Lula e Dilma eram tão gratos a Cerveró que um lhe deu cargo e a outra o elogiou no dia da nomeação

Delação do ex-diretor e ata do Conselho da Petrobras traduzem gratidão petista

Lula Dilma Cervero

Nestor Cerveró disse que Lula deu-lhe um cargo na diretoria da BR Distribuidora em 2008 “como reconhecimento” pela ajuda do então diretor da área Internacional da Petrobras na quitação do empréstimo de R$ 12 milhões do Grupo Schahin ao PT.

Segundo o delator, “havia um sentimento de gratidão do Partido dos Trabalhadores” para com ele.

A gratidão petista, como estamos carecas de saber, manifesta-se à base de cargos públicos e/ou propina.

O depoimento de Cerveró confirma o do operador Fernando Baiano, com a diferença de que Cerveró acusa Lula diretamente, ao passo que Baiano disse em dezembro que ouvira a história da boca de José Carlos Bumlai, a quem procurou para pedir apoio político ao ex-diretor.

Bumlai, amigo de Lula preso por envolvimento no petrolão, confessou também em dezembro que tomou emprestados os R$ 12 milhões do banco Schahin em 2004 e repassou 6 milhões ao caixa dois do PT de Santo André.

O dinheiro seria destinado a Ronan Maria Pinto, empresário da cidade paulista apontado pelo Ministério Público como integrante de um esquema de recolhimento de propina incrustado na prefeitura, na gestão de Celso Daniel.

Maria Pinto estaria chantageando Lula e os ex-ministros Gilberto Carvalho e José Dirceu por saber detalhes do assassinato do ex-prefeito de Santo André, em 2002.

Para Ronaldo Caiado (DEM-GO), “a CPI do BNDES na Câmara tem o dever de convocar Lula e cobrar explicações” sobre sua ligação com o empréstimo considerado fraudulento pela Lava Jato.

A inclusão de Cerveró na acareação entre Baiano e Bumlai, diga-se, também cairia bem.

Segundo a Folha, o ex-diretor ainda afirmou que Lula sugeriu ao senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL) que se reunisse com o comando da BR Distribuidora, uma subsidiária da Petrobras. Esse encontro, segundo Cerveró, tratou de uma reivindicação de Collor, a “compra de grande quantidade de álcool, no valor de R$ 1 bilhão, de usinas de Alagoas”.

“Agora fica mais nítido o quanto a delação de Cerveró preocupa o Planalto. A ponto de Delcídio, então líder do governo, propor a fuga dele”, completou Caiado.

Motivos para preocupação não faltam, como as denúncias contra o atual ministro Jaques Wagner já haviam deixado claro. Mas ainda há mais.

Cerveró também disse que, em 2012, o presidente do Senado, Renan Calheiros, o maior aliado de Dilma Rousseff contra o impeachment, “reclamou da falta de repasse de propina” por parte do delator.

Além disso, a ata em que o Conselho da Petrobras, então presidido por Dilma, agradece a Cerveró pelos “relevantes” serviços prestados, elogiando “sua competência técnica e o elevado grau de profissionalismo e dedicação demonstrados no exercício do cargo”, é exatamente a do dia 3 de março em que ele foi nomeado para a BR Distribuidora.

Lula e Dilma tinham mesmo um sentimento de gratidão para com Cerveró.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s