Blogs e Colunistas

25/08/2011

às 20:35 \ doenças

Esclerose lateral amiotrófica

Novo estudo aponta para um mecanismo comum a todas as formas e abre novas perspectivas de tratamento

A esclerose lateral amiotrófica (ELA) é uma doença devastadora que causa uma perda progressiva dos movimentos e da fala devido à morte dos neurônios motores. Na grande maioria dos casos não há perda da capacidade cognitiva e a pessoa se torna uma prisioneira dentro do próprio corpo. É o caso do famoso físico inglês Stephens Hawkins. Estima-se que há 350.000 pessoas afetadas ao redor do mundo que aguardam desesperadamente algum tipo de tratamento. E existem inúmeros pesquisadores ao redor do mundo trabalhando para isso. O Dr. Teepu Siddique é um deles. Os resultados de uma pesquisa coordenada por esse cientista – que acaba de ser publicada na revista Nature – sugere que haveria um mecanismo comum a todas as formas de ELA – hereditárias e formas isoladas – o que facilitaria muito a procura de um tratamento.

Como a equipe do Dr. Siddique chegou a essa conclusão?

Recordando, a ELA é uma doença que geralmente acomete uma única pessoa na família (formas esporádicas) sem risco de recorrência para os descendentes. Cerca de 10% dos casos são hereditários e já foram identificados vários genes responsáveis por essas formas. Nosso grupo identificou uma forma hereditária importante há alguns anos.

Nessas famílias, a doença pode ser transmitida através de gerações. E foi estudando uma nova forma de ELA hereditária que o Dr. Siddique fez uma descoberta importante. A sua equipe vinha seguindo uma família com vários casos de ELA. Todos tinham também demência, o que é um achado raro nessa doença. A idade de início nessa família variava entre 16 a 71 anos, sendo muito mais precoce no sexo masculino do que no feminino. Para tentar entender o mecanismo por trás da doença, o primeiro passo era achar o gene responsável.

O gene estava no cromossomo X

Depois de muitas pesquisas a equipe descobriu que a mutação – ou erro genético – estava em um gene no cromossomo X que é responsável pela produção de uma proteína chamada ubiquilin 2 (ubiquilina em português). Essa proteína é normalmente responsável pela degradação de várias outras proteínas da célula. Entretanto com a mutação, a ubiquilina 2 não consegue exercer essa função. A consequência é o acúmulo e agregação dessas proteínas que deveriam ter sido degradadas causando uma neurodegeneração e morte dos neurônios motores.

E nas outras formas de ELA?

Para descobrir se esse defeito está restrito ao gene do cromossomo X que eles havian acabado de identificar, os pesquisadores estudaram amostras de 47 pacientes com outras formas de ELA – hereditária ou esporádica. Observaram que em todas elas havia agregados ou inclusões resultantes do mau funcionamento da ubiquilina 2, sugerindo que seria um mecanismo comum a todas as formas de ELA.

E a demência? Seria o mesmo mecanismo?

Para testar essa hipótese os pesquisadores teriam que analisar o que acontecia no cérebro dos afetados. Conseguiram estudar amostras do tecido cerebral de dois pacientes falecidos que tinham mutação nesse gene. Observaram o mesmo fenômeno: havia inclusões principalmente no hipocampo (uma estrutura localizada nos lobos temporais do cérebro humano, considerada a principal sede da memória e importante também para a sensação espacial). Isso poderia explicar também a demência. Os autores também chamam a atenção para outro achado importante. Já se sabia que uma outra proteína semelhante, ubiquilin 1 ( ou ubiquilina 1) está aparentemente relacionada com a doença de Alzheimer caracterizada pela perda progressiva de memória.

Qual é o próximo passo

Essas observações sugerem um mecanismo comum para essas ubiquilinas. Elas poderiam ser responsáveis pela degeneração dos neurônios motores que causam a ELA – tanto as formas esporádicas como as hereditárias – como também pela neurodegeneração que ocorre na doença de Alzheimer ou outras formas de demência. Se isso for verdade, os esforços agora poderão ser direcionados para abordagens terapêuticas relacionadas com essas ubiquilinas. Um outro dado intrigante é o início mais tardio (ou quadro mais leve) nas mulheres do que nos homens..  Nesse caso a explicação poderia estar no fato do gene estar no cromossomo X. Com os homens têm um só cromossomo X e as mulheres têm dois, elas têm pelo menos uma cópia do gene normal. Mas já observamos o mesmo em outras doenças neurodegenerativas causadas por genes que não estão no cromossomo X.   Entender o que “protege” o sexo feminino e retardar o início da doença também poderá nos dar pistas importantes. É mais uma luz no fim do túnel.

Por Mayana Zatz

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

78 Comentários

  1. carlos

    -

    30/12/2012 às 13:03

    Ola S.Almeida, Vc é uma privilegiada! 20 anos com essa doença é realmente um milagre, sendo que a maioria não sobrevive mais que 5 anos com a doença. Não vou criticar o comentário do Laerte Tucci, pois a doença(ELA), já existe a mais de um século e nesses 100 anos, o que os pesquisadores conseguiram foi um remédio que acredito que seja um “placebo”, muito lucrativo (Riluzol). Doenças raras não dão retorno financeiro. (Esses para mim não são os instrumentos de Deus). Abraço!

    l

  2. S. Almeida

    -

    12/11/2012 às 15:05

    ‘TER ELA É O MESMO QUE ESTAR NO CORREDOR DA MORTE ,AGUARDANDO A EXECUÇÃO DA PENA . LAERTE TUCCI’

    Meu Deus, essa foi a coisa + absurda q já ouvi…

    Desculpa LAERTE TUCCI, mas descordo plenamente com vc, msm pq um paciente com ‘ela’ ñ espera a morte, mas sim por o milagre da vida.
    Ñ sei se vc é um portador de ‘ela’, mas se for, amigooo! pra ‘ela’ tem ‘ELE’ q pode tudo, mas tudo mesmo, tanto q vc mesmo vê as ferramentas de Deus trabalhando em busca de um tratamento eficaz para essa patologia, pq no meu modo de pensar todos os profissionais da medicina são ferramentas nas mãos de Deus.
    Olha LAERTE eu acredito q esses amigos cientistas vão chegar lá, porque eles ñ desiste, assim como eu ñ desisto de esperar por um ‘bom resultado’ nessas pesquisas.
    Tenho 38 anos e à 20 anos espero pelo milagre da vida, aos 18 anos fui acometida por ‘ela’, mas ‘ELE’ ñ deixou q a me levasse, ñ sou cadeirante apesar de ter dificuldade de locomover ainda ando sozinha, em 2010 me formei em Gestão da TI, sou graduada mas ñ atuo na area por falta de oportunidade.
    Enfim, gostaria muito de participar como voluntaria em pesquisa com celulas tronco, acredito eu q pela demora da mutação dos neuro motor no meu caso, o tratamento com a celulas tronco teria bons resultados, mas infelizmente ñ tenho condições financeira para um tratamento desse.
    A proposito só para esclarecer, já passei por vários especialistas neuro e apesar do tempo da patologia infelizmente o diagnostico é ‘ela’ Esclerose Lateral Amiotrófica esporádica por ñ haver nenhum caso na familia e nem em parentesco proximo.

    LAERTE e todos os leitores do site, desculpa meu grito de revolta, mas fico indignada quando vejo um absurdo desse…desculpa gente!

  3. laerte tucci

    -

    26/10/2012 às 14:30

    TER ELA É O MESMO QUE ESTAR NO CORREDOR DA MORTE ,AGUARDANDO A EXECUÇÃO DA PENA . LAERTE TUCCI

  4. Ana Paula Santos

    -

    02/10/2012 às 21:45

    O pai de uma amiga minha tem essa doença, é muito triste pois ela está entrando em depressão e está muito triste, ela tem apenas 14 anos e acho que ela não vai suportar tudo isso sozinha ela tem apenas a mãe dela que aliás quase não vee pois o pai dela está na uti e não pode ficar sozinho a mãe dela vem 1 vez por semana apenas e mal da tempo de ela ficar com a mãe, sinto muito por isso o pai dela esta com uma sonda e acho que vai durar muito tempo do jeito que as coisas vão indo, só espero que encontrem uma cura para isso afinal todos nós estamos muito triste com isso :(

  5. ISAIAS FELIPE

    -

    17/09/2012 às 21:12

    ola !

    Meu pai se chama Francisco Felipe tem 59 anos e está com a doença “ELA” a mais de 20 anos
    estive lendo alguns artigos sobre essa doença e não achei pessoas com que estejam com essa doença a tanto
    tempo como meu pai está … vi casos de 5 anos 6 anos e como meu pai ja está com essa doença a mais de 20 anos
    queria saber o que a de especial nele…
    ele não anda ,tem movimentos bem limitados , possui uma voz rouca , e precisa de ajuda pra tudo
    se alimentar ir ao banheiro
    e queria muito saber se tem algum tipo de tratamento novo q posso dar algum progresso
    de

  6. Amália

    -

    10/09/2012 às 20:30

    Olá, o meu pai teve essa terrivel doença, morreu vai fazer 6 anos, ele viveu 6 anos e não foi fácil.Nunca vi uma doença tão triste como essa.

    [WORDPRESS HASHCASH] The poster sent us ’0 which is not a hashcash value.

  7. mafalda

    -

    08/09/2012 às 17:32

    Conheço uma moça de 53 anos e a 5 anos que o marido dela tentava descobrir o que ela tinha. Até que um médico disse que era esclerose lateral amiotrófica. Como ela não conseguia mais engolir foi feito uma gastrostomia, quando seiu da cirurgia, ela não andou mais não conseguiu mais respirar e ai tiveram de fazer uma traqueostomia para respirar com o aparelho. Tem uma explicação para
    o não andar e não mais conseguir respirar?

    [WORDPRESS HASHCASH] The poster sent us ’0 which is not a hashcash value.

  8. MARCIA

    -

    26/08/2012 às 1:12

    Dra. Mayana, estive no forum e ouvi com muito interesse sua palestra, a parte em que mostrava a melhora dos cachorros foi simplesmente maravilhosa, estavamos comentando aqui em casa. Agora relendo essa descoberta de 2011 quero perguntar se existe algo a mais sobre a Ubiquilina, algum medicamente que nao a deixe tener a mutacao? Sou a mae da Paula e sabe o quanto estamos torcendo para grandes resultados. A Paula ja vive com a Ela ha mais ou menos 7 anos, voce a viu, ela caminha, fala, esta com o pulmao super normal. Que posso fazer alem de ama-la acima de qualquer coisa e esperar algo que possa ajuda-la. Sem pieguice, mas muito humildemente te peco ajuda e esclarecimento. um abraco

  9. Maria Socorro Avilar Valente de Azevedo

    -

    01/08/2012 às 21:42

    Louvo a Deus por essa descoberta. Com certeza irá melhorar a qualidade de vida dos portadores de ELA – Esclerose Lateral Amiatrófica. Infelismente tenho um irmão portador dessa terrível doença.Por favor,assim que chegar no Brasil, por favor entrem em contato. Obrigada pela informação.

    [WORDPRESS HASHCASH] The poster sent us ’0 which is not a hashcash value.

  10. ADRIANA COELHO SANTA RITA

    -

    31/07/2012 às 19:44

    Olá Drª,minha mãe tem 76 anos e a 2 anos começou a ter dificuldades para falar e engasga muito,a lingua tbém esta rigida,como se estivesse com dificuldades para mastigar,há dois anos nada foi dito sobrew esses sintomas até que fui com ela ate ao hosp.das Clinicas Salvador e um neuro disse que ela esta com Ela bulbar,passou o gabapentina,ela tem tdos os movimentos do corpo,não tem problemas de cansaço faz tdo normal,ela se alimenta,aprendeu a comer devagar para engasgar menos,até agora a minha ficha não caiu e não quero acreditar,qdo lei esses relatos fico desesperada,ela fez uma ressonancia que deu tdo normal,sera que tem outro exame que possa detectar ou não existe?Será que pode ser outra doença?Ela ta fazendo uso só da gabapentina se ele acha que é essa doença porque não usar logo o reluzol?Me dá uma luz por favor.Obrigada.

    [WORDPRESS HASHCASH] The poster sent us ’0 which is not a hashcash value.

  11. Noemi

    -

    29/07/2012 às 18:36

    olá gostaria de receber informações sobre ELA,POIS MEU PAI FOI DIAGÓSTICADO COM ESSA DOENÇA.OBRIGADA

    [WORDPRESS HASHCASH] The poster sent us ’0 which is not a hashcash value.

  12. Noemi

    -

    29/07/2012 às 18:33

    Olá dra!Meu pai recebeu este diagnóstico de ELA, estamos muito preocupados com a doença e gostaria de saber qual é a medicação e sbre a célula tronco. obrigada

    [WORDPRESS HASHCASH] The poster sent us ’0 which is not a hashcash value.

  13. Cláudio Belloni

    -

    02/06/2012 às 0:08

    Doença celíaca pode mimetizar ALS com outros diagnósticos já presentes – sinal de Babinski, gliose e eletromiograma para ela ( ALS) ) boqueada ?

  14. Enio Beal

    -

    23/05/2012 às 0:39

    Angústia sem limite

    Quando se pega ELA de verdade
    esse fato ninguém esquece
    O tempo passa, tudo passa
    Mas dentro de mim ELA permanece
    E qualquer momento com ELA é demais
    A dor só aumenta
    Mas qualquer amigo perto é bom demais
    A esperança só aumenta

    Vivo com ELA
    Ninguém mais duvida
    Porque ELA é muito
    Na minha vida

    Eu nunca imaginei que houvesse no mundo
    Algo assim como ELA
    Do tipo que quando se tem não se sabe
    Direito quem é ELA

    Mas eu posso dizer que sei muito bem
    O que é estar com ELA
    É uma angústia assim que é para sempre
    É para a eternidade

    Vivo com ELA
    Ninguém mais duvida
    Porque ELA é muito
    Na minha vida

    Quem tem ELA não se esquece d’ELA
    A angústia é assim
    Eu tenho esquecido de mim
    Mas d’ELA eu nunca me esqueço

    Por ELA essa minha angústia infinda
    Me judia mais ainda
    É assim a nossa relação de muitas angústias
    Stress maior e mais forte não existe

    Vivo com ELA
    Ninguém mais duvida
    Porque ela é muito na minha vida.

  15. Eliane Favin

    -

    04/05/2012 às 14:19

    Meu esposo faleceu dia 05.10.2012 aos 57 anos de ELA.Um ano depois do diaginostico medico. foi uma batalha muito grande,essa doença é devastadora na vida de quem tem e de cuida. Eu cuidei dele com muito carinho e amor por que é só o que podemos dar, e eles precisam muito.
    Hoje 7 meses ainda dói como se fosse hoje a partida dele p/ um mundo talves melhor que esse que vivemos. Deus sabe o que faz e temos que ter fé e esperança que um dia chegue a cura dessa doença cruel.MUITA FORÇA E LUZ A TODOS.

  16. carmen silva

    -

    04/05/2012 às 1:35

    tudo bem o meu marido tem,ela esta doença faz perder a memoria e fata de sexo ele soube da doença em 2009 mas antes desta data ele ja caia deixava as louças ou qualquer objeto muitas quedas ,ele ia nos medicos e muitos falava que era coluna ate ermia de disco tomou varios remedios ate que descubriu agora ele si trata no hopital das clinicas toma relozol mas ele senti muita dor ele esta fazendo fisoterapia em casa sinto que ele não tem vontade de sair de casa pelas quedas que foram muitas e nos moramos em apartamento que não tem elevador mas e no 2 andar ele so sai quando ele tem medico nos vamos de taxi e voltamos eu sofro ,muito de velo asim eu tive 3 avcs esquemico não posso mostrar a minha dor eu amo demais eu sinto vontade de passear com ele agora so estou esperando uma cadeira de rodas paranos curti um pouco eu uso bengala por que ,não tenho força do lado esquerdo mas deus vai me dar força obrigado por ler com paciencia

  17. edvando ferreira guedes

    -

    19/04/2012 às 20:10

    olá,boa noite!
    estou muito aflito e preocupado com o meu pai.
    Há poucos meses foi diagnosticado com (ela) e o quadro se agrava a cada dia que passa, esta tomando o medicamento, fazendo fisioterapia más a doença tende a progredir.
    Quero pedir para alguma entidade que estão empenhadas em descobrir a solução para esse problema, que se precisar de de um voluntário para realizar algum tipo de teste estamos dispostos a levá-lo; pois ele está totalmente de acordo.

  18. Clelia Oliveira

    -

    15/04/2012 às 2:20

    Lendo os comentários aqui postados percebi que muitas pessoas falaram que o familiar faleceu por problemas respiratórios. Como o meu marido é portador de ELA há oito anos (diagnosticado) e estando passando por todos esses problemas, me senti na obrigação de alertar as pessoas para terem o máximo de cuidado quando internarem seus entes queridos, pois eles não podem ficar deitados sem o BIPAP, podendo ocorrer a morte por asfixia, vez que ao deitar a dificuldade para respirar se acentua. E o medicamento Riluzol tem se mostrado muito bom para retardar o avanço da doença, principalmente se associado ao Tamoxifeno.
    E para diminuir as dores neuropáticas que podem ocorrer, o meu marido faz uso de Gabapentina, e apesar dos oito anos da doença e de estar em cama hospitalar, pois já não consegue mover sequer as mãos, a qualidade de vida dele tem sido razoavelmente boa, pois os cuidados que se tem com o paciente ajudam a preservar a sua qualidade de vida, tais como acompanhamento de terapeuta, fonoaudióloga, higiene, e ainda bem que não há restrição alimentar e enquanto ele puder deglutir (já está apresentando dificuldade) eu dou tudo o que ele me pede para comer. Fico esperançosa que a medicina consiga encontrar uma solução para essa doença terrível, o mais rápido possível, e que Deus ilumine a mente dos pesquisadores e lhes dê muita saúde para que consigam continuar pesquisando.

  19. mrcia cardoso (sc)

    -

    13/04/2012 às 15:56

    oi ou marcia , meu pai teve essa doença eja faleceu a 1 ano ficou 9 meses doente e faleceu de insuficiencia respiratoria, eu q cuidei dele eh uma doença muito triste eles precisazam de muito carinho e atençao….. pena q nao tem cura

  20. Ismael Pereira Bastos

    -

    04/04/2012 às 17:17

    Olá boa tarde!
    Meu irmão foi diagnósticado com ELA há pouco menos de um ano. Percebemos que mesmo tomando o remédio Riluzol/Rilutek a doença vem evoluindo muito rápido, ele já perdeu o movimento do braço esquerdo e enrolou alguns dedos.O braço direito também ja apresnta os sinais da doença. Ele precisa fazer fisioterapia, porém, não conseguimos até o momento pelo SUS. A senhora sabe se aqui no Maranhão ou no Piauí é possível encontrar profissionais especializados nessa doença que atenda pelo SUS ou particular com fisioterapia?
    De já agradeço pelo contato.
    Um grande abraço!!

  21. aline

    -

    01/04/2012 às 9:10

    minha mae,esta com ela,existe algum tratamento mais eficaz do que rilutex,essa doenca evoluir muito rapido.

  22. Sonia Maria Faraldo

    -

    24/03/2012 às 16:20

    Meu marido tem 71 anos, com diagnostico positivo, desde 2009 para Esclerose lateral amiotrófica. Ele anda mal e os movimentos dos braços estão bem afetados. Entretanto fala bem, os orgãos internos estão bem, está consciente, come e dorme bem. Não precisa de aparelho para respirar, embora tenha cansaço quando faz muito esforço. Ele e nós familiares gostariamos de pedir aos cientistas que trabalham ou estudam essa doença, que se tiverem fazendo testes em pacientes com ELA que se possível incluissem meu marido. Ele trabalhou a vida toda em laboratório e acha que a viabilidade de cura está nos balcões de pesquisa. obrigada

  23. vania daniela dos santos

    -

    16/03/2012 às 16:24

    meu pai faz 1ano e 3 meses que esta com ela,mas a doenca esta sendo muito rapida,ele nao anda mais,nao fala,so ta comendo batida e com muita dificuldade,esta tendo muita fala de ar,entestino presso temos que estar levando ele de5 em 5 dias pa tar fazendo lavaguem.sinceramente estou com meu psicologico muito afetado nos dois somos muito apegados,nao sei como vou reagir quando acontecer alguma coisa mais serio. obrigado

  24. Ana Beal

    -

    15/03/2012 às 23:05

    Drª Mayana
    Por favor me ajude! Meu marido foi diagnosticado com o portador de Ela e o seu neurologista, depois de nos dar uma breve explicação sobre a doença, informou que deveríamos procurar um neurologista especializado em ELA. Como posso descobrir um profissional com essas características aqui em Brasília?
    Já tentei o site da AbrELA mas não consegui nada. Aguardo sua resposta e que seja o mais breve possível pois essa doença avança dia-a-dia.
    Desde já o meu muito obrigada!
    Ana Beal

  25. Aparecida Luzia dos Santos

    -

    14/03/2012 às 17:36

    Olá Iussef, como vai? Espero que seu amigo esteja bem? Quanto a doença ELA embora seja uma doença que já existe há mais de 20 anos, infelizmente não ainda não tem cura. Quanto ao seu amigo ele já esta tomando o remédio Riluzol/Rilutek, aqui em São Paulo pegamos pelo SUS, voce precisa se informar no seu estado, seu amigo precisa de fisioterapia respiratória, motora e se alimentar bem, com o tempo ele terá problemas respiratório e precisará utilizar o BIPAP, um aparelho que ajuda na respiração.Procure a Universidade Federal do seu estado departamento de Neurologia com certeza trata essa doença, se não for próxima a residência do seu amigo a Prefeitura de sua cidade deve ter serviço de transporte, seu amigo pode se aposentar por invalidez, e se isso acontecer isso é se ele trabalha, com aposentadoria ele pode retirar o PIS,FGTS, procure se informar, para fisuoterapia procure Faculdades geralmente elas mantém fisioterapia de graça para a comunidade. Seu amigo também vai precisar de Fono já que com o tempo a pessoa para de falar., Entre no Site da Abrela, pode ser que tenha no seu estado Abrela.org.br lá tem várias informações, inclusive sobre leis.Se voce quiser falar comigo o meu e-mail está publicado abaixo do seu comentário. Um grande abraço ao seu amigo, vou incluí-lo nas minhas orações,a luta vai ser grande mas não desista ajude seu amigo ele vai precisar, se puder procure os políticos da sua cidade eles vão ajudar ainda mais que esse é um ano político.

  26. cristiana

    -

    07/03/2012 às 10:10

    Olá a dois anos tivemos o diagnóstico de que minha mãe estava com esclerose lateral amiotrófica, hoje ela encontra-se em uma UTI estando totalmente consciente e com muita vontade de viver, ela ainda possui movimento em todos os membros, mas ta com dificuldade respiratória por isso esta fazendo o uso do ventilador…Gostaria de ter infoemações de como ajudá-la a viver melhor.

  27. cristione barbosa santos

    -

    01/03/2012 às 13:50

    Oi meu pai e protador da Ela já tem dois anos que foi diagnosticado ele tem 63 anos ,está lutando contra esta doença costuma ir a fisioterapia durante 4 vezes por semana já tornou-se cadeirante sempre procura alternativas para vencer suas limitações está sempre disposto a ensinar e aprender.Durante 12 meses ficou sem tomar medicamentos, pois não sabiamos que tinha uma droga especifica para tal doença.Gostaria de saber sobre o tratamento com células troncos onde faz?quais são os pacientes beneficiando?quais os riscos e Beneficios? Desde já uma bióloga desemperada agradece .

  28. iussef

    -

    28/02/2012 às 8:07

    BOm dia a todos que vistam esta página com preocuapção comum com ELA. Tenho amigo que acaba de ser diagnóstica com ELA. Está em processo de diagnóstic. Na família, conforme casos aqui já relatado, ELA , tornou -se uma rotina. Tanto em homens quanto em mulheres.Entre irmãos, homenes e mulheres.Veem de uma condição social palpérrima,portanto sempre à espera de uma vaga para consulta, exames, etc.Gostari de saber que encaminhamentos podemos tomara além do SUS? Moramos em Distrito – Município de Raul Soares -MG> Além da ABRELA/SP., que outras entidades existem com a preocupação com el? dO PONTO de VISTO LEGAL, existe alguma lei que protege as pessoas com ELA.? Para todos os efeitos, algo já está sendo feito. Uma luzinha parece acender no fim do túnel.Enquanto elevamos nossas orações, aguardo notícias a respeito do caso e agrdeço a Deus, pelo espaço criado e pelas pessoas que se manifestam preocupadas com o caso. Neste momento em CF traz como tema; Fraternidade e Saúde – Que a saúde se espalhe sobre Terra…Que DEus nos seja cada vez mais generoso e iluminando as pessoas, cientistas, médicos e todos os profissionais, que se preocupam em aliviar a dor e sofrimento…Muito obrigado.

  29. Aparecida Luzia dos Santos

    -

    18/02/2012 às 15:22

    Gostaria de dizer a Sueli Aparecida de Carvalho, que se ela mora em São Paulo, capital, há ABRELA – Associação Brasileira de Esclerose Lateral Amiotrofica, que póderá orienta-la sobre a doença, fica no Departamento de Neurologia da Unifesp, o site é abrela.org.br, meu marido teve Ela por 4,5 anos e faleceu a 07 meses, posso te dizer que foi muito difícil, porém tudo que os pacientes precisam é de muito carinho,aconchego e a presença dos amigos e familiares, foi uma luta muito grande porém em nenhum momento desistisse dele e garanto a voce que mesmo diante de uma doença tão cruel como essa eu prefiria que ele estivesse aqui. Um grande abraço e vou entrar toda sexta feira nesse site para saber da sua irmã, um grande abraço, quero pedir aos responsáveis pelo site, por favor divulguem meu e-mail para que a Sueli entre em contato comigo, voces não sabem como é difícil a caminhada até chegar no diagnóstico final, por favor peço encarecidamente, é muito desesperador eu me responsabilizo(alngs@ig.com.br), conto com a compreensão de voces. Um grande abraço a todos.

  30. LUIZ HENRIQUE MAZZEI GRILLO

    -

    10/02/2012 às 14:50

    BOA TARDE A TODOS, MEU PAI FALECEU DIA 08-02-2012 AS 22:09 HS. AOS 74 ANOS, DE ELA,PERDEU MOVIMENTO DAS PERNAS DEPOIS OS BRAÇOS, PARA DEFECAR TINHAMOS QUE DAR REMÉDIOS PARA SOLTAR O INTESTINO,DEPOIS PERDEU A FALA,NÃO CONSIGUIA MAIS ENGOLIR,FOI EMAGRECENDO, DEVIDO ESTAR ACAMADO A 1 ANO E 2 MESES SEU PULMÃO FICOU COMPROMETIDO CERCA DE 60% JUNTO COM O QUADRO DA DOENÇA NÃO TINHA MAIS FORÇA PARA RESPIRAR POR SI SÓ, FICOU 2 DIAS NA UTI COM OXIGENIO E APARELHOS, MAIS VEIO AFALECER,NO SEU ULTIMO DIA DE VIDA FUI VISITÁ-LO NO PRIMEIRO HORÁRIO NA UTI, ELE ME OLHAVA, QUERIA FALAR MEXIA UM POUCO A BOCA, MAIS NÃO DAVA PARA ENTENDER NADA, SEU CELEBRO PORÉM PERFEITO, ENTENDIA TUDO E OLHAVA PARA MIM,QUANDO EU DISSE A ELE QUE O AMAVA, E QUE MINHA MÃE O ESPERAVA EM CASA, ESCORREU UMA LÁGRIMA DOS SEUS OLHOS, EU CHOREI E DISSE QUE VOLTARIA A VISITA-LO A NOITE, MAIS QUANDO VOLTEI, VI QUE ELE RESPIRAVA COM MUITA DIFICULDADE, SEUS OLHOS ESTAVAM MUITO ABATIDOS, EU DISSE NO OUVIDO DELE, PAI VOCE TEM QUE LUTAR, POIS NÓS ESTAMOS TODOS AQUI TE ESPERANDO, ACABANDO HORÁRIO DE VISITA VOLTEI PARA CASA, QUANDO CHEGUEI CERCA DE 15 MINUTOS VEIO UMA LIGAÇÃO DO HOSPITAL, PARA QUE EU VOLTASSE PARA LÁ QUE O MÉDICO QUERIA FALAR COMIGO, ELE TINHA FALECIDO… FOI MUUITO DIFICIL, ESTÁ SENDO MUITO DIFICIL, ENTERREI ELE ONTEM AS 16:OO HS, AGORA PRECISO AJUDAR A MINHA MÃE, QUE FICOU AO LADO DELE NESSES 51 ANOS DE CASADO ATÉ ULTIMO DIA, AGRADEÇO A DEUS POR NÃO DEIXAR O MEU PAI SOFRER MAIS, QUE DEUS ABENÇOE A TODOS…MÉDICOS , ENFERMEIROS, PESSOAL DO SAMU, AMIGOS , FAMILIA, POIS O QUE LEVAMOS DA NOSSA VIDA SÃO AS AMIZADES QUE CONSTRUIMOS, O AMOR QUE DEVE ESTAR SEMPRE DENTRO DOS NOSSOS CORAÇÕES, DEUS É O CAMINHO A VERDADE E A VIDA, AMÉM…..

  31. Monica Pontes

    -

    29/01/2012 às 23:24

    Olá Doutora, sou bióloga e trabalhei durante oito anos com genética com os Doutores Dario Grattapaglia e Márcio Elias (ambos do Cenargen Brasília). Bem, infelizmente, meu sogro foi diagnosticado com E.L.A. há uns 2 meses, mas ele definhou, literalmente, em 1 ano e meio e o neurologista deu cerca de 6 meses de vida para ele. O pai do meu sogro morreu com sintomas muito parecidos (há mais de 30 anos)e uma das irmãs dele, mais nova que ele, foi diagnosticada no Rio de janeiro com E. múltipla, além de 2 demências. Estamos sem saber o que fazer com esse diagnóstico avassalador…nos sentimos impotentes!! O médico dele sugeriu um remédio caríssimo, mas alertou que há mais efeitos colaterais ruins do que benefício propriamente dito. O que podemos fazer para melhorar a qualidade de vida dele? a alguma dieta (tipo óleo de Lorenzo) que possa ajudar?

  32. Janaina

    -

    25/01/2012 às 23:48

    Boa noite,
    gostaria de saber se existe algum estudo que associe episodio convulsivo a ELA. Nos ultimos 5 meses tenho tido varios sintomas como fraqueza muscular nos braços, caibras, inclusive na lingua, por vezes engasgo com a saliva. Na ultima semana tive uma contratura muscular nas costas que levou-me a um desmaio seguido de episodio convulsivo. Nos exames de sangue, Resonancia, Tomografia e Sono e Vigilha não foram encontradas anormalidades. Gostaria de saber se esses exames são conclusivos ou seria interessante tentar algo mais especifico.
    Grata

  33. Sueli Aparecida Carvalho

    -

    25/01/2012 às 16:44

    Querida Doutora!
    Eu e minha mãe descobrimos esta semana que minha irmã está com esclerose
    lateral amiotrófica,ela está com a perna direita sem movimento,estamos perdidos e com medo,a familia dela filhos e marido ainda não aceitam a doença . 25 de janeiro de 20012 apartir de agora estarei sempre aqui alguem pode me ajudar SUELI CARVALHO

  34. ELIZETE NUNES

    -

    14/01/2012 às 15:07

    Que Deus ilumine todos os neurologistas, médicos cientistas,para que consigam descobrir um tratamento para as doenças neurológicas.

  35. Dairton

    -

    26/12/2011 às 11:40

    Minha mãe é portadora da doença ELA, ela tem 55 anos de idade e tem uma vontade enorme de ser curada e voltar a andar novamente, voçês tem previsão de quando esta doença tera cura?

  36. elaine

    -

    03/12/2011 às 23:31

    EU SOU TEC DE ENFERMAGEM E CUIDO DE UM PACIENTE QUE TEM 43 ANOS E ELA A 7 ANOS CUIDO DELE A 4 ANOS E GOSTARIA MUITO DE SABER SE HA CURA PARA ESSA PATOLOGIA,OU SE A MEIOS DE PROLONGAR A VIDA DESSA PESSOA O SE DEVE FAZER FALAR QUERO ME ORIENTAR MAS A RESPEITO,POIS ELE SO SE EXPRESSA COMIGO NINGUEM MAS CONSEGUE ENTENDER ELE SOMENTE EU A CADA DIA QUE PASSA SE TORNA UM DESAFIO PRA MIM,POIS ELE LUCIDO DE TUDO,TEM TQT GTT E MUITO COMPLICADO ALGUM DIAS ATRAS QUANDO O ASPIRAVAMOS SAIA SANGUE VIVO,E ELE ESTA COM UM ODOR MUITO FORTE QUE SAI DA TQT UMA COISA QUE ME CHAMA MUITO ATENÇÃO E A TRISTEZA PELA QUAL ELE SENTE GOSTARIA DE DEIXAR UM GRANDE PEDIDO A TODOS OS MEDICOS,QUE POR FAVOR AJUDEM DE TODO O CORAÇÃO AQUELES QUE TEM ELA POIS SÃO PESSOAS MUITO SOFRIDAS QUE PERDEM A VONTADE DE VIVER,MAS VAMOS REVERTER ESSE QUADRO VAMOS DAR ESPERANÇAS A TODOS ELES ,OS ENCENTIVANDO QUE DIAS MELHORES VIRÃO DESDE JA SOU MUITO GRATA ABRAÇOS.

  37. keveo marcolino da silva

    -

    26/10/2011 às 20:18

    ola,tenho 38 anos e pedido,SOCORROOOOOOOOOOOOOOOOOO

  38. Jorge Melo

    -

    19/10/2011 às 13:22

    Prezada Drª Mayana:
    O ALS Emory Center da Emory University Atlanta , através do seu Diretor, Dr Jonathan Glass está recrutando novos candidatos para dar continuidade ao Estudo Fase I do uso de células-tronco adultas em pacientes com ELA. Segundo o Dr Glass, o Dr Eva Feldman e o Dr Nicholas Boulis, coordenadores do estudo, os resultados obtidos com os 12 primeiros pacientes foram muito positivos, dentro do que se pode esperar de um estudo FASE I.
    Gostaria de pedir a Srª, e creio que toda a comunidade brasileira de pacientes com ELA também, (somos cerca de 13000 pacientes), que a srª postasse artigos focando os resultados dessa importante pesquisa, aliás, a primeira aprovada pelo FDA, sendo portanto um marco na história da pesquisa em ELA.
    Aceite nossos sinceros agradecimentos.
    Antonio Jorge de Melo
    Paciente de ELA

  39. Ana Iara Lieberknecht

    -

    07/10/2011 às 11:12

    Dra. Mayana, onde encontro informações a respeito de terapia genética?Meu marido foi diagnosticado há 6 meses mas tem alterações de motricidade já há 2 anos. E células tronco, existe já alguma pesquisa?

  40. rosna

    -

    02/10/2011 às 14:56

    ola meu pai descobriu que esta com essa doença ELA faz uns 6 meses..ele esta sabendo lidar porque ele sabe que DEUS tem o poder de tudo aqui na terra…eu sou a filha e peço a DEUS todos os dias para abençoar os médicos para que eles consiguam achar a cura…meu pai falou que se chamar ele para ser cobaia ele vai.o que ele quer e ser curado..mas ME PAI ETERNO DIVINO vai curar meu pai em nome de JESUS e creio,nunca possamos desistir..se sair qualquer noticia entra em contato comigo por favor.

  41. Elisabeth

    -

    01/10/2011 às 13:48

    Olá.
    Eu sou membro de uma família que tem a doença e é hereditária.
    Eu tenho uma prima que está vivendo na situação citada na reportagem, vive prisioneira do próprio corpo. O meu primo irmão,irmão dela já faleceu da mesma doença.
    Temos um outro primo na mesma situação, perdeu todas as funções motoras.
    Meu pai teve alzheimer, meus tios morreram todos por cause de ELA, só que recentemente descobrimos que era essa doença.
    Minha prima que já perdeu todas as funções, só consegue mexer os olhos e utiliza um programa no computador para se comunicar. Ela entrou em contato com uma médica que saiu na reportagem da Veja, parece que é americana. Ela está interessada em estudar o caso da família e vai enviar kits para coleta de toda a família.
    Eu fiquei feliz porque eu tenho orado tanto pedindo para que os médicos sejam inspirados e possam encontrar uma forma de cura ou, pelo menos de amenizar os efeitos da doença para meus primos terem uma qualidade de vida.
    Obrigado

  42. Mauricio Garcia

    -

    27/09/2011 às 21:55

    Ola Doutora.
    Meu pai tem ELA a aproximadamente 4 anos. Hoje ele encontra-se em uma cama de hosital, com traqueostomia, utilizando o aparelho Bipap para poder respirar. Toma o medicamento Rilusol a 3 anos. Existe alguma forma para retardar a evolução da doença afim de que se consiga esperar um avanço da ciencia? Algum estudo com ele como celulas tronco pode ser uma solução? obrigado

  43. sergio - Curitiba

    -

    27/09/2011 às 9:13

    - Perdi recentemente, um cunhado, com 56 anos com essa terrível enfermidade! Nada pode ser feito e o seu sofrimento e de sua família, foram terríveis! O SUS, nem aceitou pegar o caso e os planos de saúde, abstiveram-se ajudá-lo! Como consequência, sua morte aconteceu em um pouco mais de 1 ano!Ficou lúcido até o final, mas a deglutição e a fala ficaram compromentidos, e seu corpo foi definhando até o momento final!
    FICA A PERGUNTA:- Um transplante de células tronco, não poderia ser tentado?

  44. Kharinna

    -

    26/09/2011 às 15:11

    vai demorar muito isso?????

  45. Luciene

    -

    23/09/2011 às 13:26

    Boa tarde,tudo que aparecer será válido tentar em materia de Ela minha mãe tinha ELA há 21 anos,faleceu ontem mas foi uma pessoa que lutou muito para sobreviver com esta doença tão devastadora.foi muito forte tinha uma sede de viver muito grande apesar do corpo debilitado um dia ela me falou que não viveria para ver a cura desta doença e tinha razão,mas espero que a cura venha o mais rápido possivel para os que aqui estão.

  46. Cida Leite

    -

    23/09/2011 às 9:54

    Drª Mayana!

    Meu marido tem ELA a oito anos e sou uma grande admiradora de suas pesquisas!
    Bjs…

  47. Priscila Pereira

    -

    22/09/2011 às 19:49

    Boa noite Dra Mayana;
    Infelizmente nesse mês meu pai recebeu o diagnóstico de ELA, ficamos mto abalados com a notícia.
    Estamos pesquisando bastante sobre a doença e gostaria de saber mais sobre a transfução das células troncos nos portadores de esclerose lateral amiotrófica.
    Sabemos que ainda é um estudo, porém aqui no Brasil algum médico faz esse tratamento.
    Obrigada pela atenção e aguardo anciosa pela respostas.
    Abraço, Priscila.

  48. Jorge Melo

    -

    19/09/2011 às 17:48

    Drª Mayana:
    Fiquei muito feliz com suas palavras:
    “teremos o maior interesse em conversar com vocês”
    Oorre que ao ligar para o nº que a srª disponibilizou neste blog,percebi que esse interesse não ficou evidenciado pelas pessoas que me atenderam ao tel, pela forma pouco cordial e desinteressada pela qual eu fui atendido. Bem diferente da sua postura, essa sim, cordial e humana. Precisei insistir p/ fazer valer o convite que a srª me fez. Por favor, ficarei aguardando o contato que agendei com uma pessoa por nome de Márcia.

  49. Valdir Lopes

    -

    13/09/2011 às 22:22

    Ola eu tambem sou um diagnosticado 06/2011
    da doenca esclerose lateral amiotrofica
    pesso a Deus que abre um caminho para
    descobrir o tratamento desta doenca

  50. Mayana Zatz

    -

    08/09/2011 às 21:29

    OLá Luciana
    A grande maioria dos casos de ELA são esporádicos, não hereditários. Não há porque testar a sua filha. Curta-a bastante. Eles crescem muito rápido.
    Grande abraço

  51. Mayana Zatz

    -

    08/09/2011 às 21:26

    Prezado Jorge
    Temos muito interesse em conhecer sua mãe e tentar descobrir mecanismos “protetores”. Se ela quiser vir ao Centro do Genoma teremos o maior interesse em conversar com vocês. O tel. é 30917966 r:15
    Grande abraço

  52. ivana ferreira schonenborn

    -

    07/09/2011 às 13:32

    gostei muito da explicação ,mas tenho sede deste assunto ,pois minha mãe faleceu fazem dois anos e não me conformo com a rapidez da doença, pois entre o diagnóstico e a morte dela foi em 1 ano.Sempre foi uma pessoa aparentemente saudavel pois fazia exames regulars e alimentação sadia.Não tivemos ninguem na familia com essa doença ou algo parecido a idade dela era 67. se tiver mais informações, agradeço.

  53. Jorge Melo

    -

    05/09/2011 às 21:19

    Prezada Drª Mayana:
    Na minha família são 3 casos de ELA Familiar. Minha mãe começou a desenvolver os primeiros sintomas por volta de 1993, e hj, apesar de cadeirante e ter 80 anos, ela é uma pessoa ativa e produtiva, sendo inclusive uma excelente dona de casa.
    Creio que os mecanismos protetores que alguns pacientes carregam que retardam em muito os efeitos danosos da ELA, como no caso da minha mãe (não conheço nenhum outro caso de longevidade de ELA igual ao da minha mãe no Brasil) deveriam merecer uma atenção especial dos pesquisadores. O que a Srª acha?

  54. Jorge Melo

    -

    05/09/2011 às 20:56

    3 casos de ELA Familiar. Minha mãe começou a desenvolver os primeiros sintomas por volta de 1993, e hj, apesar de cadeirante e ter 80 anos, ela é uma pessoa ativa e produtiva, sendo inclusive uma excelente dona de casa.
    Creio que os mecaPrezada Drª Mayana:
    Na minha família são nismos protetores que alguns pacientes carregam que retardam em muito os efeitos danosos da ELA, como no caso da minha mãe (não conheço nenhum outro caso de longevidade de ELA igual ao da minha mãe no Brasil) deveriam merecer uma atenção especial dos pesquisadores. O que a Srª acha?

  55. Luciana

    -

    05/09/2011 às 17:43

    Profa. Mayana, meu nome é Luciana e tenho uma filha de três anos cujo o avô paterno desenvoveu a ELA e morreu há mais de 18 anos. A Sra. acha recomendével fazer um exame em minha filha para detecção de alguma mutação nos genes relacionados com a doença? Sei que o seu grupo na USP tem uma linha forte de pesquisas de genes com envolvimento na ELA. Tenho uma certa facilidade, já que sou aluna do ICB USP, microbiologia, Doutorado, e vejo o prédio de vcs da minha janela!
    Luciana

  56. Giana Araujo

    -

    05/09/2011 às 9:10

    já li umas quinze vezes, tô lendo pela decima sexta. Tipo bíblia, torcendo e confiante.

  57. fontana

    -

    04/09/2011 às 22:17

    Tantas “pistas” para tratamento de ELA e a gente continua perdido. Só pistas, nada mais. Um dia desses descobriram um retrovírus, agora já são outros achados.Eu creio que os cientistas deveriam focar o estudo em uma pesquisa e buscar resultado. Intensificar testes em humanos, porque para quem está “condenado” qualquer paixão diverte. Esse negócio de ética ,nesse caso, tem que ter exceção.Olha que ELA é bem velhinha.Tem doenças “”novas”, e complicadas, que já tem tratamento eficaz e até vacina. O que está acontecendo?

  58. Fábio

    -

    02/09/2011 às 14:07

    Olá Dra. Mayana,
    com relação ao tecido adiposo, a quantidade de células obtida é satisfatória, ou também cairia no mesmo problema do sangue de cordão (poucas céls obtidas e não curar todo o tipo de doença ?

    Obrigado

  59. Luis Cruz

    -

    02/09/2011 às 8:12

    O que a senhora acha da perspectiva de uso de linhagens de celulas-tronco de sangue de cordão umbilical no tratamento da ELA? Esta possibilidade esta descrita em estudo pré-clínico (Garbuzova-Davis et al. Plos One 3(6): e2494, 2008) que mostrou que algumas linhagens de células-tronco, neste caso oriundas do sangue de cordão umbilical, aumentaram a sobrevida e melhoraram a qualidade de vida dos animais tratados? Este estudo deu origem a um protocolo clínico (pacientes) no qual o Dr Julio Voltarelli (USP Ribeirão Preto) esta envolvido.

  60. Marcia

    -

    01/09/2011 às 18:00

    Muito Obrigada, dra. Mayana! Voce e muito especial!

  61. Mateus S. da Silva

    -

    01/09/2011 às 12:01

    Bom dia Dra. Mayana,

    Li a sua matéria e achei muito interessante. Apesar de leigo no assunto, lembrei do meu irmão mais novo (10 anos), que é portador do X-Frágil (também anomalia no cromossomo X).

    Questiono-lhe se o estudo abordado na matéria teria algum tipo de relação com a síndrome do X-Frágil, uma vez que esta tem por característica o problema no gene FMR1, anulando-se a produção da proteína FMRP.

    Em caso positivo, se já algum tratamento na área e se a utilização de células-tronco do cordão umbilical (sobrinha, filha da minha irmã) seria possível.

    Agradeço desde já a atenção.

    Mateus S. da Silva

  62. Elizabeth Cruz

    -

    31/08/2011 às 22:17

    Minha avó materna faleceu aos 83 anos,vítima de ELA, foi muito sofrimento, mas não perdeu em nenhum momento a sanidade,nem a alegria. Ela deixava o pescoço cair, nós ficávamos apavorados e ela ria. Somos uma familia muito grande e paira sobre nós a dúvida: quem de nós herdará ELA?

  63. francielly ferreira

    -

    31/08/2011 às 20:05

    oi minha tia sofre tem 3 anos esclerose lateral amitrofica
    gostaria de saber quais avanços da medicina até fora do país

    eu posso ter como faço para saber??

  64. Fabio Pinheiro

    -

    30/08/2011 às 18:45

    Minha querida mae que Deus a tenha so de pensar ja sinto vontade de chorar , sofremos todos durante nove longos anos com esta doenca maldita , vi minha querida mae se definhar a cada dia ,mas ela nunca desistiu lutou ate o final , partiu em meus bracos ,que a medicina em breve obtenha resultados satisfatorios ,para aliviar o sofrimento destas pessoas , hoje minha mae esta curada nos bracos do SENHOR ;;;;;

  65. Maiza

    -

    30/08/2011 às 18:29

    Tenho diagnóstico de ELA e esta reportagem me deu motivação para continuar lutando, pois está bem próximo de chegarmos a um tratamento de sucesso. Salve a ciência e o árduo esforço de pesquisadores.

  66. Anelisa Paiolla

    -

    29/08/2011 às 21:58

    Boa Noite
    No caso da irma tivemos um primeiro diagnostico que a mesma é portadora de Ela, fiquei muito feliz com essa noticia, gostaria de saber se ja se sabe o tempo para se ter um novo tratamento, essa doença é terrível, o sofrimento é muito grande para todos

  67. Mayana Zatz

    -

    29/08/2011 às 20:16

    Carolina
    Não podemos prever quando teremos um tratamento de fato mas posso garantir que existem inúmeros pesquisadores ao redor do mundo lutando para isso.

  68. Mayana Zatz

    -

    29/08/2011 às 20:15

    Debora
    A grande maioria dos casos de ELA não são hereditários. Além disso, o fato do teu pai ter falecido aos 86 anos também fala a favor das formas não hereditárias.

  69. Mayana Zatz

    -

    29/08/2011 às 20:08

    Muito obrigada Luciene
    Um grande abraço

  70. Mayana Zatz

    -

    29/08/2011 às 20:07

    Jorge
    É possível que todos esses marcadores participem de uma via comum que leve a degeneração dos neuronios motores. Ou que haja diversas causas Não podemos descartar nenhuma hipótese. O fato de podermos derivar neuronios motores de pacientes com diferentes formas de ELA vão permitir acelerar as pesquisas e tirar isso a limpo.

  71. Lucicleia

    -

    29/08/2011 às 18:31

    Dra. Meu pai sofre de uma doença parecida, não sei talvez seja a mesma o certo é que até agora nenhum médico descobriu qual é a doença. Aonde e qual é o exame que se faz para saber a ELA?

  72. Eliane Machado Rocha

    -

    29/08/2011 às 14:17

    Sou portadora de Ela Bulbar(Paralisia Bulbar Progressiva, todos os dias meu pensamento e minhas orações são voltadas para que se descubra um medicamento eficaz no combate a Ela. Que Deus com sua sua enorme luz divina ilumine o caminho que os cientistas tem a percorrer para a descoberta dessa cura renovando assim a vida que existe dentro dos corpos aprisionados pela terrível doença.

  73. Luciene Magalhães

    -

    28/08/2011 às 19:40

    sou cirurgiã dentista sanitarista,e gosto muito da forma como a dra. Mayana, redige seus artigos, com clareza e didática.

  74. debora

    -

    28/08/2011 às 14:35

    Gostaria de saber se existe algum exame para detectar a hereditariedade, já q meu pai falesceu com esta doença aos 86 anos.
    obrigada

    [WORDPRESS HASHCASH] The poster sent us ’0 which is not a hashcash value.

  75. Jorge Melo

    -

    27/08/2011 às 13:13

    Prezada Drª Mayana:
    Diversos trabalhos vem mostrando que a a proteina VAPB e a proteina TDP43 são importantes marcadores biológicos para a compreensão da etiopatogênese da ELA. Até um tempo atrás, falava-se também da importância da SOD1, que hoje já se sabe que não é mais considerada como um marcador para ELA.
    Afinal de contas, com a descoberta de mais um marcador, qual desses os pesquisadores deverão perseguir na continuidade das pesquisas?

  76. Jorge Melo

    -

    27/08/2011 às 13:05

    Prezada Drª Mayana:
    Diversos trabalhos vem mostrando que a a proteina VAPB e a proteina TDP43 são importantes marcadores biológicos para a compreensão da etiopatogênese da ELA.
    Afinal de contas, com a descoberta de mais um marcador, qual desses os pesquisadores deverão perseguir na continuidade das pesquisas?

  77. Marcela Santos

    -

    26/08/2011 às 20:50

    Desejo sorte e sabedoria aos pesquisadores!

  78. carolina

    -

    26/08/2011 às 14:55

    Dra Mayana, ficamos feliz com a notícia, mas na prática o isso significa para os pacientes? Podemos ter algum tratamento a curto prazo? obrigada

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados