1984 em feitio de nostalgia

A nova geração quer reeditar um momento que não volta, dando peso igual a situações diferentes

O ano é emblemático: 1984 da ficção de George Orwell e da campanha das Diretas Já. Carente de causas com posições e contraposições nítidas, desprovidas de nuances,  a nova geração (um pouco da velha também) entrou no modo nostalgia à deriva ao escolher como bandeira de luta a realização de eleições diretas como solução à crise instalada desde a demonstração de que Michel Temer fazia jus ao posto de vice-presidente em parceria com Dilma Rousseff. Dissimulado e venal tanto quanto.

Falta a esses ativistas da ocasião, substância e informação. E aqui não tratamos da obviedade expressa na Carta Maior: eleição com vacância depois de dois anos de cumprido o mandato original, é indireta. Falamos direta e cruamente de falta de memória histórica. A campanha de 1984 foi essencial porque vivíamos uma ditadura contra a qual a defesa das diretas era um ponto crucial. No entanto, os ponderados sabiam perfeitamente bem que a emenda Dante de Oliveira não passaria no Congresso. Se passasse, seria um problema, entrave à transição negociada pela oposição responsável

A despeito da presumida frustração popular, os comícios haviam criado o ambiente propício para a derrota do regime em seu habitat: o Congresso.   Tancredo Neves tinha um plano e, o minar a candidatura de Paulo Maluf o realizou. Somos filhos daquele ato que  o PT recusou-se a reconhecer e e hoje pretende patrocinar. Construímos o fim da ditadura pela vida indireta, do Congresso. Podemos trilhar caminho semelhante para marcar posição definitiva e efetiva contra a velha política patrimonialista, corrupta, sustentada pelo silêncio dos compadres.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Fala sério ! A nova geração quer diretas? Por acaso voce está se referindo a 6 mil drogados em Copacabana, no Domingo passado?

    Curtir

  2. marcelo mendes

    Para que vice então. Quando um Presidente sair, elege outro!!! Menos um cargo então. Vende o Palácio do JáBuru!

    Curtir

  3. marcelo mendes

    O PT é tão desonesto, que ofereceu um cargo de vice, para ganhar apoio, sabendo que o PMDB não ia levar. Vende e recebe e não entrega o prometido. Isso é honestidade.

    Curtir

  4. Robson La Luna Di Cola

    Se o Lula ou outro candidato de esquerda tivesse grandes chances de vencer na Câmara e no Senado, já veríamos gente defendendo diretas, para tentar eleger um candidato liberal de centro…

    Curtir

  5. lindomar araujo

    Queria dizer a um tal de Jorge Dal que comentou aí chamando os 6 mil que se reuniram no Rio de drogados, porventura só pessoas que você considera políticamente corretas tem e produzem representação????

    Curtir