Blogs e Colunistas

15/12/2012

às 19:55 \ História

A história da frase “O Brasil não é um país sério” que o francês Charles de Gaulle nunca disse é mais divertida

Avenida Rio Branco, Rio, 1964: De Gaulle no Rolls Royce

Leitores do Blog de Paris mencionaram em comentários a frase “Le Brésil n’est pas un pays serieux”  – “O Brasil não é um país sério” – popularmente atribuída a Charles de Gaulle. Como dizem em Portugal, vem muito bem a calhar em momentos recorrentes da história nacional. Ganha particular relevo se formulada pela figura mais respeitada da política francesa no século XX e reserva moral da velha democracia europeia. Sucede que, embora pudesse ter dito sem receber muita contestação embasada, De Gaulle nunca disse que o Brasil não era um país sério. O autor da frase é o diplomata brasileiro Carlos Alves de Souza Filho, embaixador do Brasil na França entre 1956 e 1964, genro do presidente Artur Bernardes.

Rolava o ano de 1962 e o contencioso entre o Brasil e França, conhecido como a Guerra da Lagosta – conflito em que, tal qual a famosa Batalha de Itararé, não se disparou um tiro nem rolou uma gota de sangue. O casus belli girava em torno da captura de lagostas por parte de embarcações de pesca francesas, em águas territoriais brasileiras, mais precisamente no litoral de Pernambuco. Alertado por pescadores brasileiros, a notícia chegou até o terceiro andar do Palácio do Planalto. O presidente João Goulart após reunião do Conselho de Segurança Nacional, mandou despachar para a região um formidável –  se considerado o tamanho da ameaça – contingente da Esquadra Nacional, apoiado pela Força Aérea Brasileira. De Gaulle, por sua vez, convocou o embaixador brasileiro para uma conversa no Palácio do Eliseu, sede do governo francês.

Detalhe: O episódio serviu para a imprensa francesa lançar um desses debates que embalam a França. A lagosta anda ou nada? Caso nadasse poder-se-ia considerar que estava em águas internacionais; caso andasse, estaria em território brasileiro, uma vez que se admitia à época que o fundo do mar pertencia ao Brasil. No debate diplomático, a tese francesa, naturalmente, sustentava que a lagosta nadava. Sem contato com o leito oceânico, poderia ser considerada como peixe. Portanto passível de ser pescada legalmente pelos franceses. O almirante Paulo Moreira da Silva, especialista da Marinha contrapôs os franceses com um argumento singelo: Se a lagosta fosse considerada peixe quando dá seus “pulos” se afastando do fundo submarino, então teria, da mesma maneira, que ser acatada a premissa do canguru ser uma ave, quando dá seus “saltos”.

Na noite que seguiu a conversa com De Gaulle, o embaixador Alves de Souza Filho foi convidado para uma festa na casa do presidente da Assembléia Nacional, Jacques Chaban-Delmas. Nota-se que a guerra não era tão séria assim. Na recepção, o embaixador foi interpelado por outro convidado brasileiro, o jornalista Luís Edgar de Andrade, correspondente do Jornal do Brasil em Paris. O correspondente assuntou o embaixador a respeito da conversa com De Gaulle em particular e sobre o quadro geral da crise. Alves de Souza Filho sempre achou o governo brasileiro inábil no trato da questão a nível diplomático. Chegou a mencionar durante o papo o “Samba da Lagosta”, de Moreira da Silva, e arrematou a conversa informal, off the records, no jargão jornalístico, com a famosa frase: “O Brasil não é um pais sério”. O embaixador  Carlos Alves de Souza relatou o caso em seu livro Um embaixador em tempos de crise (Livraria Francisco Alves Editora, 1979):

“Provavelmente o jornalista telegrafou ao Brasil não deixando claro se a frase era minha ou do general De Gaulle, com quem eu me avistara poucas horas antes desse nosso encontro casual. Luís Edgar é um homem correto, e estou certo de que o seu telex ao jornal não teve intuitos sensacionalistas. Mas a frase “pegou”. É evidente que, sendo hóspede do General De Gaulle, homem difícil, porém muito bem educado, ele, pela sua formação e temperamento, não pronunciaria frase tão francamente inamistosa em relação ao país do Chefe da Missão que ele mandara chamar. Eu pronunciei essa frase numa conversa informal com uma pessoa das minhas relações. A história está cheia desses equívocos”.

LEIA TAMBÉM O ULTIMO POST DO BLOG DE PARIS AQUI

Por Antonio Ribeiro

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Powered by WP Hashcash

29 Comentários

  1. Joao Teixeira do Rosario

    -

    06/10/2014 às 16:59

    Este esclarecimento faz justiça ao grande estadista francês No entanto, em alguns casos esta frase não deixa de ser verdadeira. Os últimos acontecimentos envolvendo a grande Estatal Petrobras, de cuja responsabilidade dificilmente a Presidente não tem como se eximir, é um deles. Dizer que não tinha conhecimento dos fato não é, sem dúvida, uma demonstração de seriedade no trato com a coisa publica.Observação: eu nao disse isto antes

  2. Joao Teixeira do Rosario

    -

    06/10/2014 às 16:57

    Este esclarecimento faz justiça ao grande estadista francês No entanto, em alguns casos esta frase não deixa de ser verdadeira. Os últimos acontecimentos envolvendo a grande Estatal Petrobras, de cuja responsabilidade dificilmente a Presidente não tem como se eximir, é um deles. Dizer que não tinha conhecimento dos fato não é, sem dúvida, uma demonstração de seriedade no trato com o bem público.

  3. Adão

    -

    01/10/2014 às 7:22

    O Brasil, sempre foi e é governado por oportunistas de plantão. Já foi um pais de oportunidades. Quantos médicos estão deixando seus consultórios com pacientes para se dar bem na politica, e outros profissionais frustados em suas profissões aventurando na politica com 143 milhões de eleitores obrigados a votar. A politica brasileira oferece todas as formas de benesses, mordomias e enriquecimento rápido. Charles de Gaulle presidente da França poderia bem ter dito a frase.

  4. Edgard Leme

    -

    23/09/2014 às 15:19

    O Brasil não é sério desde que nasceu, começa pelos seus “descobridores” tudo aqui é errado, o povo consegue eleger um político que sabidamente é condenado, procurado pela interpol, não pode sair do país e mesmo assim é eleito, o outro tem ficha suja, mas tem intensão de voto, o outro tem um monte de processos por improbidade administrativa é líder nas pesquisas…. então, percebe quem elege um cidadão desse, não é eleitor e cúmplice logo, esse país não pode ser sério. E isso não precisa ser atribuído historicamente a Charles de Gaulle, se foi ele ou não, que disse a famosa frase não importa, mas que é verdade, disso tenho certeza absoluta que é !!!!

  5. Ramsés

    -

    25/08/2014 às 17:45

    Esta frase encontrei na revista O Cruzeiro, tenho a foto de Janio Quadros com esta frase escrita em destaque. Este não é um país sério. O Cruzeiro Ano I N 07 30 de Novembro 1983 (Acervo) Infelizmente com toda essa doença crônica que assola o pais e que se chama de corrupção, fica difícil não acreditar na frase, seja la que falou em público ou para a imprensa em primeira mão.

  6. Marcos

    -

    01/07/2014 às 7:46

    Lógico que aqui nada e ninguém é sério.

  7. Fabio

    -

    08/06/2014 às 23:17

    O fato é que independente do seu autor, a frase é verdadeira. Uma pena!

  8. Henrique Lemos

    -

    04/05/2014 às 20:20

    Brasil é um país sim,como você vai saber realmente que Gaulle disse isso Brasil é um país sim o que você disse não é verdade.

  9. Wellington Andrade

    -

    18/04/2014 às 10:03

    Bom dia,

    comentar sobre meu país é um prazer e dizer que nosso país é um país serio é muita mentira estamos vivendo dias de guerra onde muitos abusam do dinheiro público,destrói os direitos dos mais pobres e vivem rasgando dinheiro usando jatinho, pagando salários absurdos a quem trabalhar muito, e levando muito nas meias e cuecas, precisamos de mudança já precisamos que políticos violentos e corruptos, paguem pelo seus atos covardes, precisamos de leis que mudem nossa historia e nosso pais, precisamos de lideres conhecedores da leis e vivam obedecendo-a de forma justa,precisamos de homens e mulheres que se comprometam com a nação ao fazer um concurso público para educar nossos jovens e crianças, para proteger os cidadãos e médicos responsáveis pelo seus atos referente a vida dos outros, precisamos de mudança já com melhores salários, exigirmos que tirem ou remova os salários altos dos políticos que só fazem roubar nossa nação. ex.: Um policia que arisca a vida ganham um salario pobre e um vereador ganham um salario de rico sem muitas as vezes saber o que vai fazer ou executar para o povo muitas as vezes um semianalfabeto. Presamos rever estes itens e mudar nossa historia

    Sou brasileiro e desejo mudança já para o meu pais.

  10. Roberto

    -

    03/04/2014 às 14:20

    Entre os dois países em questão me pergunto qual é o mais sério ?

  11. Marcello

    -

    03/04/2014 às 7:13

    Parece mais diplomata querendo diluir um destempero de mandatário famoso em situação tensa do que propriamente a verdade.

    Sempre direi que foi De Gaulle – e não lhe tiro a razão.

  12. Honneur

    -

    03/03/2014 às 15:45

    Eu já conhecia esse “causo”, mas valeu para lembrar casos pitorescos de nossa história, como os famosos “dossiês” em que somos mestres acabados. Que De Gaulle não disse a frase, todos sabemos, mas bem que poderia ter dito… Teria mais credibilidade…

  13. Alessandro

    -

    02/03/2014 às 10:10

    Belíssimo texto, mas que diferença faz saber se De Gaulle falou ou não falou esta frase? O Brasil não é um país sério. Nunca foi e considerando o tempo que passou após o acontecido está muito longe de ser considerado um País Para Todos, que dirá sério…

  14. Evelyn Flores

    -

    24/02/2014 às 23:48

    Adorei!

  15. Edelson Martins

    -

    24/02/2014 às 14:47

    Parabéns pelo texto! A narrativa, além de conhecimento, proporciona uma leitura muito agradável! Quanto ao Brasil, acredito que todos nós brasileiros temos nossa parcela de culpa pela falta de seriedade! Seja ao escolhermos nossos representantes ou pelas pequenas transgressões, ilícitas ou não, que cometemos no dia-a-dia! Estacionar em fila dupla, acelerar quando alguém liga a seta pedindo passagem, parar em cima da faixa de pedestre, ouvir música em alto volume sem fones, preferir BBB ao invés de um livro, não se manifestar contra a corrupção e benefícios absurdos dos políticos e por aí vai…

  16. Edelson Martins

    -

    24/02/2014 às 14:45

    Parabéns pelo texto! A narrativa, além de conhecimento, proporciona uma leitura muito agradável! Quanto ao Brasil, acredito que todos nós brasileiros temos nossa parcela de culpa pela falta de seriedade! Seja ao escolhermos nossos representantes ou pelas pequenas transgressões, ilícitas ou não, que cometemos no dia-a-dia! Estacionar em fila dupla, acelerar quando alguém liga a seta pedindo passagem, parar em cima da faixa de pedestre, ouvir música em alto volume sem fones, preferir BBB ao invés de um livro, não se manifestar contra a corrupção e benefícios absurdos dos políticos e or aí vai…

  17. Anderson

    -

    22/02/2014 às 17:38

    Ele não disse nenhuma mentira

  18. Oriel

    -

    17/02/2014 às 19:54

    Este país não é serio, mas pertence aos brasileiros.

  19. J.Paulo

    -

    26/09/2013 às 19:25

    Texto saboroso. Obrigado por esclarecer. Mas e a lagosta, anda ou nada?!

  20. Elisio Cerqueira Queiroz

    -

    21/07/2013 às 13:25

    E precisa se comentar alguma coisa? Brasil olha a tua cara e teu passado. Mudou alguma coisa? Ou continua num circulo de repetições.

  21. Paulo Henrique Tsingos

    -

    09/05/2013 às 11:57

    De Gaulle porém disse que tendo mais de 75 tipos de queijo, a Franca nao podia ser considerada um país sério. Na Itália atribuem a frase “este nao é um país sério”, referida à Itália como sendo do próprio De Gaulle.

    Caro Paulo,

    Negativo. A França produz bem mais de 350 tipos de queijos – 40 deles tem Appellation d’Origine contrôlée (AOC), denominação de origem controlada. Muito pouco provável que o general desconhecesse o dado. É também atribuída a Winston Churchill premissa que o país produtor de tantos queijos quanto os dias do ano seria difícil de governar. Não há ouvido que testemunhou… A anedota pode ser boa, mas é lenda.

    De Paris, um abraço

    Antonio Ribeiro

  22. João de Gaules

    -

    30/12/2012 às 18:31

    Boa tentativa de salvar o país.

  23. Anouk

    -

    23/12/2012 às 14:16

    Ainda bem que no Brasil nem tudo é ruim. Em todo caso foi bom relembrar o Moreira da Silva. Ele tinha aquele jeito cavalheiresco tipicamente carioca. Ainda garotinha, indo com a minha mae pela Goncalves Dias para um lanche na Colombo, passamos pelo Moreira da Silva, que gentilmente nos cumprimentou tirando o chapéu. O samba da lagosta nao conhecia. Bons tempos, aqueles no Rio de janeiro. Lembra da Leiteria Mineira, a coalhada de lá era ótima, também gostava do pao francês torradinho com manteiga e café com leite. O Rio era bom, né?

  24. Luiz

    -

    20/12/2012 às 0:40

    Embora o Blog de Paris sempre nos brinde com essas histórias, o que infelizmente menos importa é quem disse, e sim que a frase está valendo desde aquele 1962!

  25. Nabih

    -

    16/12/2012 às 12:49

    Importante esclarecimento do Blog de Paris para que não fiquemos no erro. E mais importante ainda é a atualidade da frase proferida: “O Brasil não é um país sério”. Que o diga os dirigentes do anterior e atual governo pdtista, ‘usam’ nosso país como se fosse seu quintal.

  26. Marcos

    -

    16/12/2012 às 12:02

    Sempre pensei que fosse de De Gaulle. Obrigado por esclarecer, mas não posso deixar de concordar com o comentário do Paulo Boccato, a frase não poderia resumir melhor o que é penso sobre o Brasil, principalmente se voce passar uma temporada em um país sério com o Japão, por exemplo, onde vivi durante 15 anos.Também não me eximo pela minha parcela de culpa, sendo eu, brasileiro.

  27. Ivens Candido Lira

    -

    16/12/2012 às 11:30

    E continua não sendo sério. O pior é que esta cada dia piorando. Homens sérios neste país não tem valor, por isso que estamos nessa draga.

  28. Paulo Boccato

    -

    16/12/2012 às 10:12

    De Gaulle ou o diplomata, nao importa. A frase é cooretissima quanto a esta imensa favela chamada Brasil.
    Porcaria de país.

    Suponho que se quis digitar: “corretíssma”.

    Antonio Ribeiro

  29. Paula Barcellos

    -

    16/12/2012 às 7:00

    O Brasil continua não sendo um país sério. Mas o que De Gaulle acharia da França de Hollande agora?

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados