Blogs e Colunistas

09/02/2012

às 12:07 \ pesquisas

Alzheimer, Parkinson e a proteína Tau

(Foto: Thinkstock)

Amplamente noticiada, na semana passada, uma pesquisa afirmava que a proteína Tau, quando alterada se propagaria no cérebro causando a doença de Alzheimer. O trabalho demonstrando o comportamento anormal da proteína no cérebro de camundongos foi publicado na revista PlosOne.

Eu fiquei mais entusiasmada, porém, com outra pesquisa que também acaba de ser publicada na revista Nature Medicine (29 de janeiro), mostrando que a deficiência da Tau na sua forma solúvel – não a proteína anormal – seria a responsável pelo acúmulo de ferro na doença de Alzheimer e Parkinson com demência, ocasionando a morte dos neurônios. E o que é mais animador: os autores dessa pesquisa propõem uma nova abordagem terapêutica baseada nesses achados. A “tau da proteína parece realmente importante.

Agregados da proteína Tau são encontrados no cérebro de pacientes com Parkinson e doença de Alzheimer

Sabemos que a proteína Tau, quando anormal, forma emaranhados neurofibrilares no cérebro de pacientes com doença de Alzheimer (DA), Parkinson (DP) e outras doenças degenerativas do cérebro. Essas doenças são classificadas genericamente como “taupatias”. Entretanto, pouco se sabe sobre a função normal da Tau e como ela atua nessas patologias.

Deficiência de Tau e acúmulo de ferro

Os autores dessa nova pesquisa descobriram que os níveis solúveis da proteína Tau estavam diminuídos no cérebro de pacientes que haviam falecido com a DP. Por outro lado, outras pesquisas já haviam reportado acúmulo de ferro no cérebro de pacientes com DP (numa região denominada substancia nigra), na córtex de pacientes com DA e em outras regiões cerebrais em outras formas de taupatias. Isso levou os pesquisadores a levantar então a seguinte hipótese: seria a deficiência da Tau responsável pelo acúmulo de ferro?  Para responder essa questão geraram camundongos transgênicos deficientes para essa proteína.

O que foi observado nos camundongos deficientes para Tau?

Como os sintomas tanto da DP como da DA só aparecem em idade avançada, havia a expectativa de que nos camundongos transgênicos isso também poderia acontecer. De fato, até os 6 meses de idade eles se comportavam como animais normais. Aos 12 meses, porém, a diferença era gritante. Os animais transgênicos apresentavam perda cognitiva, tinham alterações severas na locomoção e em todos os testes funcionais quando comparados com os camundongos controles. Além disso, sabe-se que em pacientes com a DP há uma perda e disfunção dos neurônios dopaminérgicos, responsáveis pela produção da dopamina. Isso também foi observado nos camundongos transgênicos. Eles tinham acúmulo de ferro no cérebro e 40% menos neurônios dopaminérgicos em comparação aos controles normais.

Qual foi o próximo passo?

A próxima questão era saber se o quadro clínico nos animais transgênicos poderia ser evitado com uma droga que diminui o acúmulo de ferro no cérebro dos animais. Os camundongos foram então tratados com clioquinol, uma droga que tem esse efeito – a partir dos 6 meses e durante 5 meses. E então a boa notícia: o tratamento evitou o início da degeneração. Entretanto, uma questão ainda a ser resolvida é que nesses animais, diferentemente dos seres humanos, a doença não progride após os 12 meses o que representa uma limitação do modelo.

Qual a importância dessa pesquisa?

Em resumo, ela demonstrou que a deficiência da Tau causa um acúmulo tóxico de ferro no cérebro e que animais geneticamente modificados com deficiência dessa proteína são um bom modelo para pesquisar as alterações patológicas que causam doença de Parkinson e Alzheimer. Os achados demonstraram que, além de formar agregados tóxicos no cérebro na sua forma anormal, a Tau também é necessária para prevenir danos associados ao envelhecimento. Portanto novas abordagens terapêuticas que mantenham a solubilidade da Tau e sua abundancia poderão ser muito promissoras. Repito: aprofundar as pesquisas com a “tau” da proteína será muito importante.

Por Mayana Zatz

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

7 Comentários

  1. Plinio Luiz Nunes Dias

    -

    18/09/2012 às 22:39

    A pesquisa da proteína Tau no exame de Liquor tem algum valor clínico ?

  2. Rosangela Santos

    -

    29/02/2012 às 13:12

    Dra. Mayana, tenho uma tia com 71 anos, em dezembro de 2007 ela foi diagnosticada com a DA e atualmente seu estado é o seguinte: sua memória e humor são variáveis, depende do uso de fraldas, sua locomoção é bem lente, fala só quando questionada não mantém um diálogo, às vezes é agressiva e já não é sempre que quer se alimentar. No restante sua saúde é boa.
    Gostaria de saber se existe algum tratamento e/ou droga experimental para DA em que pudéssemos incluí-la, qualquer tentativa é uma esperança.

  3. Mayana Zatz

    -

    23/02/2012 às 15:28

    Mariele
    Não conheço trabalhos relacionando a proteina Tau com ELA
    Grande abraço

  4. Evelyn Dias

    -

    16/02/2012 às 14:29

    Informação muito interessante!

  5. mariele

    -

    10/02/2012 às 8:34

    Dra Mayana, a proteína Tau também aparece alterada em pacientes com ELA?

  6. Fabio Costa

    -

    09/02/2012 às 13:03

    meu pai teve DA .No inicio a mais ou menos 10 a14 anos atras os médicos não conseguiram detectar a doença só três anos antes de seu falecimento que descobrimos que ele teve essa doença.Ele não reconhecia ninguém ficava agressivo e de vez em quando lembrava de alguma coisa,uma coisa que sempre era lembrado era coisas do passado de quando ele era mais novo.Nós filhos temos receio que de alguma forma poderíamos ser afetados de DA sendo que algumas pesquisas revelam que é hereditário ter DA e como poderíamos diagnosticar a doença em nós?Tem algum exame que poderia dizer se realmente temos a probabilidade de DA?

  7. Marcia

    -

    09/02/2012 às 12:39

    Dr. Mayana, essa pesquisa e uma promessa, ela tambem podera ajudar aos pacientes com ELA? Parece que tem uma outra promessa em um novo remedio que vem de uma pesquisa com os pacientes da doenca de Parkison. Um grande abraco e obrigada pela informacao, sempre tao atenta.

    d

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados