Blog Felipe Moura Brasil

Felipe Moura Brasil

Análises irreverentes dos fatos essenciais de política e cultura no Brasil e no resto do mundo, com base na regra de Lima Barreto: "Troça e simplesmente troça, para que tudo caia pelo ridículo".

sobre

Felipe Moura Brasil estreou este blog em 2013, após dez anos como cronista na internet. Idealizou e organizou o best seller de Olavo de Carvalho, "O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota". Autor da Editora Record, trabalha em dois livros previstos para 2016.

Mensagens sobre bomba no Instituto Lula escancaram tradição do PT: culpar adversários e vitimizar-se

Este blog antecipa as farsas desde 2013. Veja o histórico de "atentados"

Por: Felipe Moura Brasil

A explosão de uma bomba caseira na porta do Instituto Lula em 30 de julho de 2015 rendeu dois posts neste blog no dia 31 daquele mês: “O marketing do PT vai de vento em… bomba” e “‘Atentados’ contra o PT são pretextos para demonizar a ‘direita’. Veja cada caso (desde 2013)”.

Eu os reproduzo mais abaixo, porque agora, seis meses depois, o Estadão revela duas trocas de mensagens que confirmam o cinismo dos petistas para “vitimizar” Lula e culpar adversários políticos pelo suposto atentado.

As mensagens de whatsapp foram trocadas entre o mensaleiro José Dirceu (quatro dias antes de ser preso pela Lava Jato em 3 de agosto) e dois personagens de funções semelhantes em esferas diferentes: seu assessor de imprensa Ednilson Machado, conhecido com Edi, e o jornalista Breno Altman, dos blogs petistas Brasil 247 e Opera Mundi.

Altman foi citado pelo doleiro Alberto Youssef como um dos envolvidos na compra do silêncio do empresário Ronan Maria Pinto, que ameaçou implicar Lula, Gilberto Carvalho e o próprio Dirceu no assassinato de Celso Daniel. Seu nome também está envolvido nos pagamentos da Engevix ao Brasil 247, por meio de Youssef.

Numa das trocas, Dirceu copia para Altman uma informação de Edi sobre os possíveis culpados pelo ataque:

“E tinha uns caras com pinta de black blocs na redondeza”.

Altman então escreve:

“Falei com Rui [Falcão, presidente do PT], propus que tocássemos o rebu. Ele acha que devemos reagir com perfil baixo… inacreditável”.

dirceu-breno

Em outra janela, uma mensagem de Edi a Dirceu escancara um dos principais métodos da propaganda petista:

“Mas deveria ser usado isso para vitimização…”.

Dirceu copia a resposta de Altman para seu assessor e determina:

“Fale lá tem que ir para cima”.

Edi informa:

“Já mandei mensagem para o (Paulo) Okamotto (presidente do Instituto Lula). Lamentável perfil baixo a essa altura.”

O assessor acrescenta, em alusão ao protesto contra o governo Dilma Rousseff, marcado para 16 de agosto de 2015.

“Era hora de politizar e creditar à inflamação pública que o PSDB passou a fazer para o dia 16”.

Ou seja: mesmo sabendo dos “caras com pinta de black blocs”, eles escolheram mentir, culpando o PSDB e os organizadores do protesto.

Breno Altman publicou no site Carta Maior um texto sobre o tema, depois reproduzido pelo blog de Dirceu. Outros artigos se espalharam pelos blogs petistas, como o do secretário Nacional da Juventude do PT e o de Chico Vigilante, ambos citados no relatório da Polícia Federal.

Relembro duas tuitadas daquele período sobre as declarações de Dilma e do Instituto Lula:

Captura de Tela 2016-01-25 às 13.05.42 Captura de Tela 2016-01-25 às 13.05.35

Pois é.

Relembro abaixo os dois posts deste blog que também anteciparam a estratégia petista.

I. O marketing do PT vai de vento em… bomba

Instituto Lula acusou seus adversários políticos de terem lançado uma bomba institucional, digo, ‘caseira’, em sua sede, embora as ‘investigações’ não tenham concluído se a nota foi escrita antes ou depois do ‘atentado’, nem se os acusados são os mesmos que quebraram a vidraça do Foro de São Paulo em 2013, ‘bombardearam’ a sede do PT durante a campanha de 2014, picharam a rua do Jô Soares após a entrevista com a mulher sapiens, fizeram ataques racistas contra a apresentadora Maju e “quase agrediram” o petista-propaganda do Banco do Brasil, Gregório Duvivier.

Em todo caso, duas teses genéricas podem ser ditas:

Para o PT, a melhor defesa é atacar-se.

Para blindar Dilma e Lula, o marketing do PT vai de vento em bomba.

II. ‘Atentados’ contra o PT são pretextos para demonizar a ‘direita’. Veja cada caso“.

1) Tarso Genro (PT-RS) não ficou “paralizado”, com “z”, diante do “atentado” que o Instituto Lula classificou como “ataque político”.

O petista seguiu o manual do partido, acusando os fascistas de direita, supostamente estimulados pela mídia:

Bomba1

Uma bomba caseira teria sido atirada de dentro de um carro, mas nenhum ocupante foi identificado.

Este foi o resultado do “atentado”:

Bomba2

2) No início de julho, a apresentadora Maju, do Jornal Nacional, sofreu múltiplos ataques racistas, de uma só vez, na internet, mas apenas um suspeito – menor de idade, claro – foi detido e liberado.

Mostrei no Twitter a reação da militância petista:

Bomba3

3) Em junho, a pichação “Jô Soares, morra” apareceu em frente ao prédio do apresentador, dias após sua entrevista com Dilma Rousseff.

A militância petista fez a sua parte de sempre:

Bomba4

Bomba5

Bomba6

O autor da pichação não foi encontrado.

4) Em março, o diretório nacional do PT também teria sido alvo de bomba caseira.

O presidente municipal da legenda em São Paulo, Paulo Fiorilo, considerou o incidente parte de uma “onda de intolerância e ódio contra o PT”.

Este foi o resultado do “ataque”:

sede-do-pt-e-atacada-890x395

Ninguém foi preso.

5) Em 2013, como ironizei na ocasião, citando matéria de um blog sujo do PT, “vinte pessoas de preto SEM NOME – mas de extrema direita! – agrediram não se sabe quantos participantes SEM NOME do Foro de São Paulo em um restaurante SEM NOME localizado a uma distância não esclarecida do hotel do evento do Foro, ferindo um deles na boca, quebrando uma vidraça – que, como se vê pela foto desprovida de qualquer elemento de identificação, poderia ser até da minha casa -, e, segundo testemunhas SEM NOME, bradaram contra o Foro e os movimentos de esquerda da América Latina”.

Para o petista Walter Pomar, secretário da entidade, foi “a confirmação da campanha que vimos nos últimos dias por atos agressivos contra o Foro de São Paulo”.

Esta foi a vidraça quebrada:

Bomba7

Ninguém foi preso.

Há outros casos semelhantes, a começar pela explosão no Riocentro, em 1981, mas a preguiça me impede de prosseguir com os exemplos.

Se os ‘atentados’ contra o PT são todos pretextos para demonizar uma direita imaginária, há motivos de sobra para a direita real suspeitar de que, na hora do desespero, os petistas se vitimizam atacando a si próprios.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Voltar para a home

Comentários

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

*