedindo socorro pela verdade?

  • Déborah Sena

    -

    7/3/2014 às 9:31

    Eu acredito piamente que foi o governo dos EUA que arquitetou os ataques em 11/09/2001. Independente da minha opinião, posso apenas dizer que o texto acima não diz nada, sobre nada. É apenas um emaranhado de informações desconexas, justapostas num mesmo texto, sem qualquer coesão ou coerência. A mensagem que li acima foi, “don´t matter what”, foi a AL Qaeda e ponto final. Não importam as explicações científicas e até físicas que demonstram não ser de fato um atentado. O que importa é que o pvo árabe é mal , louco e fanático. Isso é o que o jornalista nos quer fazer acreditar. Mas desculpe, não somos americanos, fanáticos, alineados e bobos para acreditar no seu texto. Se é para levar a sério, quero uma reportagem deconstruindo com fatos, o que foi alegado pelo documentário Zeitgeist, ponto a ponto. Mas ressalto, com fatos, e não com argumentos de mero efeito que servem apenas para colocar criancinhas de berçário para dormir. Se a Veja fizer isso estará de fato praticando jornalismo sério. Senão é mais do mesmo, um festival de besteirol arranjado com palavras e frases de efeito para impressionar uma burguesia pseudointelectual.

  • Paulo Monteiro

    -

    11/1/2014 às 10:44

    O filme A Família Adams, tem uma fala “Eu vi o horror, Eu vi o mau…”, quanto está pagando a este autor por esta matéria fraudulenta tendenciosa, creio que o autor pensa que o povo ainda esta na era das trevas, da total desinformação, primeiro quer dizer que somos todos alienados sequitario de conspirativistas envizeirados. Mas quero deixar aqui a posição de indivíduos comuns que esta realmente vendo a orquestração de governos delinquente, arbitrários belicoso que se importa de maneira nenhuma com as gentes de qualquer pais do mundo, sei que o que tentou fazer foi colocar poeira sobre o móvel pra tentar esconder a verdade que você mesmo conhece bem, quanto recebeu? Quanto esta matéria vale para os interessados é claro que minha fala não terá eco mas ACORDA o povo não esta mais na dormência na embriagues das grandes mídias que querem destruir a opinião e implantar a NOVA ORDEM MUNDIAL. Mas você autor precisa alimentar sua família não importa que pra isso alguns milhares de vida se percam. Lastimável!

  • José Paulo Tomiello

    -

    19/12/2013 às 16:53

    Um perfeito trabalho de demolição controlada. Um motivo criado para justificar a invasão do Iraque para se apossarem das suas reservas petrolíferas. Uma infâmia muito bem ocultada com a ajuda das midias de massa e de profissionais como o autor da matéria. http://www.ae911truth.org/

  • Prof. Baume

    -

    11/11/2013 às 2:04

    Os EUA são o país mais poderoso, a era de impe´rios continua em nosso mundo atual, capitalista, e por isso que problemas ainda existem, a desigualdade social, a fome, as mortes.

    Obviamente um impe´rio dominante não vai se expor como “mau”. Ele usará de seus recursos possíveis para ter créditos, mas a verdade é que não há sentimento pela vida humana unitária, tudo se baseia em números massivos e preservação do império.

    A História remonta a isso, e continua.

    Um país que massacra seu povo diariamente não sentiria “remorso” em alguns mortos no 11/09. As mortes só reforçaram a ideia de atentado.

    Esse Poder existe inclusive aqui no Brasil, PSDB e outros partidos, que se mantem no poder mesmo sendo tão rejeitados. Isso são alianças entre grupos fortes.

    O povo, simples, plebeu, faz parte dessa “realidade”, em uma segunda camada…inconsciente.

  • Davi

    -

    9/11/2013 às 9:05

    “Só sei que nada sei”….mas se apenas 10% dos americanos duvidam que o governo pudesse atentar contra o próprio povo, eu que moro aqui no Brasil, diria o contrário!? Pra mim, soa incrivelmente excêntrico e de uma maldade sem precedentes, que um governante possa fazer tamanho mal contra seu próprio povo.

  • joao

    -

    15/10/2013 às 18:02

    ALGUM INTELIGENTE PODE ME DIZER EM QUAL TRECHO DO TEXTO FALA SOBRE A MANIPULAÇÃO DOS EUA SOBRE ESSA REPORTAGEM ?

  • Iassim

    -

    14/10/2013 às 23:50

    Ufa, que alívio constatar pelos comentários que nem todo mundo caiu nessa fantasia midiática.

    “Assistam ao Filme Zeitgeist” – apesar de algo superficial por se tratar de um resumão, é mesmo muito bom pra ‘ligar’ o cérebro.

    “como o senhor explica a implosão do prédio 7 ?”
    Blinder parece tão Cegoer no texto que nem duvido que ele nunca tenha ouvido falar nisso…

  • Rafael Lima

    -

    10/10/2013 às 22:56

    Embora eu não concorde totalmente com o que foi dito, tenho admiração por Caio Blinder, por respeitar a opinião dos leitores. Ao contrário do que faz, por exemplo, o sr. Reinaldo Azevedo, o fascista que quer que sejamos como um robô frente ao seu programador.

  • Lucas Arantes

    -

    25/9/2013 às 18:43

    Assistam ao Filme Zeitgeist

  • Jose Lopes Rodrigues

    -

    10/9/2013 às 0:31

    cego nao e aquele que nao ve., e aquele que nao quer ver… SEM DUVIDA . 11 DE SETEMBRO E UMA GRANDE FARSA.

  • EDSON

    -

    21/4/2013 às 13:54

    Impressionante como um texto tão bem escrito, por uma pessoa tão culta, tenta convencer os cidadãos a acreditarem numa mentira tão deslavada. É chamar todas as pessoas que leêm o artigo de tolas, ingênuas e ignorantes. Então, porque escrever tão bem.

  • Jailson Augusto

    -

    20/3/2013 às 14:08

    Sr. Caio Blinder.

    O respeito por ter escolhido seu lado, mas não pela matéria tendenciosa. Qualquer investigação jornalística, por menos profunda que seja, não é capaz de trazer elementos que provem que não foi uma farsa.
    O número de falhas apontadas no vídeo “september clues” é tão grande que causa espanto. Mas entendo, vc faz pate de mídia que frequenta o “Bohemian Grove”

  • Addos

    -

    3/2/2013 às 0:39

    Elvis não morreu, fez uma prástica veio para o brasil e formou uma dupla com o milionário, o homem não foi a lua, aquilo era o cenário dos teletubbies, a verdade está la fora…

  • frc

    -

    21/10/2012 às 18:13

    Esses texto é simplesmente ridículo e sem base alguma, não foi a Al Qaeda. Bush e os Sionistas derrubaram as torres gêmeas, sem mais.

  • Marcelo

    -

    20/9/2012 às 18:25

    Caro Caio Blinder,
    como o senhor explica a implosão do prédio 7 ?

  • Paulo Roese

    -

    17/9/2012 às 20:35

    Não concordo com o termo teoria da conspiração.
    Não é uma teoria. O que se fez no 11/9 é um amontoado mal remendado de mentiras que quem não é completamente idiota ou zela por uma vida confortável em NY, não tem a menor dúvida de que foi algo organizado e/ou anuido por forças internas dos EUA.
    Quem tiver interesse em pesquisar comece pelo absurdo colapso da torre 7 e o testemunho de Barry Jennings, em seguida se informe sobre os mais de 1500 profissionais entre engenheiros e cientistas de todas as correntes que contestam explícitamente essa verdade que fizeram o mundo engolir, para depois irem atrás das “poderosas” armas químicas de Sadam…

  • kleyton

    -

    13/9/2012 às 16:40

    Vocês acreditam que foram uns caras com uns canivetes que tomaram um avião com várias pessoas e derrubaram aqueles prédios tão resistentes?
    Cadê os pedaços dos aviões que cairam no Pentágono e daquele suposto que ia em direção a Casa Branca?
    Cadê as caixas-pretas? Se destruiram(uma das coisas mais resistentes do mundo) e pedaços de roupas, passaportes não?
    Vocês da Veja são como o resto da mídia mesmo.

  • Gabriel Santiago

    -

    12/9/2012 às 10:18

    Acho , que o 11/09 foi uma farsa
    e acredito que as torres foram demolidas !
    e outra acho que a duvida em todos os casos é essencial !
    o edifico 7 caiu como estivesse sendo demolido
    e fora o negocio do pentagono ! que nao foi um boeing !

  • fernando

    -

    17/8/2012 às 15:21

    estados unidos não invadiu o afeganistão por causa dos supostos atentados feitos pelo bin laden e sim por causa de petroleo,no iraque tanbem mas algumas coisas chamam atenção porque os estados unidos estavam tanbem interessados em riliquias que se encontravam nos museus do iraque e tanbem em algumas escavações feitas naquele pais??

  • CAROL

    -

    5/8/2012 às 19:29

    É POR ISSO QUE GUERRA É TÃO MAL VISTA PORQUÊ MUITOS INOSCENTES MORREM E MAL SABEM POR QUÊ ESTÃO LUTANDO OU SEJA OS REAIS MOTIVOS E INTERESES NUNCA SÃO REVELADOS PRINCIPALMENTE QUANDO SE TRATA DE PODER E DINHEIRO PARA OS ESTADOS UNIDOS.isso realmente é muito triste meu DEUS.

  • beto

    -

    6/7/2012 às 12:01

    Concordo plenamente com quem acha que foi uma estratégia para iniciar uma nova orden economica mundial. Se foi ataque terrorista porque só aconteceu no governo de Bush? Se a “Al Quaeda” é tão malévola e poderosa por que não fizeram mais atentados e esperaram tantos anos para isso? Ainda, como essas pessoas conseguiram invadir espaço aereo americano tão bem vigiado, fiscalizado e resguardado?Eu acho engraçado é que os EUA quando querem uma coisa parece menino mimado e ainda chama meio mundo para ajudar. Esse presidente da siria é um caba macho, tá sozinho mas não deixa o navio mesmo este estando afundando. Isso é honra, dignidade. As artimanhas americanas são baixas e feias e só buscam poder sem pensar na quantidade de civis que morrem com todo esse protecionismo. mesmo os herois de guerra americanos aqueles soldados que pareciam guerreiros estão decaindo e se manchando por causa dessas guerras sem fim. Quantos mais morrerão para os EUA, a inglaterra, a china e a Russia continuarem sendo potencia?

  • Joãom Lourençom da Silva Netto

    -

    12/6/2012 às 13:30

    Gostei muito do opúsculo do Sr Caio Blinde sobre os atentados de 11 de setembro. Gostaria respeitosamente coloca meu site http://www.jlourenco.com onde retrato com mais detalhes o 11 de setembro e ficarei muito honrado em recebe não só sua visita como também de todos os internautas que estudam até hoje este atentado.

    Agradeço atenção e mais uma vez parabenizo pela excelente matéria

    João Lourenço da Silva Netto
    Advogado- Historiador – Escritor
    site: http://www.jlourenco.com
    e- mail: jlourenco@terra.com.br
    Nenhum problema, abraços, Caio

  • leandro almeida

    -

    5/6/2012 às 9:27

    eu nao consigo achar nd porisso to perguntando aqui

  • leandro almeida

    -

    5/6/2012 às 9:20

    oq e onus?
    as perguntas sao de um trabalho da minha escola 8serie
    Entao faça uma pesquisa, nao tenho tempo para ajudar, boa sorte, abs, Caio

  • leandro almeida

    -

    5/6/2012 às 9:01

    mais da pra responde as perguntas?
    ate 12:00am
    Meu caro, o onus da prova esta com voce, eu nao preciso responder, e realmente nao é praxe voltar tao atras em colunas, converso com leitores a respeito das colunas da semana, abs, Caio

  • leandro almeida

    -

    4/6/2012 às 22:12

    da pra responder 5 perguntas ate amanha 12:00 am
    1)tema tratado no texto:
    2)como resposta aos atentados os eua invadiram o Afeganistão, segundo o autor qual seria o motivo da invasão:
    3)qual fator alimenta as teorias conspiratórias sobre o 11 de setembro:
    4)quais sao os reais interesses norte-americanos em relação ao oriente medio:
    5)as opinioes se dividem sobre a veracidade dos atentados do 11 de setembro vc acredita q realmente eles estejam associados a terroristas suicidas da rede al qaeda? justifique:
    da pra me ajuda a tira essas duvidas q tenho sobre esse tempo
    obg
    E com ultimato e dois nomes,hehehe, Leandro ou Marcelo, nem sei do que voce (s) esta falando, esta é uma coluna de setembro do ano passado, certo? Abs, Caio

  • marcelo de oliveira

    -

    4/6/2012 às 22:06

    da pra responder 5 perguntas ate amanha 12:00 am
    1)tema tratado no texto:
    2)como resposta aos atentados os eua invadiram o Afeganistão, segundo o autor qual seria o motivo da invasão:
    3)qual fator alimenta as teorias conspiratórias sobre o 11 de setembro

  • Rod

    -

    30/5/2012 às 13:50

    Para mim não existem provas cabais de que os atentados de 9/11 tenham sido um “trabalho interno”, contudo, não duvido nada esta possibilidade. Por exemplo é mais do que provado que o real motivo das guerras fomentadas no oriente médio é o petróleo e não a luta pela “liberdade”. Acreditar na luta pela liberdade é realmente bastante infantil… Quantos soldados americanos pereceram em guerras? Em guerras onde a motivação oficial são claramente falsas? Ou seja, manutenção de vidas humanas não é o problema ou preocupação central. A partir deste ponto não fica difícil aceitar que possibilidades de consolidação das mais diversas atrocidades possam ser possíveis. A mídia oficial sempre engana e mente, em nome da “elite” político-econômica. Procure por exemplo no youtube o vídeo intitulado “Libya and Gaddafi – TRUTH NOW!”. O vídeo não trata de teorias conspiratórias, trata de fatos reais sobre uma conspiração totalmente factível e concreta. O mundo é feito de palhaços, deprimente ….

  • walter

    -

    9/5/2012 às 18:52

    No meu entender até uma criança de 8 anos sabe o que ocorreu em 11 de setembro.Eu acreditava que para trabalhar na veja precisava ser muito inteligente,mas depois deste texto vejo que não é preciso.

  • walter

    -

    9/5/2012 às 18:48

    Muito bla bla bla e pouca análise da situação real.Texto fraco apelando para a baixaria ( ex: bizarras teorias conspiratórias, alimentadas na Internet) tentando ridicularizar posicionamentos no meu ver vazem um grande sentido.Porque não analisa as tais teorias bizarras no texto então?Tem medo da verdade?

  • Renan

    -

    9/5/2012 às 17:33

    Esse Caio Blinder passa o texto inteiro dizendo q é ingenuidade acreditar que foi uma farsa. Mas ele não explica pq, não apresenta falhas de argumentação dos que não acreditam, não se justifica.

    O Caio Blinder tem uma opinião superficial sobre um assunto que merece atenção, e é responsável por promover uma mídia burra.

  • gaborul

    -

    28/11/2011 às 9:27

    vc deve ser um garotinho muito ingênuo, em acreditar nessa farsa toda que foi o 11/09 tá na cara que foi armação, não dos eua que já não existe desde a década de 30, mas sim da america corporativa que pertence ao cartél de banqueiros internacionais, e é tão gritante as relações das familias bush e ladein e as pessoas envolvidas na adm do complexo que é um bush, bem como o seguro que indenisaria em caso de ataque terroorista e mais a ausencia de forsa de defesa no dia 11/09 depois do 1º avião se chocar, terroristas que sobreviveram a explosão do boing estando dentro do mesmo, uma mentirada sem tamanho isso tudo como pretexto para se fixar no oriente médio e se apoderar do petróleo da região… me ingana que eu gosto!

  • agnaldo

    -

    26/11/2011 às 17:43

    “Tempos de incerteza econômica”,deste momento em diante nem Europa e nem Eua se levantarão novamente. O capitalismo gera o seu próprio coveiro…Assistam Zeitgeist.

  • Tiago

    -

    23/9/2011 às 18:44

    O que aconteceu com a torre no. 7?

  • Karlos Santos

    -

    19/9/2011 às 7:30

    O colunista continua total e absolutamente desinformado (ou é apenas credulidade?) sobre as mentiras do sr. Obama. Certamente ele não lerá a verdade no NYT ou no WP. Se o colunista fugisse um pouco, como os americanos, da grande imprensa, obamista em sua totalidade, pararia com esta prova de desinformação. Em sua “inocência”, vá lá, o jornalista recusa-se a acreditar no óbvio: se Obama não tivesse um grande interesse em esconder dados constantes de sua certidão já a teria mostrado faz tempo e não teria trocado a que mostrou por uma imagem de menor resolução. Mas isto é simples lógica…

  • alberto santo andre

    -

    14/9/2011 às 21:47

    um colega meu ,professor de matematica ,na universidade brasileira ,melhor colocada no ranking mundial, [posicao 260]apesar dos esforcos feitos pelos pseudos professores da apeosp, para que a mesma continue caindo posicoes,em conversa me disse que infelismente a populacao mundial esta se emburrecendo,e muito embora com muitomais informacoes e facilidades de aprendizado, ,e estes comentarios sobre o atentado de 11de setembro, como sendo uma farsa so vem confirmar o que ele disse.
    Caro Alberto, confirma, abs, Caio

  • Smurf

    -

    13/9/2011 às 13:02

    Os maiores arsenais nucleares e de destuição em massa estão nos E.U. e continuam sendo desenvolvidos.Quem acredita que os nucleares vão desistir de seus arsenais ou são ingenuos ou agindo de má fé! O que falta para denunciar os E.U. pelo genocidio nuclear contra duas cidades japonesas;as bombas napalm no vietnan; os genocidios provocados no Iraque e Afeganistão; a conivencia com as mortes e torturas a regimes ditatoriais pelo mundo?

  • Sanaa

    -

    12/9/2011 às 21:36

    NAO ME RESTA DUVIDAS..BUSH FOI O RESPONSAVEL PELO ATENTADO DE 11/09.E É CLARO,FAZ DE TUDO PARA QUE AS ATENÇOES FIQUEM VOLTADAS PARA O ORIENTE E SAIR LIMPO DAS TRAMOIAS!FAZEM CAMPANHAS,FALAM DE PAZ E PORQUE NAO DEIXAM DE CESSAR FOGO CONTRA O IRAQUE E O AFEGANISTAO?

  • debinha

    -

    12/9/2011 às 15:02

    Pronto…

    Agora – vou aos píncaros da civilização pra me fazer compreendida:

    Não apele pra forma – se atenha ao conteúdo. E não me venha com essa de que sem a forma não se chega ao conteúdo. Vc tem forma e prova irrefutável que as duas coisas não se coadunam.

    Seus posts tem a profundidade de um esgoto.
    Moça fina, abs, Caio

  • debinha

    -

    12/9/2011 às 13:49

    Fabianooo,

    Pois é, vou ler os comentários do Caio e fora juízo de valor – não encontrei uma constestação coerente e válida.

    Fazer o quê? Cada um – dá o que tem.
    Cara Debinha, antes de tudo, vou dar uma aula de português. Imagino que você já tenha lido os comentários e não encontrou uma contestação coerente. Abs, Caio

  • daniel

    -

    12/9/2011 às 13:41

    Caio, você tem muita paciência parabéns! Eu não teria disposição para dialogar pelo menos sem chamar cada um desses crentes da conspiração ou como eu chamo “teoria da imaginação” de idiotas medíocres estúpidos, você citou o Christopher Hitchens e eu vou colocar aqui um texto do Richard Dawkins que no fundo trata desse mesmo assunto, só que em relação ao criacionismo e a evolução. Do jeito que esses babacas são atrevidos não duvido que no futuro ganhem ainda mais apoio de figuras públicas, organizações e queiram que seja ensinado em escolas nas aulas de historia, a teoria “alternativa” sobre o que aconteceu em 11 de setembro.

    Trecho do primeiro capitulo do livro O MAIOR ESPETACULO DA TERRA: AS EVIDENCIAS DA EVOLUÇAO

    “1. Apenas uma teoria?

    Imagine que você é um professor de história romana e de latim, ávido por transmitir seu entusiasmo pelo mundo antigo — as elegias de Ovídio e as odes de Horácio, a enxuta gramática latina exibida na oratória de Cícero, a refinada estra¬tégia das Guerras Púnicas, a talentosa liderança bélica de Júlio César e os excessos voluptuosos dos últimos imperadores. É uma grande empreitada que requer tempo, concentração e dedicação. Mas continuamente você vê seu precioso tempo predado e a atenção de sua classe desviada por uma ululante matilha de ignoramuses (pois como especialista em latim você jamais cometeria o erro de dizer “ignorami”) que, com forte apoio político e especialmente financeiro, ronda sem tréguas, tentando persuadir seus desafortunados alunos de que os romanos nunca existiram. Nunca houve um Império Romano. O mundo todo surgiu pouco antes das gerações hoje vivas. Espanhol, italiano, francês, português, cata¬lão, ocitano, romanche, todas essas línguas e seus dialetos componentes brota¬ram de maneira espontânea e separadamente e nada devem a alguma língua pre¬decessora, como esse tal de latim. E você, em vez de dedicar toda a sua atenção à nobre vocação de estudioso e professor dos clássicos, é forçado a gastar seu tempo e energia na retaguarda, defendendo a proposição de que os romanos existiram, sim, senhor: uma defesa contra uma exibição de preconceito ignorante que faria você chorar se não estivesse tão ocupado combatendo-a.
    Se minha fantasia do professor de civilização latina parece estapafúrdia demais, vejamos um exemplo um pouco mais realista. Imagine que você é um professor especializado em história mais recente e que suas aulas sobre a Europa no século XX são boicotadas, tolhidas ou perturbadas de outras manei¬ras por grupos bem organizados, generosamente financiados e politicamente fortes de negadores do Holocausto. Ao contrário dos meus hipotéticos nega¬dores de Roma, os negadores do Holocausto existem mesmo. São vociferantes, superficialmente plausíveis e sabem afetar erudição como poucos. Eles contam com o apoio do presidente de no mínimo um país atualmente poderoso, e em suas fileiras milita no mínimo um bispo da Igreja Católica Romana. Imagine que, como professor de história europeia, você continuamente se vê intimado a “ensinar a controvérsia” e conceder “igual tempo” à “teoria alternativa” de que o Holocausto nunca aconteceu e que foi inventado por um bando de sio¬nistas embusteiros. Intelectuais adeptos da moda relativista entram no coro, bradando que não existe verdade absoluta: se o Holocausto aconteceu ou não é uma questão de crença pessoal, todos os pontos de vista são igualmente válidos e devem ser imparcialmente “respeitados”.
    Os apuros de muitos professores de ciências atualmente não são menos terríveis. Quando tentam explicar o princípio central e norteador da biologia, quando honestamente situam o mundo vivo em seu contexto histórico — o que significa evolução —, quando exploram e explicam a própria natureza da vida, eles são acossados e barrados, aparteados, intimidados e até ameaçados com a perda do emprego. Na melhor das hipóteses, o tempo deles é desperdi¬çado a cada esforço. Muitos recebem cartas ameaçadoras de seus próprios pais e têm de suportar as risadinhas sarcásticas e os braços cruzados de crianças que sofreram lavagem cerebral. Os livros didáticos que lhes são fornecidos, sancio¬nados pelo governo, têm a palavra “evolução” sistematicamente obliterada ou abastardada para “mudança ao longo do tempo”. Já houve uma época em que tentávamos ridicularizar isso tudo como um fenômeno singularmente ameri¬cano. Mas hoje os professores britânicos e europeus continentais enfrentam os mesmos problemas, em parte por causa da influência americana, porém, mais significativamente, em razão da crescente presença islâmica nas salas de aula — favorecida pelo comprometimento oficial com o “multiculturalismo” e pelo terror de serem considerados racistas…

    …A evolução é um fato. Além de qualquer dúvida razoável, além de qualquer dúvida séria, além da dúvida sã, bem informada, inteligente, além de qual¬quer dúvida, a evolução é um fato…”
    Caro Daniel, muito obrigado. Toda razao sobre minha tolerância (embora eu fique cansado as vezes). Apenas pediria um favor: evitar estes textos muito longos. O ideal é dar o link do texto de um autor, abs, Caio

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados