Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Brasil faz nas sombras o que Venezuela faz à luz do dia

Felipe Moura Brasil comenta golpe, manobras e pré-delações de Eike, Cunha e Cabral

– Supremo da Venezuela apenas faz escancaradamente o que o Supremo do Brasil faz de modo dissimulado: assume as funções do Poder Legislativo.

– O ditador Nicolás Maduro era mais duro ao condenar o impeachment legal de Dilma Rousseff do que é o chanceler brasileiro Aloysio Nunes (PSDB-SP) para “repudiar” com “preocupação” o “claro rompimento da ordem constitucional” na Venezuela (leia-se: a consolidação do golpe). O velho tucanato tem mesmo muito a aprender com João Doria Jr.

– Apoio político de Lula e Dilma, financiamentos do BNDES sob seus governos e propinas da Odebrecht ajudaram a consolidar a ditadura venezuelana. E ainda tem brasileiro (16%?) que acredita quando o PT fala em “defesa da democracia”.

– Ou o Mercosul expulsa a Venezuela, ou convida logo a Coreia do Norte para presidir o próximo encontro.

– “Eike Batista já começou a negociar um acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro, apurou o Valor.” O “empresário do PT” pode detalhar questões sobre contratos com a Caixa e o BNDES nos governos petistas. Que tal incluir um anexo sobre a Venezuela?

– O Globo: “O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB) está negociando acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal. Cabral teria se comprometido a falar sobre pelo menos 97 casos de corrupção e outros crimes no governo local, na Assembleia Legislativa, no Tribunal de Justiça, no Ministério Público e até mesmo no Superior Tribunal Justiça (STJ).” Que tal incluir um anexo sobre Lula?

– Se Cabral entregar ministros do STJ, o inevitável efeito dominó para cima pode acabar atingindo a alta cúpula do país, mesmo que o ex-governador não tenha cartas na manga diretamente contra ela. Pense com carinho, MPF.

– Este blog, patrulhado por influentes políticos do Rio de Janeiro, tem ainda especial curiosidade em saber dos casos “de corrupção e outros crimes” envolvendo a Alerj e o Tribunal de Justiça do estado. Não é mesmo curioso?

– “Causa perplexidade a velocidade com que a sentença foi proferida”, disse Pedro Velloso, advogado de Eduardo Cunha, sobre a decisão de Sérgio Moro de condená-lo a 15 anos de prisão. Perplexos, ficamos nós com o ritmo do STF.

– Condenação reacendeu temor de delação de Cunha. Para impedi-la, diz a Folha, “todas as fichas estão voltadas, agora, para o habeas corpus que será julgado em breve pelo Supremo”. Velloso alegara que Moro tentou “evitar que o STF julgue a ilegalidade das prisões provisórias por ele decretadas”. Mas os ministros do STF que atuam em favor de Temer deverão insistir nesse argumento para libertar o potencial delator e evitar eventual estrago no governo.

– Se Moro se comunica com Aécio Neves (em evento de premiação onde calhou de estarem próximos), é “escândalo! prova que é tucano!”; se só cumprimenta de passagem Jair Bolsonaro (em aeroporto onde se deslocava com pressa), é “vexame! deixou no vácuo!”. Que coisa ridícula.

– Michel Temer assinou na quinta-feira (30) a nomeação de Admar Gonzaga para o posto do ministro do TSE Henrique Neves, cujo mandato se encerra em 16 de abril. Como tuitei na terça:

– Admar Gonzaga foi advogado da chapa Dilma-Temer de 2010. Agora vai julgar a cassação da chapa Dilma-Temer de 2014. Ele rechaçou ter vínculo com o atual presidente. Como se ter trabalhado para sua chapa não o fosse.

– “É especulação sem razão, como se as pessoas não tivessem qualidades, compromisso com o país”, disse Admar Gonzaga. Nós vimos as “qualidades” de Gonzaga ao conceder direito de resposta à Dilma quando VEJA revelou que ela sabia de tudo do petrolão, segundo depoimento do doleiro Alberto Youssef. Era muito “compromisso com o país” de Dilma e Temer às vésperas da eleição.

– Temer antecipou nomeação de Gonzaga para distanciar esta do eventual pedido de vista com que o ministro poderá interromper o processo de cassação, evitando assim parecer ainda mais que o colocou no TSE só para salvá-lo. Enquanto isso, o presidente articula para que o ministro Napoleão Nunes peça vista primeiro e, caso o adiamento seja suficiente, alivie a barra inicial de Gonzaga, deixando-lhe incumbido apenas de votar contra a cassação da chapa, se o mandato de Temer já não tiver sido arrastado até o fim.

– Em resumo: Brasil faz nas sombras o que Venezuela faz à luz do dia.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Decio Werneck

    É mas os dias deLLes*** estão contados e será breve. O programa falso de apurações de votos os elegeu várias vezes, e foi usado com suceeso pelo LLuLLa**** e Dilma***, e serão, após o Maduro, punidos por isso.

    Curtir

  2. E as pessoas querendo votar em Lula (que , para mim, não será preso) ou Ciro Gomes. Não podemos deixar.

    Curtir

  3. ACORDA BRASIL

    PROPAGANDA ENGANOSA e intriga da oposição esquerdopata não engana mais nem mesmo os incautos. BRASIL ESTÁ ACORDADO.
    O PRESIDENTE TEMER FICA SIM – E SERÁ O 1º MINISTRO EM 2017 – Monarquia Parlamentarista é a solução.

    Curtir

  4. Brasil nunca esteve mais sonolento, acomodado, logo estaremos junto a venezuela.

    Curtir

  5. ” Perplexos, ficamos nós com o ritmo do STF” – é isso aí mesmo. A primeira instância e o TRF4 são ágeis, mas quando dependen de Brasília até uma bicicleta é mais rápida

    Curtir