Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O PSDB enfrenta um dilema, de novo

Os tucanos cabeças brancas tendem a prevalecer: o partido tende a ficar no governo

O PSDB criou a fama de ser um partido que tem dificuldade de tomar decisões cruciais. Os tucanos costumam, por isso, “ficar em cima do muro” nos momentos em que precisam fazer uma opção.

Este parece ser o caso do novo dilema: os tucanos continuam no governo de Michel Temer ou desembarcam? Os membros mais experientes do partido, os cabeças brancas, sinalizam que a opção prudente é ficar. Assim deixou claro Fernando Henrique, em declaração lembrada pelo editorial do Estadão de hoje. “Quem porventura pretenda resolver a presente crise por meio de um conchavo, encontrará na força das instituições e no ativismo da mídia e na indignação do povo barreira às soluções inventadas, por mais engenhosas que sejam”.

Outro é o pensamento da ala jovem do PSDB, os cabeças pretas, que pressionam em favor do desembarque. Os que integram o diretório de São Paulo são os mais ardentes defensores da tese. Apelidados jocosamente de “cabeças ocas” pelos mais maduros, os integrantes dessa ala parecem achar que a saída do governo os livrará do contágio da impopularidade do governo Temer, o que tenderia a prejudicá-los nas eleições de 2018. Seria uma ação oportunista. A senha para a saída seria a decisão do TSE sobre o processo de impugnação da chapa Dilma-Temer.

No momento em que escrevo este post, parece que a chapa será absolvida. O TSE resolveria o dilema dos tucanos, e não eles mesmos. A angústia dos cabeças pretas renasceria no próximo capítulo da crise, que se iniciaria com a provável denúncia de Michel Temer pela Procuradoria Geral da República por crimes de corrupção passiva, obstrução da Justiça e participação em organização criminosa. A denúncia, tudo indica, será apresentada ao STF nos próximos dias.

Se o STF aceitar a denúncia, pedirá autorização à Câmara para abrir processo criminal contra o presidente da República. Seriam necessários 342 votos para aprovar a autorização. Temer sobreviveria se conseguisse 172 votos, o que parece ser o cenário mais provável, inclusive porque, além de sua já provada capacidade de articulação e do apoio do PMDB, o maior partido da Câmara (e também do PSDB), ele sairia fortalecido com a absolvição pelo TSE.

Sem, todavia, a certeza da sobrevivência de Temer no eventual processo de impeachment por crime comum, os cabeças pretas ficariam de novo num dilema: ficar ou desembarcar? Acontece que, à falta de novos e graves incidentes ao longo dos próximos meses, Temer tende a preservar o seu mandato. Os tucanos desceriam do muro. Teria prevalecido, desde o início, a posição dos que já se acostumaram a decidir.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. O partido que desejar algo do eleitor, sabiamente ficará longe das siglas campeãs em envolvidos na lava jato. O PSDB é só mais um. ficar ou não no governo não fará diferença.

    Curtir

  2. Marcos MOraes

    Ficar em cima do muro é ser covarde…MAM

    Curtir

  3. Um partido conhecido por não oxigenar seus quadros, preso nas ideias malucas dos anos 90, os tucanos mais novos já sabem que é suicídio continuar com temer, simplesmente por que conversam com os eleitores sabem que defender Temer em qualquer lugar que nao seja nos editoriais dos jornais é passível de ser taxado de delirante e não tem um na Rua que defenda, talvez nas mesas do Fasano ou do Tinoco, mas “na praça” só o que cresce é saudade de um tempo não tão distante, e cada dia a mais de governo ilegítimo, impopular e corrupto até as tripas mais cresce a esquerda e as diretas, que não acontecerão mas quando 2018 chegar o povo vai votar com raiva de gente que escolheu o futuro do Pais sem consultar o povo.

    Curtir