Mais uma resposta certeira de Morgan Freeman sobre raça

Morgan Freeman, vencedor do Oscar de Melhor Ator Coadjuvante por “Menina de ouro” (2004), está rodando pelos programas de TV dos Estados Unidos nesta semana para promover sua nova série “Through the Wormhole”, no Science Channel. Na terça-feira à noite, ele se sentou para uma conversa com o âncora do programa CNN Newsroom, Don Lemon, que lhe perguntou: “Você acha que a raça desempenha um papel na distribuição de riqueza?”

Veja a resposta curta e certeira de Freeman ⎯ não sobre estatísticas, mas sobre as possibilidades individuais de ascensão dos negros ⎯, que traduzo logo abaixo do vídeo.

Um momento de luz no esquerdismo diário da CNN.

“Hoje? Não. Você e eu [ambos negros], nós somos a prova. Por que a raça teria qualquer coisa a ver com isso? Concentre sua mente no que você quer fazer e corra atrás disso.”

O ator ainda completou, em trecho que ficou de fora deste vídeo: “[A raça] é uma espécie de religião para mim, é uma boa desculpa para não chegar lá.”

Perfeito. Este é o lado “Ben Carson” de Freeman. Um homem negro de sucesso que não caiu no coitadismo de raça explorado pela esquerda e agora estimula os demais a lutar para vencer as dificuldades, em busca de seus ideais. Não é uma ideologia política que ressoa em seu discurso. É o senso comum; é a própria experiência pessoal.

Em seguida (a versão maior está aqui), Lemon aproveitou a oportunidade para dizer algo que ele achava que poderia deixá-lo “em apuros” sobre a frequência do tema “raça” nas histórias que ele cobre para a CNN (você jura?…): “Parece que todos os dias eu estou falando sobre raça na televisão, porque ela está no ciclo de notícias, porque é parte das notícias. Mas às vezes eu fico tão cansado de falar sobre isso, quero apenas dizer: ‘Isso acabou, podemos seguir em frente?’”

Freeman, soerguendo-se na cadeira, respondeu: “Se você fala sobre isso, isso existe. Não é que isto exista e nós nos recusamos a falar sobre isso. O problema aqui é fazer disso um problema maior do que ele precisa ser.”

Esta é a mesma tese que Freeman apresentou a Mike Wallace no programa “60 minutes”, em 18 de dezembro de 2005, resultando em seu famoso vídeo viral sobre o racismo.

Recordar é viver:

É verdade, contudo, que, talvez contrariando suas próprias regras, no programa do esquerdista Piers Morgan na mesma CNN em 2011, Morgan Freeman já chamou os membros do movimento conservador Tea Party de racistas, só porque eles não queriam que Obama fosse reeleito. Mas este é o lado “Arnaldo Jabor” de Freeman, pelo qual não tenho o menor interesse. O cineasta que fique com ele.

Felipe Moura Brasil – http://www.veja.com/felipemourabrasil

Siga no Facebook e no Twitter.

Artigos relacionados:
O mundo inteiro está cheio de todo mundo [A história do dr. Ben Carson]
Para Jabor, “Perigo vermelho” no (…) dos outros é refresco
Para começar bem o dia, Denzel Washington

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Julianna

    Tire o seu racismo do caminho, que eu quero passar com a minha cor. ( Georges Najjar Jr )

    Curtir

  2. Comentado por:

    Zé Paulo

    Felipe Moura, bom dia. Sou professor de história e porque vou contra a corrente, sempre ouço a seguinte pergunta: “por que você não é de esquerda”? De tanto ouvi-la, decidi responder e gostaria de compartilhar parte dela aqui no seu blog.
    Assim como muitos jovens, eu também fui seduzido pelos discursos da esquerda. Acreditava que ser de esquerda era o mesmo que lutar por um mundo sem corrupção. Mas não. Eu só queria honestidade, e se eu queria honestidade, como eu poderia ser de esquerda? Acreditava que ser de esquerda era o mesmo que lutar por um mundo mais humano e mais justo. Mas não. Eu só queria um mundo onde as pessoas fossem respeitadas em seus direitos e em sua dignidade, e se eu queria isso, como eu poderia ser de esquerda? Acreditava que ser de esquerda era lutar pela democracia e pela liberdade de expressão. Mas não. Eu só queria um mundo onde a divergência fosse tolerada e as pessoas não corressem o risco de serem presas ou mortas se ousassem divergir. E seu eu queria isso, como eu poderia ser de esquerda?
    É bem possível que muitos jovens continuem acreditando que ser de esquerda é o mesmo que ser justo, humano, honesto e livre. Mas não dá para ser de esquerda e defender com sinceridade essas valores.
    A íntegra da resposta pode ser conferida aqui: http://www.zecostajr.blogspot.com

    Curtir

  3. Comentado por:

    Daniel Porto

    Parece que não há mais Brasileiros, mas sim, brancos, negros, pardos, gays, homens, mulheres, índios, etc. Tudo isso me parece criminoso, ou seja, esta estrategia de se jogar uns contra os outros é um grande mal. Deveríamos ser apenas Brasileiros (com B maiúsculo de preferência), nos respeitarmos mutuamente buscando juntos o progresso e o desenvolvimento humano, econômico e social.

    Curtir

  4. Comentado por:

    Archimedes Fernandes

    Uma visão racional do racismo: ele exite mas não façamos dele algo maior do que é. Se todas as raças seguem a mesma regra então o racismo tem que ser visto como um obstáculo para a igualdade material. Se uma raça não gosta da outra isso já é um problema de fórum íntimo. Eu penso na igualdade e harmonia mas não reduto quem pense assim.

    Curtir

  5. Comentado por:

    fabiola

    O racismo existe em todas as raças ,concordo que talvez no negro seja maior , mas venho a muito tempo percebendo que eles próprios não se aceitam ;o racismo esta na mente das pessoas, no íntimo: numas mais em outras menos . Acho engraçado eles falarem que nós brancos somos racistas; mas será que não percebem que os brancos no verão fazem o que ? ficam no sol para ficarem mais morenos !!!!!Acho que se eles se aceitarem mais, se amarem mais e tiverem orgulho da sua raça a vida se abrira mais, as oportunidades serão maiores . Quando você não esta bem você passa uma energia negativa e tudo fica pior: o branco é lindo mas o preto tb é, tudo é uma questão de foro íntimo

    Curtir