Como tratar das pálpebras caídas

Existem muitos tratamentos pouco invasivos disponíveis no consultório do dermatologista que podem ser a solução para as pálpebras caídas

Se você se olha no espelho e sente que suas pálpebras já estão caídas, com pele flácida e não tem coragem de fazer uma cirurgia plástica ou ainda não tem indicação precisa, existem muitos tratamentos disponíveis no consultório do dermatologista que podem ser a solução. A maioria deles é não invasivo, podendo deixar a pele pouco avermelhada nos início.

É fundamental consulta com o dermatologista para saber qual o mais indicado para cada caso. Entre os procedimentos mais procurados podemos citar:

Laser de CO2 – É um laser fracionado ablativo, ele atenua rugas, flacidez e melhora a textura da pele tratada. Durante o procedimento o feixe de luz atinge a pele criando colunas de micro coagulação que fazem a retração da pele e estimulam a produção de novo colágeno. Como o tratamento é fracionado, apenas uma fração da superfície da pele é tratada pelo laser, deixando pequenas “pontes” de pele intacta. Esta técnica faz com que o processo de cicatrização seja muito mais rápido permitindo o retorno às atividades normais em menos tempo.

Os resultados aparecem de forma gradativa a depender das condições da pele de cada paciente, podendo ficar visíveis a partir do momento da realização do procedimento e tornando-se mais evidentes até 5 meses após a realização. O procedimento é feito no consultório com anestesia tópica e existe pouco desconforto associado. A pele fica mais rosada, descamativa e pouco inchada por, em média, quatro dias. São indicadas de uma a quatro sessões dependendo do grau de flacidez.

Radiofrequência monopolar – Essa tecnologia emite ondas de radiofrequência que aquecem as camadas mais profundas da pele, estimulando nova produção de colágeno. Os efeitos continuam a melhorar a pele até seis meses após um único tratamento dependendo da condição da pele e do processo natural de envelhecimento. Ela ajuda a tonificar a pele ao redor dos olhos e nas pálpebras.

Os olhos ficam com aparência mais aberta e menos cansada. Geralmente é realizado uma sessão por ano e após o tratamento é possível retomar a rotina normal imediatamente. O procedimento é feito no consultório sem necessidade de anestesia tópica e existe pouco desconforto associado.

Radiofrequência com microagulhamento – Esse procedimento realiza uma micro-ablação invisível por calor e por corrente elétrica através de um mecanismo de “micro pinos” para um procedimento seguro e sem sangramento. As agulhas passam pela superfície da pele sem efeito térmico, apenas emitindo elétrons no momento da ação.

Essa é uma tecnologia para a volumização da derme. É possível sentir esse efeito de preenchimento após a primeira sessão, mas para obtenção de melhores resultados são recomendadas, em média, três sessões. O procedimento é feito no consultório com necessidade de anestesia tópica e existe pouco desconforto associado. É esperado leve vermelhidão, inchaço e descamação nos dois primeiros dias pós procedimento.

Ultrassom microfocado – É um tratamento de ultrassom não cirúrgico. São aplicados pequenos depósitos de energia focada de ultrassom na profundidade certa sob a pele, de modo a obter o efeito desejado, mantendo a superfície da pele intacta. Esse aparelho estimula a produção de colágeno novo, com melhora do aspecto da pele. Os efeitos podem ser visíveis gradualmente até o sexto mês de tratamento, sendo indicada apenas uma sessão por ano.

É um procedimento sem “down time”, o paciente pode voltar às suas atividades normais logo em seguida. O procedimento é feito no consultório com necessidade de anestesia tópica e leve desconforto associado.

 

 

Quem faz Letra de Médico

Adilson Costa, dermatologista
Adriana Vilarinho, dermatologista
Ana Claudia Arantes, geriatra
Antonio Carlos do Nascimento, endocrinologista
Antônio Frasson, mastologista
Artur Timerman, infectologista
Arthur Cukiert, neurologista
Ben-Hur Ferraz Neto, cirurgião
Bernardo Garicochea, oncologista
Claudia Cozer Kalil, endocrinologista
Claudio Lottenberg, oftalmologista
Daniel Magnoni, nutrólogo
David Uip, infectologista
Edson Borges, especialista em reprodução assistida
Fernando Maluf, oncologista
Freddy Eliaschewitz, endocrinologista
Jardis Volpi, dermatologista
José Alexandre Crippa, psiquiatra
Ludhmila Hajjar, intensivista
Luiz Rohde,
psiquiatra
Luiz Kowalski, oncologista
Marcus Vinicius Bolivar Malachias, cardiologista
Marianne Pinotti, ginecologista
Mauro Fisberg, pediatra
Miguel Srougi, urologista
Paulo Hoff, oncologista
Paulo Zogaib, medico do esporte
Raul Cutait, cirurgião
Roberto Kalil – cardiologista
Ronaldo Laranjeira, psiquiatra
Salmo Raskin, geneticista
Sergio Podgaec, ginecologista
Sergio Simon, oncologista

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Eu acho que o melhor procedimento para pálpebras caídas é a blefaroplastia, porque o resultado é definitivo. Eu fiz a cirurgia recentemente, na Master Health, e adorei, deixa nosso olhar muito mais jovem!

    Curtir