1889, o ano que ainda não terminou

O jornalista Laurentino Gomes com a trilogia ‘1808’, ‘1822’ e ‘1889’ (Divulgação)

Maria Carolina Maia

Se a Proclamação da República, feita em novembro de 1889 por um militar monarquista e adoentado, era a conclusão inevitável do processo de Independência do Brasil, detonado em 1822 pelo herdeiro da coroa real portuguesa, não era, por outro lado, o ponto final do projeto de construção nacional. Essa é, em resumo, a leitura feita pelo jornalista paranaense Laurentino Gomes, que lança agora 1889 (Globo Livros, 416 páginas, 44,90 reais), última parte da trilogia sobre as datas que marcaram o Brasil no século XIX, iniciada com 1808 e 1822. Como os dois primeiros livros, que conquistaram dois prêmios Jabuti de Não-Ficção e venderam juntos, aqui e em Portugal, cerca de 1,5 milhão de exemplares, a expectativa para este é alta. 1889 chegou às lojas nesta semana com tiragem inicial de 200.000 exemplares.

Read more

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Moises

    Não é à toa que o suposto historiador está há muito tempo rindo sem parar. Tripudia sobre a história do Brasil, busca fatos escabrosos, personagens rocambolescos, faz um tremendo marketing e vende o pior de nossa história como se vende água no deserto. A história do Brasil cabe em três páginas, o resto é um lixo. O historiador Laurentino só o putrifica ainda mais.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Ira

    Moises,
    Se você não entendeu a lógica do livro, o objetivo é esse mesmo, contar o que acontecia por debaixo dos panos da nossa história, coisas que não nos contam na escola, as sujeiras dos portugueses, a roubalheira e como esse país foi construído, em cima de exploração dos europeus (portugueses) e sem nenhum cuidado com o desenvolviment de nossa infraestrutura e respeito à população. Foram eles que deixaram o país asim e somos assim, pois herdamos a “m…” deles. Os livros são ótimos e hiper recomendo.

    Curtir

  3. Comentado por:

    Roseli Pompeo

    Deus vai justiça, com os Imperadores do Brasil.

    Curtir

  4. Comentado por:

    *KRITK-b.g

    Você sabia q D. Pedro || foi uns dos piores tiranos q já existiu na terra . pois é sua passagem aq no Brasil foi de tudo muito hostil ao povo, dizimando por conta de revoltas populares insatisfeitas com seu governo em algumas províncias por exemplo: a cidade de Belém o grão Pará matou quase metade da população local. mas o tempo foi passando até q se proclamou a republica . então o S.r. imperador pagou o preço a Deus sendo deportado no prazo de 48 hrs .Chegando em Portugal foi hostilizado pelos portugueses e tendo seus bens saqueado fugiu pra França não teve asilo e nem em lugar algum .Morreu mendigo e doente nas ruas de paris. esse homem matou centenas de inocentes .Mas a justiça de Deus tarda mais não falha .

    Curtir

  5. Comentado por:

    ver

    Ira, concordo com vc, os livros são ótimos.O Laurentino realmente só conta o que muitos livros escondem toda a podridão, roubalheira, maracutaia que muitos faziam já naquela época.

    Curtir

  6. Comentado por:

    Cistiano Santos

    Caro,
    Vc deve estar drogado para falar uma coisa desse tipo? De onde tirou essas informações fantasiosas??? A grande verdade é que Dom Pedro II, até hoje é considerado um dos melhores monarquistas do mundo. Após o exílio em Portugal e posteriormente na França, ele e sua família eram tratados como reinantes em viajem… Procure informações sobre o funeral dele e saberá que por todas as cidades que o comboio fúnebre passava era tratado com honras de estado, inclusive a grande maioria dos países (tirando o Brasil republicano) declararam luto oficial pela sua morte. Antes de postar mentiras difamatórias, certifique se que ninguém o possa desmentir!

    Curtir

  7. Comentado por:

    Nei Cruz

    Querido KRITK aposto 100×1 que você usa estrelinha vermelha na lapela, quer dizer, quanto pior melhor. Além dos bandeirantes que expandiram o país quem você acha que manteve a unidade nacional ao que temos até hoje. Queria que o imperador fizesse o quê? Não fosse isso a que se reduziria o Brasil? São Paulo, Rio, + alguma coisa. Sendo assim talvez você nem fosse brasileiro. Ora, tenha a santa paciência.

    Curtir

  8. Comentado por:

    José Baptista Coimbra Leite

    Três obras muito boas,gostei.
    No livro 1889 a pagina 11,diz,primeira usina hidrelétrca nos EU em 1882,mas na realidade a primeira foi em Inglaterra em 1881,a segunda nos EU,com uma rede de transmição de 1500 metros,a terceira foi no Ribeirão do Inferno em Diamantina em Minas,esta tinha uma rede de transmição de 2000 metros,500 metros a mais.
    Pagina 217,diz que o Barão de Vassouras era irmão do Barão de Itambé,mas ele era filho,irmão foi o Barão de Aiuruoca,(Custódio Ferreira Leite).

    Curtir

  9. Comentado por:

    Walter Carvalho

    Senhor Laurentino Gomes, boa tarde…
    Quando jovem ( +ou- 40 anos atrás) morei em uma fazenda nos arredores de Campinas de propriedade de Heitor Penteado, esta fazenda foi “sede base” da revolução de 1932, lá achei em meu quarto +ou- 12 exemplares originais do Jornal “Correio de Campinas” de 1889, alguns em sequência numérica.
    Heitor Teixeira Penteado (Campinas, 16 de dezembro de 1878 — Campinas, 8 de maio de1947) foi um advogado e político brasileiro, presidente interino do Estado de São Paulo, deposto em 24 de outubro de 1930 pela Revolução de 1930.
    Minha intenção é vendê-los. Quanto? Não sei. Se tiver interesse, por favor entre em contato.

    Curtir

  10. Comentado por:

    Dito Caturelli

    Parabéns Laurentino, você mostra aos brasileiros não pensantes, e pouco esclarecidos como foram nossos governantes e seus grupos, cuja herança política nos traz a realidade com governantes incapazes e povo ignorante.
    Aguardo obra no mesmo nível abre os movimentos ditos precursores da independência, como Inconfidência Mineira, que dela originou o pseudo herói e patrono da pátria, criado entre outros por Saldanha Marinho, citado em 1898. Moisés abaixo disse que você putrifica, digo voc^na realidade abre os olhos, quem sabe a cabeça do povo.

    Curtir