Lewandowski maquia dado sobre população carcerária para legitimar soltura de bandidos em todo o país

População fica refém da impunidade, mas ministros do STF têm seguranças de sobra

Tuitei em 13 de janeiro:

Captura de Tela 2016-02-23 as 11.56.17

Claro que não vão.

A população brasileira fica refém de bandidos impunes em decorrência da cumplicidade e da irresponsabilidade fiscal dos governos federal e estaduais, mas o Supremo Tribunal Federal, presidido por Ricardo Lewandowski, pretende gastar mais R$ 3,6 milhões por ano para ter outros 29 guarda-costas disponíveis exclusivamente para seus ministros, já que os 90 seguranças previstos no contrato anual de R$ 10 milhões ficam à disposição do STF e não somente dos membros da Corte.

Detalhe pitoresco: é exigência contratual que cada segurança esteja “barbeado, [com] cabelos aparados e limpos, sapatos engraxados e devidamente uniformizado”, quem sabe à moda Luís Roberto “Minha Posição” Barroso.

Pois bem.

Nesta segunda-feira (22), Lewandowski deu início no Espírito Santo ao “Cidadania nos Presídios”, eufemismo para o projeto que agiliza a liberação de detentos, três dos quais tiveram o alvará de soltura assinados pelo próprio presidente do STF no Complexo Penitenciário de Viana.

Lewandowski detento

Só no estado, 30% (quase 6 mil) dos presidiários serão colocados em liberdade em até nove meses, no processo que será espalhado por todo o país graças a mais um golpe do Supremo contra o Poder Legislativo (e contra a autoridade dos delegados), cometido em agosto de 2015, após campanha de Lewandowski em favor das “audiências de custódia”.

Na ocasião, a maioria da Corte julgou improcedente a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 5240) em que a Associação dos Delegados de Polícia do Brasil (Adepol/Brasil) questionava a realização do procedimento por meio do qual um detido em flagrante deve ser apresentado ao juiz em até 24 horas.

Sobre a medida, este blog recomenda o artigo “Os mitos da audiência de custódia“, do doutor desembargador Guilherme de Souza Nucci, que desmascara ponto a ponto a propaganda adversária.

Aproveito, no entanto, para desmascarar mais uma vez o discurso militante de Lewandowski.

“Do ponto de vista político, temos que concordar que essa é uma medida impopular. Não é algo sempre compreendido pela população de maneira geral, mas é algo que se faz absolutamente necessário porque hoje somos o 4º país no mundo que mais encarcera”, disse o presidente do STF.

O povo que não tem dinheiro para pagar seguranças, porque já paga os do STF, compreende perfeitamente que corre mais perigo com a libertação de presidiários, mas Lewandowski prefere, na prática, chamar o povo de idiota para fingir que há um motivo nobre e técnico por trás disso.

O ministro, ademais, maquia o dado sobre a população carcerária no país para legitimar a soltura dos detentos, usando o velho truque esquerdista já desmascarado neste blog aquiaqui e aqui.

Lewandowski omite que o Brasil tem a 4ª maior população carcerária do mundo apenas em número absoluto de presos, o que é absolutamente natural, dado que o país tem a 5ª maior população do mundo – atrás apenas de China, Índia, EUA e Indonésia.

Captura de Tela 2016-02-23 as 14.51.50

Em números relativos, que são os que realmente importam, o Brasil, atualmente, está na 31ª(!!!) posição no ranking mundial de população carcerária, empatado com o Bahrein, com 301 presos por 100 mil habitantes.

Captura de Tela 2016-02-23 as 14.52.20

(Qualquer um pode checar os diferentes rankings do ICPS neste link. É a maior referência mundial no assunto, inclusive para o Ministério da Justiça brasileiro, que o cita no relatório do Infopen, obviamente maquiando os dados, como mostrei aqui.)

Relembro abaixo o meu vídeo debochado sobre o velho truque esquerdista, lembrando que os dados do ICPS são atualizados com frequência, o que resulta em pequenas mudanças de posição dos países ao longo do tempo, mas jamais uma subida de 27 posições do Brasil, como os militantes gostariam.

A suprema mentira tem de acabar.

PS: O que se deve destruir no Brasil não é a “cultura do encarceramento”, da qual fala Lewandowski – que naturalmente, aliás, foi voto vencido na recente decisão do Supremo de autorizar prisão após julgamento em 2ª instância -, mas sim a “cultura do crime”, da qual falei detalhadamente aqui.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s