Blogs e Colunistas

12/07/2010

às 9:40 \ Seleções

Depois da Copa, a nova ordem no futebol

A primeira Copa do Mundo que não teve pelo menos uma das quatro seleções mais famosas do planeta na final (Brasil, Itália, Alemanha e Argentina) terminou com o surgimento de uma nova grande força – e com sinais preocupantes de decadência para duas outras. Também adiou mais uma vez uma revolução há muito esperada: a ascensão dos africanos ao grupo das grandes seleções. A seguir, quem mais ganhou e quem mais perdeu no primeiro Mundial disputado no continente africano:

SOBEM:

A Espanha, campeã mundial, não conseguiu apenas sua primeira taça. Foi também uma vencedora de Copa com estilo próprio, que conseguiu conquistar o Mundial jogando de uma forma muito diferente das adversárias – o que promete influenciar outros times, sinal de que é, de fato, candidata a potência da bola. Atual campeã europeia e mundial, subiu ao primeiro escalão do futebol.

A Holanda, vice, apesar da nova derrota em finais – sua terceira na história -, provou mais uma vez sua força. Isso apesar de não ter trazido à África do Sul uma geração especialmente talentosa (já tinha vindo à Copa com equipes muito melhores, mas se deparou com gigantes como o Brasil e a Alemanha no caminho). Falta, ainda, o salto final, com a conquista do primeiro troféu.

O Uruguai dificilmente repetirá o desempenho deste Mundial nas próximas competições, pois foi bem mais longe do que seu time permitia sonhar. Mas a campanha sensacional e o quarto lugar conquistado na África recolocaram o nome do país bicampeão no mapa da bola. Ainda valorizaram jogadores que não tinham o reconhecimento que mereciam, a começar pelo Bola de Ouro Forlán.

NA MESMA:

O Brasil repetiu a campanha de 2006, com uma derrota nas quartas-de-final. Não foi uma total surpresa, pela forma que o time vinha jogando até aquele momento. A seleção mais vencedora da história segue com o mesmo desafio: conseguir se organizar para aproveitar totalmente todos os talentos que tem à disposição. E a missão terá de ser cumprida em casa, dentro de quatro anos.

A Alemanha trouxe uma novidade à África: um estilo de jogo mais leve, criativo e bonito de se ver. Influência de uma preciosa safra de jovens craques, essa mudança no jeito de jogar não deu o resultado esperado: como em 2006, a seleção caiu na semi. Não levanta um título há vinte anos. Precisa desencantar para alcançar o patamar da Itália – e sonhar em chegar no do Brasil.

As seleções africanas seguem com a mesma fama. São cheias de talentos individuais, mas não conseguem formar seleções campeãs, nem mesmo quando têm uma inédita chance de jogar em casa. Seus craques já disputam os campeonatos mais importantes do mundo, mas faltam organização e estrutura nas próprias federações locais. Continuam sonhando em alcançar uma inédita semi numa Copa.

DESCEM:

A França foi o grande fiasco do Mundial. Chocou os torcedores e especialistas ao apresentar um futebol paupérrimo, sem rosto nem organização, apenas quatro anos depois de chegar à final da Copa. Para completar, deu vexame com as brigas entre técnico, jogadores e dirigentes. Começa a dar pistas de que o título de 1998 e o vice de 2006 foram só milagres do supercraque Zidane.

A Itália, assim como a França, caiu logo na primeira fase, mas pelo menos teve comportamento digno – faltou mesmo futebol. Os italianos trouxeram à África do Sul uma equipe que mesclava jovens jogadores e remanescentes da conquista de 2006. Não deu o resultado previsto. Carece de boas revelações, mas pode estar atravessando apenas uma etapa de transição entre duas gerações.

A Inglaterra perdeu uma chance de ouro de se confirmar entre as grandes campeãs. Contava com um técnico experiente e famoso por ganhar a qualquer preço; tinha uma equipe cheia de astros no auge, como Rooney, Terry e Gerrard; caiu numa chave fácil. Não adiantou: foi atropelada pela Alemanha. Como a França, ela é uma ex-campeã que parece não pertencer ao primeiro escalão.

(Por Giancarlo Lepiani, de Johannesburgo)

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Powered by WP Hashcash

10 Comentários

  1. camila

    -

    22/11/2010 às 14:02

    e nao deu brasil!!!

  2. leao

    -

    15/09/2010 às 22:21

    e brasil paia perdeu para um fracote de holanda e deixou espanha vence a copa do mundo

  3. junior torcedor do uruguai

    -

    05/09/2010 às 16:27

    você diz que o uruguai DIFICILMENTE repetirá essa campanha… haha, isso tudo é medo do que a minha celeste olímpica pode fazer no maracanazo de 2014. admitam: o uruguai renasceu no futebol, queiram vocês ou não.

  4. João Carlos

    -

    01/09/2010 às 15:30

    O brasil não estava merecendo ganhar essa copa, tava jogando muito mal, já a espanha estava jogando de um modo diferente, como falou ae no texo, foi merecia, vamos ver em 2014, como a seleção do mano menezes vai ser sair !

  5. Antônio D"Acampora

    -

    19/07/2010 às 17:07

    Há muito tempo que a Espanha vem merecendo; tenho idade bastante para saber que, em 1962, a Espanha foi ROUBADÍSSIMA no jogo contra o Brasil, como também em 1978 (também contra o Brasil). Infelizmente, foi assim.

  6. Alejandro

    -

    13/07/2010 às 21:09

    A Espanha não somente entrou no rol das seleções campeãs mundiais, como também entrou no rol dos grandes times campeões mundiais. Ainda é muito cedo para ter esta percepção, mas com certeza a Espanha será lembrada como hoje são lembrados o Brasil de 70 e a Alemanha de 74, ou seja, timaços cheios de craques.

  7. Allyson Santos

    -

    13/07/2010 às 11:09

    Foi excelente a Espanha ter ganho essa Copa do Mundo. Exibiram um futebol excelente para ser copiado. Ainda bem que o Brasil não ganhou, o futebol só perderia com o estilo de jogar desta seleção.

  8. VALDI

    -

    12/07/2010 às 14:31

    Brilhante resumo…Obrigado dunguinha pela Seleção maravilhosa que vc nos proporcionou para África do Sul…

  9. Rafael Frizon

    -

    12/07/2010 às 13:35

    Isso é momentos,é fase,o Brasil deu certo de que essa fase ainda não passou,igual ao inusitado titulo da French em 98, e o vice de 06.Isso é uma geração,igual a de 2014 no Brasil,essa nova geração brasileira,que não vai ser diferente de anteriores,Uma seleção vencedora,com nosso técnico Leonardo.

  10. QQ

    -

    12/07/2010 às 9:21

    comungo

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados