Blogs e Colunistas

29/02/2012

às 7:38 \ França

Quer ser milionário na França?

Amaro de jabuticaba

François Hollande, candidato socialista à Presidência da França, quer aumentar de 41% para 75% o Imposto de Renda de quem ganha mais de um milhão de euros por ano. “Uma riqueza indecente”, segundo o candidato favorito. Bonito. Sucede que na França há também um imposto sobre o patrimônio, o impôt de solidarité sur la fortune (ISF), uma “jabuticaba” que não existe em nenhum sistema tributário do planeta. Um cidadão “indecente” que tem patrimônio estimado em 2,6 milhões de euros paga 25% de ISF. Se o mesmo indivíduo, ainda mais “indecente”, tem renda superior a um milhão de euros… 25% + 75% = 100% de imposto. Tungada em proveito do fisco mais eficiênte impossível. A título comparativo: na Inglaterra paga-se no máximo 50% de Imposto de Renda e na Alemanha, 45%.  A Espanha elevou sua imposição máxima para 52% de forma temporária para ajudar a sair da crise. Aliás, Hollande, acaba de fazer uma contribuição ao idioma do seu conterrâneo Jean-Baptiste Poquelin, o Molière, que tratou a língua francesa de forma magistral. Os franceses contam agora com um novo eufemismo para o confisco fiscal.  Doravante, “aumentar os impostos” atende pelo nome de “solicitar a solidariedade nacional”.

***

Interessante. O instituto de pesquisa IFOP fez um estudo para o jornal Le Monde demonstrando a relação entre a distancia dos centros urbanos e as intenções de voto para Presidente da França. A grosso modo, o estudo mostra que nos centros das cidades o candidato socialista François Hollande ganha com uns 30% das intenções. A candidata da extrema-direita Marine Le Pen domina a periferia, lá onde houve os distúrbios de jovens imigrantes e descendentes em 2005. Sarkozy tem melhor desempenho nas regiões a 50 km dos centros. Na zona rural, Hollande volta a crescer e Marine Le Pen mantém-se estável. A situação é semelhante no pais inteiro, segundo o jornal. Sarkozy vem reduzindo a diferença com Hollande no primeiro turno. Ela passou de 7% a 4,5%. No segundo turno, a vantagem a favor do socialista ainda é grande: 16 pontos percentuais.

Por Antonio Ribeiro

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Powered by WP Hashcash

2 Comentários

  1. João Felipe

    -

    29/02/2012 às 15:21

    Hollande tem tudo para ganhar, mas esta fazendo de tudo para perder

  2. Queiroz

    -

    29/02/2012 às 11:18

    Essa notícia repercutiu no mundo todo, acho que Hollande fez o melhor possível para detonar a economia da França.
    Eu não entendo, Antônio, por quê na Europa inteira estão apeando os esquerdistas gastões e reverenciando políticos com responsabilidade fiscal, a França investe na contramão dando vantagem ao socialista?! É a vontade de votar contra o governo, mas aí não faz sentido, pois o Hollande já começou a contribuir com a implosão da economia francesa.
    Como ele terá coragem de convidar alguém para investir lá, antecipando que tomará 100% da renda do investidor?! Demagogia tem limite, e até o trabalhador sabe que se o patrão não lucra não haverá a condição básica de sustentação de postos de trabalho. Uma pena a França estar tão cercada de populistas. Mas entre o conhecido e o desconhecido prefiro o que está aí.
    Em tempo, minha esposa é franco-brasileira, e uma coisa ela está certa, Hollande merece o mesmo destino de sua ex-esposa.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados