Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Quem manda e quem obedece

Aprendendo com os erros do passado: a diferença entre a Operação Mãos Limpas e a nossa Lava Jato são as redes sociais.

A sua opinião pesa muito mais do que você imagina.
Dois episódios da semana passada no Congresso Nacional ilustram bem a importância da chamada pressão das bases na cabeça dos nobres parlamentares.
O Senado ameaçou, ameaçou, mas, sentindo o pulso dos eleitores, não teve peito de desacatar o Supremo Tribunal Federal no caso do recolhimento noturno de Aécio Neves. Recuou. Optou por esperar pelo menos até amanhã, quarta, dia 11, por novo pronunciamento do STF.
Na Câmara, outro recuo diante de outra indecência: a que estenderia a corruptos de plantão o direito a privilégios na renegociação de dívidas tributárias.
São exemplos de que, mesmo em nossa democracia cheia de defeitos, é o engajamento da sociedade que dá as cartas, sim.
Estamos a um ano das eleições.
O Brasil tem chance de sair da Lava Jato melhor do que a Itália saiu da Operação Mãos Limpas.
Lá, o octogenário e cassado Silvio Berlusconi está de volta à cena política graças a infindáveis apelações à Justiça e à aprovação de leis oportunistas, concebidas apenas para servir aos políticos investigados, sempre em prejuízo do eleitor.

Berlusconi lá, Maluf aqui

Aqui faço um parêntesis: qualquer semelhança com o também octogenário Paulo Maluf talvez seja mera coincidência. Mas sempre que leio sobre a volta de Berlusconi, lembro-me de Maluf. Há 40 anos, o hoje deputado federal estreou nas páginas policiais. E por um motivo que, de tão atual, é deprimente: empréstimos do BNDES à Tecelagem Lutfalla, da família da mulher de Maluf, que estava em situação pré-falimentar.

Pois é. Na década de 70 já se enterrava o nosso dinheiro no BNDES.

Maluf, que já passou 40 dias preso na Polícia Federal em São Paulo (já faz 12 anos, a gente esquece!), está na ativa, apesar de condenado várias vezes. É recurso atrás de recurso. Assim como Berlusconi.

Além dos empréstimos do BNDES à Lutfalla, um outro caso da biografia de Maluf nos reporta preocupantemente aos dias de hoje. É o da Paulipetro, criada por ele no começo da década de 80, sob o argumento de achar petróleo em São Paulo. Não acharam, mas outra montanha de dinheiro público foi enterrada e, por isso, o nobre deputado foi condenado.

Não é possível que isso não nos sirva de lição para zelarmos pela Lava Jato, que, como sabemos, começou a partir da Petrobras e do carnaval que o então presidente Lula fazia em torno do pré-sal.

E sabe por que Maluf não está enquadrado na lei da ficha limpa, que torna inelegíveis os corruptos? Graças a outros tantos recursos judiciais.

Muito além da urna

Fecho o parêntesis sobre Maluf, e volto à grande diferença entre a Operação Mãos Limpas, de 1992, e a nossa Lava Jato: há 25 anos, não havia redes sociais.

O eleitor brasileiro tem se mostrado um craque no uso dessas preciosas ferramentas junto aos governantes.
Os resultados são imediatos e visíveis.
O eleitor manda, e o eleito – quem diria – muitas vezes obedece, sim.

O impacto do que você escreve ou diz é maior do que imaginamos. E não só no poder legislativo. Os magistrados das cortes superiores também têm se mostrado sensíveis à opinião pública, especialmente ao que vêem no Facebook ou no Twitter.

Há poucos anos, o voto era, praticamente, o único veículo de expressão da vontade popular. As raras exceções eram manifestações como as das Diretas Já, ou as mais recentes, contra a corrupção.

Hoje, podemos e devemos exercitar a cidadania o tempo todo. O pulso da sociedade é levado em conta, sim.

Por isso estou aqui, no site da Revista Veja.

Como jornalista, não pretendo baixar a guarda.

Vou seguir lutando por um Brasil melhor, mais democrático, mais decente.

Através da internet. Graças à internet.

Conto com a interação de vocês.

Terei este blog, participarei da TV Veja, e estarei presente também, lógico, nas redes sociais.

Vamos nessa?

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Paulo Cesar Martins

    Escreva sobre o tema, ” Constituição”, nada mudará se não for mudada a carta magna, seja quem for o herói das urnas, ela tem que ser seguida, os privilégios ficaram pra sempre.

    Curtir

  2. A internet e o “efeito borboleta”. Todos, absolutamente todos, os conceitos precisam ser revistos.

    Curtir

  3. Nossa Diva De Volta E Tão
    Classuda Como Cilene Dion
    Seja Muito Bem Vinda…Linda…
    Escreve Qualquer Coisa Aí
    Até Uma Receita De Bolo
    De Chocolate Será Bem Vinda!
    Sucesso, Minha Linda…

    Curtir

  4. Está certo a sugestão de mudar a Constituição. Do jeito que está não mudará nada.

    Curtir

  5. Flavio Feronato

    Tem razão, Lilian. Estou contigo.

    Curtir

  6. Osvaldo P. Castanha

    Seja bem-vinda. E lhe daremos o devido apoio! Temos de mudar o nosso país. Mas, ainda acredito que a principal mudança passa pelo STF. Torna-se urgente dar um chacoalhada naqueles ministros de linguajar empolado, naquela pose de deuses do Olimpo e naquela imodéstia palmar que os caracteriza. Precisamos de juízes mais jovens, mais bem preparados naquela corte.

    Curtir

  7. SEBASTIÃO CORREIA AMORIM

    SEJA MUITO BEM VINDA.

    Curtir

  8. Jose Carlos Ramos de Oliveira

    Seja bem-vinda Lilian. Mais uma jornalista honesta e direta em suas colocações. Gostaria que você destacasse algo sobre a “privilegiatura”, especialmente dos políticos, dos membros do judiciário e de setores do funcionalismo público, que detém privilégios econômico-financeiros garantidos pela legislação que precisa ser alterada para que essas castas sejam equiparadas aos demais cidadãos brasileiros.

    Curtir

  9. Bem vinda!!

    Curtir