Blogs e Colunistas

23/05/2013

às 6:00 \ Escândalos, Nixon, Obama, Watergate

Obama, adiante, IV (Oh Watergate!)

Uma analogia hiperbólica

A coluna de quarta-feira mais uma da série Obama, adiante, cuidou do clichê da maldição do segundo mandato. Com os escândalos no governo americano, prosperou o inevitável clichê “pior que Watergate”. Este, aliás, foi título do livro de John Dean em 2004 para denunciar o escandaloso governo de George W. Bush.

John Dean, caiu a ficha? Ele era o conselheiro (legal) do presidente Richard Nixon, foi conspirador no caso Watergate e, em troca de cooperação com a promotoria, teve a pena de prisão reduzida a quatro meses. Dean segue condenado à autoflagelação.

Existe condenação generalizada pelo abuso do clichê “pior que Watergate”. Lou Cannon, jornalista e biógrafo de Ronald Reagan, tinha uma regra quando cobria a Casa Branca para o Washington Post (o jornal dos repórteres Bob Woodward e Carl Bernstein). Ele desligava o telefone quando uma pessoa anônima garantia ter revelações que fariam Watergate parecer um piquenique.

Obviamente, ainda não sabemos se as controvérsias que assolam Barack Obama serão um piquenique ou não. Mas é importante não se distrair com as hipérboles. O constante uso do clichê “pior que Wategate” pode tirar o significado da analogia. Quando alguém brada Watergate desde o começo de uma controvérsia com o potencial de virar a história ou incriminar um governo, tudo o que acontece depois, ao longo de investigações, pode até parecer menos espetacular.

A obra de Nixon

Antes de analogias precipitadas, portanto, não custa saber o essencial de Watergate, a mãe de todos os “gates”. Há milhares de livros sobre o assunto. Artigos, então, nem se fala. Mas vamos cortar o caminho da garganta profunda, com o que Woodward e Bernstein (os dois jovens repórteres do “furo” e que devassaram o escândalo) escreveram no Washington Post em 2012, quando dos 40 anos (17 de junho de 1972) da invasão da sede do Partido Democrata, no edifício Watergate, em Washington. Título do artigo:”40 anos depois de Watergate, Nixon era pior que nós pensávamos”. Entres os pontos:

1) Nixon aprovou pessoalmente o plano autorizando a CIA, o FBI e a inteligência militar a intensificar a vigilância eletrônica de pessoas identificadas como “ameaças à segurança doméstica”.

2)A unidade de “encanadores” envolvida na invasão da sede do Partido Democrata tinha um prontuário criminoso. Entre suas ações, a invasão do escritório do analista Daniel Elsberg, que vazara os Papeis do Pentágono, sobre a guerra do Vietnã, para o New York Times. O antissemita Nixon instruiu o assessor Bob Haldeman para que “não deixasse o judeu roubar o material e se safar”. Ademais, o assessor de segurança nacional de Nixon, o judeu Henry Kisisinger, exigiu que o FBI espionasse 17 jornalistas e assessores na Casa Branca sem aprovação judicial.

3) O ministro da Justiça, John Mitchell, aprovou um plano criminoso de US$ 250 mil para que houvesse espionagem e sabotagem dos candidatos democratas na eleição de 1972, usando grampos e arrombamentos, com a participação de 50 pessoas.

4) Nixon aprovou e dirigiu a conspiração criminosa para tentar acobertar o seu próprio papel nos escândalos rotulados com a expressão Watergate.

Os jovens Woodward e Bernstein

Bob Woodward (que continuou muito importante como jornalista, ao contrário de Carl Bernstein) é recrutado de forma incessante por estes dias para falar sobre o que está acontecendo com o governo Obama, em casos como a intimidação de grupos conservadores pela Receita Federal (o que foi feito por Nixon e outros presidentes em relação a seus adversários), a resposta ao ataque terrorista na missão diplomática americana em Benghazi e o cerceamento de repórteres e funcionários governamentais que vazam informações. Woodward criou seu próprio clichê: nada disso ainda é da escala Watergate, mas existe algo nixoniano em Obama.

Nixolândia

Carl Cannon, o filho de Lou, editor do obrigatório site RealClearPolitics, também vê componentes nixonianos em Obama: na autocomiseração, no maniqueísmo e no desprezo pelo papel investigativo e imparcial da mídia. Cannon reconhece que até agora não há evidências conectando Obama ou qualquer um sob seu comando a atividades ilícitas, mas a ausência de criminalidade não é o único teste, para ele.

No escândalo do fisco, Cannon repete que não existem as evidências de que Obama soltou a burocracia contra os oponentes, como Nixon fez, mas aí ele pergunta: após anos comparando os republicanos no Congresso a terroristas e caracterizando o Tea Party como racista e extremista, qual era a mensagem transmitida pelo presidente? Na expressão de Cannon, isto também é “nixolândia”. Ok, posso até aceitar a ideia de venalidade política, mas ainda não estamos no território da criminalidade.

Outra herança de Watergate é o clichê que o acobertamento é pior do que o crime. Nestes termos, evidentemente será explosivo caso se revele que alguém do círculo mais íntimo de poder na Casa Branca sabia antes das eleições de 6 de novembro passado (reeleição de Obama) que havia a intimidação de grupos conservadores pelo fisco

Um memorável clichê das audiências no Senado sobre Watergate, foi a pergunta do senador Howard Baker: “O que o presidente sabia e quando ele soube”? Até lá…….

***
Colher de chá para o Rolando (dia 23, 11:53). Um bom argumento que se esquiva do tiroteio habitual.  E, em meio a tantos berros nos comentários, não resisto: colher de chá para o Ivan (dia 23, 12:19). E novamente não resisto: uma colher de chá noturna para Lord Keynes do sec XXI (dia 23, 22:43).

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado

124 Comentários

  • Beth balanco.

    -

    4/6/2013 às 13:37

    Caio meu filho…sai dessa, O pau que da em Pedro da em Mateus.Depois de exonerar Lula que nunca sabia de nada….exonerar tambem Obama. Liberais e conservadores ,principalmente jornalistas deveriam repudiar as mas condutas e denucia-las.O errado nao muda de cor so por ser de ideologia diversa. Perdemos todos ado alguem como voce se atreve a justificar o erro e escandalos.
    Beth, minha filha, exonerei o Lula? Justifiquei erro do Obama? Conversa mole, abs, Caio

  • Tony Rezko

    -

    25/5/2013 às 19:04

    “Caro “Tony Rezko”, anão, não, sou um senhor de pequena estatura, Caio”

    Prezado Caio,
    Eu nem sequer estava falando sobre estatura fisica…
    Ok, meu caro, perdao por nao ter entendido seu potente ataque a minha integridade ética, que eu nao meço por seus criterios,Caio

  • Vinicius Medeiros

    -

    25/5/2013 às 1:16

    Possa ser que não tenha ficado claro, em resumo quero dizer: A piada é achar que Obama é um sujeito desinteressado. E aqui vai ironia: tão desinteressado, que o golpe que recebeu do Parlamento mês passado só lhe dá mais gás para continuar sua campanha contras as armas.

  • Vinicius Medeiros

    -

    25/5/2013 às 1:12

    “Onde esta a piada? Dizer que o Obama é omisso e nao sinistro é um bom argumento. Qual é o seu, caro Vinicius? Nao dá para achar que ao memso tempo o Obama seja um amador/diletante e um profissional do mal, Abs, Caio”
    .
    Caio, ser omisso é algo diferente de não ter apetite pelo poder. No primeiro caso, reafirmamos sua incompetência (nesta tecla que tenho batido); no segundo, seu desinteresse. E não é desinteresse que Obama possui no trato dos escândalos ou na gestão do seu segundo mandato (conclusão das entrelinhas do comentário do Lord Keynes).

  • Tony Rezko

    -

    25/5/2013 às 0:22

    Esta obsessão com as “legal technicalities” promovidas pela imprensa liberal americana, que o ilustre bloguista insiste em repetir feito pagagaio, somente serve para distrair e confundir o publico para o que realmente interessa.

    Não importa se o Obama fez ou mandou pessoalmente isso ou aquilo.
    O que importa é que a máquina democrata controla agora todos os niveis do governo e a imprensa, que por sua vez fornece blindagem absoluta para a instauracao de um regime fascista.
    Conforme o que outros disseram aqui, quem manda é a máquina mafiosa de Chicago, que usa todo o seu poderio para atacar os INIMIGOS (conforme palavras do proprio Obama, ao invés de considerá-los “adversarios”).
    Com um Axelrod, é piada esperar que o Obama tivesse que meter o seu proprio dedo.

    Tá lembrado do Sr Rezko? Ou como bom jornalista, sr Blinder, se esqueceu daquela historia?

    Os Democratas sao os primeiros a usarem a maquina publica para atacar e perseguir os proprios cidadaos americanos. Nem isso os democratas podem acusar o Bush de ter feito.

    E o senhor, Mr Blinder, como suposto “jornalista”, deveria ser o primeiro a defender os seus colegas. Mas como o perseguido é da famigerada Fox News, então deixa assim, né?

    Mr Blinder, o senhor não passa de um anão, “mouthpiece” dos liberais americanos….

    Tenha uma boa noite.

    (Para o estagiáriozinho que irá censurar esta nota, por favor, pelo menos mande o Blinder ler…. tenha uma boa noite…).
    Caro “Tony Rezko”, anão, não, sou um senhor de pequena estatura, Caio

  • Danilo R.

    -

    24/5/2013 às 16:30

    Estou assistindo o seriado “The Good Wife” e cheguei à conclusão de que nada que surge da máquina política democrata de Chicago pode ser boa coisa. Obama é fruto dos maiores mafiosos da política americana e continua dependendo enormemente dos caras para governar. É máfia bruta, e nada mais.

  • André

    -

    24/5/2013 às 14:36

    Esses funcionários da Receita devem ser apenas petralhotários

  • Victor

    -

    24/5/2013 às 10:10

    A política é feita de fatos. Se o “Obamagate” se resumir ao que temos até hoje, o Obama poderá conter a repercussão grave em torno disso, com a ajuda dos seus legionários e de parte de setores da mídia que são benevolentes com ele.

    .
    Mas se vierem fatos novos, a coisa complica mais e o tempo político é diferente do tempo jurídico ou investigatório. De duas uma: ou Obama sabia e nada fez contra aqueles procedimentos ou Obama simplesmente não tem controle sobre o que acontece em seu governo.

  • Vinicius Medeiros

    -

    24/5/2013 às 2:27

    Piada de última hora, gente:
    Lord keynes do sec XXI – 23/05/2013 às 22:43
    “obama ao contrário parece ter pouco apetite pelo exercício diário do poder”.
    Onde esta a piada? Dizer que o Obama é omisso e nao sinistro é um bom argumento. Qual é o seu, caro Vinicius? Nao dá para achar que ao memso tempo o Obama seja um amador/diletante e um profissional do mal, Abs, Caio

  • Lord keynes do sec XXI

    -

    23/5/2013 às 22:43

    Nixon era a fonte do mal o cérebro malévolo e paranoico q comandava as arbitrariedades,obama está se revelando mais um omisso que deixou a ala radical do segundo escalão solta e deu no q deu,ele está mais para inepto do que para nixon(que alias teria deixado um belo legado em politica externa e economia se não se tivesse deixado dominar pelo desejo de controle,obama ao contrario parece ter pouco apetite pelo exercicio diário do poder)
    Estou meio cansado, mas é um alivio quando leitores do planeta Terra comentam, valeu, abs, Caio, nao resisto: mais uma colher de chá, meu caro.

  • Yes, We Scam

    -

    23/5/2013 às 22:10

    Ronaldo, ih, bobeei. Nem percebi o “O” do “RonaldO Reagan”.
    Ronaldo the Kid, o gatilho mais rápido da coluna, me pegou desatento “de costas para a porta”, hehe.

  • Ronaldo

    -

    23/5/2013 às 21:07

    “Ronaldo, foi isto que eu disse, claro que sabia pelo estilo e pelo endereco”
    .
    Joia! ; )

  • Ronaldo

    -

    23/5/2013 às 20:24

    Até porque eu nunca uso o nome completo da figura histórica, mas alguma corruptela, como “RonaldO Reagan”, e não o nome correto, “Ronald Reagan”, calma, Yes We Scam!

  • Ronaldo

    -

    23/5/2013 às 20:19

    O “Ronaldo Reagan”, claro que sou eu, pessoal, relaxa. Achei que o Caio já tava acostumado (como muitos já estão) com minhas brincadeiras. Tanto que muitos se referiram a mim como “Ronaldo” mesmo eu estando com um nick de brincadeira. O dono do boteco, especificamente, eu achei que soubesse pelo e-mail. Nem de longe minha ideia é me esconder, como acho que ficou claro, mas apenas fazer uma brincadeira com o assunto do dia (como hoje) ou assumir a piada que alguém faça comigo no dia, heh’
    Ronaldo, foi isto que eu disse, claro que sabia pelo estilo e pelo endereco, abs, Caio

  • Yes, We Scam

    -

    23/5/2013 às 19:45

    Marcel,
    então já são três que lêem seus comentários, hehe (including me).
    Mas o “presidente Ronaldo Reagan” não deve ser o Ronaldo, mas apenas outra versão do Olavo de Carvalho, ou seja, um pseudônimo usado por um leitor que já assinou com outros nomes famosos.
    À exemplo do que o Caio escreveu outro dia, eu também sugiro que ele não use pseudônimo de nomes de outras pessoas. Isso pode dar até processo por fraude, além de ser uma falta de respeito.
    Se quiser assinar com um pseudônimo, invente um.
    Meu problema aqui é com pseudonimos de figuras publicas brasileiras, vivas. Nao publico este tipo de comentario. E me pareceu obvio que “Ronaldo Reagan” era o Ronaldo familiar, portanto,nenhum motivo para alertar, Caio

  • maisvalia

    -

    23/5/2013 às 19:32

    Marcel – 23/05/2013 às 19:09
    Ronaldo – 23/05/2013 às 18:48
    Valeu caro Reagan ops Ronaldo, cada vez mais tenho a certeza que apenas você lê meus comentários hehe Abs
    -
    Errado.
    Eu leio e aprecio-os também.

  • Ronaldo

    -

    23/5/2013 às 19:11

    “Mas a pergunta é:
    Porque será que oito são blues?”
    .
    Claro que isso não explica tudo, mas boa provocação, MV, não deve ser à toa mesmo…

  • Marcel

    -

    23/5/2013 às 19:09

    Ronaldo – 23/05/2013 às 18:48
    Valeu caro Reagan ops Ronaldo, cada vez mais tenho a certeza que apenas você lê meus comentários hehe Abs

  • Yes, We Scam

    -

    23/5/2013 às 19:06

    Vera Lucia-23/05/2013 às 17:24
    Conforme Obama, a luta dos EUA contra o terrorismo passa também pelo apoio a transições à democracia em países como o Egito, a Tunísia e a Líbia, além da paz no Oriente Médio. “Com o que gastamos em um mês no Iraque, no auge da guerra, poderíamos treinar forças na Líbia, manter a paz entre Israel e vizinhos, alimentar os famintos no Iêmen, construir escolas no Paquistão”, citou.

    Está bom, esse é o “não-político” Obama, o outsider, o “community organizer” e agitador político pogreçista militante.
    Agora, cadê o presidente dos United States of America, o homem responsável pelo governo da nação?
    Alguém viu o presidente do país no discurso presidencial, ou só apareceu esse estafeta aí?
    Um discurso infantil desses ficaria vergonhoso na boca de um Lula da vida. Na boca de um presidente dos EUA, a coisa soa tão ridícula que é difícil acreditar à primeira vista que é verdade.
    “You don’t do it, Obama?”
    Sadly, he did.
    Era melhor ter deixado a cadeira vazia.

  • Francisco Pintão

    -

    23/5/2013 às 19:00

    O que não pode é a nação americana continuar sendo conduzida por alguém com propósitos discutíveis e ligações estranhas com os países árabes, sob a batuta intelectual de Dona Nancy Pelosi, perseguindo adversários conservadores e utilizando artimanhas chavistas.

  • Francisco Pintão

    -

    23/5/2013 às 18:57

    Romney não seria grande coisa, também. O Partido Republicano precisa urgentemente encontrar um contraponto ao radical bisbilhoteiro Barack Hussein. E esse nome surgirá das entranhas do Partido, não das elites moderadas. É chegada a hora de apostar em um legítimo conservador, sempre que escolheram um moderado, recentemente, quebraram a cara.

  • maisvalia

    -

    23/5/2013 às 18:52

    John Merline of Investor’s Business Daily highlights the latest news from the American Legislative Exchange Council on which of the 50 states are thriving and which ones are sinking. With Texas leading far into the economic growth and job creators club, Merline notices a, ahem, pattern at work among the other states:

    In fact, of the 10 states that had the best economic performance over the past decade, all but two — Nevada and Washington — are solid red states, based on the past four presidential elections. Other top economic performers include Utah, Wyoming, North Dakota, Idaho and Arizona.
    -
    Destes cinco últimos, só não passei por Dakota.
    Mas a pergunta é:
    Porque será que oito são blues?

  • Ronaldo

    -

    23/5/2013 às 18:48

    Boa, Marcel, boa reflexão – 23/05/2013 às 18:21

  • ricardo salazar

    -

    23/5/2013 às 18:48

    podemos traça um paralelo entre obama e lula.inclusive entre a guerra líbia/afegã e a ocupação brasileira no haiti.entre o uso de táticas desestabilizadoras na síria e o apoio brasileiro aos traficantes da bolívia(não que os rebeldes sírios não fosse traficantes tambem). agora o verdadeiro ficou óbvio:o blogueiro obamista é tambem petista.o petista josé mujica recebem dinheiro da associação dos democratas,um think tank(um cover-on,ou seja:um biombo pra mudança de regime) internacional financiado pelo partido de obama e pelo governo americano.

  • maisvalia

    -

    23/5/2013 às 18:27

    no auge da guerra, poderíamos treinar forças na Líbia, manter a paz entre Israel e vizinhos, alimentar os famintos no Iêmen, construir escolas no Paquistão”, citou.
    -
    Vou traduzir.
    Por enquanto mandaremos drones para ensiná-los.
    E tem gente que acredita, hehehehehe

  • Marcel

    -

    23/5/2013 às 18:21

    Na verdade o que Obama provou até agora é que ele não tem capacidade para governar nem o pessoal do seu governo, é um governo fraco, ausente, com discursos inspiradores em que Obama fala fala e todos aplaudem, mas no seu último discurso provavelmente não foi como ele gostaria. Os obamistas deveriam entender que palavras não mudam as coisas e sim ações. Esse caso do IRS é bem a “cara” do mensalão, todos estavam envolvidos mas quem não sabia era apenas o presidente, um era o carteiro, o outro o laranja, outro era o que fazia o depósito, outro o negociados, mas quando chegou no chefe, ninguém sabia também. Olha eu sou fanático por causas conservadoras, mas admito quando algo está errado, como background check, reforma na imigração, que trump gira a peruca, Chistie é um bom cara, mas convenhamos, quando o assunto é Obama, ele é intocável e está é a diferença que vejo entre republicanos e liberais. Liberais nunca estão errados, Obama é santo e por aí vai. Vário grupos foram intimidados pelo fisco como pró-israel, anti-aborto, tea party, perseguição clara de caráter ideológico e o alto escalão de Obama estava sabendo e de quebra jornalista da fox grampeado. De duas uma, ou Obama prova que é apenas um candidato de promessas que não consegue governar nem o se pessoal, ou simplesmente não sabia nada. Não sei o que é pior.

  • Marcel

    -

    23/5/2013 às 18:10

    Bom, segundo as “sabatinas” Leon Panneta secretário da defesa avisou para o presidente que um ataque estava em curso contra uma embaixada americana, sendo assim Obama sempre soube do ataque, não sei o que se passou na cabeça da Hillary para “soltar” aquela mentira que o ataque foi por causa de um vídeo.

  • Ronaldo

    -

    23/5/2013 às 18:10

    Falar é muito fácil, Vera Lúcia (23/05/2013 às 17:24). Não sente o cheiro de demagogia?

  • Márcia Costa

    -

    23/5/2013 às 17:55

    Vera Lucia – 23/05/2013 às 17:24
    O Obama não perde a mania de citar a herança maldita, não é? Escroque ou não, ele faz política de calça curta, coisa de politiqueiro profissional. Lamentável.
    Abs.

  • Yes, We Scam

    -

    23/5/2013 às 17:40

    Carmem,
    Eu não digo “à soldo”, como se fosse “uma gangue sedenta por poder, dinheiro, armas blá blá blá” (include me out dessa turma), mas, sim, que os políticos dos EUA são achacados pelo forte lobby saudita e, perdidos sobre o que fazer no Oriente Médio e desejosos de manter a gasosa não muito cara, acabam seguindo o que diz o lobby saudita, mesmo desconfiados que isso é uma burrice.
    Todos sabem que se a Arábia Saudita e sua máfia da OPEP decidirem não mais negociarem em dólar, o sistema do dólar como moeda de reserva internacional acaba. Seria o fim do dólar e economia americana iria para o vinagre.
    Sem conseguir resolver esse nó górdio, os EUA vêm fazendo burradas no Oriente Médio (assessorados por “grandes especialistas” na cultura islâmica; gente “insuspeitíssima”, enfim), cuja grande beneficiada acaba sempre sendo a Arábia Saudita.
    ..
    Os “advogados” lobbystas sauditas são muito bons, e conseguem enganar direitinho os políticos americanos, pois os Saud wahabistas são especialistas na “taqqyia” e falam com língua bifurcada, passando uma mensagem para Washington e outra completamente diversa para o mundo árabe e muçulmano.
    A Arábia Saudita é o centro do Wahabismo, a versão mais islamista, intolerante e violenta do Islam, e o wahabismo está representado pela própria “famiglia” de Saud.
    O sonho dos Saud é criar um novo Califado em todo o Oriente Médio, com eles como a família reinante.
    E eles são os únicos que podem fazê-lo.
    Turquia e Iran podem ter ambições de maiores poderes regionais, mas não tem como ambicionar criarem um Califado. O Iran não conseguiria a submissão dos muçulmanos sunitas (além da eterna rivalidade entre árabes e persas), e a Turquia é odiada pelos árabes.
    Califado que se preze, tem que ser sunita islamista e árabe, como nos tempos iniciais do Islam.
    ..
    Sabedora de que seu poderio militar é limitado, até mesmo para derrotar os adversário locais, a estratégia saudita é dizer, “Oh, massacre iminente em Benghazi, massacre iminente em Qusair (na Síria), etc.”, para, com isso, fingir que se importam com a morte de seres humanos. E lá vai os EUA ficar comovidos e ajudar os “rebeldes” patrocinados pela Arábia Saudita.
    Enquanto isso, ao mundo muçulmano e árabe os Saud dizem a verdade de forma clara e límpida, e em língua árabe, claro (árabe significa “fala limpa”): que sua boa relação com os EUA é só fachada e que o compromisso dos Saud com o supremacismo islamista é total.
    A estratégia é velha, mas vêm funcionando a contento para os Saud.
    Bush errou não em invadir o Iraque, mas em deixar a Arábia Saudita financiar abertamente os “rebeldes insurgentes” terroristas islamistas em atuação no solo iraquiano. Isso ocasionou uma “vitória de Pirro” para as Forças Armadas dos EUA no Iraque.
    Mas Bush nunca deu dinheiro para islamistas e a Arábia Saudita odeia Bush porque não conseguiu obter uma fatia do poder iraquiano.
    Só o que os Saud conseguiram foi se firmar no mundo muçulmanos como apoiadores integrais da jihad.
    A Arábia Saudita odiou Bush pela invasão, pois sabia que o resultado seria a perda da influência saudita no Iraque, em contrapartida ao aumento da influência iraniana sobre o futuro governo iraquiano.
    Bush quase quebrou a economia americana lutando uma “guerra de pirro” contra os islamistas no Iraque. Em nenhum momento Bush ajudou nenhum islamista.
    Então, como é que Bush, pode ter favorecido a Arábia Saudita de caso pensado? Só nos delírios do Michael Moore.
    ..
    Agora, o quê mister Hussein Obama está fazendo é de uma imbecilidade total. Ele não só está deixando a Arábia Saudita financiar seus islamistas, mas decidiu acreditar na lábia saudita (se por burrice ou interesse, eu não sei), ajudando objetivamente os Saud a concretizarem seus planos de expansão wahabista islamista.
    Agora, na Síria, a Arábia Saudita tenta aplicar o seu golpe de mestre, pois, ao contrário do Iraque, a Síria é habitado por uma maioria sunita.
    Se a Arábia Saudita conseguir impor seus comandados para tomarem o poder na Síria, Israel ficará cercado pelo “minguante vermelho”, que vai desde os Montes Taurus na Turquia até o Mar Vermelho, com a Arábia Saudita encabeçando a grande aliança com a Jordânia e a futura Síria wahabista. Os EUA tem boas relações com a Jordânia (cuja monarquia reinante é a única verdadeira na região, remontando à século e séculos), mas os líderes jordanianos não vão resistir à força avassaladora do wahabismo. Os Saud já destruíram muitas dinastias reinantes na Arábia para conseguirem o poder na Península Arábica. Se a família real jordaniana resistir, será apenas mais uma a ser destruída ou assimilada. É melhor negociar e manter algum poder, do que ser derrotado e ficar sem poder nenhum.
    E, no mundo muçulmano, tentar resistir ao Califa é inadmissível.
    Quando a situação degringolar de vez, nenhum muçulmano com juízo (quem tem #@, tem medo) vai resistir aos Ilkhanidas (os irmãos wahabistas), se não quiser ser tratado como um infiél.
    ..
    E, sim, também existem políticos que não só são burros, como também têm rabo preso com os sauditas.
    Dá uma lidinha nesses posts do Daniel Pipes:
    http://www.danielpipes.org/980/government-for-sale-to-the-saudis
    http://www.danielpipes.org/995/the-scandal-of-us-saudi-relations

  • Vera Lucia

    -

    23/5/2013 às 17:24

    Conforme Obama, a luta dos EUA contra o terrorismo passa também pelo apoio a transições à democracia em países como o Egito, a Tunísia e a Líbia, além da paz no Oriente Médio. “Com o que gastamos em um mês no Iraque, no auge da guerra, poderíamos treinar forças na Líbia, manter a paz entre Israel e vizinhos, alimentar os famintos no Iêmen, construir escolas no Paquistão”, citou.

    Yes! É assim que se faz!

  • Carmem

    -

    23/5/2013 às 17:00

    Oi Carmem, o muro é largo, parece que estou la do lado dos editorialistas da Economist, hehehe, voce nao citar o editorial desta semana? Abs, Caio
    .
    Ainda não li..

  • Carmem

    -

    23/5/2013 às 16:57

    Yes, We Scam-23/05/2013 às 16:38
    .
    Vai ter um cheirinho igualzinho os das suas ideias hehehehe

  • Alan

    -

    23/5/2013 às 16:52

    Beleza, Caio, somente assim meus parentes de Lisboa e Porto vão poder ler seus posts. ha ha ha….
    Caio, nossos articulistas são cada vez mais lidos pelo mundo afora, não custa nada vc dar um forcinha com pelo menos uma versão em inglês.
    Valeu, Alan, mas por ora escrevo em brazileiro, abs, Caio

  • Yes, We Scam

    -

    23/5/2013 às 16:38

    Carmem,
    É, vou ligar par o Obaminha e pedir umas aulinhas – e não posso me esquecer do Bill Ayers também, que foi o “ghost-writter”.
    Quem sabe eu não consiga produzir uma obra de ficção tão boa como “Dreams of My Farts” (eu não errei na escrita, o nome é esse mesmo).

  • Pierre

    -

    23/5/2013 às 16:35

    Quando sair a versão em Português, me avisa, por favor!
    certainment, mon ami, abs, Caio

  • maisvalia

    -

    23/5/2013 às 16:28

    Esse mesmo alguém poderia explicar porque o messias finge que vai fechar gitmo se 62% dos americanos são contra?

  • maisvalia

    -

    23/5/2013 às 16:25

    Alguém poderia explicar porque Lois Lerner vai usar a quinta emenda e o governo do messias ainda a mantém no cargo?

  • Alan

    -

    23/5/2013 às 16:20

    Caio, sua coluna tem versão em outros idiomas?
    Estou tentando a versao em portugues, abs, Caio

  • Pierre

    -

    23/5/2013 às 16:19

    Seu Caio.
    Agora apareceu o comentário do Rolando. Discordo. Basta dar uma olhada na imprensa internacional para ver que deixamos de ser uma republiqueta há muito. Ou melhor, converse com investidores estrangeiros.

  • jorji

    -

    23/5/2013 às 16:19

    Amanhã o tema deve ser o atentado na Inglaterra.

  • Carmem

    -

    23/5/2013 às 16:17

    Aliás, YWS, o M. Moore sugeria no filme sobre 9/11 q o Bush estava “a soldo” dos sauditas, da mesma forma q vc afirma q Obama tb esta (eu li seu post de ontem).
    Coincidência?
    I don’t think so…
    Métodos iguais.
    Hehehe, abs, Caio

  • Ronaldo Reagan

    -

    23/5/2013 às 16:04

    “Os grampos na AP podem ser anti-éticos, mas tem o respaldo do Ato Patriota, portanto não são ilegais.”
    .
    Pô, mas o ato patriota devia ser só pra fuçar a vida de comunistas e terroristas, não de jornalistas comuns, como nos bons tempos de McCarthy, Edgar Hoover, hehehehehehehehehehehehehehe :P

  • Carmem

    -

    23/5/2013 às 15:59

    Yes, We Scam-23/05/2013 às 15:19
    .
    Boa ideia, pelo menos vc ia parar de envergonhar a galera conservadora com seus delírios. Realmente seu estilo esta mais para esse pessoal q vc citou..

  • Ricardo Platero

    -

    23/5/2013 às 15:57

    Caro Douglas

    Sim, sim… se você observar atentamente, o Tea Party são Os meninos Perdidos do Peter Pan, nunca querendo crescer e mantendo sempre o discurso, rs.
    Mas para dizer que só faço piada com os republicanos, gostaria que Obama fosse a princesa Ariel (Pequena Sereia) e perdesse sua voz, quem sabe ele saia do palanque e agia um pouco mais, hehehe. Ok, visão do inferno o Obama de cauda de sereia..
    Abraços.

  • Rony

    -

    23/5/2013 às 15:40

    Sugestao numero 1: Acabar com isencoes fiscais.
    Ah, isto seria um escandalo, hehehe. Nada mole negociar com diversos lobies que defendem esta ou aquela isencao, caro Rony, abs, Caio

  • jorji

    -

    23/5/2013 às 15:40

    Os americanos elegeram Obama esperando mudanças, pensaram simplesmente que eleger um meio negro tudo mudaria num passe de mágica, é como pensar que uma mulher que governe um país sinalise mudanças pelo fato de ser mulher, e em relação a este escândalo o Obama sabia de tudo, bem como o Nixon na época sabia de tudo, afirmação de que Obama é fraco ou escroque é uma grande bobagem, tanto o Obama, bem como o Nixon são grandes homens, no mundo do poder os fracos não tem vez, nem para os honestos.

  • Douglas Hernandes

    -

    23/5/2013 às 15:35

    @Ricardo Platero,
    A Casa Branca então está para uma Disney World cheio de personagens de fantasia?Ou como os democratas são tipo os sobreviventes do Oceanic 815 de Lost liderado por Obama,ops, digo Jack e os republicanos são a Iniciativa Dharma?
    PS.:Também se encaixa em um sketch do SNL.
    Boa, caro Douglas, hehehe, abs, Caio

  • Ricardo Platero

    -

    23/5/2013 às 15:23

    Caro Caio,

    Faltou terminar a sacada. Se Obama fosse Nixon, ele não seria o Pinóquio, seria o Dumbo. Abs.

  • Caipirão

    -

    23/5/2013 às 15:23

    Quando Obama quiser uma outra cadelinha vai ter muita gente na imprensa mundial se candidatando ao “posto”.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados