Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A Eletrobras e os rios não são “estratégicos”

Estratégicos são, entre outros, educação, segurança, serviços públicos, boa gestão macroeconômica e defesa dos contratos e direitos de propriedade

O anúncio da decisão de privatizar a Petrobras despertou velhos preconceitos e visões distorcidas sobre o que é estratégico. A principal reação contrária veio dos rincões ideológicos que apoiam a vasta presença de estatais no Brasil. Dilma Rousseff e líderes sindicais alegaram, entre outras tolices, perdas para os consumidores.

A oposição à medida foi secundada por visões antigas sobre o caráter estratégico de certas empresas estatais. O ex-ministro das Minas e Energia e senador Edison Lobão alegou que a empresa é estratégica. Um professor da UFRJ defendeu que os rios são estratégicos.

A reação de Dilma e sindicalistas reflete a visão de uma esquerda atrasada que não percebeu o esgotamento do ciclo das empresas estatais na nossa economia. No fundo, retrata um velado preconceito contra o setor privado, comum entre ex-comunistas e velhos socialistas que não completaram a conversão às vantagens da economia de mercado.

Quem enxerga valor estratégico na Eletrobras e nos rios para a geração de energia padece do mesmo pecado, embora de origem distinta. São pessoas prisioneiras de uma cultura estatal intervencionista que as impede de perceber as transformações por que passou o país, inclusive o surgimento de condições para a assunção, pelo setor privado interno e externo, do controle e operação de grandes operações.

Lembremos que a Telebras também era considerada “estratégica”. O PT promoveu comícios sob a liderança de Lula para protestar contra a privatização. A desestatização promoveu, todavia, o acesso de milhões a um serviço essencial que havia se tornado um privilégio dos que podiam pagar caro por uma linha telefônica ou esperar anos para adquiri-la.

Estratégico, na verdade, é o conjunto de ações que promovem o desenvolvimento e o bem-estar. São os casos, entre outros, da educação, da segurança, do provimento de serviços públicos de qualidade, da boa gestão macroeconômica e da defesa da santidade dos contratos e dos direitos de propriedade.

Sae rios fossem recursos estratégicos para gerar energia elétrica, teríamos que classificar como tais os ventos que movem as pás da energia eólica. O que dizer do sol? Em algum momento, a energia solar se transformará em principal fonte de energia elétrica. Como reservar o astro-rei para atividades sob controle estatal?

A privatização da Eletrobras deve ser cercada de cuidados para estabelecer o melhor modelo para a venda do controle estatal, incluindo regras de governança. O resto é ideologia do além e visões sem sentido sobre o que realmente conta para definir o caráter estratégico do que quer que seja.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. EUA, Canadá, China e Rússia que são os principais produtores de energia a partir de fonte hídrica junto com o Brasil não pensam assim. As principais usinas nos EUA, inclusive, são controladas pelo exército. Esse é o tipo de reportagem que visa confundir o cidadão leigo. Obs. Energia eolica é classificada como intermitente, sem estocagem, e o vento não tem múltiplos usos, como irrigação, navegação, consumo, etc, logo a comparação foi infeliz. Obs2. A privatização da Telebras ocorreu junto com uma ruptura tecnológica e o modelo de negócios iria migrar para o que temos hoje, sendo estatal ou privada.

    Curtir

  2. wilson elito

    Estatal só interessa aos governos que querem nomear “diretores”‘, “gerentes” e “consultores” que irão saquea la e aos funcionários que recebem privilégios como salários acima de mercado com estabilidade e aposentadoria generosa

    Curtir

  3. Se o fato de algo ser estratégico para a sociedade fosse razão para estatizar o setor, teríamos que ranquear os setors.
    Um exemplo de setor que está muito perto do topo, acima de educação, saúde ou mesmo segurança é alimentação. Seguindo esta filosofia, a alimentação do brasileiro deveria ser estatizado. Dentre os setors mais estratégicos para a população, a alimentação é a que melhor supre as necessidades da população, exatamente por NÃO SER ESTATIZADA, onde a economia de mercado impera e o governo paga pelos alimentos de quem não pode comprar no mercado através de programas sociais. Ou alguém acha que o Brasil seria um dos maiores produtores de alimento do mundo se a produção fosse estatizada ?
    A mesma solução aplica-se a educação e saúde. A solução é privatizar estes setores e o governo subsidiar o pagamento para aqueles que não têm condições financeiras. Afinal de contas a parte destes setores que funciona razoavelmente é exatamente a parte privada.

    Curtir