Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A respeito de crime

A história que a Rede Globo e a mídia brasileira sustentam, em peso, sobre a execução do jornalista William Waack é um hino à mentira – e talvez um crime

O assassinato a pedradas da reputação e da carreira do jornalista William Waack, numa operação conjunta entre a Rede Globo, as “redes sociais” e os veículos de comunicação deste país, que correram para prestar apoio imediato aos patrões no ato de apedrejamento do colega, já tem lugar garantido na miserável história da infâmia brasileira. É uma história construída de atos rasteiros, algozes pequenos e justiceiros hipócritas – sejam eles os autores do linchamento ou seus cúmplices. No momento ela se faz em nome das pessoas que, segundo determina o evangelho corrente, “não tinham voz”, nem “atenção”, nem “acesso à mídia” – negros, gays, mulheres, ecologistas, quilombolas, índios, vegetarianos, ciclistas e quem mais der um jeito de entrar nesse bonde. O problema, como sempre acontece em casos de linchamento, é a obrigação, por parte dos linchadores, de criar uma mentira para justificar o que fizeram. A mentira, no caso de William é dizer que ele “mereceu” a punição aplicada pelos empregadores. A mensagem que tentam passar é a seguinte: “Sim, claro, é preciso cuidado com essas denúncias das redes sociais. Não se pode ir linchando as pessoas assim sem mais nem menos. Mas num caso de racismo como esse o castigo foi justo.”

Só que não há racismo nenhum nos atos do jornalista, nunca houve, e tanto é assim que não existe um único fiapo de manifestação racista em nada do que disse na televisão ou escreveu em jornais e revistas durante mais de 40 anos de profissão. Mais: na sua vida pessoal, na qual teve contato frequente com colegas negros ou de outras etnias, há repetidos episódios de comportamento impecável diante de todos – algo perfeitamente verificável a qualquer momento, se alguém, na Globo ou no resto da imprensa, tivesse tido o interesse de verificar alguma coisa antes de sair gritando “racismo”. Mas ninguém perguntou nada. A verdade, no Brasil de hoje, é uma nota da Globo e as “pesquisas” sobre o que está sendo dito nas “redes sociais”.

Racismo é crime, dizem todos. Tem de haver mais punição para William. A demissão é pouco. Eis aí um aspecto muito interessante dessa história. Sim, racismo é crime. Mas quando você acusa alguém de um crime, qualquer crime, e não prova a sua acusação, você está praticando um outro crime – a calúnia, descrita no artigo 138 do Código Penal Brasileiro. A Globo, como foi escrito e não pode mais ser apagado, disse que “ao que tudo indica” William proferiu ofensas raciais. Como assim, “ao que tudo indica”? Ofendeu ou não ofendeu? Um estagiário de advocacia sabe que precisa muito mais do que isso para chegar na frente de um juiz com uma acusação – ainda mais uma acusação que foi aceita pelos chefes como fato consumado, sem qualquer investigação séria, e gerou o afastamento imediato da vítima. Para se defender da acusação de ter praticado calúnia, a Globo terá de dizer que não acusou seu funcionário de ter cometido o crime de racismo. Nesse caso, porque tirou-lhe o cargo e contou para todo mundo em nota oficial? A alternativa é abandonar o “ao que tudo indica” e dizer, com todas as letras, que William fez, sim, insultos raciais em público – só que aí vai ser obrigatório provar isso. Talvez não seja o jornalista, na verdade, quem está mais necessitado em demonstrar inocência à essa altura.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Guzzo. Esse seu texto e o publicado na edição da Veja desta semana são fantásticos. Espero que você não seja defenestrado da Veja como já foram o Reinaldo Azevedo, e outros, simplesmente porque não se renderam ao “politicamente correto” da esquerda, que patrulha ferozmente quem não reze pela sua cartilha. Afinal, quem dita as cartas na Veja hoje é o Petry. Como você disse na revista, Nelson Rodrigues não teria vez no Brasil de hoje. Suas peças não seriam encenadas e seus livros não seriam editados. Igual aconteceria com Paulo Francis, com Millor Fernandes e outros mais tão brilhantes. Espero, sinceramente que você não seja imolado em nome do politicamente correto.

    Curtir

  2. Otavio Fineis Junior

    Parabéns, Guzzo, por seus comentários a respeito do linchamento a que está sendo submetido o William Waack. Você, o Augusto Nunes e o Reinaldo Azevedo foram os únicos da grande imprensa a defende-lo. Waack não está sendo punido por ser racista. Está sendo punido por ser um jornalista independente, integro, crítico e corajoso. Sendo assim, não serve para a Globo.

    Curtir

  3. Brilhante, Guzzo, Brilhante!
    E sim, os nomes dos “justiceiros” caluniadores deveriam ser colocados (em letras de “barro”) num panteão – um panteão da vergonha, um panteão da Infâmia, junto com a rede Globo, claro…

    Curtir

  4. Aí jornalistas de araque, leiam o texto de Guzzo e mudem em quanto há tempo. O país não aguenta mais tanta covardia.

    Curtir

  5. O texto de Guzzo é campeão. Pode-se concluir que na maioria da imprensa brasileira, a verdade está destinada a desaparecer. Mas fulminar a verdade, é fulminar a própria vida.

    Curtir

  6. Clarisa Ramos de Oliveira

    A Veja já não é mais a mesma, mas continuo acompanhando só pelo prazer de ler Guzzo e Augusto Nunes. Sempre uma visão ponderada e verdadeira dos fatos.

    Curtir

  7. Nádia Sanchez

    Perfeito! Seria bom ver o jornalista processar a emissora, para ao menos colocar as coisas nos seus devidos lugares, mas isso é lá com ele. Contrariando a própria Veja, que diz na edição desta semana “no caso de William Waack, é justa a reação dos usuários das redes, bem como os efeitos que ela desencadeou”, vejo que Guzzo, felizmente, rema contra a maré da hipocrisia atual.

    Curtir

  8. Não creio que ser de esquerda ou de direita, de ser politicamente correto ou não venha ao caso neste episódio. O jornalista fez um comentário racista e… foi pego. Simples assim. Não teve ilação. Ele foi gravado em vídeo e som. Ponto final.

    Curtir

  9. Ruy Humberto Godoy de Mesquita

    Guzzo é a primeira vez que vejo você rateando corporativamente ao ser complacente de um ato de grosseria racista pura. Depois dessa vamos canonizar o Waack.

    Curtir