Direto ao ponto

Celso de Mello foi preciso no julgamento do pedido de suspeição de Janot: o MP acusa, portanto, será sempre visto como inimigo pelo acusado.

O voto do ministro Celso de Mello no julgamento do pedido de suspeição do procurador-geral da Republica, Rodrigo Janot, apresentado pelo presidente Michel Temer, foi preciso e definitivo: ao Ministério Público cabe o papel de acusador (a quem também cabe a apresentação de provas da acusação) e, portanto, sempre será visto como inimigo pela parte acusada. Desse modo não há razão para cobrar dele imparcialidade. Esse atributo cabe ao juiz.

Por acaso o advogado de defesa pode ser definido como uma “amigo” da parte defendida? Não, a defesa é inerente à sua função. Do mesmo modo, o Ministério Público e o procurador-geral na condição de chefe da instituição.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s