Blogs e Colunistas

12/05/2010

às 16:51 \ Sexo

Só sexo

Tenho 25 anos. Minha vida sempre foi normal, cursei a universidade, consegui um bom trabalho e cresci intelectualmente. Tive bons namorados, mas de uns tempos pra cá as coisas estão mudando. Só me interesso por rapazes que nada têm a ver comigo. No começo, fantasio coisas boas. Depois, percebo que só querem sexo e os satisfaço. Sou uma fonte para eles. O problema é que eu busco o carinho nessas relações e não encontro. Saio, sou paquerada, mas não tenho vontade de ficar com ninguém. Volto para os antigos, com quem faço sexo sem compromisso e sem a necessidade de conquista. Isso já dura dois anos e eu não consigo mudar essa situação. Acho que só tenho sexo a oferecer e receber!!! Não consigo me abrir de nenhuma outra maneira para as pessoas. Me ajude.

A sua história me fez pensar na de Catherine Millet, cujo livro foi um grande sucesso. Nele, a autora conta que fez do sexo um refúgio para evitar olhares que a envergonhavam e diálogos para os quais não estava preparada. Diz que respondia a qualquer proposta e estava sempre disponível, “por todas as aberturas do corpo e em toda a extensão da consciência”. Cita no livro comentários de parceiros que eu reproduzo para clarificar a experiência dela:

- “Você nunca dizia não, não recusava nada.”

- “Você não era inerte, mas tampouco demonstrativa.”

- “Você fazia as coisas com naturalidade, nem reticente e nem obcecada.”

- “Na orgia, você era sempre a primeira a começar, estava sempre na proa…”

Como você, Catherine Millet  poderia dizer que só tem sexo a oferecer e receber, mas ela não usaria três exclamações no final da frase. Viveu a experiência dela com naturalidade por ter se reconhecido na cultura libertina francesa e ser uma heroína da libertinagem antes de ter se tornado uma heroína da literatura.

Acho que você usa as exclamações por dois motivos. Primeiro, porque nós não temos a cultura da libertinagem e a sua experiência te escandaliza. Segundo, porque a relação só de sexo não é o que você quer. Mas, se é como objeto sexual que você se apresenta e estabelece a relação, esta obviamente só pode se limitar a sexo.

Para sair da situação em que você se encontra, precisa descobrir por que só pode se apresentar como objeto do gozo alheio e não como quem deseja ser amada. Nessa posição, você precisaria oferecer a sua falta e teria que abrir mão do narcisismo.

Por Betty Milan

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

41 Comentários

  1. raissa

    -

    16/12/2011 às 15:33

    oi

  2. gabriela

    -

    16/12/2011 às 15:26

    oi eu queria fase
    sexo quem quer

  3. Andreia

    -

    10/06/2010 às 3:53

    Helbert:

    Acho que você não entendeu nada do que eu escrevi ou fingiu que não entendeu.

    Desde quando chegar à conclusão de que sexo casual não é para todos (ou pelo menos não para mim) implica “copiar um comportamento masculino”?

    Até entendo você ter criticado minha ênfase no quesito aparência e, sabe, acho que você tem razão quanto a isso: não posso definir minha feminilidade apenas por aí. Mas me acusar de copiar os homens?

    Acho que minha recusa em transar por transar, sem outro envolvimento mais, está mais de acordo com o estereótipo feminino, não?

    Sim, estereótipo, já que há muitas mulheres que curtem sinceramente sexo casual e homens que, sim, gostam de romantismo. Eu espero.

    E, me desculpe, mas aconselhar as mulheres a não conversar com os seus namorados sobre futebol ou política, pois eles têm “amigos pra isso”, é mais ou menos dizer que mulheres só servem pra transar, quer algo mais misógino?

    (by the way: a misoginia é um MAL, algo bem mais antigo que o feminismo, que, pelo menos, JÁ DEFENDEU algumas bandeiras bem legítimas – mas claro que há feministas insuportáveis, tipo essas que afirmam agora que a maternidade é “conspiração masculina”…).

    Quanto aos libertinos que aqui escreveram: admiro o desprendimento de vocês, a falta de sentimentalismo, etc.

    Talvez você sejam mesmo mais evoluídos, sério, e talvez o futuro esteja na libertinagem, na amizade, sei lá. Mas é muito chato tachar quem não pensa/age como vocês de hipócritas.

    Cada um sabe dos próprios limites.

  4. Van

    -

    02/06/2010 às 17:19

    A libertinagem da qual se fala por aqui, no meu entendimento, é causada pelo narcisismo. Todos nós somos em maior ou menor grau, narcisistas. Queremos ser desejados loucamente, admirados, queridos. O problema é quando isso se torna maior do que nossa capacidade de amar. Narcisismo + egoísmo = solidão. Pode ser que o narcisista não sinta o baque agora (pois é jovem, belo, vigoroso) mas o tempo passa e nenhum vínculo consegue florescer nesse solo arenoso.
    Sorte de quem sente o baque da solidão a tempo para ser coerente com os desejos do seu coração. Creio que a maioria das mulheres (e também dos homens) deseja amar e ser amado. Mas o narcisismo + egoísmo mascara essa necessidade vital. Ainda mais nos dias de hoje, em que o sexo casual, a libido e a beleza são moedas de troca nos relacionamentos, cada vez mais valiosas. Os poucos que conseguem sair dessa para buscar um relacionamento de verdade, têm a chance de experimentar um verdadeiro vínculo com outro ser humano.
    Espero que a consulente consiga. Abandonar o egoísmo é arriscado, difícil, nem todo mundo quer isso, mas para quem quer, vale a pena.

  5. Rosi

    -

    30/05/2010 às 21:45

    Para Daniele Maio 21, 2010 às 11:18:

    Ao ler o seu comentário me deu até uma ponta de inveja, sabe… Gostaria de ser como vc, ter esta “mente aberta” de tratar sexo como apenas sexo. Mas eu não sei ser assim não. Já até tentei ser, mas não consigo separar sexo de amor. A última vez que fiz isto me dei mal, acabei me apaixonando por uma pessoa que fui para cama e era apenas para ser apenas sexo, mas para mim não foi. Hoje sou apaixonada e ele apenas só quer de mim sexo e como sofro com isto.

    Às vezes dói saber que a pessoa que vc gosta não quer nada além de alguns encontros fortuitos. Hoje não cedo mais a estes encontros porque sei que vou sofrer muito. Alguns momentos de prazer com a pessoa amada não compensa a sensação de vazio e solidão que vem depois. Não queria migalhas do tempo e dos sentimentos dele, eu queria seu amor, mas não posso tê-lo. Infelizmente.

    Ainda bem que a gente aprende com os erros. Hoje não tento mais fazer sexo por fazer, esta atitude não é minha, mas admiro quem tem este desprendimento.
    Saiu um pouco fora do assunto do post, mas eu só queria desabafar… valeu obrigada…

  6. Helbert

    -

    26/05/2010 às 15:59

    “Em antropologia, a feminilidade se refere às características e comportamentos considerados por uma determinada cultura por ser associados ou apropriados a mulheres ou garotas. A feminilidade refere-se aos traços socialmente adquiridos e às características sexuais secundárias.”

  7. Helbert

    -

    26/05/2010 às 15:57

    Andréia,

    seu comentário dá margens a se pensar qual o significado da palavra feminilidade. A mulher é feminina por causa de sua aparência externa, de sua casca? Não ser magra, com cintura fina, deixa de identificar uma mulher como feminina? Ou será que a cópia dos comportamentos masculinos descaracteriza a feminilidade?

    Uma mulher bonita, que tenta se comportar como um homem, não fica menos feminina?

    Tentar se comportar como um homem, ou copiar o comportamento alheio, sempre terá um efeito patético. Um faroeste italiano nunca será um faroeste de verdade e sempre parecerá uma caricatura. Uma drag queen sempre é uma caricatura.

    Faltou a citação de alguma característica do conteúdo. Você deve ter uma bela forma, ninguém quer discutir isto.

    Por fim: a palavra misoginia compõe o vocabulário das feministas. Sujo (feminista) falando do mal-lavado (misógino).

  8. antonio

    -

    24/05/2010 às 13:42

    só sexo é bom demais,chega de falsos moralismo,de culpa judaico cristã,quem pode quem se banca emocionalmente tem sim que ter prazer,conheço sim homens e mulheres livres no sexo,são os melhores amigos,te ouvem,te respeitam e te abre os olhos quando voçe quer fazer uma besteira quando descobre uma traição, moça seja feliz com certeza quando voçe realmente amar e querer ter uma familia não vai por qualquer coisa se vitimizar como o resto das mulheres,e seu marido com certeza não vai comer fora como a maioria que te condena.

  9. Daniele

    -

    21/05/2010 às 11:48

    Me identifiquei muito com a história que lí agora. Desde o início da adolescência sempre fui muito desejada pelos homens. Sempre tive um corpo bonito, sempre fui magra porém com seios, quadris, tudo no lugar, sem narcisismo sei q atraía olhares de todos os homens que por mim passavam, porém eu não via maldade alguma nisso.Comecei vários relacionamentos com a inocência de que os rapazes queriam o amor, pq eu queria o amor. Depois de algumas frustrações (um dia me perguntei: será que nasci pra ser amante?), essa inocência foi se perdento, fiquei mais realista e comecei a levar a coisa com mais otimismo, passei a entender melhor os homens, o sexo sem compromisso… e hoje, acho maravilhoso o fato de ter vários homens na cama, de não me prender a um só, de ser desejada loucamente por um homem a ponto de encontrá-lo em uma festa com sua namorada e ser abordada por ele num canto dizendo que queria levá-la embora para terminar a noite comigo. Gosto da idéia de que alguns até perdem a noção do perigo tamanho é o seu desejo por mim. Por um tempo achei que isso fosse alguma necessidade de auto-afirmação, narcisismo… depois, Lendo Madame Bovary me identifiquei, descobri uma forma muito gostosa de levar a vida sentimental (sim, a libertinagem tem muito de sentimental), e sexual tb claro. Hoje não me frustro com os homens achando que eles são cachorros, que ficam de papo agradável só pra me levar pra cama e depois nem mesmo ligam pra saber se estou bem… não me faço vítima pq hoje é isso que eu procuro tb, olho num rapaz e costumo brincar que “penso como homem” pq eu o desejo brutamente, penso no sexo, penso em “comê-lo” apenas. Se à partir disso algo acontecer e algum relacionamento sólido surgir, será somente por consequência, por conhecidência de muitos fatores entre eu e ele.
    Não que hoje eu leve uma vida promíscua e tenha um homem por noite, não que eu não queira um dia namorar, casar e ter uma vida “padrão”. Sim, eu quero. Só que no momento, o sexo pra mim tem sido diversão e ao invés de ficar sempre me sentindo uma vítima de caçadores, passei a caçar, e mais que isso, a trocar… trocar prazer, experiência… descobrir meu próprio corpo e outros corpos, ser feliz no sexo libertário. Um detalhe é que é preciso encontrar pessoa tão maduras quanto eu pra ter esse tipo de vivência, homem machista não rola. Sou amiga de muitos dos rapazes que saí, muitos me adoram, me acham divertida e “cabeça aberta”… tenho grande carinho por um deles, que conheço há 10 anos e além de sermos muito amigos, também somos tarados um no outro…. mesmo ele namorado agora, ainda saímos, conversamos horas, atualizamos as novidades de nossas vidas e claro, dormimos juntos. Existe sim uma forma muito gostosa de levar a vida sexual sem compromisso. Será que a consulente tb não deveria procurar saber mais sobre a libertinagem? Afinal, eu particularmente penso que a libertinagem é um dom que pertence a poucos, não se aprende, é instintinva…. E pelo que vejo, a leitora tem pontos notáveis dessa essência.

  10. Andreia

    -

    21/05/2010 às 3:05

    Em tempo: detesto misóginos em geral (esses que acham que não devem conversar sobre política ou futebol com a namorada cabeça de vento), mas do Nelson Rodrigues eu gosto.

    E, JVRS: gostei muito do que você escreveu… para mim, a alma masculina é que é o grande mistério, acho que porque os homens são mesmo obrigados a fingirem demais… então foi bom ler o teu remarque.

    Legal o que escreveu, Carolina

  11. Andreia

    -

    21/05/2010 às 2:54

    Nossa, Helbert.

    Então é esse meu diagnóstico: sou árida, chata, vazia e pouco feminina?

    Bom, com certeza, mesmo que eu quisesse, não dava pra eu deixar de ser feminina: tenho cintura muito fina, cabelos longos, adoro salto alto, não dá.

    Quanto ao resto das qualidades negativas que vc viu em mim: apenas cheguei à conclusão de que sexo casual catalisa minha solidão e que os homens – muitos mesmo – infelizmente não querem envolvimento emocional, somente sexo.

    Entre estar com um misógino e estar sozinha, ando preferindo a última opção.
    Se surgir alguém bacana – não precisa ser realmente um encontro de almas, mas apenas um cara decente, honesto consigo mesmo, com um mínimo de ética – ótimo. Se não, paciência.

    Talvez eu esteja desencantada com o sexo masculino, admito, e bem cansada de misóginos, mas não sou a bruxa que você gostaria que eu fosse.

    E minha constatação de que sexo por sexo não é bom para todos – ou pelo menos não é bom sempre para todos – ou pelo menos não é bom para mim! – é compartilhada por Nelson Rodrigues, que já dizia que “sexo, sem amor, é a pior solidão”.

  12. Carolina

    -

    19/05/2010 às 13:31

    Helbert,

    Não se incomode com meu longo discurso.

    Eu confesso que não gostei da forma como você se expressou, mas vou respeitar sua opinião.

    Tenho minhas reservas com relação a ideia de que o valor de uma pessoa ou de uma mulher é dado pelo fato de ela estar casada ou solteira, namorando ou não. Pela forma como você escreveu, parece que são os homens que determinam o valor de uma mulher, pois, as acompanhadas são as “melhores”, ” “as não chatas”, “as não vazias”. Mas isto é só uma forma de ver as coisas.

    Eu não me acho melhor do que ninguém por estar namorando, como eu não me sentia pior do que ninguém quando não estava. Eu encontrei alguém e alguém me encontrou. Foi só isto. Durante meu tempo de solteira, eu dispensei muitas propostas ruins. Eu também escolhi, afinal eu tenho meu valor e para estar acompanhada só pelo título, achei melhor ficar sozinha. Confesso que não é fácil ficar sozinha quando você prefere estar junto, mas são coisas da vida. é melhor aproveitar o que a vida te dá do que lamentar pelo que você queria que ela te desse.

    Receio que esta ideia de que estar sozinho seja consequência de alguma falha pessoal, alimente comportamentos patológicos. Minha impressão é que há muitas mulheres assumindo a culpa exclusiva por estarem sozinhas, acreditando que a razão é que elas não são boas o suficiente (!?). E a maioria faz isto de forma inconsciente. Na tentativa de se adequar, muitas caem no engodo do sexo casual em busca de relacionamentos ou para anestesiar a solidão. São mulheres que se machucam e demoram a perceber o quanto se machucam. São vítimas delas mesmas, da própria falta de amor próprio e auto- estima. Uma pena!!!

    A consulente é jovem,mas percebeu isto rápido. Ponto para ela. Conheço mulheres de 35 anos que não perceberam ainda e continuam sofrendo sem admitir o problema. A Andreia foi direta e pragmática. Teve empatia com o caso. Foi um pouco pessimista, mas deu boas dicas para consulente: ela não está sozinha neste barco e se sexo casual não é a praia dela, é melhor ela cair fora. Foi exatamente o que eu pensei quando li o caso. Só iria acrescentar calma e paciência. 2 anos sozinha pode parecer uma eternidade agora, mas, não é. Vai surgir alguém legal que vai não só olhar mas vê-la, gostar dela pelo o que ela é. Aproveite este tempo para crescer mais profissionalmente, formular novos projetos, viajar bastante, sair, curtir as amigas e as brincadeiras. Ser completa sozinha, feliz consigo mesma, se tratar bem. A consulente é muito jovem e este tempo não volta. Estar sozinha também tem muitas vantagens, mas normalmente a gente só percebe quando já está acompanhada.

  13. Helbert

    -

    18/05/2010 às 23:25

    Carolina,

    Você escreve demais e é redundante. Se falar da mesma forma, talvez estas sejam boas explicações para as dificuldades com relacionamentos. Não é que há poucos homens no mercado. É que eles também escolhem bem. Não toleramos qualquer uma e não nos unimos àquelas mais chatas e vazias.

    Ah, e é bom lembrar: homens heterossexuais gostam de mulheres, geralmente que mantenham as características da feminilidade.

  14. Fabio FD

    -

    17/05/2010 às 23:13

    Querida Betty!
    Posso te chamar de senhora ou você?
    Sempre educada, sempre sabia e escolhe muito bem as palavras! Mas às vezes as pessoas não se tocam às vezes as pessoas fingem que não lhe entendem por um motivo muito simples.
    Ou dois; Ou essas moças não sabem realmente o que querem dessa vida, dando muito importância a que as amigas dizem, as fantasias mais maravilhosas das outras mulheres, então procuram pelo em casca de ovo! Ou; A mulherada ta querendo chutar o pau da barraca e não ta tendo coragem! Elas querem ser iguais aos homens, espero que queiram ser iguais nas coisas boas não nas ruins…
    Pois terninhos elas já usam! Como diz Reinaldo Azevedo; Fui muito sutil?

  15. Sofia

    -

    17/05/2010 às 17:30

    Há pessoas que passam a vida inteira à base de pão e água, sem se dar conta.
    Posicione-se firmemente, mais atitude! Qual será seu cardápio daqui pra frente?

  16. Carolina

    -

    17/05/2010 às 14:28

    Helbert, você foi grosseiro com a Andreia. Ela não atacou ninguém e a opinião dela, pelo menos para mim, foi sensata e ponderada. Não entendi qual foi a parte do que ela escreveu que te ofendeu tanto e porquê te ofendeu.

    Bem, eu concordo com a Andreia. Não tenho nada contra uma pessoa que opte pelo sexo casual. É uma opção tão lícita quanto quem opta pelo sexo com compromisso e sentimentos. No entanto, sexo casual não é para todos. O problema é que parece existir uma grande pressão pelo sexo casual reduzida a um senso comum que repete incessantemente o mantra: ” sexo não tem nada a ver com amor”. E se você não concorda? E se você acha que sexo só é gostoso quando há amor e cumplicidade? E se você se sente vazio em relacionamentos que não ultrapassam a barreirra do físico? Como disse alguém aí embaixo, a imposição do comportamento sexual libertino, sexo por sexo, beira a tirania social. É a ditatura da libertinagem. Quem não adota ou não defende esse comportamento é taxado de anormal, moralista, puritano, ruim de cama e até
    de encalhada(?!). Não entendo. Passamos de um extremo para o outro: primeiro uma intensa repressão sexual e agora uma exagerada libertinagem sexual. Nos dois extremos, ficam de fora a liberdade de escolha, o respeito pelo outro e a tolerância.

    No mais, concordo com a Andreia, realmente hoje é muito dificil encontrar um homem que queira compromisso, que queiram viver uma relação integral. A grande maioria dos homens só querem sexo. E antes que alguém diga que eu sou mais uma encalhada falando, eu esclareço que tenho namorado. Entretanto, eu não acho que estar solteira ou sozinha seja uma falha de caráter, que depõe contra a pessoa ou que a torna”superficial”, como o Helbert supôs quando usou a qualificação “encalhada”. Da mesma forma não concordo que uma mulher é boa e profunda só porque tem um homem a seu lado. Estado civil só é um dado da estória pessoal de cada um.

    Antes de encontrar meu namorado, passei alguns anos sozinha e tive a mesma percepção que a Andreia e uma boa parte das mulheres que conheço tem: a maioria dos homens só quer sexo. Se é só para sexo, sobram homens e propostas, independente das nossas qualidades e defeitos. As mulheres que só querem sexo e estão bem com o sexo casual, devem estar passando mutio bem. Rs.

    Infelizmente, para mulheres que querem compromisso está díficil mesmo encontrar alguém. E não importa se você é uma mulher bonita, inteligente, bem sucedida, educada, articulada, tímida, extrovertida, rica ou pobre. Está difícil para todas. Estar sozinha ou acompanhada não tem sequer relação com qualidades ou defeitos. Tem relação unicamente com encontrar alguém que te aceite como você é, pois, para haver uma relação é necessário a conjução de vontade de duas pessoas, não basta os esforços de apenas um lado.Conheço mulheres sensacionais e mulheres não tão sensacionais sofrendo de solidão, bem como conheço mulheres fantásticos e mulheres de carater duvidoso acompanhadas. Da mesma forma, eu nunca achei que a dificuldade de encontrar uma pessoa fosse por algum defeito meu, ou por supercialidade, ou, menos ainda, que eu deveria estar sempre disponível sexualmente para ter um relacionamento. Pelo contrário, eu sempre pensei que quem viesse a ser meu companheiro, deveria gostar de mim e me aceitar como eu sou e vice e versa. Dispor-se a aceitar o outro como ele é é difícil. Exige generosidade e despredimento e está na contra- mão do individualismo e do imediatismo de hoje. Isto dificulta o estabelecimento de relações humanas verdadeiras e, as vezes, é mais fácil mesmo cair na armadilha do sexo casual que só é uma armadilha para aqueles que, por carência, buscam um relacionamento no sexo sem compromisso. É nesta hora, que o sexo casual, como bem disse a Andreia, catalisa a solidão. Sem amor e sem compromisso, eu prefiro me abster de sexo. É uma opção minha, que me deixa melhor comigo mesma e não me torna nem melhor, nem pior do que quem opta pelo contrário.

    E não importa, se você é bonita, inteligente, bem sucedida,religiosa, ateia, tenha bom carater, boa educação. Não é fácil encontrar o outro. Tenho diversas amigas sensacionais e que estão sozinhas e tenho outras amigasÉ díficil mesmo encontrar algum que queira compromisso. Longe de achar que é um problema da mulher Se os seus amigos emendam um realcionamento em outro é porque eles querem compromisso..

  17. Dr Renato

    -

    16/05/2010 às 21:38

    O que a Catherine Millet fez e relatou em seu livro é claramente patológico, procure no Manual de Psiquiatria DSM-IV o desvio de conduta dela. É um absurdo classificar como libertinagem, como se isso fosse aceitável só porque faz parte da cultura francesa (não faz, é uma invenção literária de outros sociopatas como o Marquês de Sade). Tanto é patológico que a coitada ficou arrasada psicologicamente quando o maridinho corno dela resolveu retribuir, dormindo com outras mulheres. Quando ela fazia o mesmo (ou pior, com certeza), ela achava legal. Que despropósito!
    A consulente está com um desvio de conduta, que não vai teminar bem, né? Um dia ela vai ainda apanhar, ou coisa pior, de um machão mais despeitado. Ela está é precisando de um psiquiatra. Ou de fazer uma moratória sexual e começar a desenvolver alguns amores platônicos.

  18. Ana Day

    -

    16/05/2010 às 21:29

    Sexo é uma coisa natural. Todo mundo quer. Me parece que quando você constata que eles só querem isso é na verdade o momento que você vê que ele não corresponde à sua fantasia, que nada mais é do que projetar o seu homem ideal em cada homem que conhece, algo comum, embora não ideal. Como você mesma disse, você volta aos antigos namorados, pois não há necessidade de conquista, o que ao meu ver corresponde à fase de conhecimento. Com medo do novo e das possíveis decepções você volta à zona de conforto, ou seja, o sexo sem afeto. Considerando a sua idade o e fato de você já ter se dado conta do seu comportamento repetitivo, eu diria que você está indo bem. Basta freiar o lado sexual e só soltá-lo se perceber que ele tem a ver com você ou descartá-lo e recomeçar. Quem busca ajuda profissional está mais próximo de ser feliz. Escute B. Millan.

  19. Beto

    -

    16/05/2010 às 20:48

    Você diz que sua vida sempre foi normal porque cursou faculdade,conseguiu um bom trabalho e cresceu intelectualmente? Depende muito do que você acha “normal”. Você diz que teve bons namorados, mas que agora as coisas estão mudando. É lógico que estão mudando inclusive você.
    Por que agora você só se interessa por rapazes que não têm nada a ver contigo? Eles somente querem fazer sexo com você? Mas é você que se submete a esta situação. Você acha que eles não percebem sua disponibilidade? Com certeza muitos rapazes se aproximaram de você querendo manter um relacionamento até duradouro, mas logo percebem que sua meta é apenas algumas horas de sexo e prazer. Naturalmente você generaliza achando que todos os rapazes se aproximam apenas com intenção de levá-la para a cama. Têm muitos rapazes na mesma situação que a sua, encontrar uma garota carinhosa, etc., etc. (Há!!!! novamente as eteceteras). Apesar, como você diz, do seu crescimento intelectual achar que somente tem sexo a oferecer e receber, não seria aconselhável esperar crescer mais um pouco? Pense nisto.

  20. Juliana

    -

    16/05/2010 às 15:44

    Tem um ditado popular que diz que “figurinha repetida não completa álbum”. A confidente repete um comportamento sexual, mas no fundo quer carinho. Está na hora da confidente ir em busca da figurinha faltante para completar o álbum de sua vida. Cabe aí uma reflexão, olhar para dentro de si mesma. Talvez a figurinha que falta na vida da confidente seja simplesmente dizer : Não!

  21. Tania Santos

    -

    16/05/2010 às 11:00

    Acredito que o dia que voce verdadeiramente nao desejar ter apenas relacionamentos sexuais
    colocara um ponto final nessa situacao.
    Voce esta aproveitando tanto quanto os homens com quem se relaciona eles massageam o seu
    ego, mas eh tudo superficial e voce nao esta feliz.
    Seria interessante descobrir o que verdadeiramente a faria feliz e concentrar-se nessa busca.

  22. Nina

    -

    15/05/2010 às 21:31

    Eu gosto dessas referencias aos libertinos, vivemos num pais de libertinos enrustidos, o local mais visitado na cidade de Pompéia, cidade que sucumbiu no ano 79 AD, a uma erupção vulcanica no sul da Itália, é justamente o lupanar, local onde se fazia sexo pago, porque será?
    Conheço pessoas que estão num relacionamento estável, uma linda família, tudo certo, e sexo muito raramente, e também não estão felizes.
    Cada pessoa haverá de encontrar o seu caminho, se isso te incomoda, então mude de comportamento, só vai saber se experimentar.

  23. Paulo

    -

    14/05/2010 às 15:35

    Você precisa de um amor. O que você vai fazer com ele? Colocá-lo em uma estante para admirar tua conquista ou a tua expectativa ou de outrem?
    Encha-se de coragem para buscar a tua felicidade, o teu prazer de viver. Reflita.
    O amor é que vai precisar de você. E, em um momento, você vai vivê-lo de surpresa.

  24. Clara

    -

    14/05/2010 às 13:47

    Recado para “JVRS”: já disse e repito, você é uma pessoa interessantíssima. Sorte de quem tiver você por perto.

  25. mira

    -

    14/05/2010 às 12:11

    parece que felicidade é algo tão abstrato, tão etéreo, que as pessoas nunca enxergam ou nunca alcançam. Na verdade, ser feliz é estar de bem consigo mesmo, curtindo as atividades que são mais prazeirosas, ou pelo menos as que não são tão prazeirosas, mas obrigatórias, colocar um pouco de imaginação para suporta-las. A vida é o presente, o hoje.
    Parece que, hoje em dia, as pessoas querem fazer isso ou aquilo porque a mídia as obriga. Então se médicos ou pesquisadores afirmam que é preciso ter sexo pra se ter saúde, todo mundo fica pirado se está ou não tendo sexo suficiente, como se isso fosse obrigação. Não é. Fazer sexo porque a mulher se tornou livre do moralismo, é adotar outra postura de tirania social. Assim, é preferível se abster de sexo do que simplesmente fazer sexo por fazer, e depois sentir um imenso vazio, porque foi a coisa mais mecãnica do mundo. Ao inves disso, vá dançar, fazer teatro, estudar piano, sair e rir muito com os amigos, contar piadas e ouvir tambem. Na boa: ser independnente não tem nada a ver com dispor de parceiros disponíveis a ter sexo sem compromisso.
    Tenha compromisso com voce mesma

  26. Zombie

    -

    14/05/2010 às 9:05

    Libertinos, libertinos, libertinos.

    Engraçado que se você os critica, você é o moralista. Só acho uma coisa: Pessoas que REALMENTE não querem ser amadas, respeitadas, cuidadas, etc
    Não é natural. Isso é por causa de algum problema que causa bloqueio e tal.
    No caso dessa moça, ela achou que poderia viver sem isso, mas viu – com o tempo – que não.
    Se ela realmente quer ser “levada a sério”, ela precisa SE IMPOR. Não vai ser mandando a mensagem de “Eu só quero sexo” que as pessoas vão advinhar que ela quer mais que isso. E convenhamos, muitas pessoas passam essa idéia achando que conquistam.
    No final, falta ela alinhar o que ela QUER com o que ela PASSA. Um dos pré-requisitos para felicidade se chama coerência entre atos e desejos.

    Tem gente que acha esse equilibrio virando moralista. Tem gente que acha esse equilibrio indo pro swing, mas tendo um parceiro fixo em casa. Depende muito. E não cabe a nós julgar.
    Mas se ela está infeliz, TEM que ao menos TENTAR mudar. E não simplesmente “deixar o moralismo de lado”, acho que a coisa é mais complexa que isso. Acho que todos precisam de amor, respeito. Até mesmos os libertinos. A diferença é que alguns se esforçam para isso. Outros desistem. E outros fazem as coisas de forma desconexa. Só isso.

  27. JVRS

    -

    13/05/2010 às 20:18

    Acho que você está enganada quanto aos homens só quererem saber de sexo. Esse é um engano comum. Homens gostam de sexo, como as mulheres também, e a falta de interdições da moralidade tradicional a que homens desfrutem do sexo casual facilita as coisas nesse sentido, mas homens também são carentes e também padecem vítimas da solidão e do “dever” de cumprir o estereótipo do macho conquistador e forte – e, portanto, sem abertura para sentimentos que vulnerabilizam como o amor. Arrisco até a dizer que a interdição nesse caso é, ironicamente, contrária: homens apaixonados e que demonstram seus sentimentos são identificados como fracos. O problema é que muitos homens são, sim, sensíveis. Você pode não estar sabendo ler os homens, identificar os disfarces atrás dos quais cada um esconde suas (muitas) carências; esses disfarces podem ser difíceis para uma mulher identificar, mas são às vezes até bem óbvios. Conselhos não valem nada, mas passe a atentar para isso e você se surpreenderá. Tente descobrir nos homens a brecha por onde você vai penetrar e tocar no íntimo deles – todos têm essa brecha. Só tente não ser maternal, protetora, possessiva, etc, etc… O segredo é você estar bem consigo mesma, sem ansiedade ou medo e sem demonstrar à busca de uma tábua de salvação; passe isso para o seu homem, essa sua confiança, e tente tocar os sentimentos dele com carinho, naturalidade e humor – você vai ver que, fazendo ele se sentir seguro também, não apequenado na sua masculinidade, ele abre o coração dele um pouco mais e vai ficar encantando por ter uma mulher com quem ele não é obrigado a ser o machão performático o tempo todo. Mas lembre-se sempre: não o eleja a sua tábua de salvação, tenha humor para rir das ironias do amor e da vida, senão você dramatiza demais e isso não é bom.

  28. Helbert

    -

    13/05/2010 às 20:03

    Consulente e Andréia: o problema é com vocês, não é com os outros. Se a vida fosse do jeito que vocês dizem, mesmo, ninguém mais namoraria ou conseguiria relacionamentos estáveis. A vida de vocês é assim. Vocês duas parecem muito superficiais, suas relações são muito superficiais. Não toleram e não cativam coisas mais arraigadas e duradouras.

    Olha só, todos os meus amigos têm namoradas. Terminam um relacionamento, emplacam outro. Nunca vi tanto casamento quanto os que acontecem em minha cidade.

    Mas sempre houve e sempre haverá as encalhadas. Não por falta de beleza. Por falta de conteúdo. O problema, muitas vezes, é a aridez interior.

    Mais uma: esqueçam o feminismo. Se o homem quer conversar sobre futebol ou política, procura os amigos, mais competentes nestas áreas.

  29. Just-for-fun

    -

    13/05/2010 às 19:31

    Pois é, ao longo da nossa vida colecionamos, muitas vezes sem nem questionar, desde a nossa infância verdades e inverdades, seja dogmas, crenças, superstições, costumes, tradições e teorias sentimentais vulgares. Em outras palavras um monte de cacarecos que funcionam como filtros mentais pelo qual vemos o mundo assim filtrado.
    Ao afirmar que: “Minha vida sempre foi normal, …e cresci intelectualmente.” não seria apenas esse “normal e crescimento intelectual ” a sua concepção dentro deste seu filtro mental?
    Se assim constatar seria interessante começar pela faxina do seu “filtro intelectual” para buscar um horizonte mais amplo out of your small box e verá que é fácil pegar a rédea da sua própria vida.

  30. Ameríndia

    -

    13/05/2010 às 15:57

    Também senti uma pontinha de narcisismo…

  31. ademir

    -

    13/05/2010 às 15:26

    porque o sexo livre encomoda tanto a consulente,e tambem algumas pessoas,uma postou que os homens só querem se dar bem e dai,ninguem é obrigado a casr,ter filhos e jurar amor eterno,ha homens que tambem se sentem assim a respeito das mulheres qurem uma máquina de sexo,que as amem esclusivamente e que ainda as sustentem,a para o.

  32. Garabet Kissajikian Jr

    -

    13/05/2010 às 14:16

    Me ajude, para aumentar sua liderança?…

    Vc já tem um ótimo marketing muito competitivo – “transe comigo, satisfação garantida…” o lance é ser a rainha da satisfação do Outro, o retorno traz um status e tanto!

    Sua estratégia de só se interessar por rapazes que têm tudo a ver contigo é excelente, garanto que são uns gatinhos, bons de cama, e olhe que eles não escolhem “qualquer uma” não, mas apenas “aquela” que pode satisfazê-los! Pois eles também só têm sexo a oferecer e receber!!!

    Um luxo!!!
    Poucas conseguem um relacionamento perfeito assim, parabéns…

    Pra que buscar carinho? Pra que se abrir de outra maneira para as pessoas?
    Isso é complicado, é trabalhoso, envolve a necessidade de conquista, comprometimento, preocupação com o outro, é um saco mesmo.
    O bom é sair, ser paquerada, e poder se dar ao luxo de não ficar com ninguém…
    Num esquenta, afinal vc sempre poderá voltar para os antigos (repetição), com quem faz sexo sem compromisso…

    Me ajude! Mais???
    Deixe um pouco pras outras…

    Garabet Kissajikian Jr.(garabet@terra.com.br)
    TWITTER: http://twitter.com/Garabetkissa

  33. Eleni

    -

    13/05/2010 às 13:12

    CARA CONFIDENTE, SE VOCE TIVESSE FELICÍSSIMA, DIRIA QUE PUDESSE CONTINUAR ASSIM, FOCADA EXCLUSIVAMENTE NO SEXO. MAS É ÓBVIO QUE ESTÁ FALTANDO ALGO QUE LHE COMPLETE, SENÃO… NÃO ESTARIA QUESTIONANDO. PERGUNTO: ESTE NÃO É O MOMENTO DE VOCE BUSCAR NOVOS VALORES PARA SUA VIDA? COMO POR EXEMPLO: AMOR PRÓPRIO, AFETO, RESPEITO E ASSIM, SENTIR-SE NUM NOVO PATAMAR ? PENSE NISSO. BOA SORTE!

  34. camila

    -

    13/05/2010 às 13:03

    A Betty sempre toca na tecla dos libertinos, quem acompanha a coluna bem sabe! Porque não abordar mais o outro lado da questão, a posição da moça de se apresentar como objeto sexual, o que seria mais interessante para ela e para o leitor, uma vez que já estamos cansados de saber sobre a cultura da libertinagem, citada em muitas colunas.

  35. NELIO KAVA

    -

    13/05/2010 às 11:25

    EU NÃO ACHO QUE AS TRÊS EXCLAMAÇÕES FORAM USADAS POR ELA ESTAR ESCANDALIZADA OU INSATISFEITA COM A RELAÇÀO ATUAL, MAS SIM PARA DESTACAR QUE ELA NÃO SÓ OFERECE O SEXO, MAS TAMBÉM RECEBE; SABE, AQUELA HISTÓRIA DA MULHER SER USADA, “SE APROVEITARAM DE MIM” AS EXCLAMAÇÕES SÃO NA VERDADE UMA FUGA, “SE APROVEITARAM DE MIM, MAS EU TAMBEM ME APROVEITEI”, “EU NAO FUI USADA EU USEI… ” E ASSIM CONTINUAR NESSA INSASTIFAÇÃO SATISFATÓRIA. TEM UM TRECHO DE UMA MÚSICA DO RAUL QUE ACHO QUE ERA MAIS OU MENOS ASSIM: “CONVENCE AS PAREDES DO QUARTO E DORME TRANQUILO, SABENDO NO FUNDO DO PEITO QUE NÃO ERA NADA DAQUILO.”

  36. Tatiana

    -

    13/05/2010 às 11:08

    Poxa, de novo uma história de mulher que é doida por sexo? E eu aqui achando que o normal seria o contrário… É o que dá medir os outros por nossa régua.

  37. RAFAEL

    -

    13/05/2010 às 10:34

    OLHA OQ Q BETTY FALOW FAZ SENTIDO.

    POREM POSSO ACREDITAR QUE VOCÊ NAO ENCONTROU AINDA O RAPAZ QUE LHE DARÁ O CARINHO QUE VOCE NECESSITA.

    O CARINHO QUE VOCE QUER PODE SER DIFERENTE DO CARINHO QUE OS HOMENS ESTAO ACOSTUMADOS A DAR PARA AS MULHERES.TENTE VISUALIZAR ISTO EM VOCE TAMBEM, PODE SER UM CAMINHO.

  38. João

    -

    13/05/2010 às 9:36

    Achei a sua colocação muito superficial, acho que não acrescentou em nada, apenas mais uma metafora.

  39. Andreia

    -

    13/05/2010 às 3:50

    Nada contra uma mulher transar por transar, se é o que ela realmente quer, se sente prazer e se não está se machucando com isso.

    Mas parece que você está se machucando com isso, ou seja, precisa entender por que está agindo assim, se não se sente bem. Se quer carinho, um namorado, alguém que goste de você, um relacionamento, por que se ‘conforma’ com sexo sem compromisso?

    Acho que a Betty fez certo em apontar um conflito aí, bem como o narcisismo intrínseco a essa história de “ser objeto”…

    Agora, cá para nós, os homens também não estão fáceis… uma boa parte (grande) só quer sexo mesmo…

    caras que querem um relacionamento, qualquer coisa a mais que sexo, estão escassos. .

    e a gente, como é idiota, dá com aquela ponta de esperança de que o rapaz queira algo mais sério. Claro, a gente sente prazer, mas sempre fica a porcaria da esperança, não adianta. Eles sabem disso, mas não se incomodam, nem um pouco, em nos esquecer no dia seguinte ou só nos ligar de novo quando precisam de sexo, invariavelmente com uma desculpa esfarrapada.

    Acho que você é que nem eu no aspecto: sexo casual não te satisfaz, porque não é o que vc quer.

    Ah, eu queria ser esse tipo de mulher que fica bem com sexo casual, que não se sente uma idiota completa no dia seguinte, mas não consigo.

    pensando bem, vai ver nem você, nem eu temos um problema psíquico, sabe? VAI VER APENAS TIVEMOS O AZAR DE NASCERMOS EM UM TEMPO EM QUE O SEXO SE TORNOU TÃO FÁCIL QUANTO OS RELACIONAMENTOS SE TORNARAM DIFÍCEIS.

    Quem sabe no futuro não consigamos unir liberdade e fraternidade, liberdade e inteligência, liberdade e amor?

    Por enquanto, minha cara, é isso aí: estamos cada vez mais sozinhas, sinto te informar, porque os homens (quase sempre em menor número que as mulheres nas grandes cidades) estão curtindo adoidada… com mulheres carentes, mulheres que fingem pra si mesmas que curtem também, mulheres que curtem mesmo, whatever. Fato é que eles estão ocupados demais com sexo pra quererem se relacionar, comprar florzinha pra namorada, cartão, passear de mãos dadas, conversar. E quando fazem isso, quando entram em um relacionamento, muitas vezes não conseguem deixar de trair.

    Enfim, por enquanto, a vontade que dá é de desistir deles.

    Ou ficar que nem você: fazendo sexo por sexo com o coração partido – o que é outra forma de desistência, não é mesmo? Acho que até pior, porque é desistência de si mesma.

    Eu decidi que prefiro estar só. Para mim, sexo casual catalisa a solidão.

    Mas, enfim, tomara que você consiga encontrar alguém que goste de você e que preste, no meio desse deserto.

  40. diana

    -

    12/05/2010 às 19:02

    talvez voçe na realidade não esteja ainda pronta para conheçer alguem e ter um relacionamento onde inclui sexo mas não só ele,preferindo voltar aos antigos que na realidade não te interessam a não ser para o prazer momentaneo,te incomoda o que? dar prazer e ter prazer somente sexual,ora deixe o falso moralismo de lado o que te incomoda de fato é agir diferente da maioria ou melhor do que a maioria predica e certamente não pratica.

  41. Eleni

    -

    12/05/2010 às 18:43

    CARA CONFIDENTE, SE VC TIVESSE FELICÍSSIMA, DIRIA QUE PUDESSE CONTINUAR ASSIM, FOCADA MAIS NO SEXO POR SATISFAZER DE CERTA FORMA, MAS É EVIDENTE QUE FICA FALTANDO ALGO, SENÃO…NÃO ESTARIA QUESTIONANDO. PORTANTO, NÃO É O MOMENTO DE VC BUSCAR UM NOVO VALOR PARA SUA VIDA ? O AMOR PRÓPRIO, O AFETO RECÍPROCO, RESPEITO E ASSIM SENTIR-SE NUM NOVO PATAMAR? PENSE NISSO. BOA SORTE!

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados