Microbioma humano, o ‘segundo genoma’

O microbioma humano, conjunto de bactérias, fungos e vírus, que compõem nosso organismo têm um papel importante no corpo, inclusive na reprodução

Os seres humanos são compostos de células humanas, conhecidas como genes ou genoma, e não humanas, as microbianas: bactérias, fungos e vírus que habitam um ambiente particular, que também são codificadas com material genético. Conhecidas como microbioma humano, elas compõem cerca de 1% a 3% do total de nossa massa corporal.

Genoma x microbioma

O catálogo genoma humano e sua diversidade são pequenos em comparação com a diversidade estimada do microbioma. Por esse ângulo, existem mais de 3 milhões de genes não redundantes no microbioma humano, enquanto são apenas 22.000 genes do genoma humano inteiro.

O estudo do microbioma na saúde reprodutiva começou no século 19, quando Ignaz Semmelweis propôs lavar as mãos com solução de hipoclorito para eliminar o risco de febre puerperal, doença que provocava a morte materna em 7% a 15%. Na época, sem comprovação científica para seu achado, ele foi considerado mentalmente instável.

Microbioma  e o funcionamento do corpo

Entretanto, desde 2007, com apoio financeiro, intensificaram-se os estudos do microbioma humano e grandes descobertas sugeriram que o emprego da variação nele contida pode ser útil e personificado, em relação a decisões de saúde, investigação e tratamentos.

Indivíduos humanos são 99,9% idênticos uns aos outros em termos de genoma, mas podem ser 80%-90% diferentes quando estudamos, por exemplo, o microbioma das mãos ou intestinos.

Os pesquisadores fizeram associações sobre a prevalência de alguns gêneros de bactérias com a circunferência do quadril; obesidade; com a concentração de ácido úrico; com a ingestão de amoxicilina e até com a preferência por determinado tipo de chocolate.

Há, ainda, estudos sobre microbioma e atividade física. Descobriu-se que o exercício praticado desde cedo pode alterar a comunidade bacteriana intestinal, promovendo uma melhor atividade cerebral e metabólica. Quanto à atividade cerebral, importantes os estudos do microbioma e seu impacto nos diferentes graus de autismo.

Hoje já se pensa em manipular o compartimento bacteriano de nosso ecossistema, para tratar de enfermidades de forma personalizada e baratear os custos dos diagnósticos. Bem se vê que, no campo da medicina reprodutiva, não é diferente. A literatura descreve tentativas de alterar o microbioma no trato reprodutivo com o objetivo de mudar os resultados dessa tecnologia.

O papel do microbioma na reprodução

Um microbioma humano pode afetar várias facetas da reprodução, desde a gametogênese, a fertilização, a migração embrionária, a implantação com implicações na falência precoce da obtenção da gestação e alterações na gravidez tardia. Incontáveis, de igual forma, as possibilidades de alterações obstétricas durante a gestação e parto em termos de infecção intrauterina e gravidez pré- termo.

Daí, o termo ‘segundo genoma humano’, a demonstrar a importância do microbioma e sua complexidade, pois na visão moderna o corpo humano é um ecossistema no qual as células descendentes do óvulo fertilizado são apenas um de seus componentes.

 

 

Quem faz Letra de Médico

Adilson Costa, dermatologista
Adriana Vilarinho, dermatologista
Ana Claudia Arantes, geriatra
Antonio Carlos do Nascimento, endocrinologista
Antônio Frasson, mastologista
Artur Timerman, infectologista
Arthur Cukiert, neurologista
Ben-Hur Ferraz Neto, cirurgião
Bernardo Garicochea, oncologista
Claudia Cozer Kalil, endocrinologista
Claudio Lottenberg, oftalmologista
Daniel Magnoni, nutrólogo
David Uip, infectologista
Edson Borges, especialista em reprodução assistida
Fernando Maluf, oncologista
Freddy Eliaschewitz, endocrinologista
Jardis Volpi, dermatologista
José Alexandre Crippa, psiquiatra
Ludhmila Hajjar, intensivista
Luiz Rohde,
psiquiatra
Luiz Kowalski, oncologista
Marcus Vinicius Bolivar Malachias, cardiologista
Marianne Pinotti, ginecologista
Mauro Fisberg, pediatra
Miguel Srougi, urologista
Paulo Hoff, oncologista
Paulo Zogaib, medico do esporte
Raul Cutait, cirurgião
Roberto Kalil – cardiologista
Ronaldo Laranjeira, psiquiatra
Salmo Raskin, geneticista
Sergio Podgaec, ginecologista
Sergio Simon, oncologista

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s