O iogurte na alimentação da criança – um pouco de história

A redução do consumo de leite e derivados, como o iogurte, por crianças, contribui para o aumento problemas associados à falta de cálcio

O consumo de leite e derivados tem diminuído nas crianças e adolescentes, levando a possíveis problemas associados à falta de cálcio, essencial para o crescimento e desenvolvimento, e para o futuro dos adultos.  O aumento da ocorrência de doenças ósseas, como baixos depósitos de cálcio nos ossos (osteopenia) ou seu grau mais intenso, a osteoporose, tem relação com um maior número de internações por fraturas e aumento da mortalidade em mulheres e pessoas mais velhas.

Uma das formas de aumentar o consumo de cálcio em crianças e adolescentes é o consumo de alimentos como iogurte e queijos. No Brasil, o consumo desses derivados lácteos é baixo e seu aumento seria bastante desejável, por serem fáceis de consumir, terem boa aceitação, possibilitando combinações de sabores e pela possível relação com a saúde e bem-estar.

Fermentação

Há séculos, o valor nutricional e os benefícios à saúde advindos da ingestão de iogurtes têm sido descritos. O iogurte é, em geral, caracterizado como produto obtido a partir da fermentação do leite por duas bactérias específicas: Lactobacillus bulgaricus e Streptococcus thermophilus. Outros produtos fermentados são a coalhada, o bulghur, o kefhir, entre outros.

A origem do iogurte

Como curiosidade, a origem destes produtos poderia ter ocorrido entre as tribos nômades dos países balcânicos e do mediterrâneo oriental, que transportavam leite em bolsas feitas a partir de estômagos de animais sacrificados. Sob a ação do sol e das bactérias preexistentes na referida bolsa, o leite se solidificava e virava o iogurte, permitindo o uso por muitos dias.

A Bíblia também exibe relatos sobre o consumo de iogurte, em que Abraão, por indicação de um anjo, usa o iogurte para curar. Além disso, acredita-se que Noé foi pioneiro ao preparar iogurte em grande escala. Enquanto sua arca navegava sobre a inundação, seus animais produziam tanto leite que Noé não sabia o que fazer. Assim, armazenou o excedente em bolsas feitas de estômagos de animais, resultando em iogurte.

Na tradição armênia, o leite coalhado era considerado um produto dotado de poderes mágicos. Acreditava-se que este era capaz de conferir a imortalidade aos deuses e dar força aos homens. Os exércitos romanos utilizavam o iogurte para diminuir infecções, especialmente diarreias.

Por meio das expedições, guerras e relações comerciais entre diferentes povos, como os fenícios e os egípcios e, posteriormente, entre gregos e romanos, o processo de fabricação e o consumo do iogurte rapidamente se difundiram, incluindo a passagem de tais conhecimentos entre as gerações.

O impacto do iogurte na saúde

Em 1908, Elie Metchnikoff, biólogo russo do Instituto Pasteur, recebeu o Prêmio Nobel pelos seus trabalhos direcionados à avaliação do impacto do iogurte e de seus fermentos vivos na saúde, aumentando o tempo de vida e diminuindo infecções. Hoje discute-se a sua composição nutricional adequada, a atuação sobre a formação muscular e sobre a preservação da massa óssea e a relação com o crescimento saudável.

Além disso, atua na formação de uma flora intestinal benéfica e protetora e tem importante papel na melhoria da absorção da lactose presente no leite, favorecendo a ingestão de cálcio em pessoas que não toleram muito bem a lactose.

Quando e como consumir?

Para crianças, o iogurte pode ser usado no café da manhã ou lanches intermediários, não substituindo refeições, e com o menor conteúdo possível de açúcar. O uso de queijos tipo petit suisse também ajuda no consumo de cálcio, sendo uma boa fonte de proteína animal.

Três porções de lácteos ao dia ajudam na formação dos ossos e dentes, no crescimento e na prevenção de problemas futuros. Algumas destas histórias e receitas com iogurtes podem ser encontradas no meu livro Dia a Dia com Iogurte, disponível on-line.

 

(Heitor Feitosa/VEJA.com)

 

Quem faz Letra de Médico

Adilson Costa, dermatologista
Adriana Vilarinho, dermatologista
Ana Claudia Arantes, geriatra
Antonio Carlos do Nascimento, endocrinologista
Antônio Frasson, mastologista
Artur Timerman, infectologista
Arthur Cukiert, neurologista
Ben-Hur Ferraz Neto, cirurgião
Bernardo Garicochea, oncologista
Claudia Cozer Kalil, endocrinologista
Claudio Lottenberg, oftalmologista
Daniel Magnoni, nutrólogo
David Uip, infectologista
Edson Borges, especialista em reprodução assistida
Fernando Maluf, oncologista
Freddy Eliaschewitz, endocrinologista
Jardis Volpi, dermatologista
José Alexandre Crippa, psiquiatra
Ludhmila Hajjar, intensivista
Luiz Rohde,
psiquiatra
Luiz Kowalski, oncologista
Marcus Vinicius Bolivar Malachias, cardiologista
Marianne Pinotti, ginecologista
Mauro Fisberg, pediatra
Miguel Srougi, urologista
Paulo Hoff, oncologista
Paulo Zogaib, medico do esporte
Raul Cutait, cirurgião
Roberto Kalil – cardiologista
Ronaldo Laranjeira, psiquiatra
Salmo Raskin, geneticista
Sergio Podgaec, ginecologista
Sergio Simon, oncologista

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Márcio Ferreira

    Há uma série de estudos científicos (o mais recente feito por Harvard) que contradizem a matéria acima. Não teria o efeito propalado de controle do cálcio e prevenção de problemas ósseos. A pesquisa de Harvard aponta países com baixo consumo de leite e derivados e menos problemas ósseos em relação aos de alto consumo. Em contrapartida, há uma série de outros estudos associando o consumo de laticínios a diversos problemas de saúde. Consumir cálcio nem de longe significa, como a matéria faz crer, ingerir leite e seus derivados. Há fontes alimentares bem mais eficientes nos vegetais.

    Curtir