Blogs e Colunistas

29/03/2014

às 21:29 \ Cultura

Estupro? Machismo? Culpa? Levante a plaquinha: “Eu não mereço ser enganada pelo IPEA!” E mais: maioria defende pena de morte ou prisão perpétua a estupradores!

Sophia Costa

[Acréscimo de 4 de abril: FIM DA FARSA DO IPEA! ATENÇÃO! VÁ DIRETO PARA ESTE ARTIGO: País de estupradores, uma ova! IPEA admite que… eu estava certo! Ai, que chato! Maioria discorda de ataques às mulheres! Só falta o instituto, os jornais, a TV e os ativistas admitirem o proselitismo ideológico também]

Eu falei no meu último texto - A culpa do estupro não é da mulher, mas a da confusão é da pesquisa do IPEA! Essa, sim, merece ser “atacada”! - da falsa impressão causada por duas afirmativas capciosas colocadas em sequência pelo instituto: uma terminava com “merecem ser atacadas” e outra com “haveria menos estupros”. Ninguém disse - e é sempre bom lembrar que 66,5% dos entrevistados eram… mulheres! - que as mulheres “merecem” ser estupradas, muito menos que deseja isso para elas, nem mesmo que elas são “culpadas” pelo estupro, e nem sequer que são “responsáveis” por ele, mas as ativistas já se aproveitaram da confusão para lançar na internet a campanha “Eu não mereço ser estuprada”, postando fotos nas quais seguram um cartaz com essa frase (e uma delas já até anunciou que foi ameaçada virtualmente de estupro depois disso).

A antropóloga Mirian Goldenberg declarou que “A mulher é culpada de ser mulher” e “Não somos nada Leila Diniz. Quem dera se fôssemos”; a ministra da Secretaria de Políticas para Mulheres, Eleonora Menicucci, lamentou o resultado da pesquisa e disse que é preciso “fazer muito mais”; e [a equipe de] Dilma Rousseff, a “primeira presidente mulher” e obviamente a maior beneficiária em ano eleitoral de uma pesquisa que faz de tudo para vitimizá-las ainda mais, escreveu no Twitter “Tolerância zero à violência contra a mulher. #Respeito”. Tudo seguidinho, como manda o figurino. Toda a ordem artificial das coisas, como antecipei aqui. Junte o pacote completo na home dos portais de notícias e pronto: a propaganda está mais do que feita, antes mesmo de o Sakamoto entrar na jogada.

(E da novela “Em família“, de Manoel Carlos, também. Virgílio lê o jornal e fica chocado com o resultado: “Uma pesquisa diz que mais da metade dos brasileiros, atenção, mais da metade, acha que mulher dá motivo para ser estuprada”, o que é mais uma, “atenção”, mais uma distorção da pesquisa. Helena fica indignada: “Meu Deus, mas isso parece coisa dos primórdios da humanidade”. Se ninguém sabia ler nos primórdios, é verdade…)

220px-Marcio_PochmannO Instituto de Pesquisas Econômicas(!!!) Aplicadas, para quem não sabe, é aquele órgão governamental que “expurgou” em novembro de 2007 quatro pesquisadores independentes (Fabio Giambiagi, Otávio Tourinho, Gervásio Rezende e Régis Bonelli) considerados não alinhados ao pensamento econômico do governo. Eliminou toda a divergência quando Márcio Pochmann chegou ao comando. Ele é o mesmo senhor de golas chinesas que, mui alinhado à campanha petista pela regulação da mídia, defende a “democratização” do setor de comunicação no Brasil, flertando com a criação do Conselho Federal de Jornalismo. O próprio instituto que presidiu até 2012, quando se tornou – imagine – candidato do PT para a prefeitura de Campinas – dá uma ideia do seu conceito de “democracia”. Parece que ele quer transformar o que restou da mídia brasileira num grande IPEA (e não é preciso muito…). Reinaldo Azevedo já falava de sua “língua lassa, elástica, imprecisa, de complementos verbais incapturáveis”, bastante similar à da pesquisa “Tolerância social à violência contra as mulheres“.

Captura de Tela 2014-03-29 às 09.45.19Márcio Pochmann é também um dos autores daquele livro encalhado organizado por Emir Sader sobre a primeira década do PT no poder: “10 anos de governos pós-neoliberais no Brasil: Lula e Dilma”, que levou uma surra no mercado de “Década perdida”, de Marco Antonio Villa, sobre o mesmo tema. Escrevi a respeito no artigo “Sucesso e Sader-masoquismo“, no qual eu oferecia a Sader umas aulinhas de marketing e organização da obra alheia por um precinho camarada. (O livro que eu organizei e divulguei já passou dos 60 mil exemplares vendidos, sem anúncio do partido governante…) E quem estava no lançamento do livro-propaganda do petismo, que jamais chegou a lista alguma dos mais vendidos, dando discurso ao lado de outros ases do “pensamento” esquerdista como Marilena “Odeio-A-Classe-Média” Chauí e do ex-presidente Lula, enquanto ele fingia ler a coisa? O “companhêru” Pochmann, é claro.

marceloneriEm seu lugar no IPEA, que nunca mais seria o mesmo, entrou o então preferido da presidente Dilma, Marcelo Neri, o economista responsável pela mágica de colocar milhões de pessoas na classe média em velocidade de foguete. “Está certo que é uma ‘classe média’ favelada, com renda média que mal dá para chegar ao fim do mês colocando comida direito em casa”, ironizou meu vizinho de blog Rodrigo Constantino, no dia em que Dilma tirou uma casquinha de outra pesquisa do IPEA (é um hábito, como se vê) sobre o suposto – sempre suposto! – sucesso do Bolsa Família para reduzir a miséria no Brasil. Ela escreveu que cada R$ 1 investido no programa geraria aumento de R$ 1,78 no PIB, como se tirar de um e dar para outro provocasse um efeito multiplicador na economia, e não uma “pura transferência de riqueza”, como comentou Rodrigo. Neri também escreve artigos, aliás. Se alguém quiser uma amostra, pode ler no site “Amigos do PT“.

Cristine IPEAPois bem. Assim como a apresentadora Ellen Degeneres brincou no Oscar que, se “12 anos de escravidão” não ganhasse, “todos vocês são racistas”, eu vou logo avisando que, se Dilma não ganhar as eleições, todos vocês são intolerantes às mulheres, ok? A pesquisa do IPEA de Marcelo Neri não me deixa mentir… Em meio a tantos escândalos, como Petrobras, obras da Copa, Mais Médicos, Porto de Cuba etc., não me espantaria que a máquina petista estivesse empenhada em mudar o foco das atenções e preparar o terreno da propaganda para blindar a presidente contra todas as críticas, em função do seu “mérito” (será o único?) de ser mulher. A historinha da “cultura do estupro” do Brasil é um caminho interessante, sem dúvida: coloca mulheres contra homens (os que não estupram, inclusive), assim como o PT coloca negros contra brancos, filhos contra pais, sem-terra contra fazendeiros, aquela coisa toda já explicada aqui.

Mas o que a população brasileira realmente pensa a respeito de estupradores?

Captura de Tela 2014-03-29 às 09.40.42Eu conto: de acordo com uma pesquisa de 2010 do Núcleo de Estudos da Violência da USP, 39,5% dos entrevistados acham que estupradores merecem pena de morte, 34,3% defendem prisão perpétua e 11,1% apoiam prisão com trabalhos forçados. Ou seja: a imensa maioria da população defende penas tão duras aos estupradores que elas sequer estão previstas no nosso Código Penal. Ou ainda, traduzindo para o idioma do IPEA: nenhum outro criminoso “merece” tanto a pena de morte, para os brasileiros, quanto o estuprador.

Gabriela BarcelosSe os portais de notícias e os “especialistas” tivessem algum interesse em confrontar os resultados da pesquisa do IPEA com o da USP (que de reacionária não tem nem o cuspe), e quem sabe acrescentar episódios reais de estupradores linchados e até queimados vivos pela população, essa premissa feminista de que há uma “cultura do estupro” no Brasil teria ao menos um contrapeso. No ambiente cultural brasileiro, na verdade, o que existe há décadas é a legitimação moral que a esquerda faz da criminalidade em função da pobreza e das desigualdades sociais, sem falar na proteção legal que ela concede aos criminosos, inclusive aos estupradores! O resto é pura tentativa de transferir essa cumplicidade para a população de bem do país, induzindo e distorcendo suas opiniões sobre os culpados de estupro; e desviar a atenção da criminalidade que o PT sempre fomentou e da segurança que nunca ofereceu [veja os índices dos estados governados por petistas] para o suposto “machismo” onipresente, como se ele fosse a causa da existência de estupradores. É a velha tática esquerdista de culpar a “sociedade”, repetida por um bando de ativistas histéricos.

Camila IPEAIsto sem falar na patetice das campanhas de desarmamento, “A guerra contínua da esquerda contra as mulheres“, como já escreveu a colunista americana Ann Coulter: “Uma arma na mão de uma mulher maltratada muda a dinâmica do poder (…). A grande maioria dos estupradores, por exemplo, não se dá ao trabalho de utilizar uma arma porque, conforme destacou o famoso criminalista Gary Kleck, eles costumam ter ‘uma grande vantagem de poder sobre a vítima’, tornando o uso da arma redundante.” Mulheres em geral são mais fracas fisicamente que os homens e, se lutassem pelo direito ao porte legal de arma, fariam muito mais em seu favor do que acusar os não estupradores de machismo. A taxa de estupros em Orlando, por exemplo, caiu 88% quando elas aprenderam a usar armas em cursos promovidos pela mídia, segundo o estudo de Kleck “Crime Control Through the Private Use of Armed Force” (February 1988, p. 13).

DaianeVeja a matéria “Por dentro da mente de um estuprador“, se quiser um resumo sobre os diversos perfis desses criminosos que sempre existiram e sempre existirão – “dominador”, “romântico”, “vingador”, “sádico” e “oportunista” – e os que eles podem ter em comum: “desprezam a condição humana das vítimas, são capazes de recorrer à violência extrema e sempre voltam a atacar – sem remorsos“. Destaque para o trecho: “(…) estupradores, depois de algum tempo presos, voltam para as ruas e cometem outros abusos. A saída não está, portanto, em práticas ou políticas de tratamento, mas na eficácia das investigações, nas estatísticas criminais e na segurança pública – todas deficientes na maior parte do país.

Que exista quem pense que a mulher seminua é culpada pelo estupro que sofre, não há a menor dúvida, mas nenhuma pesquisa sequer mostrou de maneira clara que a maioria da população pensa tal coisa, ainda que as ativistas batam o pezinho e digam que isto é “senso comum”.

Thaís IPEAA discussão sobre se os estupros podem acontecer, também, em função da tentação que a maior exposição dos corpos das pessoas provoca é uma coisa (sobre a qual o cidadão comum só especula, sem dispor de dados a respeito); outra bem diversa é a discussão sobre se é justificável que a mulher seja punida ou não com estupro por andar seminua. Não creio que a maioria defendesse que o crime de estupro é justificável (ainda que esta seja outra palavra complicada) se as mulheres andassem até mesmo nuas; mas é óbvio que o IPEA não vai perguntar isto assim, muito menos se elas “devem ser punidas com estupro”, porque a clareza não renderia tantas manchetes, não é mesmo? De modo que é melhor usar o elástico verbo “merecer” (“ser digno de” e “fazer por”, mas também “atrair sobre si”, além de seus significados informais), uni-lo com algo impreciso como “ser atacadas” (ver meu artigo anterior) sem nem dizer se por homens ou por mulheres, ter a cara-de-pau de chamar isso no relatório de afirmação “nem um pouco sutil”, e depois deixar a militância fazer parecer que o estupro da questão seguinte era o que estava em jogo nesta.

O próprio relatório do IPEA reconhece na página 22: “Residentes no Sul/Sudeste, jovens e pessoas com educação média e superior, porém, apresentavam menores chances de concordar com isso.” Não diga! Que surpresa! Por que será que esta parte não aparece nos jornais? Por que não junto às porcentagens de 41,5%(!!!) de entrevistados com menos que o ensino fundamental e 22,3% somente com ele? Sem falar que 30,8% tinham apenas o ensino médio. Só as ativistas garantiriam que, neste país campeão dos últimos lugares em testes internacionais de leitura, os cidadãos de educação inferior (63,8%!!!) realmente entenderam e avaliaram o peso e as consequências possíveis de se dizer que as mulheres seminuas “merecem ser atacadas”. Elas querem porque querem que o brasileiro comum seja mau como pica-pau e julgam sua “machista” crueldade em função de sua pobre capacidade de compreensão de frases capciosas – que dirá de análise: a questão seguinte, repito, exigia de homens e mulheres uma opinião sobre a alteração do índice de estupro em função de um mau comportamento feminino genérico. Só mesmo ativistas podem acusar o cidadão comum de responder equivocada ou preconceituosamente a uma tal pergunta sobre um tema em que ele não é especialista. E só pesquisadores do IPEA podem concluir daí (na hipótese de que a conclusão tenha vindo depois da pesquisa) um ”sistema social que subordina o feminino ao masculino” e que “a violência parece exercer um papel fundamental”, como observou Bruna Luiza.

Alessandra IPEAOs brasileiros têm horror de estupradores. Querem vê-los mortos ou presos para sempre. (Até os demais bandidos muitas vezes os condenam.) Não é porque a maioria da população masculina e feminina parece criticar mulheres que não sabem se comportar ou não se vestem adequadamente que concorda que elas DEVEM SER estupradas. Não é porque a maioria pode ter opiniões negativas sobre mulheres imaginadas a partir de determinadas frases alheias que essa maioria atenta contra a liberdade individual de cada mulher ser do jeito que bem entender. Não é porque a maioria pode achar que a discrição do traje resguarda a mulher contra a violência sexual que ela é cúmplice do crime. Nenhuma mulher “merece” ser estuprada, é claro, mas ninguém merece estupros mentais como uma pesquisa tão obscura quanto esta. Quem quiser realmente combater a “cultura do crime” tem é de desmascarar os “pensadores” esquerdistas que a alimentam, o governo que a fomenta e os órgãos governamentais que o encobrem.

Por ora (sem h), minha sugestão é levantar a plaquinha:

“Eu não mereço ser enganada pelo IPEA.”

Felipe Moura Brasil - http://www.veja.com/felipemourabrasil

Siga no Facebook e no Twitter.

Acréscimo de 4 de abril:

FIM DA FARSA DO IPEA! ATENÇÃO!

- País de estupradores, uma ova! IPEA admite que… eu estava certo! Ai, que chato! Maioria discorda de ataques às mulheres! Só falta o instituto, os jornais, a TV e os ativistas admitirem o proselitismo ideológico também

E MAIS:
Conheça o Foro de São Paulo, o maior inimigo do Brasil

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

72 Comentários

  1. MARCIO DIAS

    -

    09/04/2014 às 8:08

    Mary, não são 26% só de homens, mas de homens e mulheres juntos. Isso aconteceu quando eram 65% e continua ocorrendo agora. Não acredito que as pessoas não saibam ler e interpretar dados, acredito que seja por querer mesmo.

  2. EBittencourt

    -

    07/04/2014 às 6:16

    Existem outras farsas: IBGE, e praticamente todos os institutos de pesquisa chapa branca.Se tudo isto falhar tem a urna electronica e as “contagens” que podem ser fraudadas a partir de um notebook e um mouse. Acrescente-se a tudo isto a destruição de caráter denunciada pelo Tuma Jr

  3. EBittencourt

    -

    07/04/2014 às 6:07

    Excelente matéria . Parabéns. Nosso Ministério da Propaganda ( e o da Verdade) nada fica a dever a seu equivalente durante o governo de Hitler

  4. Plinio Marcos Moreira da Rocha

    -

    05/04/2014 às 19:30

    Há quanto tempo “IPEA perdeu o foco” ?

    Em 04 de Novembro de 2008 publicamos o documento “Petição – Sugestão Impedir IPEA de Postular Intolerância Racial”, http://pt.scribd.com/doc/7717371/Peticao-Sugestao-Impedir-IPEA-de-Postular-Into , onde estamos provocando o Poder Constituído de IMPEDIR que o IPEA – Instituto de Pesquisas e Estudos Aplicados, postule em favor da intolerância racial, conscientemente, ou mesmo inconscientemente.

    Afinal, o IPEA vem ao longo dos anos colocando que TODOS os Pardos são Negros, desrespeitando a consciência Social, e Política, de que o Cidadão Brasileiro pode se identificar como PARDOS, e não NEGROS, nas pesquisas realizadas por Órgãos Institucionais como o IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

    Tal, tem a preocupação de RATIFICAR a essência miscigenada da Sociedade Brasileira, de maneira que seja reconhecida a importância das origens étnicas na formação dos Cidadãos Brasileiros fruto de relacionamento inter-raciais, uma vez que, a Pessoa Humana tem em sua formação aspectos Culturais, Educacionais, Financeiros, Emocionais e Profissionais.

    Volto a afirmar que Barak Obama é um PARDO, fruto de um relacionamento inter-racial, onde, de forma inquestionável, reconhece a importância em sua formação de sua origem BRANCA, sem no entanto, deixar de reconhecer a mesma importância em sua origem NEGRA, razão pela qual, não pode, e nem deve, ser reconhecido como um Ativista da Cor.

    Logo, o IPEA ao reconhecer todos os PARDOS como NEGROS, acirra a discussão de racismo no Brasil, pela cor de pele, dando à Indústria do Racismo munição para afirmar que o racismo pela cor é algo comum na Sociedade Brasileira, distorcendo, e muito, a certeza de que no Brasil existe preconceito/segregação por situação Cultural, Religiosa, Social, Econômica e/ou Profissional.

    Quando então, lembro que Carlinhos Brown em uma entrevista afirmou: “No Brasil não existe racismo, porque, Negro com dinheiro é tratado como Branco”.

    Atenciosamente,
    Plinio Marcos Moreira da Rocha
    Rua Gustavo Sampaio nº112 aptº 603
    LEME – Rio de Janeiro – RJ – Brasil
    CEP – 22.010-010
    Tel. Res. +55 21 2542-7710
    Cel. +55 21 98618-3350

    Penso, Não só EXISTO, Me FAÇO Presente
    Analista de Sistemas, presumivelmente, único Brasileiro COMUM, que mesmo não tendo nível superior completo (interrompi o Curso de Executivo, com o primeiro semestre completo, em 1977), portanto, não sendo Advogado, nem Bacharel, nem Estudante de Direito, teve suas práticas inscritas na 6ª, e 7ª, edições do Prêmio INNOVARE, ambas calcadas no CAOS JURÍDICO que tem como premissa base o PURO FAZER DE CONTAS, reconhecidas, e DEFERIDAS pelo Conselho Julgador, conforme documento “INNOVARE Um Brasileiro COMUM No Meio Jurídico II”.
    http://www.scribd.com/doc/46900172/INNOVARE-Um-Brasileiro-COMUM-No-Meio-Juridico-II

  5. Ivan Costa

    -

    05/04/2014 às 12:12

    Esses “erros” se estendem às pesquisas de “intenções de voto”, rejeição, etc..
    Não é possível que a população do RJ seja tão idiota em colocar novamente no poder a família Garotinho. É claro que há manipulação, infelizmente não pode ser provado nem os culpados punidos.

  6. Luís Carlos

    -

    04/04/2014 às 22:07

    E AGORA??????????
    O IPEA ERROU OS NÚMEROS E ADMITIU ISSO HOJE DIA 04/04/2014. ENTÃO FEMINISTAS DE PLANTÃO A COMEÇAR PELA “NANA” QUE SE ACHAM NO DIREITO DE PENSAR QUE TODOS OS HOMENS DO BRASIL SÃO SAFADOS IGUAIS AOS “HOMENS” QUE FAZEM PARTE DO PT E SEUS ASSECLAS, FAÇAM UMA CAMPANHA AGORA::::: “”eu não mereço ser engada pelo pt por mais de 12 anos”"

  7. Mary

    -

    04/04/2014 às 20:22

    O IPEA errou? Ainda tem 26% envergonhando o país. Ainda bem que errou, que não são tantos. Continuamos não merecendo ser estupradas por esses 26%.

  8. Leda

    -

    04/04/2014 às 16:38

    Excelente artigo… Confesso que não li a pesquisa antes, mas não foi difícil perceber o efeito causado sobre a população com as conclusões a que se chegaram a partir dela. O governo e a péssima administração desse país, saíram de foco.

    Contar só com o pensamento feminista ou com o desejo de tantas mulheres nesse país que esperam oportunidades de mostrar seu valor e viver sem disputar a superioridade dos gêneros mas a superação de si mesmas, não é algo inteligente. A população masculina não foi considerada como deveria e o machismo, superestimado.Talvez, nem todos nesse país tenham condições de ler e entender uma pesquisa, mas certamente todos sabem onde lhes doem os calos. As feministas se posicionaram contra o machismo, os machistas não se sentiram nem um pouco à vontade com a idéia de serem classificados como estupradores em potencial, os que consideram a igualdade entre os gêneros, argumentam que um ato criminoso não tem relação com o gênero do autor, mas com a mente humana(e eu concordo)e a confusão se estabeleceu. É, confusão. Aceitaram que a culpa de toda a violência que assola o país é da população e não do governo que não nos oferece segurança e condições para que os cidadãos possam viver o que assegura o artigo V da constituição brasileira.Confusão, porque estão confusos quanto a seus papeis na sociedade e quanto ao papel dos governos… Mas como eu diria lá em 1980, a ficha cair, tenho certeza.Vão perceber o quanto Dilma e Lula são parceiros, como trabalham juntos e como ser “parceiro”, “cumpanhêro” pode nos levar longe, se é que me entende.

    Dividir para governar, me parece uma estrategia eficiente se pensarmos em territórios, mas dividir uma população pode ser perigoso se pensarmos em quantas partes essa nação se fragmenta, em conceitos equivocados e preconceitos. Uma hora a reivindicação de um, outra de outro e algumas vezes reivindicações comuns entre um grupo e outro e se de repente, todos os grupos reivindicam ao mesmo tempo os direitos relativos ao seu grupo?Inviável?Talvez… Mas manter a unidade do povo com esperança de que se pretende fazer algo por ele e se preocupar com um outro grupo que se manifesta é mais fácil do que controlar a fúria de milhões pelo país, uns contra os outros e todos contra o governo.Daí não tem jeito, quem tiver mais poder, derruba o governo ou se une a ele.

    Já podemos constatar que o circo já não alegra tanta gente assim, não é mesmo? Também podemos dizer que apreciamos e valorizamos a democracia como meio de poder exercer e conquistar direitos fundamentais ao ser humano e ser feliz ,sem ser Feliciano. Está amadurecendo a idéia de que somos uma nação. Mesmo com tanta turbulência e divisão, ainda temos o mesmo sonho de justiça e igualdade e esse governo está bem longe de tornar possível que esse sonho se realize. Podem existir muitos que entendam o assistencialismo como recurso contra a miséria, sem considerar outros fatores que elevam a ascensão social, como educação de qualidade e saúde por exemplo, mas a maioria reconhece que o benefício auxilia muita gente, mas está longe de suprir as necessidades para que um cidadão possa viver com dignidade e os aproveitadores, acredite, não são a maioria.Isso, entre tantas outras coisas, estão muito claras na mente do brasileiro e ainda separam bem as lutas sociais de grupos e as lutas que devem ser travadas pelo bem comum.

    Seja lá qual for o propósito dessa pesquisa e toda essa repercussão, não muda os fatos. Essa foi a pior administração da história, embora haja quem diga que que houve progresso significativo, nenhum deles ousa fazer uma lista para comparar o que ganhamos,o que perdemos e o que ainda devemos ao FMI que Lula disse ter pago.

    Como disse no início, acredito na condição humana, na razão que existe em homens e mulheres, que também os torna iguais. Com pesquisa ou sem pesquisa, Dilma não conquistou votos e com a divulgação da falha na pesquisa que coloca em xeque os objetivos de divulgação, ela vai ter que sambar miudinho para manter os eleitores que sobraram.Ou você acredita em pesquisa? rsrsrrs

  9. EDUARDO

    -

    04/04/2014 às 9:52

    Não merecemos ser enganados

  10. juca bala

    -

    03/04/2014 às 1:00

    IMPRESSIONANTE !

    Fui colega de graduação deste Sr Márcio Pochmann.

    Na época ele atuava como Líder da chapa alinhada com o PT, e que comandava o DAECA (Diretório Acadêmico dos cursos de Administração, Economia e Ciências Atuariais) na UFRGS (Universidade Federal do RS).

    Ele encabeçou a diretoria do DAECA por uns três mandatos.

    O DAECA recebia uma verba da Universidade para desenvolver as suas atividades. E já naquela época a petralhada da diretoria do DAECA não prestava conta de nada – nem para a Universidade e nem para a turma de estudantes que aderia de forma inocente ao famigerado DAECA; os recursos evaporavam e ninguém ficava sabendo para onde iam.

    O DNA de Márcio Pochmann é petralha 100%, em gênero, número e grau.

  11. Washington

    -

    03/04/2014 às 0:35

    Olá Felipe, por favor se tiver o link da pesquisa do IPEA me passe por favor, grato

    Felipe Moura Brasil comenta:

    O link está no texto, no título da pesquisa: “Tolerância social à violência contra as mulheres” – http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/SIPS/140327_sips_violencia_mulheres.pdf.

  12. João

    -

    02/04/2014 às 18:16

    Parabéns por ter coragem de fugir do senso comum e do comportamento de mamada.

  13. Mamute

    -

    02/04/2014 às 17:44

    Finalmente alguma posição sobre essa campanha ridicula e vitimista criada por mulheres implorando por atenção, se tiver um tempo leia um texto que fizemos e publicamos em nossa página do facebook a respeito do movimento feminista atual:
    Eu sei que o movimento feminista atual é uma merda, e no fundo você também sabe. E sabe o motivo? O motivo é que você já não manda mais na sua vida. É sério, você não consegue mais controlar suas ações e seus pensamentos. Você é movida por uma ideologia imbecil movida a um propósito inexistente. Isso mesmo, esse movimento é uma mentira, e você também é uma mentira. Claro que o machismo existe. Mas pelo menos, ele existe.
    Você não é do tipo que acorda e pensa o que vai fazer durante o dia, porque seus planos já estão definidos desde o momento em que você postou alguma porcaria sobre isso no facebook e recebeu o primeiro like. É, você foi seduzida pelo “joinha” de uma rede social, onde você pensa ser ouvida. E sabe o que mais foi seduzido? Seu futuro.
    Agora você não é mais uma pessoa, você é apenas mais um membro do movimento feminista. Você é um ser definido pela “opressão machista” que na realidade você nem sabe o que é. Agora você não passa de uma criatura que quer chamar a atenção a qualquer custo, exigindo coisas imbecis como poder andar sem camiseta na rua, ou não depilar a axila. E vamos ser realistas, você sempre teve o direito de não depilar a axila. Mas isso é questão de higiene, não de machismo. Em um país como o nosso, de clima tropical, além da sensação ruim de calor, os pelos causam um odor um pouco mais forte, e desagradável. Por isso até homens dão uma aparada nos pelos. Ou seja, se você não quer se depilar, não faça, se quer sair na rua sem camisa, saia. Mas não poste fotos da sua axila peluda ou das suas tetas como se você fosse a grande heroína feminista salvadora do matriarcado, enquanto mendiga meia dúzia de curtidas. E não obrigue as pessoas a gostarem da sua falta de higiene e do seu bom senso.
    Você experimentou a droga maldita, que é a atenção. Você encontrou no feminismo uma forma falha de reconhecimento que você não tinha antes quando era apenas uma garota qualquer. Agora você está aí, vivendo no seu mundinho de “luta eterna”, onde nenhuma batalha que você lutou levou a lugar nenhum. Você sai de casa e vê machismo nas atitudes mais ridículas possíveis. Você pensa que estupro é culpa do machismo, quando na verdade é culpa da violência em si. Se você pensa que em uma sociedade onde ocorrem inúmeros roubos, homicídios e espancamentos todos os dias, estupros são causados por machismo e não pela violência que assombra toda uma sociedade, então isso me leva a crer que você tem um cérebro incrivelmente debilitado.
    Eu acho que quem iniciou esse movimento na verdade queria mesmo direitos iguais, como salários equivalentes para homens e mulheres, fim da discriminação no mercado de trabalho, e até mesmo em tarefas do dia-a-dia, como dirigir por exemplo, onde dizem que mulheres dirigem mal. E eu tenho dó da pessoa que criou esse movimento, um movimento que hoje em dia é totalmente idiota.
    Daí um belo dia você acorda, e esse dia é um dia qualquer da semana. Você vai até o banheiro, tira suas roupas pra tomar uma chuveirada, e o que se revela é um corpo mal cuidado, com poucos traços de feminilidade além do formato do seu corpo. Você pega o sabonete e começa a passar na sua pele ferrada, porque você não se cuida. Depois lava seus pêlos que crescem sem parar, se enxagua e saí do chuveiro. Daí você se olha no espelho, mas você não se vê no espelho. O que você vê, é apenas uma militante feminista, mas você não sabe quem ela é. Daí você olha melhor, e se dá conta de que aquela feminista é você, mas você não tem mais um nome, você não tem mais um rosto, você não tem mais pensamentos e vontade própria, você é apenas uma feminista que pensa lutar contra uma opressão que de fato existe, mas não do modo que você enxerga, e que não vai ser resolvida do modo como você luta. Você é apenas um ser que mendiga atenção em uma rede social, em jornais, e em veículos de comunicação de massa da pior maneira possível, que é querendo quebrar padrões sociais para pior. Você não é mais muita coisa. Você é uma feminista agora

  14. José Carlos Jamaika

    -

    02/04/2014 às 9:49

    A culpa é do IPEA ?? Ou de quem começou essa campanha oportunista destorcendo a pergunta da pesquisa ???

    Evidente que a pergunta foi mau formulada, mas antes de ficar pelada segurando uma placa com os dizeres do protesto, no minimo as pessoas deveriam ter consultado a pesquisa.

    Agora essa plaquinha “eu não mereço ser enganada pelo ipea” tenta justificar essa campanha completamente fora de contexto, isentando de responsabilidade quem começou e quem participou sem conhecimento de causa apenas por “embalo”.

    Felipe Moura Brasil comenta:

    O IPEA tem culpa, sim! O IPEA distorceu o resultado da própria pesquisa em seu relatório ideologicamente orientado, com conclusões forçadas e absurdas. Você não deve tê-lo lido. Leia o meu “Relatório Moura Brasil sobre a pesquisa fajuta do IPEA” e verá: http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil/2014/04/01/o-relatorio-moura-brasil-sobre-a-pesquisa-fajuta-do-ipea-e-a-cabeca-dos-ativistas-e-nao-e-que-os-especialistas-de-verdade-concordam-comigo-ai-que-chato-manchetes-comprovam-verbo-atacar-nao/.

  15. jonas klein

    -

    02/04/2014 às 9:17

    Bela matéria Felipe, você falo o que precisava ser dito mesmo.

    Eu só dos que afirma mulher nenhuma merece ser estupra, pois a roupa por si só não tem nada haver com o respeito que a pessoa tem pelos outros ou merece receber dos outros. por isso e uma questão de direto e obrigação, e um direto das mulheres se vestir como quiser e obrigação dos homens de respeita elas, você vice-e-versa e mesma coisa.

    E acrescento que na verdade o que toda a mulher deveria em vês de fica se preocupando com comprimento da roupa. era passar por curso de defesa pessoal ou artes marciais (Já que a nossa bela legislação não permite que pessoas mais comuns como eu e você portar uma arma de fogo e mesmo que permitisse nem sempre a arma iria resolver o problema), pra elas caso sejam atacadas por algum maníaco sexual elas poderem arrebenta o cara na porrada, e assim se salvarem de ser estupradas.

    Um abraço

  16. João Carlos

    -

    02/04/2014 às 2:37

    Excelente matéria! Vai ao encontro de minhas conclusões após ler as perguntas da pesquisa em um jornal. Era evidente a má formulação das perguntas que somente poderiam conduzir às respostas cujas interpretações foram distorcidas. Só não havia raciocinado sobre os objetivos da divulgação dessa aberrante pesquisa, pensando que era decorrente apenas da incapacidade de seus responsáveis em produzir um resultado honesto.

  17. Rafael

    -

    02/04/2014 às 0:23

    Bem segundo a lógica, não OBRIGATORIAMENTE, causará o estupro, usar roupas curtas, renderão comentários, positivos, negativos, de inveja negra, assédio, pois causará impactos em homens quanto MULHERES, uma pessoa se sentir atraída pela vestimenta, não significa que ela irá estuprar, principalmente à luz do dia ou no meio da rua, com outros pedestres, e sem contar que estava comentando com um amigo meu, além de denúncias na delegacia da mulher onde os centros ganham bastante destaque, há outras maneiras de defesa como sprays, armas de choque, ou até mesmo um chute nas partes baixas para fuga

  18. Closs

    -

    01/04/2014 às 23:39

    A única coisa que o PT faz desde que começo a governar é fomentar a divergência no país, é uma forma de mascarar sua incompetência em administrar e não apresentar soluções, que no discurso sempre dizia saber, ter as soluções a um país que precisa crescer. Para redistribuir renda. Quem tira um real do imposto e faz caridade com o chapéu dos outros seu PIB continua sendo um real, não gerou nada, não ensinou nada quem ganhou um real é só isso que ganhou. Sua condição cultural é a mesma o país é o mesmo. O único que ganha é a quadrilha que está no poder.

  19. Davi Veras

    -

    01/04/2014 às 22:03

    Essa pesquisa do IPEA é coisa FORJADA no inferno com AVAL e ORIENTAÇÃO do PT para fazer INCITAÇÃO de classes – ou melhor, dos SEXOS. Não há como negar que existam estupradores e, que mulheres sejam violentadas. Mas também dizer que a maioria dos HOMENS aceitam isso é SACANAGEM de mal intencionada. Vejam bem que NEM os presos aceitam esse tipo de desvio de comportamento contra a mulher. IPEA, pare de brincar com a nossa inteligência…!! Qual a finalidade de vocês com essa pergunta capciosa!?? Eu desconfio…,,,,,,,!!!

  20. Wilma

    -

    01/04/2014 às 21:04

    A primeira coisa que me incomodou na campanha foi o fato de a jornalista postar sua foto nua. Convenhamos que se queremos ser respeitadas e tratadas com dignidade, devemos agir com respeito. Acho ofensivo essa onda de protestos nos quais as ativistas mostram os seios. Para mim, isso é apelação. Participo de campanhas que propaguem a paz e não uma revolta coletiva.

  21. Cicero Silva

    -

    01/04/2014 às 19:39

    ninguem comentou que dos participantes da pesquisa, 66% sao mulheres, quer dizer se os 34% dos homens respondessem que as mulheres que sao culpadas, ainda assim faltaria 31% p/ se chegar aos 65%, esses 31% seriam as proprias mulheres, e como nao acredito que 100%( ou 34%) dos homens que participaram da pesquisa tenha dito que as mulheres sao culpadas, a maioria que considera as mulheres culpadas sao as proprias mulheres.

    sso aí enfatizar os 65% e os outros 35% (quem tem filha, irmã, amigas, mãe, esposa, ou dignidade) ignorar, tática antiga de guerrilha SEPARAR PARA CONQUISTAR…

    É para falar de estupro então vamos falar: Segurança Publica estuprada, Saúde Pública estuprada, Educação estuprada, Transporte(rodovias) estuprado, população violada por imposto incontáveis vezes… em resumo corrompendo toda a minha elegância linguística estamos literalmente fodidos… pior ainda estamos DESUNIDOS… A lição construtiva que se tira dessa situação é que as mulheres ao menos reagem ativamente e protestam com voz enérgica (mas é preciso mais coerência), ao contrário da massa passiva que parece até gostar de levar pau do governo…

    Em contrapartida mulheres representam a maioria do eleitorado brasileiro! Nada conveniente para Dilma a “mulher da nação” em campanha eleitoreira se fazer de defensora das “frágeis e oprimidas mulheres” que parecem ter perdido a intuição a inteligência a perspicácia a autonomia de pensamento(não todas ainda bem), e estão se vitimando se tornando mais vulneráveis a massa de manobra para a reeleição de Dilma.

  22. juliana dremer

    -

    01/04/2014 às 18:11

    Já trabalhei como pesquisadora,quando lí sobre esta pesquisa eu falei “meu Deus não pode ser só pode ter induzido os entrevistado ao erro”!Porque se não além de termos 66% de pessoas que acham que outras merecem ser estupradas, temos também 66% de psicopatas no Brasil!Pessoas que não se colocam no lugares de outras que não sentem compaixão.Mulheres que não se importariam de serem estupradas ou mães que diriam que suas filhas foram culpadas pelos os seus estupros.Estupro é o pior ato de humilhação que um ser pode sentir.Ser que não são só as mulheres que são estupradas ,mas crianças e homens.Pois é, homens também podem sofrer estupros em números bem menores que mulheres,mas sofrem!Qual a culpa deles? Estavam em trajes sensuais?

  23. Célio

    -

    01/04/2014 às 17:05

    Não é a toa que o povo brasileiro está sendo taxado como promíscuo pelos estrangeiros. Uma pesquisa séria com inclinação feminista desbancou uma realidade ofuscada por uma minoria gritante que insiste que o nudismo é a solução para o descaso da cultura. Essa declinação imoral e irresponsável de um grupinho de pervertidos que tentam convencer a maioria que a exposição do corpo é um direito, sem considerar que a grande maioria dos cidadãos brasileiros repuldiam, ainda que fiquem em silêncio diante do declínio do caráter e da compostura.
    A resposta grosseira e gritante da pergunta mostra que o brasileiro não concorda com a exposição banal da sexualidade como os pervertidos pensam. Não concordamos com os maníacos por isso a resposta foi agressiva. Foi como dizer que criminoso tem que sofrer a pena de morte ou que a ditadura militar é melhor que essa democracia corrupta.
    Como a mentalidade retrógrada dos expoentes é cheia de malícia, deixaram de perceber que na verdade o povo está cansado da exposição da imoralidade pela mídia.
    É ridículo esse movimento patético que diz que a “mulher não merece ser estuprada” como se a pesquisa estivesse incentivando tal ato. Basta ver nas demais perguntas da pesquisa o apelo feminista que degrada o masculino na tentativa de superá-lo, mas o efeito foi o contrário. Ao invés de tirar a roupa para protestar, as mulheres deveriam era repensar seu papel diante da sociedade, sem partidarismo de pessoas vazias e cheias de apelo para converter a maioria ao nudismo.

  24. Vera Resende

    -

    01/04/2014 às 12:05

    Parte da campanha ideológica para fomentar o ódio entre gêneros, raça, classe e tudo o que der para ser dividido entre nós (do bem) e eles (do mal).

  25. karina

    -

    01/04/2014 às 10:45

    Obrigada Felipe moura entendendo melhoor, e vendo por um outro angulo, mee sinto ainda mais indgnada…
    Sou mulher e me senti no dever de me defender de alguma forma….

  26. Samuel

    -

    01/04/2014 às 10:16

    Estranho, mas esse caso é muito parecido com o da Sheherazade. Manipulam as palavras e fazem uso do que acham pertinente.

  27. sérgio

    -

    01/04/2014 às 2:30

    LÓGICA SAKAMOTIANA 1000 pessoas são entrevistadas*; 700 delas, que são mulheres, entendem que se uma mulher usa blusa decotada e saia curta ela merece ser molestada/estuprada; a culpa é 100% dos homens, pois a matriz do problema é (sempre) machista. Uma reprovação de cunho feminino nunca tem origem genuinamente feminina, pois sempre carrega na sua essência mais recôndita e insondável uma carga (negativa) de influência masculina; a mulher não formula opinião própria, autônoma, pura; ela não passa de uma sombra, de uma extensão intrínseca do pensamento masculino: quer constatação mais machista do que essa? A tréplica de Sakamoto reforça o seguinte: quando uma mulher, «grosso modo», reprova a conduta doutra mulher, ela necessária e inevitavelmente avaliza o denominado muitas vezes de maneira vaga de machismo, nunca algo inerente à sua própria natureza feminina, ou melhor, atinente à sua condição, antes de tudo, humana. Para Sakamoto, a convergência de opiniões de mulheres e homens se resume ao substrato impermeável do machismo, porque ele parte da falsa premissa de que a mulher, por si e em si mesma, não engendra nada negativo: só há uma única matriz e fonte do mal: o homem, ou aquilo que diz respeito a seu universo. Para Sakamoto, uma mulher que discorda de outra mulher é automaticamente a favor do homem, nunca dela mesma. Enfim: Sakamoto suprime a multiplicidade de níveis de consideração e a vastidão fatorial, tornando-se refém da falácia do falso dilema/do terceiro excluído, resignando-se a se fulcrar em parâmetros sempre binários para elaborar seus argumentos. Para ele, quem se opõe ao comunismo só pode ser nazifascista (perdão pelo «reductio ad hitlerum»!); quem combate o ateísmo só pode ser cristão; quem difunde a homofobia é, sem dúvidas, o homem branco classe-mediano hétero, nunca outra maioria — e jamais uma minoria. (*) Deixo esclarecido desde já que não abordo aqui o mérito da pesquisa, que não revela sequer a opinião de 0,000000783% da população.

  28. Nguyen

    -

    01/04/2014 às 0:17

    Desmascarou a pilantragem como, Japão 16:53? O povão nunca descobrirá o embuste. É a natureza das coisas por aqui, dá pra mentir descaradamente graças a quase completa morte moral da grande imprensa. E por aqui só se pode acreditar no que eles sancionam, são poucos os que tem condições para não seguir a regra.

    Mas mesmo assim, muito bom o trabalho Felipe.

  29. Larissa

    -

    31/03/2014 às 21:12

    Pena de morte é meio inútil, estaria apenas ocupando espaço debaixo da terra e mais impostos seriam necessários para cobrir os gastos de tantos cadáveres. Antes usá-los como cobaias para produtos cosméticos e medicações com risco de efeitos colaterais drásticos. Ajuda os animais e ainda nos serve de algo. Se depois quiserem prosseguir com a pena,ok. Mas no MÍNIMO ele NUNCA deve ser liberto.

  30. Nevinho

    -

    31/03/2014 às 21:10

    Eu não mereço ser estuprado,fodi.., quebrado, deixado na M., pelo PT.

  31. Japão

    -

    31/03/2014 às 16:58

    Eles mentem com números e frases enganosas. Os entrevistados foram enganados na cara dura e ninguém vai processar esse Instituto?

  32. Japão

    -

    31/03/2014 às 16:53

    Pesquisas falseantes, que enganam os entrevistados de maneira a conduzir aos resultados previamente almejados, são algo comum em países atrasados, onde a escola é uma bosta e não existe educação. Trata-se de um jogo sujo de manipulação mental.
    Desta vez a farsa caiu e a pilantragem foi desmascarada!KKKKKKKKKKKK

  33. Rafaella

    -

    31/03/2014 às 14:38

    Eu já estava prestes a postar uma foto fazendo jus ao protesto como mulher que sou, com a minha plaquinha “Eu não mereço ser estuprada” quando resolvi buscar mais informações, porque percebi que como mulher a sensação era “sou mulher e tenho obrigação de protestar” e me sentir um robô programado me incomodou. Foi sorte ter encontrado o teu blog Felipe! Pois descobrir mais tarde o quanto fui manipulada e alienada seria mil vezes pior do que o que senti quando li sobre o resultado da pesquisa…

  34. Lourival Júnior

    -

    31/03/2014 às 13:40

    Eu não mereço ser enganado pelo IPEA e estuprado pelo governo!!!

  35. Eduardo

    -

    31/03/2014 às 13:27

    Conviver com uma mulher vítima de estupro é uma condição que conheço bem de perto, mais perto do que gostaria.
    Quando me aproximei dela não pude notar qualquer diferença, mas com a convivência fui tomando conhecimento das consequências.
    É um problema de segurança pública que deve ir direto aos culpados: os estupradores.
    Não há como transferir para ninguém a culpa.
    É uma decisão simples.
    Não fazer.

  36. Matos Roger

    -

    31/03/2014 às 13:11

    Página 26 do relatório do INPEA:
    “Ponderamos que a ideologia do patriarcalismo e sua expressão machista – disseminada de forma explícita ou sub-reptícia na cultura, nos meios de comunicação e no Sistema de Justiça Criminal – reforça determinados padrões de conduta que muitas vezes levam à violência de gênero e, em particular, aos estupros.”
    Quem pensa assim? a população ou o governo?

  37. Marisa Diniz

    -

    31/03/2014 às 13:02

    Fico admirada como povo brasileiro não se interage da verdade, sai pichando e depois não entendem como são facilmente enganados pelos políticos. Quando a pesquisa foi divulgada por uma rede nacional de interesses exclusivamente políticos, o óbvio era que a população fosse verificar a veracidade da pesquisa, porém o que se viu foi um monte de pessoas desinformadas que acreditam em qualquer noticia manipulada divulgada.
    Um

  38. Nana Queiroz

    -

    31/03/2014 às 8:17

    Meu caro, veja bem, acho super válido sua crítica à metodologia da pesquisa. Que a crítica seja feita. Agora, dizer que eu estou fazendo papel de polícia é um absurdo. Eu estou dizendo para que as pessoas PROCUREM a polícia, o que é extremamente diferente. Não sou justiceira, não agredi ninguém pessoalmente, não tomei atitude alguma a não recomendar que se busque as autoridades – essas, sim, com direito a fazer algo. Ficaria grata se reconsiderasse esse comentário.

    Felipe Moura Brasil comenta:

    Absurdo, prezada Nana (na hipótese de que tenha sido você mesma a escrever isto) é o Fantástico não colocar um especialista da área para falar sobre denúncias, deixando apenas você encarregada disso. Somente neste sentido, NO CONTEXTO DA “REPORTAGEM” DO PROGRAMA, escrevi que você fez o papel de “delegada”. Eu não teria motivo algum para sugerir que você virou polícia de verdade agora, muito menos justiceira, ou que agrediu alguém. Minha crítica, neste ponto, é obviamente ao Fantástico. Reconsidere sua leitura e entenderá. Eu não vejo problema algum que você estimule vítimas de estupros a denunciar, ainda que veja problemas em certas correlações do seu discurso em função das conclusões forçadas da pesquisa fajuta. Mas isto não vem ao caso agora. Obrigado pela mensagem.

  39. Ana

    -

    31/03/2014 às 7:48

    Nada como ter informação. Parabéns pelo belo exemplo de como se combate o crime!

  40. Bottanelles

    -

    31/03/2014 às 5:59

    Excelente!
    .
    ESQUERDISTAS não compreendem por terem sofrido reiterados ESTUPROS MENTAIS.

  41. Luiz Cunha

    -

    30/03/2014 às 22:34

    Felipe, obrigado pela força e coragem de entrar no “Bom Combate”. Depois de dias sendo molestado intelectualmente pela imprensa com essa pesquisa do IPEA, finalmente encontrei onde esclarecer minhas duvidas. Confesso que eu, por não ter a mesma inteligencia e base intelectual que você, não havia percebido onde estava o problema; eu apenas me incomodava com aquela avalanche de ataques do movimento feminista, tomando conta de todos os noticiários… Depois dos seus dois textos sobre o tema, percebi que as perguntas do IPEA foram capciosas, e as “analises” sobre as respostas mais ainda. Mais uma vez agradeço a você por dedicar seu tempo a esse combate. Contamos com guerreiros como você, não esmoreça! Grande abraço.

  42. FCNeto

    -

    30/03/2014 às 17:53

    Como sempre, a esquerda segue a máxima “os fins justificam os meios”. Uma verdadeira aula de como a esquerda incute a desarmonia entre classes e gêneros para promover sua ideologia e seu projeto político.

  43. Gustavo

    -

    30/03/2014 às 17:22

    Mais um factoide petista!! Queremos saber da Petrobras não dessas idiotices de pesquisas do PT!!!

  44. thewall

    -

    30/03/2014 às 16:59

    Interessante capacidade vincular. O governo federal esta perdendo não tê-lo como analista inteligente e arguto.

  45. Sato

    -

    30/03/2014 às 16:52

    Parabéns pelo texto, Felipe, ler seu artigo diariamente é não ser idiotizado pelo governo e pela mídia “golpista”.

  46. Maria do Socorro Teixeira

    -

    30/03/2014 às 16:48

    Obrigado por suas colocaçãoes..Querem ganhar uma eleição no tapetão?As questões devem ser bem colocadas e bem colocadas .Essa Pesquisa vai fazer da Dilma como Martori estrupada pelos carrascos .”"Nós rasgamos mais sutiãs …O Murro de Berlim caiuuuuuuu.?!Todos sabemos que as coisas não funcionam assim.Estou morta de vergonha .Vamos pros presidios ,As casas de Saúde o governo administra? Essa pesquisa foi feita em um loucal desses …Vamos reflitir .Manipulação da esquerda…Para que fins nós sabemos.

  47. Katia

    -

    30/03/2014 às 16:26

    Parabéns pelo artigo! Explicou de maneira clara e eficiente. Só não enxerga e entende, quem não quer, ou seja, os doutrinados e manipulados por este desgoverno!

  48. Alecs

    -

    30/03/2014 às 16:13

    Faço as palavras do Maxell minhas:
    Está cada vez mais difícil ser homem, heterossexual, branco e cristão neste país.
    Está perturbador conviver com outros seres humanos e ter que pensar na linguagem politicamente correta deles antes de abrir a boca.

  49. Bárbara

    -

    30/03/2014 às 15:43

    Eu já vi mulheres dizendo que vão “atacar” algum homem, isso significa que elas são estupradoras e o cara é vítima de violência? Aí é que tá né…

  50. Leopoldo Dogher

    -

    30/03/2014 às 14:21

    Belo texto, é isso aí. O problema é que a besteira criada pelo IPEA foi comprada por toda a imprensa e assemelhados. O IPEA tem a mesma credibilidade daquele repórter da Globo que testemunhou um policial atirando no cinegrafista morto no Rio.

  51. marcus cezar the third

    -

    30/03/2014 às 14:05

    http://s2.postimg.org/o2y8zygcp/Captura_de_Tela_2014_03_30_s_13_48_57.png

    aqui está uma enquete atual do UOL. 82% de 52 mil >>>>> 65% de 3 mil. IPEA lixo.

  52. Patrícia

    -

    30/03/2014 às 13:28

    Na novela ainda teve a parte que Helena falou que aquelas respostas era coisa de reacionário.

  53. Marcelo Augusto Monteiro Ferraz

    -

    30/03/2014 às 12:29

    A PM-RJ acaba de, mais uma vez, transferir um problema de um lugar (Maré) para outro. Mulheres de Niterói e São Gonçalo: redobrem seus cuidados contra os estrupadores!

  54. Maxwell

    -

    30/03/2014 às 12:22

    Está cada vez mais difícil ser homem, heterossexual, branco e cristão neste país.
    Está perturbador conviver com outros seres humanos e ter que pensar na linguagem politicamente correta deles antes de abrir a boca.

  55. risp

    -

    30/03/2014 às 12:21

    parabéns! Reacionários querem pena de morte ou perpétua para estuprador. Quem tem condescendência com eles são justamente os progressistas… vide caso “menino do MEP”.

  56. Bruno Sampaio

    -

    30/03/2014 às 12:13

    Parabéns pelo post. Concorrência desleal com a “elite culpada” do Leblon de Manoel Carlos e suas “helenas”.
    Ih, problema de comentar aqui também, era só no Constantino. Vamos à segunda tentativa…

  57. Ira Santa

    -

    30/03/2014 às 10:08

    Mentiras, mentiras e mais mentiras.
    Vergonha atrás de vergonha.
    Corja de sem-vergonhas.

  58. Patrick Bateman

    -

    30/03/2014 às 10:03

    Excelente! Muito bom :D

  59. Nathaniel

    -

    30/03/2014 às 9:50

    .
    Guerreiro,
    .
    A campanha de João Goebbels Santana esta de vento em popa, ele já havia sinalizado isso, vão dizer que tudo o que importa para o brasil discutir, economia, direção, política externa e etc.. São não discussões que só existem nas campanhas daqueles opositores que torcem pro brasil não dar certo.. O certo será discutir somente a pauta deles..
    .
    Não é só Globo que se presta a participar de estratégia de campanha petralha, no blog do Rodrigo de Hoje ele deixa clara a participação da emissora na estratégia de campanha petralha de João Goebbels Santana colocando no ar um documentário asqueroso em seu objetivo sobre mulheres revolucionárias que lutavam pela democracia???, como assim pela democracia??
    .
    Estadão e Falha de S Paulo sempre participam alegremente…
    .
    O estadinho também lança seu panfleto de apoio a estratégia petralha de direcionamento da discussão na imprensa, hoje coloca dois textos, um dizendo o mundo maravilhoso no qual o. Brasil vivia pré ditadura, inclusive enaltecendo o assassino JK, e dizendo que todos viviam a efervecência da cultura, mais uma vez selecionando e mentindo sobre um passado sem dizer tudo sobre ele, somente alguns pontos em formato de meia verdade para cumprir a função determinada pelo ministério da manutenção do pudê, dirigido pelo ministro João Goebbels Santanna, (aqui cabe um parenteses sobre esse cara- aquele para o qual ética não significa nada, o Bolivarianismo encontrou o cara perfeito que não liga de direcionar a máquina de governos e agir sem nenhum pudor descaradamente contra qualquer povo a favor de governos bolivarianos, veja o que ocorre na venezuela de Lulla e João Goebbels Santana… O cara não tem escrúpulos..)
    .
    No estadão além deste texto chocho comparando tudo que se opõe ao Governo de Dilmaluca e Lullarápio a ditadura, escondendo e nunca mencionando o terror que o brasil seria simplesmente mostrando como é Cuba hoje, sem nem mesmo mostrar que agentes cubanos, inclusive José Dirceu, agiam em guerrilhas pelo Brasil, financiados até pela KGB, que tinha diversos agentes no Brasil preparando o golpe cubano, eles ainda prastam serviço a divisão guerrilha na web do mesmo João Goebbels Santana dizendo que PT e PSDB agem da mesma forma na web, ou seja querendo legitimar a ação atidemocratica e danosa dos agentes petralhas na web, com convenções agendadas e tudo o mais, algo tipico da máfia…
    .
    Gente é isso a grande imprenssa esta dominada, um ou outro não esquerdista ainda ganha espaço nesta imprensa até para não dar tão na cara o esquerdismo destas mídias, hoje braços do PT.
    .
    João Goebbels Santana esta com sua tropa em campo. Deixar estes braços nesta imprensa bolivariana falando sozinho é essencial para a democracia brasileira..
    .
    Basta ver o tipo de governo executado por clientes desse João Goebbels Santana pra ver o tipo de pessoa que o cara apóia… Nem Duda Mendonça tinha estomago para tanto então e rompeu com o Goebbelzinho…
    .
    Gente Joãozinho Goebbels não tem escrupulos por isso se deu bem com o petralhismo… O cara vai fazer de tudo para cumprir seu papel, como ele se justifica, de enganar o povo Brasileiro e tirar nossa atenção de todos os descalabros que estão acontecendo devido a “Década Perdida”…
    .
    OLHO ABERTO..
    .
    E VIVA O VOTO DISTRITAL..
    .
    E VIVA O VOTO IMPRENSO PELA URNA ELETRÔNICA E COLOCADO EM URNA FÍSICA PARA CONFIRMAÇÃO DA VOTAÇÃO…
    .
    EUVOTODISTRITAL.ORG.BR
    .

  60. Tati

    -

    30/03/2014 às 8:49

    Mais um artigo sensacional, parabéns!

  61. Trocando o nickname

    -

    30/03/2014 às 8:35

    Caro Felipe,
    Mentira, mentira, mentira!! (Severino Cavalcanti)
    Esse instituto gosta de torturar números.É uma falácia segundo a introdução do vídeo acima, isso tudo faz parte da agenda comunista da ONU
    Quando os petralhas falaram em X nº de abortos, o Reinaldo destrinchou
    os números e esses não batiam de jeito nenhum.
    Mentira, mentira, …

  62. Márcio Moura

    -

    30/03/2014 às 8:11

    Parabéns Felipe, bem explicativo seu texto. Só mesmo muita manipulação e doutrinação ideológica para termos tanta aprovação do PT. Aliás, só vejo que o cidadão realmente é de oposição quando ele sabe o que significa o Foro de São Paulo.
    O PT SÓ SAIRÁ DO PODER QUANDO A POPULACAO BRASILEIRA ENTENDER AS VERDADEIRAS INTENCOES DO FORO DE SÃO PAULO.

  63. Valéria Bittar

    -

    30/03/2014 às 7:15

    Bom dia Felipe,
    Belo trabalho e como sempre, de gênio.
    Eu não mereço ser enganada pelo IPEA.
    Estupradores merecem o caixão, sou a favor de pena de morte para estupradores, o pior crime que existe.

  64. carlos alberto

    -

    30/03/2014 às 6:50

    Ressalto o ponto de sua análise do por quê um instituto de pesquisas econômicas envereda por uma pesquisa comportamental. O resultado da pesquisa maquiavelicamente comentada pelo IPEA torna Dilma Rousseff, a “primeira presidente mulher” a maior beneficiária em ano eleitoral de uma pesquisa que faz de tudo para vitimizá-las (as mulheres) ainda mais.

  65. DPalma

    -

    30/03/2014 às 6:29

    Análise perfeita. Checkmate!

  66. Fernando Fernandes

    -

    30/03/2014 às 3:07

    Quando eu li essa pesquisa no dia que foi lançada eu gargalhei, já esperava essa reação das feministas desequilibradas.

    Pesquisa tendenciosa, mentirosa.

    Ferramenta escancarada de manipulação esquerdista.

    O objetivo das feminista é demonizar o homem e obviamente arrumar verba estatal para suas ONG`S.

  67. Luiz Alberto

    -

    30/03/2014 às 0:25

    Obrigado, Felipe! Na mosca!

  68. Marciel

    -

    30/03/2014 às 0:12

    Felipe Moura Brasil, você está de parabéns por ser a cereja de bolo em meio a mais esse factoide azedo.

  69. Walter Andrade

    -

    29/03/2014 às 23:35

    Por que tão esperto? :)

  70. Tomé

    -

    29/03/2014 às 23:22

    Game, set, match!

  71. caracoles

    -

    29/03/2014 às 23:04

    Esse é exatamente o ponto onde eu toco e que 99% das pessoas não percebem devido a seu grau de alienação: o ”ser atacada” é muito vago, o que dá margem para más interpretações.

  72. Oswaldo

    -

    29/03/2014 às 22:07

    a pesquisa do Ipea está rendendo até na novela da 9h. Estão tentando doutrinar o povão – usaram até o termo “coisa de reacionário”.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados