Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Desespero de Lula potencializa vingança contra Lava Jato

Felipe Moura Brasil comenta delações, omissões, operações e abusos

Veja resumão geral em notas e tuitadas:

1. O Bolsa-Família Lula

– “A atuação de Lula”, de acordo com matéria do Estadão sobre a lista sigilosa do ministro do STF Edson Fachin, “é citada em relação às operações da Odebrecht em Cuba, no Porto de Mariel, e em Angola, em um contrato assinado entre o grupo baiano e a empresa Exergia, de propriedade de Taiguara Rodrigues, sobrinho da primeira mulher do ex-presidente”. É o Bolsa-Família lulista.

– “O contrato previa a prestação de serviços em Angola, entre 2011 e 2014, quando Lula já não era presidente. De acordo com quatro colaboradores, no entanto, esta contratação foi feita para atender a pedido do próprio ex-presidente.” Lula pedia, a Odebrecht atendia, o “sobrinho” se dava bem.

– “Delatores acrescentaram que a empresa Exergia não detinha experiência no ramo de construção e seria constituída por Taiguara só para fazer uso da influência de Lula.” Ser “sobrinho” de Lula no Brasil era diploma de PhD.

– A influência política de Lula para que Taiguara conseguisse contratos em Angola foi originalmente trazida à tona por VEJA, como narrava o próprio Estadão em 15 de outubro de 2015. A matéria da revista resultou na convocação do “sobrinho” de Lula para a CPI do BNDES, onde ele negou, claro, que sua ligação com o petista o tenha ajudado a fechar contratos com a Odebrecht.

– Vale lembrar, à luz das delações, este trecho cômico do Estadão de 2015:

“De acordo com o Taiguara, a Exergia foi aberta em 2009, ele detinha 49% da sociedade, sendo o restante da participação do empresário português. Questionado por integrantes da CPI como o grupo português topou sociedade com ele, sem que ele tenha entrado com qualquer capital inicial, o executivo afirmou que foi escolhido pela sua habilidade como vendedor, uma vez que seu principal papel na companhia seria ‘vender’ a empresa. Ele disse atuar como vendedor desde os 14 anos. Parlamentares de oposição [ao então governo do PT] se mostraram irritados com a resposta do empresário”.

Não era para menos. Aos 14 anos, Taiguara já era “sobrinho” de Lula.

2. Os cofres do sítio de Lula

– O delator Emyr Costa relatou à PGR que comprou um cofre para guardar R$ 500 mil repassados, em espécie, pela Odebrecht para executar a reforma do sítio de Lula em Atibaia. Emyr era o engenheiro civil da Odebrecht Ambiental responsável pela obra. Ele disse que usou o dinheiro para pagar, semanalmente, a equipe de engenheiros e operários e os materiais de construção da reforma. Ou seja: Lula usufruiu o luxo erguido às escuras pela Odebrecht com dinheiro sujo das estatais roubadas durante o governo do PT. É um acinte que ainda esteja solto.

3. O desespero de Lula com Palocci e Vaccari

– José Roberto Batochio, advogado de Antônio Palocci (preso) e Lula (ainda solto), era o maior entrave à delação de Palocci. Lula contava com Batochio para monitorar e conter o ex-ministro, mas está irritado porque Palocci tentou trocar o advogado por Marlus Arns para delatar. Arns disse não poder cuidar de mais um caso, mas indicou nomes como Adriano Brêtas, que atuou na delação do doleiro Alberto Youssef. A casa do “Amigo” está caindo de vez.

– João Vaccari Neto também quer delatar. Petistas que o monitoram tentam convencê-lo do acordão entre todos os partidos para anistiar o caixa dois e abater sua pena, mas parece que o ex-tesoureiro do PT, já condenado a 41 anos de prisão, está perdendo a paciência. É muita matéria plantada na imprensa para pouca ação efetiva. #FalaVaccari

– À pesquisa CUT/Vox Populi que projeta a vitória de Lula no primeiro turno em 2018, só faltou projetar Palocci de vice e João Vaccari Neto de ministro para acalmar os presos. É o desespero com as potenciais delações.

– Para entender a relação entre petistas e Vox Populi, vale lembrar aqui no blog o post de 16 de agosto de 2016: “Petismo explicado: PT distorce pesquisas até de Instituto suspeito de lavar propina para o partido“.

– A pesquisa DataPoder360, muito mais confiável, mostra que 59% têm opinião negativa sobre Lula – uma rejeição altíssima. Com a vantagem de ainda ser desconhecido de 53% da população, João Doria (com 13%) já disputa a vice-liderança com Jair Bolsonaro (14%), naturalmente tirando do deputado os votos dos eleitores que rejeitam os candidatos tradicionais de esquerda, mas preferem alguém menos explosivo. Se Lula ficar inelegível ou for preso, é esta, por ora, a potencial disputa remanescente pela liderança.

4. O Judiciário contaminado

– Valor: À PGR, a OAS “já indicou mais de 20 delatores”, que comprometeriam “pelo menos um ministro do STJ, além de outros magistrados”. Aí sim.

– Delações da Odebrecht não atingiram Judiciário por “entendimento tácito entre colaboradores e a força-tarefa para manter mais ou menos preservado um dos Poderes, para que possa enfrentar sem ter a legitimidade questionada pela sociedade a tarefa de julgar os descalabros revelados”, informa o Estadão. Fazer concessões a bandidos de toga para prender bandidos de foro é arriscado, mas a Lava Jato deve saber o que está fazendo no xadrez da faxina nacional.

– Um integrante da força-tarefa, um delator que não pertence à Lava Jato, um advogado que participou das delações e um funcionário da empresa ouvidos pelo jornal concordam num ponto:

“Marcelo e Emílio Odebrecht estavam na gênese e na execução das conversas com Dilma Rousseff para que a nomeação de Marcelo Navarro para o Superior Tribunal de Justiça levasse à concessão de habeas corpus para os diretores da empresa e das demais empreiteiras e ex-diretores explosivos da Petrobrás, como Renato Duque”.

Relembro: Nomeado por Dilma, Navarro votou pela flexibilização da prisão preventiva dos executivos Marcelo Odebrecht, Márcio Faria, Rogério Araújo, Otávio Marques de Azevedo e Elton Negrão, mas, felizmente, acabou derrotado em todos os casos por 4 a 1 e deixou a relatoria da Lava Jato.

Dilma é investigada por tentativa de obstrução da Justiça neste episódio. Obstruir o que já funciona tão lentamente no Brasil deveria render punição dobrada.

– “Vale lembrar que, na época, a orientação da Odebrecht era que ninguém falasse, pois todos sairiam e a operação seria anulada. Empreiteiros como Otávio Azevedo, da Andrade Gutierrez, também ainda não tinham falado. Foi só depois que a operação habeas corpus para todos – que tinha entendimentos também no STF – fracassou.”

Os “entendimentos no STF” (e no Senado, como se vê abaixo) são os maiores perigos para a Lava Jato.

5. O abuso no Senado

– Na terça-feira, procuradores da Lava Jato pediram ajuda ao povo contra a “vingança” dos políticos. Nesta quarta, a “vingança” começou cedo.

– Sérgio Moro declarou que “é inverídica” a afirmação de Roberto Requião de que o juiz federal foi consultado e concordou com a redação do parecer do projeto que altera a Lei de Abuso de Autoridade. Pego na mentira, Requião disse que vai tirar a menção a Moro do seu parecer.

– O projeto de lei lista 29 condutas que devem ser criminalizadas, como decretar prisão preventiva em desconformidade com a lei e submeter investigado ou testemunha a condução coercitiva antes de tê-lo intimado. Mais um pouco e tipificam prender bandido como crime inafiançável.

– Dize-me com quem andas, Requião, e eu te direi quem és.

Lula, José Dirceu e Roberto Requião

– O procurador federal Helio Telho também rebateu Requião no Twitter:

– Deltan Dallagnol fez a devida distinção:

– Randolfe Rodrigues, Magno Malta, Lasier Martins e Ronaldo Caiado se posicionaram contra o relatório de Requião. O problema é que 9 dos 14 membros titulares da CCJ do Senado estão citados nas delações da Odebrecht. É duro.

– Requião insiste: “Não há aqui um único artigo que se oponha à Lava Jato. Estamos aqui para por ordem nessa bagunça. Pela madrugada! Santa Periquita! É de uma má-fé cínica…” Como queríamos demonstrar: esquerdistas disputam com Lula quem se faz mais de sonso.

– A ressalva incluída por Requião (“desde que, em qualquer caso, não contrarie a literalidade desta lei”) dá margem a que réus absolvidos em instância superior processem juízes de primeira instância pela condenação com base em uma interpretação diferente da lei: o chamado de crime de hermenêutica. Eis o texto malandro que apenas simula não estabelecer esse crime:

“Não constitui crime de abuso de autoridade o ato amparado em interpretação, precedente ou jurisprudência divergentes, bem assim o praticado de acordo com avaliação aceitável e razoável de fatos e circunstâncias determinantes, desde que, em qualquer caso, não contrarie a literalidade desta Lei.”

– “Falar em açodamento nesse projeto é uma brutal injustiça”, diz o presidente da CCJ, Edison Lobão, suspeito de receber R$ 5,5 milhões para interferir em obras do Projeto Madeira. A CCJ é uma piada macabra.

– Recordar é viver:

– Ficou para a próxima quarta-feira a votação do projeto na CCJ do Senado. A maioria dos senadores votou pelo pedido de vista após leitura do relatório de Requião. Caiado e Randolfe pediram a Lobão para que fosse marcada também a votação do parecer final sobre a PEC do fim do foro privilegiado. Foram, obviamente, ignorados.

6. O baú de Silvio Santos e André Esteves

– Este blog afirmou aqui que as razões pelas quais Silvio Santos continua dócil à patrulha petista, mesmo após o fim do governo do PT, são o que deveria interessar à imprensa. A Operação Conclave, deflagrada nesta quarta-feira (19), pode lançar (mais) luz sobre a origem dessa docilidade.

– A aquisição de ações do banco PanAmericano, de Silvio Santos, pela CAIXAPAR, durante o governo do PT, é investigada por ter potencialmente causado expressivos prejuízos ao erário federal. O povo brasileiro sempre paga a conta pelos negócios escusos realizados na Era petista entre agentes públicos e empresários.

– No mesmo ano em que Silvio Santos pediu ajuda financeira a Lula, o PanAmericano fechou patrocínio com o Corinthians, “time do coração” do petista, também agraciado com o estádio Itaquerão pela Odebrecht.

– O BTG Pactual, de André Esteves, adquiriu por R$ 450 milhões o PanAmericano, de Silvio Santos, que acumulava prejuízos. Solucionar problemas de peixe grande é mesmo o papel de Esteves.

– A quebra de sigilo de Esteves, cujo BTG também comprou o BSI suíço e depois vendeu, deixa muito peixe grande preocupado. Está chegando a hora de entregar o cardume.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Mais suposições do jornalista tucano.

    Curtir

  2. Marly Camargo

    “Não há aqui um único artigo que se oponha à Lava Jato.” Este mesmo cinismo está numa declaração do presidente M. Temer de que a reforma previdenciária não prejudica os mais pobres.

    Curtir

  3. Silas Costa Ferreira Jr.

    A Reforma da Previdência só prejudica os pobres de espírito, aqueles políticos e funcionários públicos com aposentadorias altas e imorais. E o cínico do Requião também é contra a reforma de previdência.

    Curtir

  4. Marly Camargo

    Silas Costa Ferreira Jr. 19 abr 2017 – 18h20
    Políticos e funcionários públicos marajás não serão afetados pela reforma do Temer.Acorda!

    Curtir

  5. Roldan Mattei

    LuLLa não sabia de nada, coitado! Que incompetente! Tudo é do amigo, até a mulher dele na hora da conta do Einstein. O que ele não fala é que a “bondade” desses “amigos” não passava de interesses sendo retribuídos, pois foram “premiados” pelo Sr. MoLLusco. Agora, Felipe, que seletividade é essa? Fala mais da corja do PSDB e do PMDB também, pô!!!!

    Curtir

  6. NOVA CONSTITUINTE JÁ! A começar afastando dos cargos todos os políticos delatados. Ora, em qualquer país civilizado, a mera menção ao nome faz o próprio político se envergonhar e se retirar do jogo. Por que devemos ter paciência com eles?

    Curtir

  7. Este (ESTE) Congresso não tem legitimidade para falar em abuso de autoridade. Infelizmente, alguns não enxergam isso ou fingem não enxergar

    Curtir

  8. Sonia Martins

    O que distingue o Bolsa-Família lulista do Bolsa-Família padrão é a unidade: MR$ – i.é, Mega Reais.

    Curtir

  9. Cicinho Cicinho

    Titan, meu caro, acredito que o Felipe não seja tucano, pois fala muita coisa errada deles. O vejo elogiar atitudes do Dória. Mas isso está relacionado a uma ideologia, e não a um partido, pois no Brasil os partidos não têm ideologias.

    Curtir

  10. Felipe, quero utilizar o espaço aqui disponibilizado por você; Alagoanos(Renan Calheiros) e Paraenses(Roberto Requião), votem em Senadores melhores. Não imponham ao País esse Lixo.

    Curtir