Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Por que alguns meninos têm mamas grandes?

O aumento da glândula mamária em homens está associado ao crescimento de tecido mamário e pode ter origem em diversas causas. Mas, há tratamento

A ginecomastia é o aumento da glândula mamária em homens. Diferentemente do que muitos pensam, o problema não está relacionado ao excesso de gordura no local, mas ao crescimento de tecido mamário. No que concerne aos sintomas, eles se caracterizam pelo aumento, unilateral ou bilateral, da glândula mamária, bem como pela maior sensibilidade e dor na região.

Em grande parte dos casos, o assunto é tratado como tabu, de forma que é pouco discutido no ambiente familiar. A fim de que seja possível a melhora clínica do paciente, essa questão deve ser tratada de forma direta e efetiva.

Causas

O crescimento mamário pode ter diversas causas, como tendência familiar, efeitos colaterais advindos do uso medicamentoso, patologias endocrinológicas, por exemplo a hiperprolactinemia e hipertireoidismo, assim como alguns tumores (os mais comuns de testículo, pulmão, estômago, adrenal e rins).

Outra causa muito frequente é a obesidade abdominal, porque a gordura produz enzimas dotadas da propriedade de converter certos precursores da testosterona em estrógenos. O indivíduo obeso que já tem suas limitações físicas e metabólicas pelo excesso de peso, passa a somar uma piora na qualidade de vida pela presença desse aumento glandular.

Incidência

A ginecomastia pode ocorrer em qualquer idade, sendo especialmente comum durante a puberdade masculina. Com uma incidência de 60% dos jovens, esse quadro tem seu início por volta dos 13-14 anos. A ocorrência também é frequente no período da andropausa, chegando a atingir 1/3 dos homens.

Causas mais frequentes em cada fase

A causa mais comum, em adolescentes, consiste em um desbalanço hormonal entre as concentrações de estrógenos (hormônios femininos) e andrógenos (hormônios masculinos) durante a fase de maturação dos testículos, uma vez que esses ainda não estão com a produção hormonal adequada. Ressalte-se que a produção dos estrógenos, no sexo masculino, é realizada pela glândula adrenal ou pela gordura abdominal em excesso.

Já a ginecomastia, em adultos, se deve, frequentemente, ao uso de medicamentos como antiulcerosos (cimetidina), diuréticos (espironolactona), drogas cardiovasculares (amiodarona, digoxina, captopril), anabolizantes, maconha e álcool. Esses medicamentos propiciam a estimulação do crescimento da glândula mamária, seja pela diminuição na produção de andrógenos, pela inibição da ação androgênica ou pela ação nos receptores do estrôgenio mamário. Nesses casos, a simples suspensão da medicação muitas vezes é suficiente para a regressão do quadro.

Diagnóstico e tratamento

A orientação médica se torna fundamental para excluir causas secundárias e iniciar o tratamento. Ginecomastias com menos de 12 meses tem maiores chances de resposta ao tratamento clínico com antiestrogenos ou até de regressão espontânea, a qual pode ocorrer no período de um ou dois anos.

Na hipótese de o quadro estar instalado há mais de um ano, as chances de regressão são bem menores, por conta da fibrose. Assim, o indicado é a correção cirúrgica, que consiste na remoção de parte dos tecidos glandular e gorduroso ao redor do mamilo ou pela lipoaspiração. Esse é um procedimento considerado corretivo e não estético.

Questão psicológica

É sabido que o aumento da mama pode acarretar inibição e vergonha, além de alguns problemas de ordem psicológica. Por essa razão, é importante que os pais fiquem atentos às queixas de seus filhos. Caso os jovens relatem o problema e afirmem que lhes é incômodo, deve-se procurar orientação médica, visto que a ginecomastia é uma patologia com bom prognóstico e evolução.

 

Claudia Cozer Kalil

(Ricardo Matsukawa/VEJA.com)

 

Quem faz Letra de Médico

Adilson Costa, dermatologista
Adriana Vilarinho, dermatologista
Ana Claudia Arantes, geriatra
Antonio Carlos do Nascimento, endocrinologista
Antônio Frasson, mastologista
Artur Timerman, infectologista
Arthur Cukiert, neurologista
Ben-Hur Ferraz Neto, cirurgião
Bernardo Garicochea, oncologista
Claudia Cozer Kalil, endocrinologista
Claudio Lottenberg, oftalmologista
Daniel Magnoni, nutrólogo
David Uip, infectologista
Edson Borges, especialista em reprodução assistida
Fernando Maluf, oncologista
Freddy Eliaschewitz, endocrinologista
Jardis Volpi, dermatologista
José Alexandre Crippa, psiquiatra
Ludhmila Hajjar, intensivista
Luiz Rohde,
psiquiatra
Luiz Kowalski, oncologista
Marcus Vinicius Bolivar Malachias, cardiologista
Marianne Pinotti, ginecologista
Mauro Fisberg, pediatra
Miguel Srougi, urologista
Paulo Hoff, oncologista
Paulo Zogaib, medico do esporte
Raul Cutait, cirurgião
Roberto Kalil – cardiologista
Ronaldo Laranjeira, psiquiatra
Salmo Raskin, geneticista
Sergio Podgaec, ginecologista
Sergio Simon, oncologista

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s