Blogs e Colunistas

21/01/2013

às 6:00 \ Congresso EUA, Obama

O segundo e último ato de Obama

O juramento para um segundo mandato, domingo, na Casa Branca

Em sua curta e intensa carreira política, Barack Obama já derrotou inimigos formidáveis como Hillary Clinton (sua rival nas primárias democratas em 2008) e uma crise econômica que tinha tudo para impedir sua reeleição em novembro passado. Sua sorte é ter enfrentado rivais republicanos menos formidáveis como John McCain e Mitt Romney.

Agora no seu segundo mandato, Obama está diante de um inimigo formidável: ele mesmo. O presidente nunca mais irá concorrer à presidência e até agora se mostrou muito melhor para fazer campanha do que para governar. Aliás, prefere fazer campanha do que fazer política, como se esta última atividade fosse uma tarefa menor.

O risco é Obama enraizar este seu talento para fazer campanha como um componente integral de governança, porque é mais vantajoso e mais fácil, especialmente com a demografia do lado do presidente, com seu bloco eleitoral de mulheres, jovens, minorias e setores profissionais mais sofisticados.

Improdutivos - Nada errado, por outro lado, em pegar pesado contra os republicanos. Eles merecem e Obama finalmente se mostra mais vigoroso para fincar posições, como contra a absurda postura republicana de usar a elevação do teto da dívida como chantagem em negociações fiscais. Até setores empresariais expressam preocupação com a irresponsabilidade e improdutividade da classe política, em particular os republicanos. Nenhuma surpresa que uma pesquisa meio folclórica tenha mostrado que o Congresso americano seja menos popular do que colonoscopia e piolho.

Os republicanos estão perdendo capital político e se tornaram basicamente obstrucionistas. Eles correm o risco de se petrificarem como o partido de brancos sulistas e rancorosos, especialmente homens. No entanto, eles existem. Ademais, uma parcela do país não é alinhada a nenhum dos dois grandes partidos e nunca se deixou enfeitiçar pela magia Obama. O presidente democrata não pode simplesmente passar ao largo de um partido que tem maioria na Câmara e se dirigir diretamente à nação para fazer pressão para concretizar sua agenda.

Recuo tático - Há alguns sinais de ao menos um recuo tático dos republicanos nos duelos com os democratas no impasse fiscal. A linha da ala mais barra pesada é de que “para salvar a aldeia é preciso destruí-la”, no raciocínio de que é melhor a economia despencar a curto prazo para arrumar as contas mais a longo prazo. Mas setores mais responsáveis e pragmáticos fizeram alertas de que até lá, no longo prazo, o partido irá despencar junto com o país. Diante de sinais de bom senso (ou no mínimo de autopreservação politica dos republicanos), Obama precisa responder à altura.

Claro que o presidente e seu partido gostariam de encurralar os republicanos, reforçando sua imagem como um partido radical e atrasado, para reconquistar a Câmara nas eleições de 2014 (os democratas ja controlam o Senado). Normal um partido buscar hegemonia com base nas regras da democracia, mas isto será muito difícil para os democratas a curto prazo. O redistritamento que ocorre a cada dez anos favorece o status quo. Com isto, uma grande onda que reverta as coisas é improvável no ano que vem.

Maioria governante - Mais viável para Obama é conseguir uma “maioria governante” em que sejam possíveis acordos bipartidários em algumas questões urgentes e outras mais estruturais. Por ora, esta costura é um remendo da minoria democrata com setores republicanos na Câmara. A curto prazo, existem condições para estes acordos em controle de armas e imigração. No primeiro caso, a opinião pública indica ser favorável a algumas medidas (como expansão de exigência de antecedentes criminais para compradores de armas) e há perspectivas para a reforma da imigração, ou seja, ajustes no status dos imigrantes ilegais, pois algumas lideranças republicanas e possíveis candidatos presidenciais estão conscientes de que o partido precisa reciclar sua imagem como um bastião de insularidade e mesmo xenofobia, como ficou demonstrado pelo catastrófico apoio eleitoral em novembro junto a latinos e asiáticos.

O grande teste de Obama será na economia, em termos mais específicos na questão fiscal e na necessidade de enxugar programas sociais. Aqui o presidente precisará mostrar coragem. Desde o furacão Sandy, no final de outubro, o governador republicano de Nova Jersey, Chris Christie, ficou conhecido por sua coragem. Ele rompeu com a ortodoxia do seu partido e foi efusivo com o presidente, demonstrando espirito bipartidário.Na semana passada, Christie novamente mostrou audácia e alertou que seu partido não pode ser refém do lobby das armas, a Associação Nacional do Rifle.

Coragem republicana – Mas há outro republicano muito corajoso que rompeu com a ortodoxia partidária. Tom Coburn, é senador pelo Oklahoma, um daqueles estados mais associados ao atraso republicano, de gente jeca, que questiona a teoria da evolução, duvida do aquecimento global e acha que “os helicópteros pretos” da ONU estão chegando.

Coburn foi um raro republicano que aceitou a necessidade de uma maior arrecadação tributária mesmo antes da crise do abismo fiscal na virada do ano. Ele agora desafia democratas e o presidente Obama a assumirem riscos no corte de gastos, como ele assumiu com arrecadação.

O que pode mover Obama é a necessidade de um legado. O presidente não controla eventos (tragédias naturais ou crises internacionais), mas dentro de casa sua prioridade é engatar uma economia mais saudável. Na semana passada, Obama se reuniu com historiadores e biógrafos presidenciais para debates temas como lições de seus antecessores.

A informação foi a de que ele encontrou semelhanças e inspiração no segundo mandato de dois presidentes: Franklin Roosevelt, que assumiu em 1937 para um segundo mandato ainda com mazelas econômicas, depois da Grande Depressão, e uma oposição empedernida, que o considerava socialista e traidor de sua classe. Outra inspiração na conversa foi Dwight Einsenhower, o comandante das forças aliadas na Segunda Guerra Mundial,  que ao final do segundo mandato em 1961 advertiu sobre os perigos de um “complexo militar-industrial”.

Liberalismo reacionário – Obama está correto: é preciso um Pentágono mais enxuto, mas também é preciso repensar o arsenal social do país e até agora o presidente não deu mostras de ser aguerrido nesta questão de oferecer concessões significativas em programas de saúde e de aposentadoria. O presidente precisaria de coragem para enfrentar o “liberalismo reacionário” de setores da base democrata, que não arredam pé de seus benefícios.

Aliás, estão aí as lições de dois outros presidentes, o republicano Ronald Reagan e o democrata Bill Clinton que souberam negociar e fechar acordos com uma oposição aguerrida. Obama tem agora a segunda e última chance.

***
Hoje é previsível: colher de chá para Barack Obama, obviamente por motivos institucionais. Boa sorte, presidente.

Pessoal, colher de chá também para meu amigo Reinaldo Azevedo que publicou texto criticando o meu. Parabéns, amigo, você está no nível do Obama, hehehe. No blog dele já apareceu uma turba casca grossa dizendo que ele foi leve comigo, hehehe. Falando sério, muita gente descascou o pateta do Caio Blinder provavelmente sem ler a coluna dele, baseando-se em algumas pinceladas do Reinaldo. Bem, abaixo, está o texto de um comentário que mandei para a coluna do Reinaldo:

Amigo Reinaldo, um prazer ter um texto seu criticando o meu. Sou civico, como mostra o vibrante debate entre meus leitores.
Alguns pontos rápidos:
1) os republicanos estão, sim, perdendo, capital político. Perderam cinco das últimas seis eleições presidenciais no voto popular. E caso continuem no atual rumo, será o abismo eleitoral. A gente reconversa sobre isto em 2016, hehehe.
2) falar em branco, negro, latino, judeu, católico, roxo, marciano no jogo político americano é parte do jogo, não se trata de ação afirmativa, mas do papel dos blocos raciais e étnicos em uma corrida eleitoral e no perfil dos partidos. E é isso mesmo: os alertas sobre o partido se tornar um enclave de brancos sulistas e rancorosos parte inclusive de republicanos (obviamente sem usar o termo rancoroso). O alerta é marcante entre eventuais candidatos presidenciais.
3) Curioso seu espanto com a expressão “jeca”, era típica do seu querido Paulo Francis, ao se referir ao casal Clinton, de Arkansas, das bandas de Okhaloma. E, de fato, acho um atraso que setores de um dos dois grandes partidos ainda estejam discutindo teoria da evolução, aquecimento global (que não vejo desmentido no seu artigo) e variadas teorias conspiratórias (desde o nascimento queniano de Obama ao fascismo-comunismo de organizações multilaterais)
Abração, amigo Reinaldo, e beije minha querida São Paulo por mim, Caio

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado

270 Comentários

  • Guerra

    -

    29/1/2013 às 1:04

    Certo, Caio. Não falo para desmerecer os povos latinos. Apenas toco na sua mania de ser dependente, um defeito terrível. No Brasil, o maior sonho dos jovens de classe média-baixa é tornar-se servidor público! Corre por aqui que servidor público ganha bem e não trabalha. Antigamente, quando o Banco do Brasil dispunha da conta de redesconto no Banco Central, uma mamata cortada pelo Collor, cansei de ver mães devotadas procurando casar suas filhas com funcionários do banco. Os salários fascinavam. Conheço muita gente, inclusive parentes, que fazem de tudo para perder os empregos. O sonho é viver seis meses com salário-desemprego. O governo Lula criou ou incrementou o auxílio-prisão. Quer garantir a família empobrecida? Assalte alguém! Além do produto do ataque, sua mulher passa a receber uma mesada! Há casos e mais casos de famílias que simplesmente deixaram de trabalhar por conta do bolsa-família. Um senador da República, mesmo, não conseguiu mais ser servido pelo garçom de sua preferência, que simplesmente deixou de trabalhar quando conseguiu o mimo. Metade das vagas das universidades passaram a ser ocupadas exatamente por quem não consegue disputa-las, à custa do desespero de quem estudou para almejá-las. E por aí vai. Somos um povo dependente de pajem, traço que todo descendente de espanhol e português adquire no berço. O assistencialismo sempre foi o entrave no desenvolvimento da América Latina. Os governos latinos-americanos empobrecem seus eleitores e os mantêm pobres para negociar votos com prebendas. A Argentina perdeu a riqueza que os imigrantes italianos e alemães, os legítimos, lhe deram. Obra de Peron e Evita, uma dupla exímia em criar programas assistencialistas e em fazer populismo. E nunca mais a recuperou. Ao contrário, os caixões de ambos, que os argentinos não se cansam de arrastar pelos caminhos do tempo, continuam a arrasar o país, inspirando políticas econômicas cada vez mais suicidas, porque deformadoras da alma popular. A história do que fizeram com o cadáver de Evita é simplesmente delirante, crível apenas por quem a lê. Não há como entender por que um povo tornou-se tão dependente de dois cadáveres, senão pela lembrança das benesses que seus antigos moradores distribuíam como “protetores dos descamisados”. Aliás, no Brasil, quase que o de Getúlio Vargas engatou em nossos calcanhares, não! E esse já é o jeito de ser da metade dos eleitores americanos. Pobre superpotência!

  • Guerra

    -

    28/1/2013 às 23:51

    Sabe o que penso sobre isso? Para mim, os EUA não são os mesmos que se elevaram ao topo do mundo a partir do final do Século XIX. Na eclosão da Primeira Guerra Mundial, já eram a nação mais industrializada do mundo. Desse ponto até o término da primeira administração Reagan, a mentalidade política imperante no país foi a tradicional, plantada pelos pais da pátria, de conquista do sucesso através da iniciativa individual e dedicação à escola e ao trabalho. O país se fez uma potência não apenas militar e econômica, mas, acima de tudo, científica. Mais ou menos ao término daquele período, a população de baixa renda começou a ser um problema sempre crescente. O país encheu-se de latinos e passou a testemunhar as mesmas mazelas dos povos do terceiro-mundo. A descendência castelhana, especialmente, agigantou-se e estabeleceu a preponderância da mentalidade terceiro-mundista, dependente da presença do poder público com suas bolsas, seus favores, suas tetas esticadas e sua tutoria. Apesar da deterioração, é óbvio, o cenário ainda não é o que vemos pela América Latina afora. Mas não há dúvida: o ambiente nacional passou a oportunizar políticos do tipo Babaca Obama, com suas tendências assistencialistas, ideias que, certamente, força da preponderância dos votos dessa maioria retrógrada, se estabelecerão para levar o país cada vez mais para longe daquela força fenomenal que gerou a potência que ainda conhecemos. A eleição do Babaca Obama e a assimilação, pelo universo político americano, do mesmo populismo degenerativo que vemos neste Brasil de triste passado e desalentador futuro, coisa que, até outro dia, ninguém cria que seria possível, não são fatos atribuíveis ao mero acaso, não. Marcam o início do enfraquecimento de uma potência. Embora tenha, ainda, muito a perder, o que lhe permitirá continuar a fazer diferença no cenário internacional durante muitas décadas, a nação americana não conseguirá frear a desqualificação que a maioria terceiro-mundista de sua população lhe imporá com o tempo. No mundo desenvolvido, não há um único povo que fale espanhol ou português! Nem os antiquíssimos espanhóis e portugueses conseguiram saltar para o seleto primeiro mundo. Mas não é à toa. E isso explica o que vem acontecendo com os EUA. Os americanos de origem latina não têm a mais insignificante noção do que sejam os ideais pregados pelos pais da pátria, nem a menor intenção de adotá-los. A última eleição abriu e mostrou o lado interno da questão: o terceiro-mundismo já contaminou o jeito de fazer política nos Estados Unidos. Resta ver como o Babaca será sucedido.
    Publicado com fins educacionais. Caio, latino.

  • Fernando

    -

    24/1/2013 às 10:18

    Ok Roberto, eu acho que os Republicanos querem sabotar o governo Obama como os petistas queriam sabotar o governo FHC. Só nos resta, como cavalheiros, concordar em discordar. Abraço.

  • Roberto

    -

    23/1/2013 às 17:33

    Caro Fernando, (23/01/2013 às 15:41)

    Vamos por partes. A obstrução é uma manobra legítima das oposições. Os democratas também já obstruíram os republicanos e isso faz parte do jogo político. A obstrução é, sim, resultado de um impasse, mas isso não significa que estão tentando “impedir” o presidente Obama de governar. Até porque, negociar é responsabilidade inerente ao ato de governar. Só não precisa negociar quem possui maioria absoluta no legislativo. Como o povo escolheu como seus representantes uma maioria de congressistas republicanos, é imperativo que a Casa Branca negocie com a oposição, como fizeram outros presidentes no passado. O primado da democracia é a imposição de limites aos poderes da república.

    abs.

  • Fernando

    -

    23/1/2013 às 15:41

    Caro Roberto, vamos ficar no ponto essencial: você afirmou no seu post que os Republicanos não estão praticando obstrucionismo e não tentando impedir o Presidente Obama de governar? Eu ficaria feliz de examinar a evidência.

  • Roberto

    -

    23/1/2013 às 14:06

    Caro Fernando, (23/01/2013 às 11:45)

    Me permito algumas observações:

    - Os Republicanos, de fato, possuem uma plataforma política e um conjunto de valores diferentes dos Democratas; não são oportunistas como os petistas que governaram com a plataforma do PSDB após obstruir seus projetos e acusá-lo de elitista e defensor de banqueiros;
    - Os EUA não tiveram um presidente Republicano que fizesse tábula rasa da educação acadêmica ou a louvação da ignorância como sinônimo de sabedoria;
    - O GOP nunca tentou comprar o congresso para ter hegemonia política;
    - Watergate foi coisa de amador, se comparado ao Mensalão, aos Cartões Corporativos, aos passaportes diplomáticos, ao caso Celso Daniel, ao caso Gamecorp, a quebra de sigilo do caseiro, ao dossiê dos aloprados, ao lobby da Erenice, à cooptação de Sarney, Maluf, Renan, Collor, Jáder, etc…;
    - Desconheço que algum presidente dos EUA tenha tentando chantagear um membro da Suprema Corte;
    - Os republicanos não tem proposta para censurar a imprensa independente ou projeto de “democratização da mídia”;
    - Não me parece que o Reinaldo odeie o Obama. Ele só não o idolatra, o que parece herético para os amantes incondicionais do presidente dos EUA…
    - Obviamente, o Reinaldo não critica o PT por fazer oposição quando está na oposição. Ele critica o PT por afirmar que na oposição só fazia “bravata” (frase dita pelo próprio Lula), por ser um partido sem limites na busca do poder hegemônico, por ser antidemocrático, demagogo, hipócrita, populista e corrupto.

    abs

  • Felipe C

    -

    23/1/2013 às 13:11

    Caro Blinder o senhor escreveu: ” já apareceu uma turba casca grossa dizendo que ele foi leve comigo, hehehe. Falando sério, muita gente descascou o pateta do Caio Blinder…”, citações como essa sobram.

    Não há casca grossas nem patetas, apenas debate de idéias. Se não gostamos dos diferentes pelo menos temos que respeita-los , mais ou menos como dizia o seu Saramago.

  • Fernando

    -

    23/1/2013 às 11:45

    Amauri, meu comentário foi um tanto off topic mesmo, mas motivado por que vejo ser um comportamento sistemático do Reinaldo Azevedo em criticar no PT – pela tenho mantenho divergências irreconciliáveis – comportamentos que ele reputa como parte do jogo democrático no Partido Republicano. Só isso. A propósito, publiquei o comentário no blog do Reinaldo, educadamente, e não foi publicado…sabe porque? O Reinaldo não gosta quando lhe apontam uma contradição, e parte da mística que lhe envolve, e faz parte do seu negócio como blogueiro, é sempre estar certo, prever o que ninguém viu etc. Ele está certo na maior parte das vezes e prevê corretamente boa parte dos eventos. Mas erra, principamente quando seu ódio ao Obama lhe tolda a visão.

  • Helder

    -

    23/1/2013 às 9:56

    Muitos climatologistas sérios, não subvencionados por ONGs (ONU) não são nada jecas e questionam cientificamente o aquecimento global, na verdade uma tremenda balela pseudo-científica mentirosa para criar um imposto global (o que não invalida o fato de que uma política ecologicamente correta seja relevante).
    O senhor é tremendamente obamista e se esquece que, sob Obama os EUA tem perdido a força econômica e militar. Talvez o senhor prefira o euroasianismo ou o crescimento do islamismo…
    Pode ser o caso de que o senhor apenas também é anti-americano e globalista (como Obama) e considera os EUA o grande Satã.
    É claro que há indivíduos reacionários e arrogantes entre os republicanos mas os há também (e em larga escala) entre os democratas. Sou totalmente favorável a que haja forte oposição inclusive forte conservadorismo de um dos lados pois é esta polarização que faz a verdadeira democracia.
    Mas os democratas querem a hegemonia,semente do comunismo fascista (que, por exemplo, cresce em toda a América Latina).
    É bom lembrar que O Brasil é um país mais a esquerda do que os EUA (que também vai nessa direção com Obama).
    Aqui seis vezes mais assassinatos do que nos EUA, há uma íntima relação entre PCC, PC do B e PT (vide a vinculação PT-Farc, a submissão ao facínora Fidel e Chávez, à manutenção dos privilégios políticos de um ex-presidente e de um Congresso podre etc).
    A cultura eleitoral assistencialista (que é o modus operandi de Obama e de Lula no Brasil) é o que há de pior para uma nação crescer e se desenvolver.

  • leonardo carvalho

    -

    23/1/2013 às 0:51

    Caro caio, eu entendi bem o significado, ou seja, a essencia do texto do reinaldo. O sr. Nao pode negar que existe sim obscurantistas dentro do partido democrata e que na democracia americana, o que e bom e que democratas e republicanos facam oposicao um ao outro e taxar os republicanos de obscurantistas e advogar as teses democratas. Adotar tais teses nao e contraproducente, pois na politica nao existe o bem e o mal absolutos.
    Caro Leonardo, David Frum é uma boa recomendacao para este tema, abs, Caio
    http://www.amazon.com/Why-Romney-Lost-ebook/dp/B00A3EOVKS

  • Wagner Malheiros

    -

    22/1/2013 às 19:51

    Dizer que os Republicanos são intelectualmente inferiores aos Democratas é um triste e patético argumento. Baseado em que esta afirmação? Qual a evidência? A sua “porque morei nos EUA”?
    Você então por ser Democrata é mais inteligente? E menos arrogante?

  • amauri

    -

    22/1/2013 às 18:32

    Valeu, boa noite e até amanha, se Deus quiser!. abs

  • amauri

    -

    22/1/2013 às 18:15

    Eis o motivo, caro Caio:
    “e qual o motivo desta pergunta desgalhada? Abs, Caio”
    E para finalizar, quem afirma que o ceticos ao AGA e que os criacionistas estao na idade da pedra, pode dizer qualquer coisa. heheheh
    abs
    Nao exagere, meu caro Amauri, estao um pouquinho antes da Idade da Pedra, chegando lá, abs, Caio

  • amauri

    -

    22/1/2013 às 17:55

    Caio, no programa M.C. houve algum que teve o tema dos mensaleiros? Se teve voce teve uma opiniao amigavel aos mensaleiros? bs
    Nao tive opiniao amigavel e qual o motivo desta pergunta desgalhada? Abs, Caio.

    Para mim a primeira parte da resposta bastava. abs
    E por que voce voltou ao assunto ? E se voltou deveria dizer de cara que tambem achou um absurdo que o tal leitor na outra coluna disse. Alias, voce viu as outras coisas ditas sobre mim pelos leitores na coluna do Reinaldo? Guarde seu ceticismo para as questoes apropriadas, meu caro Amauri. Abs, Caio

  • amauri

    -

    22/1/2013 às 17:35

    “Amauri, nao sei se respondo na chacota, se observo a idiotice da questao que voce esta fazendo ou especulo se você está sendo maroto? O que voce acha mais conveniente? Abs, Caio”
    Ninguem é perfeito né Caio. Voce errou e feio outra vez, nas suas tentativas de taxar outro.
    Desde quando uma pergunta feita, diretamente ao outro, pode ser considerada como idiota? No universo liberal? abs
    Amauri, voce que nao rotula ninguem, o que voce acha? Voce acha que eu seria advogado dos mensaleiros? Voce acha que alguem que trabalha para a VEJA seria advogado dos mensaleiross? Voce acha que o Reinaldo Azevedo e Diogo Mainardi seriam meus amigos se eu fosse advogado de mensaleiros? Ajudei na sua busca de conhecimento? Abs, Caio

  • amauri

    -

    22/1/2013 às 17:21

    Caio, o M.C. é tarde para quem acorda 5 da manha. O reprise começa neste horário porem, tenho outros compromissos. Entrei há pouco na seção de comentários do Reinaldo, e um morador nos EUA que assiste os programas disse que voce adotou uma postura que parecia advogado dos mensaleiros. O motivo é sempre o de buscar conhecimento. abs
    Amauri, nao sei se respondo na chacota, se observo a idiotice da questao que voce esta fazendo ou especulo se você está sendo maroto? O que voce acha mais conveniente? Abs, Caio

  • amauri

    -

    22/1/2013 às 17:02

    Caio, no programa M.C. houve algum que teve o tema dos mensaleiros? Se teve voce teve uma opiniao amigavel aos mensaleiros? bs
    Nao tive opiniao amigavel e qual o motivo desta pergunta desgalhada? Abs, Caio

  • amauri

    -

    22/1/2013 às 16:58

    Boa tarde Fernando Lisboa!
    Tentei entender o que voce entendeu. O Reinaldo fez uma “critica” ao Caio por ele “dar” certos conselhos aos republicanos para não se exterminarem, tipo adotar algumas agendas liberais. Se isto ocorrer seria como o PSDB faz oposição ao PT, que nao faz nenhuma. É isto o que ele disse, nao achei no texto algo contraditório. Nao estou dizendo que estou certo e voce errado, peco apenas, se for sua vontade me explicar melhor sua conclusão, quem sabe posso mudar minha opinião. Coloque seu desafio no blog dele. abs

  • Rodrigo

    -

    22/1/2013 às 16:15

    O GOP pode sabotar um governo democrata; o PT pode destruir a democracia. Eis a minha explicação para recusar a tese de contradição nas opiniões de Reinaldo Azevedo.

  • amauri

    -

    22/1/2013 às 15:48

    Boa tarde Magno!
    Nao veja como um conselho. Ao invés de voce enumerar criticas com adjetivos negativos aos céticos, por que voce não explica suas conviccoes com bases em dados científicos. Voce sabia que em uma discucao cientifica nenhuma teoria (eles nem começaram com teoria e já foram para a conclusão, bela ciencia) teoria é sacrossanta. Dogma é coisa de religião, não ciência. abs

  • amauri

    -

    22/1/2013 às 15:41

    Carmem, os ceticos nao tem que provar nada, e nao existe prova do AGA.

    E, efeito estufa e aquecimento global sao diferentes. A prova do AGA nao é a prova de que gazes do efeito estufa causem este aquecimento. Se estiver tendo aquecimento nao é o CO2 o responsavel. Isto é o que os ceticos dizem. abs

  • Fernando Lisboa

    -

    22/1/2013 às 15:29

    Caio, talvez fosse o caso de você apontar uma contradição essencial do Reinaldo: o PT que fazia oposição sistemática a FHC, e é tão duramente (e corretamente!) criticado por ele, EM QUE é tão diferente do Partido Republicano que faz oposição sistemática a Obama? Duvido e faço pouco que ele tenha uma resposta moralmente defensável.
    Caro Fernando, o Reinaldo fez um segundo post a respeito. Eu não fiz nenhum a respeito. Confesso que não vi muito proposito na abordagem dele, pinçou algo aqui e ali, mas que nem era a essência do texto, que metido a besta dava conselhos aos democratas e aos republicanos, hehehe. Por amizade ao Reinaldo, um dos mais brilhantes polemistas que conheço e pessoa de ótimo humor (comigo), enviei dois comentários, um em cada post, na caixa de comentários, para mim realmente basta. Recomendo que você mande este comentário para a coluna do Reinaldo, mas prepare-se para aguentar uma tropa de choque entre os leitores, mais para “claque norte-coreana”, repetindo palavra de ordem e muito azeda, hehehe, valeu, abs, Caio

  • Magno Adão de Souza

    -

    22/1/2013 às 13:35

    Os conservadores hostis ao ambientalismo recusam-se terminantemente a reconhecer qualquer fato que avalize cientificamente a existência da mudança climática. A crença é um domínio alheio ao universo da ciência, pois a primeira lida com verdades reveladas ao passo que o último anuncia conclusões submetidas ao teste da falibilidade. Duas ou mais pessoas dispostas a realizar um debate produtivo devem estar dispostas, ao menos em tese, a rever ou questionar seus pontos de vista, pois é inútil discutir com uma parede.

  • Magno Adão de Souza

    -

    22/1/2013 às 13:15

    Marcio,
    Uma analogia, como você deixou claro ao comparar um galo com um despertador, implica na identificação de características comuns entre dois ou mais entes ou objetos. Não desenvolvi um silogismo – falso ou verdadeiro – ao ressaltar as óbvias afinidades ideológicas existentes entre o Tea Party e a John Birch Society, pois ao assim proceder não me vali de premissas para enunciar uma conclusão a respeito do que quer que seja. Procurei mostrar apenas que os pontos de convergência entre o Tea Party e a John Birch Society são maiores e mais significativos que seus pontos de divergência.

  • Carmem

    -

    22/1/2013 às 12:50

    Amauri,
    há pesquisas q usam determinados modelos matemáticos q apontam as emissões de gases do efeito estufa como principal causa do aquecimento global. A discussão é em torno desses modelos, se eles são ou não são uma boa representação do comportamento climático. Então acreditar q as emissões são a principal causa do aumento de temperatura é tão válido quanto não acreditar, como nenhuma das duas correntes conseguiu demonstrar ipsis literi q o seu modelo é o certo o assunto esta, como os americanos diriam, open to discussion.
    Esse negócio de dizer q uma corrente é religião pq não comprova de forma definitiva a teoria é tão válido qto dizer q a outra corrente tb se trata de uma religião pq não oferece nenhuma explicação alternativa definitiva.
    abs

  • amauri

    -

    22/1/2013 às 11:57

    Carmem seu comentario foi após eu reagir ao que o
    Caio disse. Se alguem diz que sou isto ou aquilo por nao acreditar no AGA, entao mostre a prova cientifica do AGA. Mostrando prova as coisas mudam. Repito, acreditar em algo sem prova é fé. Os defensores do AGA afirmam que o CO2 produzido pelo homem é o responsabel, se eles afirmam tem que provar, se nao provar (como nao provam, nao existe prova cientifica. Existe consenso de pessoas ligadas aos liberais) entao torna-se uma religiao, e pior, extremistas que querem enfiar guela abaixo dos céticos. Eu tenho fé, em Deus, eu sinto a existência dele, e nunca tentei colocar minha fé a ateu nenhum. Agora, quando um ateu vem dizer que ateus tem valores melhores que teistas, pode haver debate. Há liberais que acham que os pensamentos deles se forem colocados 100% no dia a dia da humanidade a terra vira um paraíso, dizer o que! Mas, continuo esperando que qualquer defensor do AGA me mostre uma prova cientifica.abs

  • Alan

    -

    22/1/2013 às 11:48

    Num momento importante para o país o presidente ser obrigado a reverenciar um receituário de bobagens, não dá.
    Pois é substituam a bíblia por um livro que conte a história do pais por exemplo.

  • Carmem

    -

    22/1/2013 às 11:29

    Amauri, eu expliquei o vamú lá na segunda linha..
    “O q eu quis dizer é q qq um tem o direito de acreditar ..”
    Por exemplo, se vc acha q a a relatividade te permite dizer q é o sol q gira em torno da terra, bom para vc, eu pelo q entendo da relatividade não concordo com essa interpretação. Mas, tudo bem, vc pode ter uma relatividade só para vc.
    Eu não tenho nenhum problema de acreditar q a terra esta aquecendo pq a maior parte das pesquisas científica chegam a essa conclusão. Se o aquecimento esta sendo causado por ação do homem ou não, acho que não esta bem estabelecido, então minha opinião é de q a questão deve ser melhor pesquisada e compreendida, pessoalmente sou cética de q a ação do homem seja o fator principal..enfim, ciência é assim, se vc quiser respostas absolutas e definitivas, não deve se dirigir a cientistas pois o que torna a ciência uma matéria fascinante é justamente o fato de, como dizia Pauli, poder sempre estar errada.
    abs

  • NOBODY.

    -

    22/1/2013 às 11:17

    E DE MAIS A MAIS QUESTIONAR-SE TUDO, TODA HORA, SÓ POR QUESTIONAR, TORNA-SE UMA PERDA DE TEMPO E ENERGIA.
    É VERDADE QUE NÃO DEVEMOS CRER EM TUDO QUE NOS DIZEM, MAS TAMBÉM NÃO ADIANTA FAZE UMA TESE SOBRE O SEXO DOS ANJOS TODA VEZ QUE ALGUÉM AFIRMAR ALGO QUE NÃO CONCORDAMOS.
    TEM COISAS QUE VOCÊ NÃO CONCORDA E PRONTO. A VIDA CONTINUA.

  • NOBODY.

    -

    22/1/2013 às 11:02

    EU GOSTEI DO ARGUMENTO DA CARMEM. SE VOCÊ QUER ACREDITAR INCONDICIONALMENTE VOCÊ NÃO PRECISA DE PROVAS. ELA ESTÁ CERTA.

  • amauri

    -

    22/1/2013 às 11:00

    Amauri, vc não entendeu o meu vamu lá!NAO, NAO ENTENDI, SEJA MAIS CLARA!
    O q eu quis dizer é q qq um tem o direito de acreditar no que quiser independentemente de qq prova.QUANDO ALGUEM ACREDITA É POR QUE JÁ HOUVE PROVA. SEM PROVA É TER FÉ. Pq então vc esta me pedindo prova de alguma coisa se elas não são necessárias? SE VOCE TEM CERTEZA DO AGA SEM PROVAS VOCE TEM FÉ. AGORA SE VOCE ACREDITA, ME MOSTRE A PROVA CIENTIFICA QUE FEZ VOCE ACREDITAR. SE NAO TEM PROVAS VOCE TEM FÉ. VOCE CITOU AMAURI COMO SE EU REFUTASSE PROVAS EMPIRICAS DA TERRA GIRAR EM TORNO DO SOL, EMBORA PELA LEI DA RELATIVIDADE DIZER QUE O SOL GIRA EM TORNO DA TERRA NAO É ERRADO. MAS AFIRMO QUE CREIO QUE A TERRA GIRA EM TORNO DO SOL E QUE A LUZ TEM VELOCIDADE, MAS A VELOCIDADE EXATA AINDA NAO AFIRMARAM.
    abs ABS

  • Marcio Silva

    -

    22/1/2013 às 10:46

    Magno Adão de Souza – 22/01/2013 às 0:55
    Claro que você não associou as ideias do Tea Party com este ou aquele personagem histórico, na sua tentativa de fazer uma analogia, você só conseguiu um falso silogismo.
    Por analogia você poder criar a falsa imagem de que um despertador e um galo são exatamente a mesma coisa, se nessa analogia fortuita você considerar somente as características semelhantes desses dois entes e ignorar propositalmente as características que os difere.

  • Carmem

    -

    22/1/2013 às 10:44

    Amauri, vc não entendeu o meu vamu lá!
    O q eu quis dizer é q qq um tem o direito de acreditar no que quiser independentemente de qq prova. Pq então vc esta me pedindo prova de alguma coisa se elas não são necessárias?
    abs

  • NOBODY.

    -

    22/1/2013 às 9:58

    SERÁ QUE NEM O FATO DA TERRA GIRAR EM VOLTA DO SOL É ACEITO MAIS? EU ESTOU PASMO COM TANTO RETROCESSO.
    SE A BÍBLIA VAI SER NOSSO LIVRO DE REGRAS, DAQUI PARA A FRENTE, QUE AS CRIATURAS CRENTES SIGAM ELA AO PÉ DA LETRA: BASTA DE MORTES E SEGREGAÇÃO.
    OU A BÍBLIA TAMBÉM É MOLDÁVEL PARA CADA CIRCUNSTÂNCIA E GRUPO ÉTNICO?
    ENTENDO QUE O PENSAR É LIVRE, MAS ESTÁ FICANDO UM POUCO RIDÍCULO ESSA TENTATIVA DE RETORNO À REALIDADE MEDIEVAL, ONDE A “PALAVRA DE DEUS” ERA O MOTE PARA SE DETERMINAR QUEM ERA MESTRE E QUEM ERA ESCRAVO.
    TUDO BEM QUANTO AS TEORIAS SOBRE AQUECIMENTO, CRIACIONISMO (É MEIO INOCENTE MAS NÃO É DANOSA), CÉU E INFERNO, E ETC…
    MAS TEM CERTAS COISAS QUE BEIRAM O CÔMICO, COMO A TEORIA DO GEOCENTRISMO. É INOCENTE TAMBÉM, MAS É HILÁRIA.
    SE VAMOS PAUTAR NOSSAS VIDAS PELA RELIGIÃO ENTÃO DEVERÍAMOS VOLTAR NOSSOS OLHOS PARA AS MAIS ANTIGAS. E PROVAVELMENTE SERIAM AS NASCIDAS NA CHINA E NA ÍNDIA.
    MAS NEM ISSO ACEITAMOS. ENTÃO CRIAMOS RELIGIÕES QUE SE MOLDEM AO NOSSO ESTILO DE VIDA.
    É DEMAIS.

  • amauri

    -

    22/1/2013 às 9:56

    “O mundo gira, caro Amauri,e em torno do sol, abs, Caio”
    Lendo melhor, o planeta Terra para voce é mundo? abs

  • amauri

    -

    22/1/2013 às 9:40

    “O mundo gira, caro Amauri,e em torno do sol, abs, Caio”
    Voce e a Carmem dizendo mesma coisa, vai fazer eu mudar de ideia.
    Mostre voce tambem a prova que pedi para a Carmem ou seja, qual a prova do AGA. abs

  • Caetano

    -

    22/1/2013 às 9:33

    Caio, é por textos como este que tu não consegues ter o teu nome na página principal da Veja e sempre aparece na designação “Todos os Colunistas”…
    Sou franco contigo: só leio tua coluna por causa dos comentários e creio que o teu maior mérito é permitir o contraditório dos comentaristas.
    Caetano,sempre recebo destaque na pagina principal de Veja, abs, Caio

  • amauri

    -

    22/1/2013 às 8:08

    Bom dia Caio!
    Nao vai continuar o bate bola com o Reinaldo?
    Duas pessoas com o mesmo nivel e divergentes debatendo é raro. Isto deveria ser comum pois, enrriquesse o conhecimento da populacao. Mas para o bem dos progressistas e demagogos nao é. abs
    O mundo gira, caro Amauri,e em torno do sol, abs, Caio

  • amauri

    -

    22/1/2013 às 8:05

    Bom dia Carmem!
    Carmem – 21/01/2013 às 23:04
    “É isso ai Amauri, vc não é obrigado a acreditar q a terra gira em torno do sol nem q a luz, pasme, tenha uma velocidade. Cada um na sua enfermaria!
    Isso é a democracia.
    Vamu lá! Hehehe
    Abs”
    Vamu lá entao! Me mostre a prova do AGA!
    abs

  • Pedro Bouvetiano

    -

    22/1/2013 às 7:37

    Caio,
    Parabéns a você e ao Reinaldo Azevedo pela demonstração de coleguismo, camaradagem/amizade, respeito mútuo e civilidade em geral. Que sirva de lição aos moleques que volta e meia aparecem por aqui regurgitanto abobrinhas e argumentos ad hominem.
    Isso, caro Pedro, valeu, abs, Caio

  • Rud Rech

    -

    22/1/2013 às 3:56

    Franklin Martins ou Caio Blinder? Caio ou Frankling? Quem escreve aqui?
    Publicado com fins educacionais. Caio

  • Queiroz

    -

    22/1/2013 às 3:24

    O assunto é Israel. Em um movimento de expansão política, Naftali Bennett é a grande ameaça ao Likud-Yisrael Beitenu.
    Não será a maioria, mas projeta um segundo ou terceiro lugar.
    Outro fator importante é que ele extraiu totalmente o apoio colono a Lieberman, explorando à exaustão o eleitorado de ultradireita.
    Nessa semana deu-se conta de que até os Israeli-arabs estão indo em massa com Bennett.
    Explica-se: os árabes israelenses estão saturados da política efetuada por seus representantes. Estes, ao serem eleitos, voltam-se a criticar Israel e focam em defender os palestinos, olvidando de se ater ao seu eleitor, que não quer rompimento com Israel, mas sim sua inclusão de forma pacífica e gradual.
    __
    A grande problemática é a seguinte: Confirmados os prognósticos de vitória do Likud, a depender da força de Bennett na eleição, Netanyahu teria que desenhar alguns cenários na montagem da coalizão.
    .
    1- Montar um governo de ultradireita, sendo o Likud o fiador e a ala moderada da coalizão, o que complica a parte de relações públicas, mas terá amplo respaldo do eleitorado;
    2- Costurar um governo de união nacional, convidando Livni, para Relações Exteriores, por exemplo. Porém, Bibi se sujeitaria a possibilidade de Bennett se insurgir contra a presença destes esquerdistas, e ficar à espreita de algum insucesso na interlocução com os Palestinos, Egito, etc, para arrematar a maioria em uma futura eleição.
    **
    Breve opinião: Bennett é um jovem político, tem apenas 40 anos. O segredo da política é não ser afobado, e gradativamente operar avanços com o eleitorado.
    Naturalmente, não poderia crescer pelo eleitorado de esquerda, cada vez mais inexistente em Israel.
    O centro está ocupado pelos moderados e a centro-direita com o Likud.
    Só lhe caberia expandir pela ultradireita, mas que gradualmente vai flertando com outras minorias, como as drusas e árabes.
    Temperando seu discurso, e compondo-se com Netanyahu, poderá ser o defensor de Israel na etapa pós-Netanyahu, no limiar da próxima década.
    ***
    Hoje falará o povo de Israel. Creio que ele dirá “pragmaticamente” que não dá para arrefecer na defesa de sua existência com uma irmandade muçulmana aí ao lado, e com Obama reeleito.
    Obama pode não ser anti-Israel, e eu elogio categoricamente vários de seus gestos, como vetar decisões no Conselho de Segurança, cooperação de tecnologia e equipamentos militares…
    Porém, pró-Israel ele também não aparenta ser.
    Caro Queiroz,de onde voce esta informacao que os arabe-israelenses estao votando no Bennett? Abs, Caio

  • Queiroz

    -

    22/1/2013 às 3:18

    Indago que, se acaso como você salienta que os Democratas a médio prazo reinarão absolutamente nas eleições, não seria o caso dos Republicanos fazerem valer a réstia de tempo de alguma força dos valores conservadores? É preferível cair sendo coerente, do que ser “pragmático” (eufemismo de egocentrismo político) e trair o eleitorado que o erigiu.
    500 mil votos é um dia ensolarado na Califórnia. Some-se a isso o voto antecipado.
    Este é o debate, caro Queiroz, cabe aos republicanos decidirem, abs, Caio, o pragmatico egocentrico.

  • Magno Adão de Souza

    -

    22/1/2013 às 2:49

    Caio,
    As gritantes distorções verificadas nas eleições para a Câmara dos Representantes celebradas nos EUA em novembro último reforçaram minha oposição ao sistema eleitoral majoritário. A delimitação e configuração de distritos dá uma grande margem de manobra para os eventuais ocupantes do poder em regimes democráticos, que não raras vezes auferem dividendos políticos à custa da defraudação da vontade dos eleitores livremente manifestada nas urnas. Defendo o voto distrital misto à semelhança daquele existente na Alemanha por considerá-lo capaz, não obstante suas óbvias limitações, de conjurar a paralisia decisória suscitada pela dispersão do voto entre várias legendas e retratar com razoável fidelidade a representatividade das distintas correntes ideológicas que atuam no seio da sociedade.
    Atribuo a vitória eleitoral de Barack Obama não apenas à visível mudança do perfil demografico do povo americano, mas também à inclusiva plataforma eleitoral do presidente americano, que o fez defender o casamento entre homossexuais. A suicida radicalização que metamorfoseou a face do Partido Republicano ao longo das duas últimas décadas alienou largos segmentos da classe média, o que terminou por alijá-lo dos grandes centros urbanos. Os acenos que dirigentes daquele partido fizeram a agrupamentos políticos que não têm pejo em defender ideias absolutamente fora de lugar nos tempos modernos tem-lhes cobrado um preço cada vez mais difícil de ser honrado.
    Caro Magno, bom ter voce de volta, abs, Caio

  • Carla Pola

    -

    22/1/2013 às 2:08

    Para você nada, Carlos Cezar ( Se é que seu nome é esse mesmo), de qualquer forma não debato com quem encosta as orelhas no teto! Vá estudar sobre os republicanos e aproveite e veja também que a Ku Klux Klan é cria democrata e os direitos civis dos negros só avançaram por causa dos “obscurantistas” republicanos…Não é incrível??? Pois é…Acho que você e o Caio Blinder esqueceram algumas aulas de história, ou os professores eram esquerdinhas…Pois é!

  • Yes, We Scam

    -

    22/1/2013 às 1:29

    É sério, Marcel, que a MSNBC disse isso?
    Está vendo só, como é malvada a “Mídia Golpista” direitista?
    A MSNBC se juntou a FOX e seu direitismo rancoroso, para falar mal de Obama e dos Democratas. hahaha
    Se alguém não entendeu a ironia, nem mesmo se eu desenhar vai dar para explicar.
    E, Marcel, o Obama não podia esquecer de mencionar o “aquecimento mental”, pois todo pogreçista que se preze é devoto da “Seita do Aquecimento Global dos Santos [Pogreçistas] dos Últimos Dias”, da qual Obama é o “messias” e Al Gore é o profeta.
    O Brasil também tem a sua vestal do templo, a Marina Silva.

  • Magno Adão de Souza

    -

    22/1/2013 às 1:21

    Correção:
    Onde se lê “déspostas”, entenda-se “déspotas”.

  • Magno Adão de Souza

    -

    22/1/2013 às 1:17

    A recusa peremptória de conservadores em reconhecer a mudança climática causada pelas emissões de gás carbônico é desprovida de qualquer base científica. Penso que o alarmismo escatológico pregado por ecologistas radicais é menos pernicioso que o desprezo ao meio ambiente propalado por adeptos do liberalismo econômico.

  • Francisco Pintão

    -

    22/1/2013 às 1:13

    Caro Caio, convenhamos, esse discurso de “perder no voto popular” aparece para sustentar sua tese, mas, há pouco, você mesmo desdenhava do voto popular, afinal o que conta é o colégio eleitoral. E mais, nesse recorte cabe qualquer coisa. Das últimas 6, 4 vitórias democratas; das últimas 9, 5 vitórias republicanas.

    Vale lembrar que hoje é o momento alto do mandato do Hussein. Para dançar, cantar, sorrir, empolgar os abraçadores de árvore e progreçistas, não há ninguém melhor. Para governar, negociar com o congresso, reduzir a dívida…
    Falando em recorte, caro Francisco, seria legal voce pesquisar porque nas eleicoes para a Camara em movembro, os democratas tiveram cerca de 500 mil votos a mais do que os republicanos nacionalmente, mas os republicanos ficaram com 54 por cento das cadeiras. Eu nao discuto as regras, pois os democratas se tivessem ganho no ano 2010 e tivessem o controle de tantas assembleias legislativas teriam tambem recortado os distritos de uma maneira mais conveniente para sua demografia eleitoral, abs, Caio

  • Marcel

    -

    22/1/2013 às 0:56

    MSNBC- “Da mesma forma que Reagan moveu uma corrente conservativa nos anos 80 Obama quer o mesmo no seu governo mas para o progressismo liberal”
    ..
    MSNBC (??) Será que agora alguém vai discordar, dessa vez não foi a fox.

    E outra, Obama falou sobre o aquecimento global, que lorota.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados