Blogs e Colunistas

12/01/2011

às 18:17

Maquiavel, novo blog de política, está no ar

Entre abril de 2010 e janeiro de 2011, o blog VEJA nas Eleições acompanhou de perto os protagonistas e os principais fatos da corrida eleitoral – da disputa pelo Palácio do Planalto à sucessão nos estados.

Em nove meses, VEJA nas Eleições destacou-se na cobertura política. Foram quase 2.500 posts publicados em 46 categorias. Nesse período, ele teve mais de 2.550.000 acessos e quase 20.000 comentários de leitores aprovados.

Fechado o ciclo eleitoral, o blog cumpriu seu papel e voltará a ser atualizado no próximo pleito. A partir de agora, as notícias sobre o governo Dilma Rousseff e seus aliados, o desempenho dos governadores, a atuação da oposição e todos os bastidores da política estarão no novo blog de política do site de VEJA: Maquiavel. Boa leitura!

12/01/2011

às 12:48

Em boca fechada não entra mosquito

Um dia depois de PT e PMDB afinarem o discurso de paz na briga por cargos do segundo escalão no governo Dilma Rousseff, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) afirmou pelo Twitter que evitará comentários polêmicos. Cunha passou as últimas semanas disparando ofensas a petistas no microblog por causa das últimas nomeações anunciadas pelo governo, que tanto irritaram peemedebistas.

“Em política às vezes é preciso fazer igual regime. Só não dá para parar de twittar. Mas bem light, senão vão dizer que é pressão”, escreveu nesta quarta-feira. Mas logo em seguida não resistiu e criticou o governo um dia depois do Ministério da Saúde anunciar ações para o combate à dengue.

“As duas coisas mais certas de todo o verão são: chuva e dengue. Por que não fazem algo preventivo?”, questionou. Diz o ditado: em boca fechada não entra mosca – ou, nesse caso, mosquito.

(Luciana Marques)

11/01/2011

às 20:26

Dutra à espera de 2013

O presidente do PT, José Eduardo Dutra, nega veementemente a intenção de ocupar uma cadeira no Senado Federal ainda em 2011. “Está fora de cogitação”, afirmou ao site de VEJA. No entanto, Dutra foi o único petista que está fora da bancada a participar da reunião do PT desta terça-feira, em que o ex-ministro da Saúde Humberto Costa (PT-PE) foi escolhido o novo líder do partido na Casa.

Não foi sem pensar que a presidente Dilma Rousseff ofereceu um ministério para o senador Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) – o presidente do PT, seu primeiro suplente, assumiria o mandato no Senado caso Valadares aceitasse. Mas o parlamentar negou o convite e Dutra não foi para o Senado.

A situação do presidente do PT pode mudar. Em 2013, ele deixará o comando do partido e estará apto a ocupar um cargo no primeiro escalão do governo. Mas só se algum dos atuais ocupantes da Esplanada dos Ministérios sair do posto. O petista não quis comentar o assunto.

(Luciana Marques)

11/01/2011

às 17:36

Humberto Costa é escolhido líder do PT no Senado

Em decisão unânime, a bancada do PT no Senado decidiu nesta terça-feira que o pernambucano Humberto Costa será o novo líder do partido na Casa. O anúncio foi feito pelo senador Delcídio Amaral (MS) pelo Twitter. “Acaba de ser escolhido, por unanimidade, o companheiro Humberto Costa como líder da bancada do PT no Senado”, escreveu no microblog. Costa vai substituir o senador Eduardo Suplicy (SP), que ficará no cargo até o dia 1º de fevereiro, quando começa a nova legislatura.

O novo líder do PT preferiu evitar a discussão sobre o valor do salário mínimo, uma das primeiras batalhas a serem levadas ao Congresso Nacional em fevereiro. Ele admitiu, no entanto, que o aumento ainda pode ser negociado com as centrais sindicais. “Esperamos uma proposta que possa atender tantos movimentos sociais, quanto às prioridades de governo”, afirmou.

A declaração do senador contraria a posição do ministro da Fazenda, Guido Mantega, que avalia que qualquer valor acima de 540 reais será vetado pela presidente Dilma Rousseff. Sobre os recursos destinados à saúde, Costa disse que a discussão deve ocorrer no âmbito da reforma tributária. “Debate sobre recursos para saúde não é a mesma coisa que a implementação da CPMF”, ponderou. O senador foi ministro da Saúde no primeiro mandato do governo Lula.

Apenas três senadores faltaram ao encontro da bancada do PT, que também contou com a presença do presidente do PT, José Eduardo Dutra.  A legenda ficou com 15 cadeiras na casa, perdendo apenas para o PMDB, que conquistou 19.

Presidência – Além das discussões sobre a liderança, o PT também está de olho na 1ª vice-presidência do Senado. A legenda não aceitou bem o fato de Marconi Perillo (PSDB-GO) ter ocupado a presidência na última legislatura na ausência de José Sarney (PMDB-AP).

Marta Suplicy (SP), Delcídio Amaral (MS) e José Pimentel (PE) são cotados para assumir a vaga. O nome deve ser definido na próxima reunião de bancada, marcada para o próximo dia 27.

Já a Presidência da casa será indicada pelo PMDB, que tem o maior número de cadeiras. Sarney, que deve continuar no cargo, também tem o apoio do PT, segundo Costa. “Nós não temos nenhuma restrição a quaisquer nomes que venham a ser apresentados pelo PMDB”, declarou.

Os petistas também devem ficar com a presidência da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) ou da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), que são as de maior peso político.

(Luciana Marques, de Brasília)

11/01/2011

às 14:43

Ministros tentam se acostumar com a palavra “presidenta”

A presidente Dilma Rousseff exigiu que os documentos oficiais utilizem a palavra “presidenta” ao falar dela. O pedido, que ainda causa estranheza, foi prontamente atendido por todos os ministérios. Agora os ministros e assessores próximos a Dilma fazem um esforço para não errar, evitando, assim, um puxão de orelha da presidente.

Os ministros das Comunicações, Paulo Bernardo, e da Saúde, Alexandre Padilha, até agora não tropeçaram em coletivas de imprensa. O mesmo não aconteceu com a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello. Recentemente, ela chegou a dizer uma vez “presidenta”. Logo depois o costume falou mais alto.  Na dúvida, o ministro de Relações Institucionais, Luiz Sérgio, acabou engolindo as últimas letras: “A presiden…”

Leia mais sobre o assunto no blog Sobre Palavras

(Luciana Marques)

11/01/2011

às 12:41

Dilma vai se mudar para o Palácio da Alvorada em fevereiro

A presidente Dilma Rousseff adiou sua mudança para o Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência da República, em Brasília, para a segunda quinzena de fevereiro. Dilma espera a conclusão de alguns reparos no palácio antes de levar seus pertences, que estão na Granja do Torto desde 15 de novembro, na mudança definitiva.

A presidente irá morar na companhia da mãe, Dilma Jane, e da tia Arilda, que viviam em Belo Horizonte. No Palácio da Alvorada haverá um quarto reservado à filha de Dilma, Paula Rousseff, com direito a um espaço para o neto da presidente, Gabriel, que nasceu durante a campanha e é uma de suas novas paixões.

(Marina Dias)

07/01/2011

às 17:26

Onde está a foto oficial de Dilma Rousseff?

Galeria dos Presidentes sem foto de Dilma Rousseff (Foto: Luciana Marques/VEJA)

Quase uma semana depois de tomar posse, a presidente Dilma Rousseff ainda não tirou a foto oficial. O maior entrave são as férias de Celso Kamura – ela não abre mão de seu cabeleireiro. Dilma também precisa escolher a roupa que vai vestir e o cenário da imagem: dentro ou fora do Palácio do Planalto.

O tempo ruim em Brasília nos últimos dias também impede a produção da foto. Nomeado nesta sexta-feira diretor do Departamento de Produção e Divulgação de Imagens da Presidência, Roberto Stuckert Filho é quem vai tirar a fotografia de Dilma. Stuckert, que trabalhou na campanha da petista e cuja família tem história na Presidência,  já estuda detalhes como escolha do fundo, altura do tripé e iluminação. A produção é semelhante à da foto oficial dos ministros de Dilma, que ele tirou no dia da posse.

Galeria dos Presidentes – A foto da presidente deve ser tirada nas próximas semanas, no máximo até o fim de janeiro. Depois de finalizada, será aberto um processo de licitação para escolha de uma gráfica para imprimi-la. A imagem será distribuída a todos os órgãos oficiais do governo.

Enquanto isso, na Galeria dos Presidentes localizada no hall de entrada do Palácio do Planalto, já há um espaço reservado para a foto de Dilma ao lado da do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A foto de Lula foi trocada no dia 1º de janeiro: passou de colorida para preto e branco, indicando que ele deixou o poder.

(Luciana Marques, de Brasília)

07/01/2011

às 14:28

“Boneca Dilma é menor em estatura e mais gordinha do que a Barbie”, diz criador

Colares e brincos da boneca foram feitos com pérolas de verdade (Foto: Divulgação)

Depois dos “Lulinhas”, chegou a vez da presidente Dilma Rousseff ter a fisionomia reproduzida em formato de boneca. O artista plástico Marcus Baby, que fez sucesso ao criar bonecos de celebridades como Fiuk e Grazi Massafera, decidiu produzir a miniatura de com a roupa que ela usava no dia em que ela venceu o pleito – mais a faixa presidencial. O artista demorou dois meses para finalizar a obra.

“Dilma foi recriada visualmente e quis fazer a boneca para incluir na minha coleção”, afirmou o artista ao site de VEJA. Ele diz que não colocará a boneca à venda, nem fará encomendas. “Fazer bonecos é uma terapia, eu não sobrevivo como artista plástico”, disse.

Para construir Dilma em miniatura, Marcus Baby usou três bonecas Barbie. Uma de estatura menor foi usada para as pernas, outra para o tronco e uma terceira para a cabeça. “A boneca Dilma é menor em estatura e mais gordinha do que a Barbie”, afirmou.

Para o detalhe do colar e dos brincos, o artista usou pérolas verdadeiras. A faixa presidencial foi feita de fitas nas cores verde e amarelo, pedraria, fios dourados e lâminas de aluminio. A boneca ganhou ainda um corte de cabelo com luzes invertidas e que foi exageradamente puxado para cima. A nova maquiagem lembra o estilo do maquiador de Dilma, Celso Kamura.

A roupa vermelha foi costurada por sua mãe, Duduia Baby. O artista pensou em mudar o vestuário – que fica colado à boneca – depois da cerimônia de posse no último sábado, quando Dilma usou uma roupa de cor clara. Mas achou que o vermelho caiu melhor à petista. Marcus Baby lembra que não é filiado ao PT.

Perguntado sobre o resultado da boneca, o artista diz que a intenção não era ficar idêntica à presidente, mas apenas apresentar sua versão pessoal da imagem de Dilma.

(Luciana Marques)

06/01/2011

às 20:11

Palocci onipresente

Enquanto mantém distância da imprensa, o ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, está cada vez mais próximo da presidente Dilma Rousseff. Ele participa de quase todas as reuniões da presidente com ministros e costuma dar opiniões em todos os assuntos.

Caberá a Palocci, aliás, a tarefa de escrever os discursos mais importantes de Dilma. A função antes era delegada à Secretaria-Geral da Presidência.

(Luciana Marques, de Brasília)

06/01/2011

às 19:48

Depois do PAC contra a miséria…

A presidente Dilma Rousseff não quer perder tempo. O comentário, entre aliados, é que a petista já estuda o anúncio de novos projetos após o lançamento, nesta quinta-feira, de um novo programa social, uma espécie de “PAC para erradicação da miséria”.

Ela está de olho nas áreas de educação, segurança e saúde. A conferir.

(Luciana Marques, de Brasília)

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados