Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

“Busca Sem Limites”: surpresa bacana para o fim de semana

Na Netflix, Ben Kingsley e Anthony Hopkins numa espécie de versão “econômica” de “John Wick”

Às vezes gosto de arriscar um filme qualquer no streaming só pela cara dele, sem referências, para ver no que dá. Em sete a cada dez tentativas, o veredito é “passe longe”. Mas, no caso desta ação do diretor inglês Eran Creevy que está disponível na Netflix, a hora e meia de investimento valeu a pena. Em Colônia, na Alemanha, o americano Casey vende drogas na balada e faz outros servicinhos para o endoidecido Geran (Ben Kingsley), um traficante que gosta de mulheres com pouca roupa, óculos chamativos e pistolas douradas – e também de consumir o próprio produto, o que afeta um bocado a memória dele. Quando conhece a garçonete Juliette (Felicity Jones), Casey decide que vai mudar de vida. Mas eis que Juliette precisa de uma cirurgia urgente e, portanto, de dinheiro. E Casey, como um perfeito cavalheiro, procura Geran para um daqueles famosos “últimos golpes”. O alvo é o chefe de Geran: o cidadão acima de qualquer suspeita Hagen Kahl (Anthony Hopkins), magnata do transporte de carga, que usa a fachada para controlar o narcotráfico europeu. Kahl tem uma coleção impressionante de capangas barbudos que não desistem nunca – e o filme consiste, basicamente, de Casey roubando carros (de peruas de família a Mercedes, Aston Martins e Jaguars) para acelerar pela Autobahn – que inveja das estradas alemãs – e fugir desses sujeitos ultradeterminados, com algumas pausas para Ben Kingsley e Anthony Hopkins brincarem de Al Pacino e Robert De Niro em Fogo Contra Fogo (Kingsley se diverte, Hopkins faz aquela cara de sempre).

Busca Sem Limites

(42/Automatic Entertainment/Divulgação)

O título nacional é desanimador? Não há dúvida (este é o segundo longa de Creevy e o segundo título infelicíssimo que ele ganha aqui; seu primeiro e muito bom filme, Welcome to the Punch, virou o quinquagésimo Inimigos de Sangue do rol dos títulos brasileiros). E é uma bobagem? Claro que é. Mas, para quem está no pique de um thriller movimentado, nenhuma dessas duas coisas deveria pesar contra o filme. Ele tem ritmo e humor, a ação é muito bem filmada, e Nicholas Hoult segura a onda. O resultado é uma espécie de versão econômica de John Wick – Um Novo Dia para Matar. Ótimo para um sábado em casa.

BUSCA SEM LIMITES
(Collide)
Inglaterra/Alemanha/China, 2016
Direção: Eran Creevy
Com Nicholas Hoult, Felicity Jones, Ben Kingsley, Anthony Hopkins, Marwan Kenzari, Aleksandar Jovanovic, Christian Rubek

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s