John Wick – Um Novo Dia para Matar

Keanu, o herói do gun fu, volta e arrasa. E, aleluia!, deixa um belíssimo gancho para o terceiro episódio

O primeiro filme já era um arraso. Em De Volta ao Jogo, de 2014, o filho mimado de um gângster russo matava o cachorrinho de um sujeito qualquer e roubava seu carro, um Mustang Mach 1 1969 com um ronco que era uma lindeza. E então descobria, da pior maneira possível, que o sujeito era, sim, alguém – era ninguém menos que John Wick, legendário na comunidade internacional de assassinos profissionais por ser mais assassino e mais profissional do que qualquer outro (a toda hora, alguém conta a história: um dia, ele matou três homens em um bar com um lápis). Wick sai da aposentadoria para vingar o cachorrinho, reaver o Mustang e protagonizar as mais assombrosas cenas de gun fu inventadas até então. Gun fu, caso você não saiba, são as lutas com armas de fogo que se inspiram nas coreografias e nos movimentos das artes marciais. A rigor, dá para localizar os primórdios do gun fu nos policiais rodados em Hong Kong nos anos 80 e 90, e também em Matrix. Mas, na pele de John Wick e impulsionado pelo diretor Chad Stahelski, que foi seu stuntman e treinador justamente em Matrix, Keanu Reeves eleva o gun fu a níveis extraordinários. O melhor: De Volta ao Jogo e esta continuação que acaba de entrar em cartaz, Um Novo Dia para Matar, são divertidíssimas, com uma queda deliciosa para o nonsense e o absurdismo. São também ultraviolentas, é verdade. Mas a violência é tão teatral, realçada e surrealmente copiosa que entra naquele território de Tarantino – é e não é.

John Wick 2

(Divulgação)

Digo isso porque eu, pessoalmente, não gosto de filmes em que o vingador comete violência com ódio ou crueldade, como O Protetor. Não estou julgando; mas é algo que em geral me faz sentir meio mal, e sei que há outros espectadores por aí que se sentem mal também. Já a violência de John Wick é meio game, meio James Bond; ele mata porque é tanta gente vindo para cima dele na tentativa de matá-lo que não há alternativa (e daí, depois de despachar todo mundo, ele faz uma piada ou então aquela cara de “bring it on” que é a especialidade de Keanu). E porque, claro, este é um filme de ação com a ambição de tornar as suas razões de ser – a própria ação, e o talento singular de Keanu para ela – mais sensacionais a cada etapa. Adoro pegar no pé de Keanu, porque convenhamos que como ator dramático ele tem limitações. Mas pego no pé dele só para demonstrar amor, porque a verdade é que adoro Keanu: ele tem carisma aos montes, tem muito humor, tem timing cômico e é um bailarino de ação de talento colossal. Além disso, é muito boa gente. Keanu é o tipo de pessoa que cede o assento no metrô para outros passageiros – é, antes de mais nada, o tipo de mega-astro que anda de metrô. Como não gostar de John Wick, então, se Keanu é John?

John Wick 2

(Divulgação)

O roteiro de Derek Kolstad para Um Novo Dia para Matar também é um achado, da premissa muito firme e concisa até o gancho fabuloso para o terceiro episódio. Não só John Wick volta ao Hotel Continental – onde todos os assassinos profissionais são primorosamente atendidos (pelo concièrge Lance Reddick e o dono Ian McShane, ambos maravilhosos), desde que se comportem direito e não matem ninguém –, como ele passa pelo Continentale de Roma, onde Franco Nero dirige tudo e o Sommelier (o ótimo Peter Serafinowicz, de A Espiã que Sabia de Menos) demonstra armas como quem recomenda vinhos. A sequência de abertura, em que Peter Stormare é o chefão gângster que quase se esconde embaixo da mesa enquanto ouve o estrago que John está fazendo no seu galpão (e que estrago espetacular!), é uma perfeição na arte de entrecortar pancadaria com humor. John e o rival vivido por Common dando tirinhos de esguelha um no outro no metrô? Genial. A certa altura, o vilão mimado interpretado por Riccardo Scamarcio (vilões mimados são uma constante na série) põe um contrato em cima da cabeça de John, e ele se vê perseguido por todos os assassinos profissionais de Nova York – praticamente a população inteira da cidade. O único que o ajuda, por um preço, é Laurence Fishburne – de forma que Neo e Morpheus se reencontram. Tudo bobagem, não há dúvida. Mas eu, pelo menos, não resisto a bobagem feita com tanto prazer, tanta competência e tanta imaginação. E não sei se já mencionei isso, mas – é com Keanu!


Trailer

JOHN WICK – UM NOVO DIA PARA MATAR
(John Wick: Chapter 2)
Estados Unidos, 2017
Direção: Chad Stahelski
Com Keanu Reeves, Ian McShane, Riccardo Scamarcio, Lance Reddick, Common. Ruby Rose, Peter Serafinowicz, Claudia Gerini, Franco Nero, Laurence Fishburne, John Leguizamo, Peter Stormare, Luca Mosca
Distribuição: Paris Filmes

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Iago Cardoso Oliveira

    Ótima crítica, já tinha gostado do primeiro filme. Espero sua critica do filme Logan, na qual foi ovacionado no festival de Belim, acho que vem um filmaço.

    Curtir

  2. Samael Darcangelo

    Não tem quem escreva críticas como a Isabela Boscov hoje no Brasil. Ela captou exatamente o espírito do filme e traduziu no seu texto. Que mulher formidável.

    Curtir