O tabagismo no mundo e no Brasil

Apesar da redução do tabagismo em países desenvolvidos e também no Brasil, o cigarro ainda é o grande mal do mundo moderno

O tabagismo, dentre todos os fatores ambientais do século, certamente representa o mais vil e ameaçador de todos, representando o maior fator de risco para o desenvolvimento de tumores malignos (um terço de todos os casos), doenças pulmonares, doenças cardiovasculares, doenças cerebrais entre outras. Calcula-se que 100 milhões de mortes foram causadas pelo tabaco no século XX segundo dados da Organização Mundial de Saúde. Paradoxalmente, é o único produto legal que causa a morte da metade de seus usuários regulares. Isto significa que de 1,3 bilhão de fumantes no mundo, 650 milhões vão morrer prematuramente por causa do cigarro.

Panorama mundial

Em vários países do mundo como China, Índia, Estados Unidos e Rússia, o tabagismo, tem alta prevalência. Calcula-se que a mortalidade mundial aumentou cerca de 5% nos últimos anos. Estima-se que um em cada quatro homens e uma em cada 20 mulheres fumem hoje em dia. Aproximadamente 80% dos tabagistas vivem em 24 países, sendo dois terços em países de baixa e média renda onde a carga das doenças e mortes tabaco relacionadas é ainda mais frequente. Estima-se também que os fumantes atuais consumam cerca de seis trilhões de cigarros todos os anos. O consumo de tabaco no mundo vem crescendo em países em desenvolvimento e reduzindo em países desenvolvidos.

O tabagismo no Brasil

No Brasil, felizmente os números, ainda alarmantes, vem diminuindo ao longo dos últimos 25 anos. Neste período, a percentagem de fumantes diminuiu de 29% para 12% entre os homens e de 19% para 8% entre as mulheres. Vários fatores explicam a menor proporção de homens e mulheres brasileiras que aderiram ao cigarro. Impostos mais altos, restrição ao tabaco em lugares fechados (lei antifumo vigente há mais de 5 anos), e os alertas e informações sobre os efeitos deletérios do cigarro em escolas, universidades, mídia, e nos próprios maços de cigarro são ações positivas que melhoraram as estatísticas nacionais. Ainda assim, o Brasil representa o oitavo lugar no ranking de número absoluto de fumantes (7,1 milhões de mulheres e 11,1 milhões de homens).

Outro dado positivo é a diminuição em 34% nos últimos cinco anos dos fumantes passivos. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), em 2013, o tabagismo passivo foi a terceira maior causa de morte evitável no mundo, perdendo apenas para o tabagismo ativo e para o consumo excessivo de álcool. No Brasil, a proporção de pessoas de 18 anos ou mais de idade não fumantes expostos ao tabagismo passivo foi de 14,7% em casa e 14,4% no trabalho em ambientes fechados. Entre os gêneros, a proporção é maior entre as mulheres em casa (11,7%) e nos homens no trabalho (16,9%).

Esta mesma tendência positiva se observa em relação a diminuição nas taxas de tabagismo entre a população jovem brasileira com melhora nos indicadores de experimentação e aumento da idade média da experimentação. Contextualizando, pesquisas nacionais indicam que o uso de tabaco ocupa o segundo lugar no ranking de drogas mais experimentadas no país. A idade média de experimentação de tabaco entre os jovens brasileiros é de 16 anos de idade, tanto para meninos quanto para meninas, sendo maior entre estudantes da rede pública de ensino. Importante mencionar que este é o grupo no qual grandes investimentos devem ser feitos pois 90% dos fumantes iniciam seu consumo antes dos 19 anos de idade, faixa em que o indivíduo ainda se encontra na fase de construção de sua personalidade.

Ou seja, o tabaco é sem dúvida o grande mal do mundo moderno, e a melhora dos números no nosso país serve de motivação para aumentarmos e intensificarmos as campanhas (principalmente nas escolas), o governo aumentar cada vez mais a restrição do seu uso através de mais acentuada elevação dos impostos, limitação à propaganda, e restrição ao hábito em âmbito social, além de proporcionar maior investimento em programas anti-tabagismo para que brasileiros e brasileiras consigam com segurança parar de fumar de forma definitiva. Eu diria que neste momento uma batalha foi vencida, mas com certeza a guerra ainda não.

 

(Ricardo Matsukawa/VEJA.com)

 

Quem faz Letra de Médico

Adilson Costa, dermatologista
Adriana Vilarinho, dermatologista
Ana Claudia Arantes, geriatra
Antonio Carlos do Nascimento, endocrinologista
Antônio Frasson, mastologista
Artur Timerman, infectologista
Arthur Cukiert, neurologista
Ben-Hur Ferraz Neto, cirurgião
Bernardo Garicochea, oncologista
Claudia Cozer Kalil, endocrinologista
Claudio Lottenberg, oftalmologista
Daniel Magnoni, nutrólogo
David Uip, infectologista
Edson Borges, especialista em reprodução assistida
Fernando Maluf, oncologista
Freddy Eliaschewitz, endocrinologista
Jardis Volpi, dermatologista
José Alexandre Crippa, psiquiatra
Ludhmila Hajjar, intensivista
Luiz Rohde,
psiquiatra
Luiz Kowalski, oncologista
Marcus Vinicius Bolivar Malachias, cardiologista
Marianne Pinotti, ginecologista
Mauro Fisberg, pediatra
Miguel Srougi, urologista
Paulo Hoff, oncologista
Paulo Zogaib, medico do esporte
Raul Cutait, cirurgião
Roberto Kalil – cardiologista
Ronaldo Laranjeira, psiquiatra
Salmo Raskin, geneticista
Sergio Podgaec, ginecologista
Sergio Simon, oncologista

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. O consumo de cigarro no Brasil vem caindo no últimos 25 anos. Então ha menos casos de câncer e outras doenças associadas ao fumo? Cadê as pesquisas relacionando a queda no consumo de cigarro e a queda dessas doenças? Mostrem os números. Ou não tem pesquisas nenhuma?

    Curtir

  2. Marly Camargo

    O grande mal do mundo moderno chama-se mentira.

    Curtir

  3. Paulo Machado

    Mentira, nada mais que mentiras, essa matéria.

    Curtir

  4. Carlos Roberto Batista

    Londrina/PR é a cidade do Brasil que mais tem fumante, proporcionalmente ao numero de habitantes…e em Londrina, fumantes entre homens e mulheres dá empate…nunca vi cidade pra gostar de uma fumacinha de cigarro…

    Curtir

  5. Walter Déda

    Não é defesa do tabagismo, mas jamais soube de alguém que após fumar 2 maços de cigarros, 40, tenha pegado o carro, subido na calçada e matado 5. Ou, tenha chegado em casa batido na mulher e nos filhos, etc., etc., etc.
    Quando passarem a contabilizar os “efeitos colaterais”, quer dizer, mortes, feridos, etc., da ingestão do álcool, com propaganda na TV em horário nobre, provavelmente o tabagismo deixe de ser o grande vilão da história. As maiores vítimas do álcool são os sóbrios, assassinados por bêbados.

    Curtir

  6. Osmar Serrragem

    Tive a infância massacrada como um fumante passivo. Sou asmático e com bronquite crônica, e sou candidato a enfisema apesar de nunca ter fumado…O tabaco é uma indústria poderosa e malevola…

    Curtir

  7. Osmar Serrragem

    As “Seis Gigantes” da Indústria do Tabaco faturam bilhões de dólares por ano, e estão à espreita. São capazes de tudo! Tu-do! Doutor, abra o seu olhinho…

    Curtir

  8. Josué Luis Pires

    Médicso mentindo na cara dura. Câncer, ninguem sabe as causas, essa é a verdade, crianças,animais,fumantes,não fumantes, todos adquirem câncer. Fumo passivo é outra mentira monstruosas, conforme o maior especialista no assunto o britânico William Doll, em matéria do jornal O Estado de São Paulo, 29.10.212

    Curtir

  9. Claudio D'Amato

    Sou fumante regular há 28 anos e não tenho nenhum problema causado pelo fumo. Sou contra essas leis antitabagistas segregadoras iniciadas pelo Serra em 2009. Não está certo essa segregação que nos foi imposta. Tinham que ter deixado espaços, pois somos consumidores, contribuintes e eleitores também. Mas lamento a apatia dos fumantes por não terem se manifestado.

    Curtir