Sucesso e Sader-masoquismo

Captura de tela 2013-12-23 às 12.55.24
Quando Emir Sader fala de bagulhos que ninguém consegue ler, eu presto atenção. O homem entende do negócio. Lançado em maio deste ano em São Paulo, o livro chapa-branca que ele organizou sobre a primeira década do PT no poder, “10 anos de governos pós-neoliberais no Brasil: Lula e Dilma” (até tentei, mas não consegui reproduzir a estrelinha petista no “i” de “Dilma”, como aparece na capa), está há sete meses patinando nas vendas, sem nunca ter entrado em lista alguma dos mais vendidos. (Ignoro se o site Brasil 247 tem uma.) Já o recém-lançado “Década perdida”, do historiador Marco Antonio Villa, vendeu três edições em um só mês, já bateu 15 mil exemplares e está nos Top 10 das principais listas do mercado – um fenômeno de fim de ano, talvez o livro “de direita” mais procurado no Natal. Deve ser duro tomar uma lavada tão grande dentro do mesmo tema. Como resistir a um tuíte de desabafo?

Se Sader entrou em alguma livraria, viu pilhas e pilhas – umas ao lado das outras – dos livros cujos autores ele despreza, e daí concluiu que aquilo era um sinal – pasme! – de que os livros não vendiam, eu não sei; mas, no planeta mental dos Emirados Sáderes, raciocínios assim são tão lógicos e científicos quanto aqueles – sejam lá quais forem – que levam à conclusão de que os atentados de 11 de setembro de 2001 foram obra da extrema-direita americana. O ano de 2013, depois da violência “pacífica”, da depredação “construtiva”, do vândalo “manifestante”, da orquestração “espontânea”, da intolerância “tolerante”, da discriminação “igualitária”, do socialismo “democrático”, da mídia dependente “independente”, dos assassinos “vítimas do sistema” e demais pérolas da novilíngua esquerdista, agora se encerra, graças à contribuição de Sader, com os best sellers que “nem a direita aguenta comprar, menos ainda ler”.

O livro encalhado que Sader organizou reúne 24 autores, incluindo, segundo o site do PT e a Boitempo Editorial, “alguns dos mais destacados pensadores brasileiros, como Marilena Chauí, Marco Aurélio Garcia, Marcio Pochmann, Luiz Gonzaga Belluzzo, José Luis Fiori, Luis Pinguelli Rosa e Paulo Vannuchi”. O livro best seller que eu idealizei e organizei, “O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota“, reúne, assim como o de Villa, o exército de um homem só: Olavo de Carvalho. Quem o tornou um pensador “destacado” não foi o release da editora Record, muito menos o site do partido governante, mas o grande público, que comprou 45 mil * exemplares e o manteve por mais de 3 meses * nas listas dos mais vendidos, chegando inclusive ao primeiro lugar em e-book na Amazon. Talvez nos Emirados Sáderes se acredite que os livreiros dariam destaque a um livro do Olavo por gentileza… Mas o fato, aqui na Terra, é que o livro se impôs, obrigando até a imprensa chapa-branca a falar a respeito, ainda que com atraso e a contragosto. Se o tuiteiro petista precisar de umas aulinhas de organização da obra alheia e marketing, eu faço um precinho camarada. Só não aceito verba pública, obrigado.

Por falar nisso, a biografia “Dirceu”, de Octávio Cabral, que narra a trajetória do mensaleiro, merecia o troféu de livro mais massacrado do ano, vítima que foi de uma campanha espúria de certa imprensa, cujos ecos se ouviram até no programa “Saia Justa”, quando a apresentadora Astrid Fontenelli, com um raciocínio digno dos Emirados Sáderes, declarou o livro um “fracasso retumbante” comercialmente, como se a polêmica em torno dele tivesse aniquilado o interesse do público. Resta saber como um “fracasso retumbante” pode fechar 2013 como a segunda biografia mais vendida do ano, tendo batido a marca de 40 mil exemplares e ficando atrás apenas de “Casagrande”, cá no país do futebol. O maior ataque – mencionado por Astrid – veio do jornalista Mario Sérgio Conti que, para quem não sabe, é aquele que descreveu em detalhes o enterro da arquiteta Lúcia Carvalho na revista Piauí, cuja edição seguinte – imagine – trouxe uma cartinha da dita-cuja, quem sabe escrita do além… Agora este senhor tão cuidadoso quanto independente quis apontar uns errinhos no livro de Cabral, usando o expediente-padrão das esquerdas de tentar invalidar uma obra em função de imprecisões irrisórias, não raro com correções igualmente imprecisas. Nosso editor Carlos Andreazza deu-lhe um belo chega-pra-lá no artigo “Sobre a biografia ‘Dirceu’“, publicado na Folha. Mas este, Astrid não deve ter lido.

Já “Esquerda Caviar”, de Rodrigo Constantino, também entrou nas listas dos mais vendidos logo que foi lançado e, assim como “Década perdida”, já vendeu 15 mil exemplares. Isto sem falar no best seller de Lobão, “O Manifesto do Nada na Terra do Nunca”, que chegou a fazer dobradinha com o nosso “Mínimo” na liderança da Amazon; no recém-lançado livro-bomba de Romeu Tuma Júnior e Claudio Tognolli, “Assassinato de Reputações – Um crime de Estado”, que já está nos Top 10 do Publish News; e no terceiro sucesso da franquia “Guia Politicamente Incorreto da História…”, de Leandro Narloch, também onipresente nas listas. Se esta é a quantidade de “bagulhos” que os escribas da direita publicam, os escribas da esquerda têm todos os motivos para se sentirem humilhados e desabafarem no Twitter. É um tanto vexaminoso que o sentimento de inferioridade resulte em opiniões sem a menor base em fatos e números, mas nada assim que já não estivesse previsto no capítulo “Inveja” do livro que eu organizei.

Emir Sader já foi desmascarado por Olavo de Carvalho [aqui e aqui], Reinaldo Azevedo [aqui], Rodrigo Constantino [aqui], Lobão [aqui], e até por ícones da esquerda nacional como César Benjamin [aqui], talvez porque nem a esquerda “aguente comprar, menos ainda ler” um autor que escreve “Getúlio” com “lh” e posa (mas ele escreve “pousa”) de cientista político. Renato Janine Ribeiro e outros esquerdistas até que tentam. Mas ninguém é tão Sader-masoquista quanto o Emir Sader original. Fico contente que tenha sobrado um restinho dele para mim.

Felipe Moura Brasilhttp://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

* Pós-escrito: Nosso best seller bateu a marca de 60 mil exemplares vendidos no começo de 2014 e voltou a permanecer durante meses entre os 10 mais vendidos do país.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Rolando

    No Saia Justa eles já defenderam o Chico Buarque dizendo que quem o critica chafurda na lama então essa atitude dessa senhora não é uma surpresa.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Lamento mas é assim

    No Brasil ser de esquerda transforma qualquer boçal em gênio. Aliás, nas universidades brasileiras, nas faculdades de humanas, só se estudam autores de esquerda. Fiz jornalismo e tive que ler texto do Emir Sáder, o que deveria ser considerado quase uma maldade.

    Curtir

  3. Comentado por:

    André Lyra

    Ele deve está fulo da vida com esse texto! Simplesmente demolidor!

    Curtir

  4. Comentado por:

    Alexandre Sampaio Cardozo de Almeida

    São Paulo, 4 de fevereiro de 2.014
    Prezado Felipe,
    Por isso que esse país é considerado como o país da piada pronta! Considerar Emir Sader intelectual, um sujeito que escreve “fusila” com “s”… É de lascar!

    Curtir

  5. Comentado por:

    Edson Sales

    Eu tenho o orgulho de nunca ter votado em esquerda,mas confesso que quase o fiz.Nosso ANALFEBETO ex presidente,politicamente esperto como uma raposa,com a “moça´´ que aí está,colocaram o nosso país em destaque .O nosso país é destaque no FUTEBOL e isso não é mérito deles,mas somos desta1que em:mensalões-que LULA insiste em negar-em enganação na educação-insistem em dizer que estamos alfabetizados,em violência,falta de saúde,em tentativas de se perpetuarem no poder,enfim,se deixarmos viraremos uma CUBA com o LULA no poder.Não aguentaremos mais 4 anos de PT no governo.Vamos dar a resposta nas urnas.Quanto ao hábito de ler:ISTO NÃO INTERESSA A ELES PORQUE QUANTO MAIS O POVO IGNORANTE ,MELHOR ,POIS PODE SER MELHOR MANIPULADO.O povão do BOLSA FAMÍLIA só quer é novelas,futebol,ter bastante filhos para nós bancarmos e eles receberem os méritos.ETA POVINHO MAIS OU MENOS!

    Curtir